Capítulo 6 – Acreditando em Destino

Assim que o sol terminou de nascer e fez-se o dia, Vitoria sentia o peso da noite em claro e o pânico de ter que ir trabalhar sem ter dormido nada. Foi tomar café da manhã com Eric. Seguiram conversando. Finalmente conversavam, depois de dois encontros que tiveram em que os beijos substituíram completamente as palavras. Entre assuntos aleatórios Vitoria falou sobre a sua família, sua empolgação com o que acontecera recentemente no trabalho, sobre sua ida para o fashion week de Paris, sobre suas ambições de carreira. Enquanto Eric falava do seu grande momento profissional, sobre os planos para o trabalho e nada sobre a família. Já perto das 9h ambos precisaram ir para compromissos de trabalho.

– Foi um prazer reencontrar você e assistir a esse lindo nascer do sol na sua companhia. Disse Eric se despedindo. – E queria dizer que temos trabalhos a terminar.

– Foi um prazer para mim também. De que tipo de trabalho está falando?

– Você sabe muito bem. Quero seu telefone. Quero ter um encontro de verdade com você.

– É tentador, mas prefiro deixar nas mãos do destino. Gosto da forma como o destino vem nos colocando um no caminho do outro de maneira totalmente inusitada.

Ele ficou surpreso e achou a proposta dela bem divertida. Ela sabia que ele estava de caso com uma super top model e ela mesma não estava pronta para levar nada a serio com ninguém principalmente depois de ter se declarado para o José.

– Você é engraçada. Gosto disso. Não acredito em destino, mas as ultimas evidencias me fazem repensar o ponto. Vamos jogar para o universo então.

– Boa! Preciso ir. Obrigada pelas últimas horas. Foram realmente deliciosas. Nos vemos, se o destino quiser. Disse Vitoria já se levantando.

– Onde você vai?

– Para o trabalho.

– Eu te levo.

– Isso seria roubar no jogo. Eu te daria um endereço. Vou de taxi. Mas obrigada de qualquer maneira pela gentileza.

E ela deu um selinho nele e saiu do restaurante sem olhar para trás. Deixando Eric admirado e achando muita graça em sua atitude. Vitoria realmente parecia diferente de todas as mulheres que ele conhecia.

Quando entrou no taxi pediu para o motorista levá-la direto para o trabalho. Logo ela iria trabalhar com a mesma roupa do dia anterior, sem ao menos tomar um banho. Se sentia mal, mas não deixava de achar graça nessa loucura. “E afinal, quem vai reparar que uma mulher invisível foi trabalhar com a mesma roupa dois dias seguidos?”

Assim que chegou no escritório foi para o banheiro com sua necessaire. Escovou os dentes, passou desodorante e fez uma maquiagem. Assim que saiu do banheiro encontrou Melissa uma colega de trabalho, entrando no banheiro.

– Uau! A noite deve ter sido boa. Veio trabalhar com a mesma roupa de ontem. Disse Melissa.

– Não é a mesma. É parecida.

– Estou brincando. Não me importa. Disse Melissa. – Desculpe se te constrangi.

– De maneira nenhuma. Fique tranquila. Respondeu Vitoria e saiu rindo de si mesma. “Afinal já não sou tão invisível mesmo.” Pensou enquanto caminhava rindo de si mesma.

O dia foi arrastado e Vitoria marcou o dia de shooting da campanha da joalheria. Perto das 15h se sentia exausta e a ponto de dormir enquanto conversava com as pessoas. Já não aguentava mais e aproveitou que o escritório estava praticamente deserto e que já tinha feito as coisas mais importantes para ir para casa mais cedo.

Assim que chegou em casa colocou o celular que havia ficado sem bateria o dia inteiro para carregar e foi tomar um banho de banheira.

Ela pensava na alternância de estações de sua vida nos últimos dias. Sucesso no trabalho e a falta de sorte no amor. Uma noite de rejeição seguida de beijos com por do sol e muitas risadas com o homem dos sonhos de qualquer mulher. A vida andava dando sinais trocados para ela. “Melhor simplesmente viver, ao invés de tentar encontrar lógica.” Pensava ela.

Tomou um banho demorado, colocou os pijamas, fez um sanduiche e foi para frente da TV. Depois de comer pegou no sono e acabou sendo acordada pela mãe quase 22h. Se sentia totalmente exausta e foi direto para cama.

No dia seguinte acordou disposta e quando checou o seu celular, tinham mensagens e ligações de José. A última mensagem dizia:

“Você só pode estar querendo me enlouquecer. O que você está fazendo comigo? O que está fazendo com a gente?”

Ela não ia responder, mas resolveu que precisava:

“Preciso de um tempo para colocar tudo lugar. Ficaremos bem. Quando eu estiver pronta te procuro e conversamos. Ok?”

“Não! Não está ok. Quero conversar agora.”

“Agora são 7 horas da manhã.”

“Muito engraçadinha. Quero te ver hoje.”

“Melhor não José. Eu prometo que te procuro logo. Acredite que conversar não resolverá nada. Eu preciso resolver as coisas. Você já disse o que tinha para dizer.”

“Não tenho certeza disso. Você me deixou confuso. Estávamos bêbados demais.”

“Eu te procuro. Tenho certeza de que tudo estará mais claro para nós dois. <3”

E assim que enviou a mensagem foi se arrumar para o trabalho. Suas manhãs ficaram muito mais interessantes desde que ela decidiu trocar seu guarda-roupas e se arrumar melhor. Ela ficava empolgada na busca do seu look do dia. Escolheu um vestido longo, de manga três quartos justo no corpo sem decote, preto com listras brancas finas e bem espaçadas, rasteira de cristais pretos e bolsa Marc Jacobs azul. Estava linda e estilosa.

Chegou ao trabalho arrancando elogios e recebendo as boas novidades. Um possível rosto novo acabara de responder que aceitava fazer o teste e Vitoria estava totalmente radiante.

E assim foram os dias seguintes. Repletos de boas novidades e trabalhos de sucesso. A produção da campanha de joias durou 2 dias e o resultado foi excelente. A agência estava ansiosa pelo lançamento da campanha que tornaria público o novo rosto com alto potencial para o sucesso.

Os dias foram passando e Vitoria cada dia com uma roupa diferente, sempre linda e estilosa, virou foco de comentários entre as pessoas no trabalho. Havia quem dissesse que ela estava apaixonada. Estar muito ocupada no trabalho fazia Vitoria congelar seu coração. Ela ainda pensava em José, mas também desejava ver Eric de novo. A ansiedade com a viagem para Paris também ajudava a desviar o foco do seu frio na barriga.

E depois de alguns dias de grande expectativa, finalmente chegou o dia de ir para Paris, acompanhar uma das principais semanas de moda do mundo. Por isso Vitoria foi viajar tão feliz que não podia caber dentro si. Já em Paris aproveitando seu primeiro dia livre, percorreu seus pontos preferidos da cidade sem pressa nenhuma, foi ao Louvre, e acendeu uma vela para agradecer seu momento profissional na Catedral de Notre Dome, fez pic nic às margens do Rio Sena e fez compras em ruas badaladas, gastando mais dinheiro que tinha planejado. Se deu conta que sua realização profissional, com a ajuda de Paris, começava a preencher todos vazios que os fracassos amorosos tinham causado na sua vida. Já não desejava mais José e seu ex namorado era realmente algo do passado. Seu foco era se realizar profissionalmente e fazer a mudança de carreira que precisava. Estar na semana de moda de Paris era uma grande oportunidade de aprender e ganhar experiencia. Não somente para conhecer as tendências de moda e ver os rostos e corpos que desfilavam por lá, mas também para viver a moda.

Ela acompanhou todos os desfiles na primeira fileira, lado a lado com grandes celebridades internacionais do mundo da moda. Ela pensava estar sonhando por algumas vezes quando se via ali no meio de tudo aquilo. Até suas roupas inspiravam um filme. Ela usou saia de tule, saia de paetês, misturou estampas. Ela estava afinal no coração da moda, logo podia expressar-se como queria.

A semana de trabalho em Paris foi inspiradora e Vitoria voltou cheia de ideias e referencias para casa. A primeira noticia que recebeu quando chegou foi de que a campanha de joias tinha sido lançada e que tinha sido um tremendo sucesso. As revistas de moda e beleza comentavam sobre esse novo rosto. E assim a agência ia ganhando destaque.

Como aconteceu com Luna outras 2 modelos que foram descobertas por Vitoria começaram a fazer sucesso. E a agência ia ganhando cada vez mais projeção, o que atraía novos clientes e aumentava significativamente o faturamento.

Um mês havia se passado sem que Vitoria percebesse a passagem do tempo e com o final do mês chegava um importante convite. A festa de noivado de Tatiana que aconteceria na praia, em 2 semanas. A felicidade da amiga e esse momento tão especial, ajudavam na fase de empolgação e reencontro com a felicidade de Vitoria. O final do mês também a fez constatar que sentia falta de José, não exatamente do homem, mas do amigo, e que ela estava perdendo a chance de estar com uma das pessoas que ela mais amava no mundo. Ela estava morrendo de saudades dele, mas ainda assim tinha medo de vê-lo de novo depois que ele a rejeitou.

Luna foi contratada para desfilar para vários estilistas na semana de moda que aconteceria em São Paulo em algumas semanas, o que ajudava a fama da modelo e da agência crescerem. O que também fazia aumentar o trabalho burocrático de Vitoria com o atendimento a muitos novos briefings e acompanhamento de modelos em seus dias de shooting.

A vida ia voltando ao normal e Vitoria tinha muito trabalho se acumulando com alguns briefings que estavam quase atrasados.

Seu dia começava como todos os outros e depois do furacão de novidades, sua rotina antiga se reestabelecera, mas agora com muito mais trabalho o que a fazia sentir-se exausta. Mesmo com a pressão de tempo, ela tinha dificuldade de se concentrar naquele dia e se desviou totalmente das suas análises quando seus pensamentos a levaram para Erica. Ela começou a repassar os últimos encontros com ele e desejava um outro encontro. Quando seu celular tocou.

Ela temeu que fosse José que ainda insistia em vê-la mesmo ela recusando o encontro por tantas vezes há mais de um mês. “Está na hora de encontrá-lo.” Ela pensava quando viu o nome de Manuela no visor de seu celular. Era um misto de alívio e decepção que sentia por não ter visto o nome de José ali.

– Oi Manuela. Tudo bem?

– Oi Vick. Tudo e você? Vou fazer um happy hour para comemorar o meu aniversário que foi no final de semana. E gostaria que você viesse. Sei que é super encima da hora, mas decidi fazer hoje.

– Nossa, não sabia que tinha sido o seu aniversário. Parabéns! Onde será?

– No Bar Pod. Estarei lá a partir das 20h.

– Vou tentar passar para te dar um beijo.

– Vou ficar muito feliz se você conseguir.

“Que delícia a Manuela se lembrar de mim para uma festa de última hora. Definitivamente mudei nos últimos meses. Estou até sendo convidada para eventos pelas pessoas que pareciam nem me ver.” Refletia Vitoria ao desligar o telefone.

Olhou para o relógio e já eram 18h. Então resolveu deixar os briefings para segunda-feira e começar a aproveitar o seu final de semana.

Ela passou em casa para se arrumar e como o lugar era bem sofisticado, optou por uma minissaia preta com regata de paetês também preta e casaco preto transparente que ia até a barra da saia. Sapatos de salto alto e finos e uma bolsa de mão.

Atraiu olhares quando chegou e assim que sentou, depois de cumprimentar Manuela, sentiu alguém tapar-lhe os olhos com as mãos.

– Quem é? Perguntava Vitória ansiosa e curiosa enquanto tateava as mãos que tapavam seus olhos.

E depois de alguns segundos. Eric se revelou.

– Acho que definitivamente estou começando a acreditar em destino. Empolgou-se ele.

– Não acredito que nos encontramos de novo. Respondeu ela, surpresa e feliz.

Eles se cumprimentaram com um beijo no rosto e ele pediu para sentar-se ao lado dela.

– Muito simpático ele, né? E pelo visto ele te escolheu. Está com sorte. Wagner cochichava no ouvido de Vitória.

Nesse momento Manuela se sentou próxima a eles e começou a falar sobre trabalho.

– Gente que sucesso que fez a campanha de beleza que vocês fizeram juntos! Disse Manuela apontando para Vitoria, Wagner e Eric.

– Pois é! A Patricia está radiante com o sucesso da campanha. Me pediu para colocá-la em todos os trabalhos dessa marca, mas pediu prioridade para as campanhas fotografadas pelo Eric. Acho que vocês tiveram química afinal. Disse ela, de forma maliciosa, olhando para o Eric. Ela se deliciava com o momento em que ele ia finalmente saber que eles estiveram juntos a trabalho e ainda assim ele não a reconhecera.

– Como assim? Você é agente da Patricia? Perguntou ele perplexo. – Por que nunca está no estúdio quando a fotografo? Geralmente os agentes não acompanham essas modelos mais badaladas?

– Mas quem disse que eu não estava?

– Ah eu teria te visto!

– Mas não viu.

– Gente que tudo! E isso está fazendo meu blog bombar. Meu agradecimento especial a vocês donos dessa química. Interrompia Wagner, realmente empolgado, sem perceber o que acontecia ali.

– Como assim? Perguntava baixinho Eric para Vitoria.

– Eu te disse que a gente já se conhecia. E você dizia que era impossível não se lembrar de mim. Eu morria de rir quando você dizia isso. No dia em que ficamos juntos pela primeira vez tínhamos passado o dia todo juntos no mesmo estúdio e você simplesmente não me reconheceu. Não me notou durante todo o dia.

– Como foi possível isso?

– Aí eu não consigo te ajudar a responder. Mas acho que é pelo fato de minha função me fazer ser a sombra de alguém importante para quem todo mundo olha. Eu sou a que está atrás. Tem gente que não chega a ver. Você não é o único. Não se culpe.

– Estou envergonhado e pensando no que posso fazer para me desculpar por essa grosseria.

– Não importa mais! Já foi. E o destino, afinal, fez justiça.

– Você é demais! Disse ele olhando para ela totalmente admirado. – Ah e está ainda mais bonita do que nunca hoje.

– Obrigada! Disse sugando o canudo de sua caipirinha.

A noite ia seguindo e Vitoria e Eric conversavam como se não houvesse mais ninguém ali. O que despertou certo interesse da maioria da mesa.

“Gente será que a Vitoria vai pegar o Eric?“ Era o que comentavam alguns em volta. “Mas ele é areia demais para o caminhão dela!” Diziam outros. E havia que não concordava “Vitoria é uma mulher muito interessante.” Defendiam alguns.

Depois de dança, drinks e muitas risadas eles finalmente se beijaram. Reservados para que ninguém os visse. E em alguns minutos saíram a francesa.

Finalmente tiveram uma noite inteira juntos do começo ao fim. E depois de muitos meses, desde o rompimento de seu namoro, Vitoria fez sexo. Eric era um homem incrível e a tratou com muito carinho, pois sabia o que ela tinha passado.

Quando amanheceu, ela preferiu ir embora antes de ele acordar e deixou um bilhete:

“Não quis te acordar. Espero que o destino siga sendo generoso com a gente. Beijo”

Foi para casa se sentindo feliz, mas sabia que não poderia se envolver com Eric. Ela já sabia do caso dele com uma top model que vivia fora do país e por mais que estivesse em processo de resgate de sua auto-estima, achava que ele era areia demais para o caminhão dela.

“Que seja! Vou aproveitar enquanto durar.” Pensava ela, tentando manter suas boas energias.

No resto do final de semana ficou com sua família e levou seu sobrinho ao cinema. Comprou biquínis e saídas de praia novas para o carnaval onde iria para praia que aconteceria a festa de noivado de Tatiana.

As 2 semanas seguintes passaram voando, repleta de boas notícias em relação às suas modelos e na sexta-feira todos saíram mais cedo em virtude do feriado.

Vitoria viajou com Tatiana e Tato. José iria apenas no dia seguinte pois estava tocando todas as sextas-feiras com sua banda no NOW.

O sábado de carnaval começou com muito sol e drinks na piscina. Vitoria já estava na sua quarta caipirinha quando José chegou. Ele veio sozinho e depois de mais um mês sem se verem, tanto Vitória como José tinham uma grande expectativa sobre o que sentiriam quando se encontrassem.

Os dois trocaram o primeiro olhar e tudo ficou em câmera lenta parecendo que só haviam os dois ali. E ambos sentiram as pernas tremerem. Claramente tinham algo a resolver. E estavam com muitas saudades um do outro.

Se cumprimentaram de maneira cordial e ambos sentiram falta do abraço de matar saudades que sempre davam quando se encontravam.

A festa começou com o pôr do sol e acontecia na casa de Tato que ficava de frente para o mar. A área da piscina havia sido decorada com lâmpadas que percorriam toda a extensão do lugar em diferentes direções o que dava um ar ao mesmo tempo romântico e sofisticado. Tinham mesas e cadeiras espalhadas por quase todo espaço decoradas com vasos que traziam pequenos ramalhetes de flores bem coloridas. A música era calma e combinava perfeitamente com o clima da festa. Tinha um bar com os todos os tipos de drinks no meio do espaço e uma pista de dança improvisada que acabava na areia.

Vitoria vestia uma minissaia branca, uma blusa frente unica bem soltinha preta com bolinhas brancas e sandálias rasteiras amarradas no tornozelo

Logo depois do brinde que comemorava o noivado, José puxou Vitória pelo braço e levou ela para caminhar na praia.

– José, não acho prudente falarmos hoje. Precisamos estar com a Tati e eu bebi demais. Nós bebemos demais. Você também bebeu. Eu vi, você bebendo.

– Para de inventar desculpas adiando mais uma vez essa nossa conversa. Ficamos bastante com a Tati e não importa o que a gente bebeu.

– Cadê a Isabela?

– Serio? Você quer saber da Isabela?

– Quero.

– Ela não veio. Ainda não é minha namorada. Não fazia sentido trazer ela aqui. Ainda mais sabendo que a gente iria conversar.

– Ah! Então não estão namorando?

– Não Vick, não estamos. Agora me diga, o que está acontecendo?

– Não está acontecendo mais nada. Senti coisas diferentes por você. Mas acho que você tinha razão. Estava carente e ver você com alguém depois de tanto tempo, me despertou um sentimento de posse. Foi forte o que senti. Achei que estivesse apaixonada. Mas passou. Conheci uma pessoa, que me ajudou a parar de pensar em você desse jeito. Foi isso. Já passou.

– Vick, você me deixou muito confuso. Você é uma das pessoas que mais amo no mundo e não vou mentir que já desejei muitas vezes ficar com você. Você é linda, não tem frescura, vive de verdade a vida, tem personalidade, gosta das mesmas coisas que eu. É uma das pessoas que mais incentiva. É a primeira pessoa para quem quero contar as coisas boas que acontecem na minha vida. E de repente você vem me dizer aquele monte de coisas. Do nada. Nada de especial tinha acontecido. Já dormimos juntos na mesma cama. Nunca nada aconteceu. Não entendi nada.

– Como assim confuso?

– Sei lá. Confuso. Pensei que poderia sim ser legal ficar com você. Mesmo achando uma total maluquice. Mas você fez bem de ficar longe. Também coloquei tudo no lugar como você fez. Quero você na minha vida. A minha melhor amiga. E não quero que nada mude isso.

– Ah José. Que bom te ouvir falar. Disse isso já indo na direção dele para abraça-lo.

– Vem aqui Vick! Disse ele a puxando para o seu abraço.

Ficaram abraçados alguns minutos, sob a luz do luar intensa pela lua cheia e acompanhados do barulho das ondas. Estava calor, mas uma brisa deixava a temperatura perfeita. Os dois estavam quase desconfortáveis naquele abraço, que apesar de aliviar as saudades, fazia que um sentisse vontade do outro. Mas ambos decidiram parar por ali. José soltou Vitoria e a segurou pelo rosto com as duas mãos.

– Você é a pessoa mais surpreendente que eu conheço. Não sei o que fazer com você.

– Seja meu amigo para sempre. Respondeu ela querendo beijá-lo mas sendo sincera. Ela realmente queria ele para sempre na vida dela.

– Então vamos voltar para a festa e por favor, me traga minha amiga de volta.

– Ela sempre esteve aqui. Só um pouquinho confusa.

– Linda! Agora vem. Vamos voltar para a festa.

E assim eles colocaram os pingos no is. Pelo menos até ali. Pelo menos naquela noite.

No dia seguinte todos já tinham ido embora e haviam ficado na casa somente Tatiana, Vitoria, Tato e José. Eles passaram o dia na praia e Vitoria finalmente conseguiu ficar muito tempo com sua melhor amiga, com quem ela não falava há muito tempo.

Já perto do por do sol enquanto tomavam champagne, depois de terem conversado sobre os mais variados assuntos, Vitoria finalmente falou das coisas do coração com Tatiana.

– Tati, preciso te atualizar dos últimos acontecimentos, afinal passamos muito tempo sem conseguir conversar direito.

– Desculpe meu sumiço. Mas planejar essa festa me tomou todo o tempo que me restava. Estou sendo uma péssima amiga. Me desculpe?

– Minha vida foi uma loucura nesses dias também. Você não precisa se desculpar. E eu também não pude te ajudar em nada. Sou uma péssima madrinha afinal.

– Para de ser louca! Agora vamos, me atualize. Empolgou-se Tatiana.

– Fiquei com o fotógrafo.

– Vick! Eu vi vocês ficando naquele dia que você sumiu. E você me disse que não tinha dado o telefone para ele.

– E não dei mesmo. Mas acabamos nos encontrando sem planejar e ficamos juntos. Naquela noite que eu sumi e depois em outra noite no aniversário da Manuela do trabalho. A produtora que você conhece.

– Não acredito! Que sem vergonha você. Vocês transaram?

– Somente no terceiro encontro. Na noite em que sumi, tivemos uma noite bem romântica na verdade. Ele me levou para ver o nascer do sol em um lugar especial para ele. E não teve sexo.

– Noite romântica, seguida de encontro com sexo. Com um cara que costuma namorar top model. Ai! Acho que você vai namorar com ele e isso faz de mim sua fã. Mas por falar na noite que você sumiu. O que aconteceu para você sumir daquele jeito?

– Ai Tati, nem sei como te contar…

– Então arrume um jeito. Vamos me conte. Você saiu fugida do nosso encontro de ano novo e quando nos reencontramos em turma de novo você desapareceu. O que está acontecendo Vick?

– Naquela noite que nos vimos para brindar o ano novo, saí daquele jeito porque morri de ciúmes do José.

– Ai amiga! Ciúmes de posse. Né?

– Então… também pensei que fosse, mas não conseguia parar de pensar no José e achava de verdade que eu estava apaixonada por ele. Eu senti algo que nunca tinha sentido na vida. Ele se transformou no homem mais bonito do mundo em cima daquele palco. Não queria ele com outra mulher. Senti ciúmes, como se ele fosse meu. Pensei nele no dia seguinte. Esperei ansiosamente por mensagens dele. Surtei de amor por ele.

– Amiga! Como assim? Depois de 15 anos? Do nada? Você está apaixonada por ele? Ele sabe? Meu Deus! Tatiana seguia fazendo uma pergunta após a outra totalmente incrédula.

– Tati, também me fiz todas essas perguntas. E não tenho as respostas. Já conversamos e resolvemos que isso é uma loucura e que vai passar. Vamos priorizar nossa amizade e eu resolvi que vou investir no Eric.

– Ai Vick! Que maluquice essa. Você acha que consegue conduzir com toda essa racionalidade as coisas do coração?

– Acho que preciso tentar.

– Conte comigo minha amiga. Só não se esqueça que o Eric fica com uma mulher muito famosa que mora em outro país, mas vive vindo para cá.

– Eu também sei disso, minha amiga.

Vitoria se sentiu aliviada ao contar para a sua melhor amiga o que estava acontecendo e se sentia feliz por ter tido uma tarde inteira com Tatiana. Ela estava matando as enormes saudades que sentia da amiga.

Enquanto elas conversavam, José não conseguia tirar os olhos de Vitoria e desde a revelação dela ele havia ficado bastante confuso. Algumas vezes no passado ele tinha sentido coisas diferentes por ela, mas por falta de qualquer abertura dela, sempre deixou pra lá, até que aquele tipo de desejo desapareceu, dando lugar para um amor puro e sem qualquer segunda intenção.

Por mais que tentassem, não conseguiam evitar um estranhamento entre eles.

Naquela noite, mesmo depois de tudo combinado, foram dormir pensando um no outro e ambos morriam de medo do que estavam sentindo.

No dia seguinte, mal se falaram. Tinha uma tensão clara entre os dois. No caminho de volta para casa, iam juntos no banco de trás completamente em silêncio. Ambos repassavam os últimos acontecimentos na cabeça. Vitória acolheu o que José disse e decidiu priorizar a amizade deles e assim resolveu que investiria na sua relação com Eric, que tinha algum potencial. Enquanto José na tentativa de manter tudo sob controle, resolveu dar uma chance para gostar de Isabela e decidiu que ia a pedi-la em namoro.

CONTINUA…

O CAPÍTULO 07 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *