Capítulo 05 – Vivendo Perigosamente

Ana acordou antes do despertador. Finalmente a sexta-feira, de uma semana que pareceu durar 1 mês, tinha chegado e ela sentia uma tremenda felicidade por isso.

Ela se arrumou mais do que o costume, colocou uma calça super fashion, que só usava em ocasiões especiais, camisa branca e sapatos de salto. Se maquiou, usando até batom vermelho.

Na hora que ela estava saindo de casa foi surpreendida pela mãe.

– Uau minha filha! Bom dia. Que linda que você está. Algo especial hoje?

– Bom dia mãe! Nada especial na verdade. Só estava com vontade de me arrumar.

– Parece até que está apaixonada.

– Por quem mãe? Não há novidade alguma na minha vida.

– Está linda, Ana! E uma mulher não precisa de motivo nenhum para se arrumar e ficar linda. Estou falando bobagens minha filha. Inclusive, você me inspirou e vou usar batom vermelho também.

– Faz muito bem mãe! Você fica linda de batom de vermelho. Agora preciso ir ou vou me atrasar para a aula.

– Boa aula minha filha.

– Bom trabalho mãe. Se despediu Ana dando um beijo na mãe e caminhando em direção à porta.

Enquanto o elevador descia, Ana se perdia em seus pensamentos ao olhar sua imagem no espelho. Ela se sentia feliz e nunca tinha se sentido tão bonita como naquele dia.

No caminho para a faculdade ela observava mais tudo em seu caminho e as coisas ganhavam certa poesia combinando com as músicas de sua playlist favorita que tocava no carro.

Já na faculdade, caminhando como se pisasse em nuvens, ela encontrou sua amiga Lara, que já chegou gritando.

– Cabeça!!! Que arraso de look é esse? E esse batom? Você está tão bonita e tão… adulta. Concluiu Lara.

– Obrigada Cabeça. Tenho uma apresentação importante no trabalho hoje. Mentiu Ana, não querendo dar muita importância para o assunto.

– Deve ser mesmo muito importante. Está linda.

– Bom, agora me conta como foi o seu segundo encontro c0m o Caíque ontem à noite! Quero saber de todos os detalhes.

– Ah Ana. Foi o melhor segundo encontro da minha vida.

– Amiga, acho que foi seu primeiro e único segundo encontro! Disse Ana caindo na gargalhada.

– Acho que você tem razão. Mas foi tão bom que acho que preciso fazer isso mais vezes. Respondeu Lara também caindo na gargalhada.

Elas riam, uma por cima da outra, quando foram interrompidas por Alex.

– Posso saber qual foi a piada? Quero rir assim também.´´

– Estávamos rindo das situações engraçadas da vida. Disse Ana.

– Uau Ana! Disse Alex perdendo completamente o foco. – Você está linda.

– Ela tem um compromisso importante no trabalho hoje. Justificou Lara.

– Eu acho que você está apaixonada. Disse Alex.

– E eu acho que está todo mundo louco e precisamos ir para a aula. Concluiu Ana.

E assim seguiram para a classe onde teriam aula de uma das matérias preferidas de Ana.

Durante a aula, Ana tinha dificuldade de se concentrar e um arrepio estranho percorria seu corpo quando ela pensava que encontraria Michel no trabalho. Ela não entendia de onde aquilo vinha, mas sentia que aquilo lhe fazia muito bem.

Ela sentia o tempo se arrastar, talvez pela alta expectativa que estava vivendo e passou a maior parte do tempo se esforçando para se concentrar na aula, até que finalmente a hora de ir embora foi anunciada pelo cumprimento de despedida de seu professor.

Ela foi embora em expectativa e por mais que tentasse não conseguia entender aquele sentimento estranho que fazia seu coração se acelerar sem pedir permissão. Seu corpo estava tão diferente naquele dia, que ela nem conseguiu almoçar.

Assim que chegou no escritório olhou ansiosa para a sala de Michel na esperança de ve-lo ali, mas ficou decepcionada ao encontrar a sala de paredes de vidro vazia

Ana trabalhou a tarde inteira esperando pela chegada do Michel, mas nada. Queria perguntar para alguém se ele voltaria naquele dia, mas não queria parecer interessada demais, por isso acabou não falando sobre o assunto com ninguém.

O dia já estava terminando e Ana finalmente conseguia se dedicar às pesquisas de sua matéria de capa sobre felicidade quando foi surpreendida por um toque em seu ombro.

Ela se animou com a expectativa de ser Michel e se virou nervosa.

– Ah é você? Disse Ana mostrando um desapontamento quando viu Kate.

– Sim! Sou eu? Quem esperava?

– Ninguém. Pensei ser a chefe. Desconversou Ana.

– Vamos tomar um café? Convidou Kate.

– Ótima ideia. Preciso descansar a cabeça depois de tantas horas de leitura. Se animou Ana.

– Adorei o batom. Te deixou um mulherão. Disse Kate enquanto caminhavam para o café.

– Obrigada! Acho que vou adotar o look com batom vermelho.

– Acho que você deveria. Disse Kate com toda sinceridade.

– Está vazio aqui hoje né? Perguntou Ana na esperança que Kate soubesse de alguma coisa.

– Sim. Os diretores estão reunidos o dia todo aqui nessa sala. Você não imagina tudo que se comentou nesse café hoje.

– Mas o que acham que pode ser? Perguntou Ana realmente curiosa.

– Parece que o Michel chegou com a missão de mudar a mentalidade da revista e começou o trabalho. Com isso achamos que algumas pessoas serão mandadas embora e substituídas.

– E o Michel está aí dentro também? Perguntou Ana achando que era a oportunidade ideal para ter alguma notícia dele.

– Sim! Está aí com todo mundo. O dia inteiro. Estão todos morrendo de medo de perder o emprego.

– Que medo. Será que devemos nos preocupar? Perguntou Ana, mesmo não sentindo medo algum pois sabia que em poucos meses estaria formada e a caminho da Hungria.

– Acho que não! Afinal somos estagiárias. Concluiu Kate.

– Você tem razão.

Elas conversavam sobre outros assuntos, quando a porta da sala de reuniões em frente ao café onde todos estavam reunidos se abriu. Sairam muitas pessoas de dentro da sala, quando finalmente Michel saiu e arrancou um sorriso espontâneo de Ana.

Ela tentava não olhar, quando elas foram totalmente surpreendidas por ele.

– Olá meninas! Bom vê-las aqui. Acabei de combinar um happy hour com todo o time hoje depois do trabalho, e se puderem, gostaria que vocês estivessem lá.

“Gente! Ele está me convidando para sair. Meu Deus! Calma Ana. Tecnicamente ele convidou a área inteira para sair.” Falava Ana consigo mesma em seus pensamentos quando recebeu um cutucão de Kate.

– E você Ana? Vem para o happy hour? Perguntou Michel.

– Ah sim! Podem contar comigo. Respondeu meio atrapalhada.

– Que bom meninas! Fico feliz que venham. Nos vemos em meia hora. Disse Michel já caminhando de volta para a sua sala.

– Gente! Ele é um gatooooo. Disse Kate suspirando. – Por isso é um galinha.

– Jura que ele é galinha? Ele parece tão sério. Era noivo há pouco tempo.

– Bom… não sei. Dizem que desde que chegou, e isso faz apenas 1 mês, já ficou com duas mulheres aqui da revista e uma delas é casada.

– Sério? Que cafajeste. Disse Ana desapontada.

– Ele está solteiro. Portanto não está fazendo nada errado. Errada é a mulher casada trair o marido com ele. Disse Kate tentando defender o Michel.

– Bom! O papo está ótimo, mas não tenho nada a ver com a solteirice e a canalhice do nosso chefe, e além do mais, preciso voltar para minha mesa e terminar minha pesquisa. Agora com esse happy hour terei apenas 30 minutos. Disse Ana querendo mesmo encerrar aquele assunto.

– Vamos voltar ao trabalho! Passo na sua mesa para irmos juntas. Ok? Disse Kate.

Elas voltaram para suas mesas e Ana acabou se perdendo em sua pesquisa. Ela estava realmente gostando de fazer aquele trabalho. Mal sentiu o tempo passar e salvava seus arquivos quando foi surpreendida por Kate toda maquiada.

– Vamos Ana? Convidou Kate.

– Vamos! Só preciso ir ao banheiro.

Elas saíram apressadas. No banheiro Ana aproveitou para reforçar seu perfume e seu batom. Ela ria de si mesma quando terminava seu retoque no espelho.

Quando elas chegaram ao happy hour, todos já ocupavam uma grande mesa que com elas completava 30 pessoas.

– Quero as representantes dos mileniuns aqui perto. Disse Michel convidando as meninas a se sentarem perto dele. Algumas mulheres da mesa reviraram os olhos.

Elas sentaram nas cadeiras colocadas ali para elas e assim que se sentou Ana recebeu um elogio de Michel.

– Está muito elegante hoje Ana.

– Tive uma apresentação de trabalho importante na faculdade hoje. Mentiu ela, super envergonhada.

– Então deveria ter apresentações sempre. Ele disse seguindo com os elogios.

Catarina, a secretária possessiva dele, interrompeu o diálogo deles.

– O que vão beber meninas. Tomam vinho com a gente?

– Pode ser. Disse Ana.

– Para mim também. Concordou Kate.

A noite seguiu animada e Michel dava mais atenção à Ana do que a qualquer outra pessoa na mesa. No início ela se sentia constrangida, mas quanto mais vinho bebia, mais contente com aquela aproximação ela ficava.

– Você chamou muito minha atenção com sua sugestão de pauta sobre a Felicidade e as mudanças de perspectivas com a evolução da humanidade.

– Acredito muito nisso e fico feliz que tenha gostado.

– Foi a primeira estagiaria que vi ganhar uma capa. Você tem muito talento.

– Fico grata pela oportunidade. “Que merda de resposta foi essa?” Disse Ana consigo mesma envergonhada por estar sendo tão boba às vezes naquela noite.

– Não precisa agradecer. Fez por merecer. Agora quero ver o resultado. Estou ansioso para ler seu texto.

– Vou me esforçar para te surpreender.

– Então continue assim, pois está no caminho certo. Disse ele mais encantado do que queria parecer.

Ana corou e virou de uma vez o conteúdo de sua taça de vinho. Ela começava a se sentir zonza quando decidiu que era hora de parar com o vinho e com tudo aquilo e tomar o rumo de casa.

– Acho que está ficando tarde. Disse ela.

– Já? A mais nova da mesa vai embora tão cedo? Provocou Michel.

– Tenho mil coisas para fazer amanhã. Preciso mesmo ir.

– Onde você mora?

– Em pinheiros.

– Me dá uma carona? Pediu Michel.

– Claro. Respondeu Ana sem graça.

– Então vou na hora que quiser.

– Se não se importa, gostaria de ir. Disse ela.

– Então vamos. Vou pegar um voo amanhã bem cedo e ir logo para casa me fará bem.

Eles se despediram e seguiram para o estacionamento.

Ao entrar no carro, Ana se sentia muito constrangida, mas radiante de felicidade ao mesmo tempo. “Eu procurei por você o dia todo e agora você está aqui no meu carro.” Pensava ela achando graça da situação.

– Me fala seu endereço. Pediu ela começando a digitar no GPS.

– Me dá aqui que coloco.

Ele pegou o aparelho da mão dela e acabou tocando a mão dela. O toque dele fez o corpo todo de Ana se arrepiar. Na hora ela ligou na máxima potência o ar condicionado.

Eles conversavam sobre coisas pessoais e o trabalho parecia ter ficado para trás. Eles se divertiam juntos. Riam. Tinham gostos em comum, apesar dos 10 anos de diferença. Ana estava encantada com a maturidade dele. E Michel encantado com a espontaneidade dela.

Eles já estavam perto da casa dele, quando ele pediu para Ana parar o carro no acostamento.

– Ana, você pode parar o carro aqui um minuto, por favor?

– Claro! Mas está tudo bem?

– Sim! Tudo bem. Só preciso muito resolver algo.

Ana parou o carro apressada achando que ele não se sentia bem. Ela ligava o pisca alerta, quando Michel veio em sua direção e sem que ela pudesse pensar sobre o que estava acontecendo, eles estavam se beijando.

Ana tentava retomar o ar quando o beijo terminou e pensava no que dizer quando ele a beijou de novo. Em poucos minutos estavam tirando as roupas um do outro. E Ana não podia acreditar que estava ao mesmo tempo perdendo sua virgindade, transando no primeiro encontro, no meio da rua e com o seu chefe com fama de cafajeste.

Uma onda de consciência tomava conta dela, mas o desejo foi mais forte e ela se entregou completamente para toda a loucura que tomava conta daquela noite.

CONTINUA…

O CAPÍTULO 06 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *