Capítulo 21 – Voltando Para Casa

Vitória acordou tarde no sábado e se animou ao ver uma ligação de Thomas, seguida de uma mensagem de texto que dizia:

“Parece que o universo não está conspirando para nos encontrarmos.”

Vitória achou a mensagem divertida e ligou na mesma hora para ele.

– Oi. Disse ele atendendo no primeiro toque.

– Oi. Respondeu ela.

– Você me ligou mesmo oito vezes às 5 horas da manhã nessa madrugada? Perguntou ele.

– Sim. Queria te falar que estou pronta.

– Quanto você tinha bebido?

– Uma garrafa de champagne.

– Será que sóbria você me diria que está pronta?

– Sim! Claro que sim. Respondeu Vitória. – Estou sóbria e estou dizendo.

– Pois eu acho que não. Vitória, eu gosto de você. Penso em você muito mais do que deveria. Sempre gostei de você. Mas você me desperta uma sensação avassaladora, de que vai embora a qualquer momento. Meu comportamento em relação a você beirou à perseguição e eu não sou uma pessoa que persegue outras pessoas. Eu tentava fazer tudo certo, o tempo todo, sem saber ao certo o que era certo para você. Isso me gerou muita angustia. Estou certo que fiz tudo que poderia para te conquistar, sem deixar de ser eu mesmo. Aliás quase deixando de ser eu mesmo. Mas parece que não sou suficiente. E isso está me fazendo um mal tremendo.

– Mas por que você se sente assim?

– Não sei porquê. Mas me sinto. E estou me sentindo mal comigo mesmo por permitir isso. Não acredito que você esteja pronta. Nem agora e nem um dia. Acho que queremos coisas diferentes. E você parece querer uma vida de aventuras, glamour e adrenalina que eu nunca poderei dar. Acho que sou um cara comum demais, com uma vida comum demais, com perspectivas comuns demais para me encaixar no seu modelo dos sonhos. Você parece uma montanha-russa e honestamente não curto montanha-russa, apesar de curtir muito você e montanhas-russas em parques diversão. Quero começar logo a minha vida ao lado de alguém que queira fazer planos. Quero filhos. E queria muito que fosse com você. Mas não acho que seja possível. Não mais.

Vitória fazia ele se sentir como Eric a fazia sentir-se, mas o mundo dela era o mundo de Thomas, as circunstancias que acabaram confundindo tudo. Ela se sentia péssima por causar aqueles sentimentos ruins em Thomas, mesmo não tendo intenção nenhuma de fazê-lo sentir-se tão frustrado em relação a ele mesmo.

– Não quis causar isso. Juro. Só precisava de um tempo para ajeitar algumas coisas. Disse Vitória.

– Vitória, te entendo completamente. De verdade. Mas o sentimento de impotência, de não ter sido bom o bastante para você, acabou comigo. E quero me defender disso agora. Acredite. É tentador para mim aceitar o seu convite e acreditar em você. Era tudo o que eu queria. Mas sinto que não estou pronto para cair de novo. Então, muito pesarosamente, vou recusar o seu convite para começar algo novo. Por que de verdade, acredito nas suas intenções, mas não acredito que seja possível.

– Por favor, acredite em mim.

– Talvez com o tempo Vick!

– Vou te provar Thomas.

– Vamos ver! Agora realmente preciso ir. Se cuida e vamos manter contato.

– Um beijo Thomas.

– Outro para você Vitória.

O mundo de Vitória se abriu aos seus pés e Thomas, que parecia tão disponível e tão apaixonado, já não estava mais acessível e disse com todas as letras que não queria tentar nada com ela. Ela perdia seu porto seguro e o homem que mais tinha gostado dela na vida, que além de tudo era o homem perfeito que parecia ser o homem que toda mulher deseja. Que tinha se tornado o homem que ela mais desejava e parecia estar realmente atrasada, como nunca havia estado antes na vida.

Ela refletia sobre tudo com o olhar perdido e estático que fitava o teto, quando sua mãe a interrompeu:

– Oi Vick! Tudo bem? Te dou um presente por seus pensamentos.

– Eles não estão valendo nada mãe. Acabei de levar um fora do homem que dizia que eu era a garota do pôster. A garota dos sonhos dele.

– Como assim filha?

– Ele disse que eu fazia com que ele agisse de uma maneira que não valorizava ele mesmo só para conseguir me conquistar. Mal sabe ele que quero mesmo ficar com ele. E que gosto dele do jeito que ele é.

– Mas o que aconteceu?

– Eu liguei para ele essa madrugada. E ele acha que eu só fiz isso porque estava bêbada.

– Minha filha, depois de tudo o que passaram talvez ele tenha razão. Não?

– Sim mãe. Ele tem razão de pensar assim, mas o fato de eu ter feito tudo por impulso, não invalida a vontade do meu coração de fazer tudo dar certo com ele. Eu sempre senti a falta a dele. E tudo que aconteceu com o Eric me mostrou que ele é o homem certo para mim. Eu gosto realmente dele mãe. Mas acredito que estraguei tudo, de novo. Não sei como convencer ele sobre isso ou como consertar as coisas.

– Minha filha, dê tempo ao tempo. O tempo conserta tudo. Estou certa que tudo dará certo. E acho que o Thomas fez muito bem. Ele é um homem que vale ouro e precisava se valorizar para você dar valor a ele.

– Mãe, concordo com você. Mas dar tempo ao tempo é algo que eu não gostaria de fazer agora. Estou com pressa de ser feliz! E arrasada depois de tudo o que Eric me fez passar.

– Por que você não aproveita e vai fazer seu curso de produção de moda nos Estados Unidos? Você queria tanto. O mês de julho está aí, em 10 dias especificamente, e se você perder esse, só daqui a um ano de novo. Talvez você não tenha essa disponibilidade que tem hoje no ano que vem. Vá fazer seu curso. Passe um mês fora. Quando voltar, estará mais preparada para conseguir um emprego de acordo com os seus sonhos e talvez tudo esteja mais claro em relação ao Thomas e ao amor. Ele gosta muito de você. Acredite na força dos sentimentos dele. Isso não acaba assim.

– Mãe, você tem razão! Como sempre aliás. Vou fazer o curso. E na volta vejo o que farei com tudo isso. Preciso me afastar do Eric. Um mês fora resolve tudo e me prepara para minha nova carreira. Eu te amo mãe!

– Eu te amo minha filha. Fico feliz em ajudar. E vou pagar pela metade do valor do curso. Um presente para você.

– Eu te amo mais ainda mãe.

– Vai se cadastrar logo menina!

– Vou. Obrigada mãe. Disse Vitória eufórica abraçando a mãe.

Vitória conseguiu se candidatar para o curso e assim que terminou de fazer sua inscrição uma onda de adrenalina percorreu seu corpo todo.

“Estou mesmo fazendo isso! Vou ficar sozinha em outro país estudando para fazer o que sempre quis fazer na minha vida.” Pensava ela falando consigo mesma.

Vitória estava feliz com a sua decisão e certa de que era o melhor, quando um alarme começou a soar na sua cabeça. “O curso acaba um dia antes da inauguração da exposição de fotos sobre beleza. Eu posso não estar aqui na inauguração. Não pelo Eric, mas não queria perder isso. Trabalhei tanto por esse projeto que me conquistou de todas as maneiras que alguém pode ser conquistada. E o que vou falar para o Eric? Estou indo viajar Eric. Vou cuidar da minha vida e quero que você se dane. Não conte mais comigo a partir de agora! Meu Deus preciso dizer que estarei fora. Vou ligar agora.” Falava Vitória consigo mesma e voz alta e acabou decidindo que contaria para o Eric naquela hora.

– Oi. Atendeu ele.

– Oi Eric. Tudo bem?

– Poderia estar melhor.

– Não exagere!

– Não estou exagerando.

– Enfim. Estou te ligando porque estou indo viajar para fazer curso nos Estados Unidos e ficarei um mês fora.

– Como assim? Você não estará aqui na abertura da exposição? Esse trabalho também é seu.

– O curso acaba um dia antes. Acho que vai dar tudo certo.

– Vick, ficarei arrasado se você não estiver aqui. Porque estou certo que a culpa da sua distância é toda minha.

– Eric, não misture as coisas. Essa posição faz parte de nossa relação comercial. E nesse sentido, não tenho nada para falar de você. Você foi incrível comigo. Não estou fugindo, te culpando e muito menos te punindo. Eu sempre quis fazer esse curso e acho que vai me ajudar muito a começar minha nova carreira.

– Sendo assim, fico mais tranquilo e menos culpado.

– Vai dar tudo certo. Queria te avisar, porque estarei fora todo o período de montagem da exposição. Sei que não faz parte do meu contrato estar presente nesse momento e que tudo está super bem planejado pela Manuela e por isso achei que poderia cuidar do meu futuro e me ausentar para fazer esse curso.

– Você tem razão. Não existe qualquer obrigação contratual, aliás você fez muito além do que estava no seu contrato de trabalho. Você deu forma e vida para tudo. Eu queria muito que você estivesse aqui. Mas não há qualquer obrigação legal.

– Fico mais aliviada para seguir em frente. Era isso. Boa sorte para vocês e até a volta!

– Boa sorte para você. Tomara que consiga encontrar o que está indo buscar. Por favor, volte a tempo da abertura da exposição.

– Obrigada! Voltarei. Beijo.

– Até a volta! Outro beijo para você. Se despediu Eric.

Vitória sentia uma enorme felicidade. A sua única preocupação acabava de desaparecer depois daquela ligação. Naquele dia fazia muito frio, mais do que o normal para o final do outono, e ela pensava que em 10 dias estaria curtindo o verão da Califórnia.

Os dias seguintes passaram voando porque Vitória não percebia o tempo passar, enquanto corria de um lado para o outro, para preparar tudo para a viagem. Sem problemas amorosos e sem notícias de Eric e Thomas, ela focava todo seu tempo e energia no seu novo projeto.

O dia da sua viagem chegou e Vitória sentia a adrenalina correr por todo o seu corpo enquanto entrava no avião. Ela sentia seu corpo cansado e seus pensamentos lhe apresentavam os últimos capítulos de sua vida amorosa. O fora que tinha levado de Thomas e o final do seu sonho ao lado do fotografo famoso que vivia uma vida muito glamurosa. As dúvidas que ela tinha sobre casar, ter filhos e uma família se transformavam em certeza. Ela queria uma família e queria ter paz no seu coração. Todos os últimos acontecimentos, apesar de terem a feito chorar bastante, a faziam ter mais certeza sobre o que realmente desejava sobre o futuro. Seus pensamentos iam dando lugar para o sono e ela dormiu profundamente, mesmo sentada de maneira totalmente desconfortável.

Quando ela acordou já estava chegando em Los Angeles e a adrenalina voltava a percorrer o seu corpo com o que estava por vir.

Já no táxi, a caminho do seu hotel, Vitória observava a vida acontecendo nas calçadas e sentia uma enorme gratidão por estar ali. Principalmente por ter tido coragem de ter chegado até ali.

Ela estava se instalando em seu quarto quando recebeu uma mensagem de Eric em seu celular:

“Espero que tenha feito uma ótima viagem. Mande notícias. Sinto sua falta.”

Seu coração parecia ter congelado em relação ao Eric e ela não sentia nada em relação àquela mensagem. Pensava no que responderia e sem ter ideia do que dizer, resolveu não responder. Nesse momento ela sentiu falta de Thomas, lá no fundo do seu coração ela desejava receber uma mensagem dele. A falta que sentia de Thomas trazia um pouco de tristeza para o seu momento tão feliz.

E nesse mesmo momento, lá no Brasil, como se os corações deles estivessem conectados, Thomas também pensava em Vitória. Ele jantava com uma mulher com quem estava tentando começar algum envolvimento depois de sua ex-namorada complexa e da montanha-russa de Vitória. Mas ver aquela mulher sentada naquele restaurante onde Vitória tinha pedido para que o garçom os surpreendesse com a sobremesa, onde ele tinha sido totalmente arrebatado por ela, o fazia querer ela ali e nenhuma outra pessoa. Por mais que tentasse, Thomas não conseguia tirar Vitória dos seus pensamentos e nem do seu coração.

Vitória passou o resto do dia pensando em Thomás e triste por ter perdido sua oportunidade de ter um amor tranquilo com sabor de fruta mordida, mas ainda cheia de esperança pela certeza que tinha em seu coração de que aquela história não tinha terminado.

Os dias foram passando e o curso realmente animava Vitória. Ela conheceu novas pessoas, fez amigos, mergulhou no universo profissional de produção de moda para o cinema, mas todos os seus finais de dia, quando ficava sozinha, era o Thomas que tomava conta dos seus pensamentos.

Vitória se sentia cada vez mais apaixonada pelas novas possibilidades que começava a ver em sua vida profissional e aproveitou todo o seu tempo livre para viajar e conhecer lugares novos. Aos poucos seu coração ia se acalmando e ela se sentia realmente muito feliz.

O dia de ir embora se aproximava, quando ela foi surpreendida com um convite para fazer um estágio de um mês em uma das produtoras de cinema mais importantes do mundo. Ter que estender sua viagem por mais um mês a faria perder o lançamento da exposição de Eric no Brasil, mas a tornaria mais forte e preparada para trabalhar em sua nova carreira, que naquele momento parecia ter um gosto mais doce do que nunca. Portanto sua decisão foi fácil. Ela preferiu deixar o seu passado para trás e realmente investir em seu futuro, aceitando o estágio.

O dia do lançamento da exposição chegou e Eric, que não sabia que Vitória não tinha voltado, passou a noite toda olhando para a porta esperando pela chegada dela. A ausência de Vitória fazia a noite de Eric muito menos feliz do que deveria ter sido. Ele estava cercado de pessoas badaladas, amigos, celebridades, jornalistas e a noite prometia se estender animada, com a presença de mulheres deslumbrantes e embriagadas por todo o álcool que estava sendo servido na festa que prometia acabar bem tarde. Mas nada disso, que sempre o fez feliz, parecia fazer mais sentido para ele naquele momento, que só pensava no quanto queria que Vitória estivesse lá, dividindo o sucesso com ele. Ele queria Vitória e tudo que vinha com ela. Sua simplicidade, espontaneidade e sua maneira simples e gostosa de olhar para a vida. A falta que Vitória fez naquela noite surpreendeu Eric completamente e o fez perceber estar muito mais envolvido emocionalmente com ela do que ele mesmo pensava.

O estágio de Vitória foi um sucesso e ela teve oportunidade de aprender na prática, elaborar seu currículo e construir um networking importante para início dessa nova carreira, tão sonhada por ela. O que fez todas as suas escolhas e renuncias terem valido a pena.

E para completar a sensação de dever cumprido, Vitória foi surpreendida por um email de Eric a agradecendo pelo sucesso da exposição, compartilhando com ela fotos do evento de abertura e trechos das matérias que saíram na imprensa dando os merecidos créditos para ela. Ele falou mais uma vez que sentia a falta dela e que ela tinha transformado a forma com que ele enxergava a graça da vida.

Apesar de Vitória se sentir feliz com aquele reconhecimento, os sentimentos de Eric já não faziam mais diferença para ela, que tinha realmente deixado aquela história para trás.

O dia de voltar para casa finalmente chegou e Vitória se sentia totalmente transformada depois de tudo que tinha vivido e da experiência tão importante que tinha ganhado para toda a vida dela. Enquanto ela esperava pelo chamado do seu voo, ela repassava os últimos dois meses em seus pensamentos. A falta que sentia de Thomas, que seguia ali em seu coração mesmo com toda a alegria e as novidades que ela tinha vivido, o alívio em ter conseguido deixar a história com Eric realmente para trás e a grande aventura que tinha vivido que a ensinou uma nova carreira e muito sobre ela mesma.

Ela se sentia feliz com o saldo daqueles pensamentos e mais do que nunca, tinha uma certeza enorme no seu coração de que tudo iria encontrar o seu lugar e que existia uma felicidade enorme esperando por ela logo ali.

Seu voo finalmente foi chamado e uma alegria enorme tomou conta do coração dela. Ela caminhava para o embarque e falava com ela mesma em seus pensamentos:

“Minha felicidade está me chamando e que delicia é saber que fiz minha parte e que a partir de agora, ser feliz, depende somente de mim. Que delícia está sendo voltar para casa.”

CONTINUA…

O CAPÍTULO 22 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *