Helena se olhava no espelho do elevador enquanto ele descia.

“Como esse ano passou rápido! Mal posso acreditar que daqui seis dias é ano novo. Eu mal me lembro onde estava enquanto esse ano passou. Parece que foi ontem que vi os fogos de artificio iluminando e colorindo a chegada desse ano. O que eu fiz esse ano, além de trabalhar muito? Não fui pedida em casamento. Vou fazer trinta anos no ano que vem e meu namorado parece não querer uma família, um casamento, uma vida só comigo. Pare de pensar bobagem Helena. Você está de férias e vai ter uma super festa de ano novo com suas melhores amigas e sua família. E pelo menos, você tem um namorado.”

Nesse momento o vizinho do primeiro andar entrou no elevador carregando uma mala, atropelando seus pensamentos.

– Bom dia! Ele disse.

– Bom dia! Ela respondeu mais animada do que queria parecia.

Logo o elevador chegou no térreo e ela saiu desejando feliz ano para ele enquanto arrastava sua mala de rodinhas. Ele retribuiu e pareceu achar graça.

“Quem é esse homem? De que filme ele saiu? Deve ser novo no prédio. Helena você vai encontrar seu namorado em segundos. Não deveria estar tão abalada com um encontro com o novo vizinho deuso no elevador.” Ela pensava rindo de si mesma.

Quando ela chegou no portão viu Gustavo encostado fora do carro esperando por ela.

– Oi namorada! Ele disse correndo para dar um beijo nela e ajuda-la com a mala.

– Oi namorado.

– Desculpe o atraso. Meus pais fizeram um café de ano novo hoje e acabei me atrasando.

– Sem problemas. Íamos passar no supermercado, mas minha mãe ligou dizendo que não precisa mais.

– Que bom! Animada com o ano novo? Ele perguntou dando partida no carro.

– Sim! Muito animada. Como sempre.

– Por que gosta tanto dessa data?

– Porque sinto que tem novas chances para a felicidade nascendo.

– E o que mais deseja nesse ano novo? Ele perguntou

Ela queria gritar para ele: Que você me peça em casamento. Mas preferiu dizer apenas:

– Muito amor.

– Mas você já tem muito amor. Eu te amo muito Helena.

– Eu desejo ainda mais.

– Então que seu desejo de ano novo se realize.

“Só depende de você!” Ela pensava.

– E você? O que deseja para o ano novo. Ela perguntou.

– Desejo ser promovido no trabalho. Preciso ganhar mais. Quero comprar um apartamento no ano que vem e sair da casa dos meus pais.

– Interessante a parte do apartamento. Ela brincou.

– Achou interessante é? Ele respondeu dando um beijo rápido nela.

Ela pensou em perguntar sobre casamento ou sobre a possibilidade de morarem juntos, mas esse assunto já tinha rendido boas discussões e ela estava em clima de ano novo, se sentindo feliz e grata, portanto preferiu manter o clima amistoso. E nesse momento um silencio confortável tomou conta do carro e a música encheu o ambiente.

Depois de mais de três horas de viagem e um transito intenso de carros que os acompanhou por todo caminho, eles finalmente chegaram no paraíso.

A casa ficava na beira da areia e tinha uma vista estonteante. Os pais de Helena tinham comprado a casa antes que o terreno valorizasse muito e hoje a casa valia muito mais do que eles pagaram. As festas de ano novo ali eram memoráveis e Helena passava as férias de verão ali desde pequena. O lugar era carregado de boas lembranças e boas histórias, por isso ela sempre se sentia grata e feliz quando chegava ali.

– Minha filha! Que bom que chegaram. Pegaram muito transito?

– Oi mãe! Sim! Pegamos bastante transito, mas estamos aqui.

– Olá Gustavo! Como vai?

– Bem Renata! E você?

– Tudo ótimo. Acomodem as coisas de vocês, se vistam e nos encontrem na piscina. Hoje o almoço será servido lá.

– Que delícia mãe! O Vitor já chegou?

– Ainda não! Vocês foram os primeiros. Estamos somente eu, seu pai, sua tia e seu tio aqui. Seus primos devem chegar hoje. O Marcos vem com a mulher e a filha de dois anos e o Caíto deve chegar a qualquer momento. As meninas vem né?

– Sim mãe!

– Quando chegam? A Raissa deve vir hoje com o Vitor. E a Lara chega somente dia 31.

– Minha filha, a Raissa e o Vitor voltaram a namorar?

– Não mãe. Eles terminaram, mas estão ficando de novo.

– Seu irmão não toma jeito. A Raissa é uma menina incrível. Não sei porque ele terminou com ela. E agora ficando com ela, mas sem namorar. Que situação mais estranha. Não sei como chama-la.

– E eu não sei como uma menina incrível como ela se sujeita às vontades do Vitor.

– Helena, ele é seu irmão.

– Mas isso não faz dele um santo.

– Vou me trocar. Disse Gustavo tentando defender o amigo, com medo de que sobrasse para ele.

– E por que a Lara só chega dia 31? Perguntou a mãe ignorando a saída de Gustavo.

– Vai trabalhar. Como sempre. Ela não perde um único dia de trabalho. Mas depois fica uma semana aqui. Depois de 2 anos sem férias, tirou uma semana.

– Essa menina é trabalhadora!

– Ela é mesmo! Por isso é rica com 29 anos.

– Vai se trocar filha. Estamos esperando na piscina.

– Vou! Estou morrendo de fome.

Helena correu para o quarto, deixou suas coisas, colocou um biquíni e foi com Gustavo encontrar os pais e os tios na piscina. Eles começavam a almoçar quando Vitor e Raissa chegaram. Helena se levantou e correu abraçar a amiga.

– Oi Raissa! Que bom que chegaram.

– Pegamos muito transito.

– Nós também. Venha comigo, vamos guardar suas coisas.

Raissa cumprimentou rapidamente os pais e os tios de Helena e elas foram para o quarto.

– E como estão as coisas com o meu irmão? Helena perguntou.

– Estão estranhas. Faz um ano que terminamos e não consigo me separar dele. Eu amo tanto seu irmão minha amiga. Não entendo o que se passa com ele.

– Nem eu minha amiga! Você é deslumbrante! Linda, bem sucedida, poderia ser modelo e milionária, se quisesse. Pode ter qualquer homem legal do planeta.

– Mas eu gosto do Vitor. Esse é meu destino. E não sou tudo isso. Acho que no ano novo quero me ver através dos seus olhos minha amiga.

– Acho que precisamos nos libertar. Disse Helena.

– Libertar? Como assim? Você é louca pelo Gustavo. Que história é essa de liberdade?

– Eu não sinto que ele queira o mesmo que eu. Sinto que estou ficando velha e perdendo as minhas chances de ser feliz no amor. Vou fazer trinta anos. Daqui dois anos quero estar grávida e o assunto casamento faz o Gustavo fechar a cara. Acho realmente que queremos coisas diferentes.

– Já tentaram conversar?

– Amiga! Mil vezes. A partir de agora, só se eu pedir ele em casamento. Aliás, talvez à meia noite do primeiro dia do ano eu o peça em casamento.

– Não duvido que faça.

– Eu não faria. Sou muito moderna para um monte de coisas, mas acho que o pedido precisa ser do homem. Sou das antigas nesse quesito e uma romântica incurável. Sonho com um pedido de casamento lindo e um casamento, desses com vestido branco e decoração com flores brancas.

– Somos duas românticas incuráveis. A Lara que é feliz! Racional. Deve ter um segundo cérebro no lugar do coração. Aliás, cadê a Lara?

– Chega somente dia 31. Adorei a ideia dos dois cérebros. O Gustavo deve ter dois cérebros também.

– Não creio que ela só chega dia 31.

– Mas fica mais uma semana. Vamos todos embora juntos no dia 7/01.

– Ah bom! Pensei que a workaholic viria somente para a virada.

– Por ela viria, mas a empresa a obrigou a tirar férias.

– É sério?

– Super sério! Precisamos falar com ela. Ela precisa aproveitar mais a vida.

– Vamos dar isso como meta de ano novo para ela.

– Boa ideia Raissa! Agora vamos almoçar. Estou morrendo de fome.

– Vamos.

As meninas voltaram para a mesa e todos já comiam. O almoço seguiu tranquilo e animado, recheado de conversa boa e temas leves. O stress começava a ir embora e o clima de férias tomava conta de todos ali. Os drinks ajudavam e a brisa que vinha do mar aliviava o calor e fazia a sensação térmica ficar perfeita.

Depois do almoço seguiram relaxando na piscina. Gustavo estava mais carinhoso do que o normal e Helena se derretia, esquecendo os problemas amorosos relacionados à falta do pedido de casamento. Enquanto Vitor dava menos atenção à Raissa do que ela gostaria. Helena percebeu a distração do irmão e levou a amiga para dar uma volta na praia.

Os meninos mal perceberam a saída delas porque estavam distraídos em seus telefones celulares.

– Essa casa é mesmo demais! Alguns passos e estamos na areia e chegamos nesse mar incrível nos convidando a agradecer à vida. E inspirada por isso quero te agradecer por tudo. Disse Raissa emocionada.

– Me agradecer pelo que? Helena perguntou curiosa.

– Pela sua amizade, pela parceira, por estar presente na minha vida em todos os momentos importantes, por ter me convidado para vir pra cá, por aceitar minha relação estranha com o seu irmão. Enfim, te agradecer por estar esse tempo todo comigo e por ser minha melhor amiga.

– Ah Raissa! Você é mesmo demais. É um prazer para mim tê-la em minha vida e estar com você em todos esses momentos. Eu também quero te agradecer por tudo. Você é a melhor amiga que alguém pode ter. Eu amo você e amo ter você na minha vida.

Elas se abraçaram emocionadas.

– Ah amiga! A vida poderia ser tão mais simples. Por que a gente complica tanto? Desabafou Raissa enquanto voltavam a caminhar.

– Essa é uma excelente pergunta. Por que a gente complica tanto?

– Acho que o ser humano é atraído por isso. Deve ter uma explicação. Porque não faz sentido a gente escolher viver situações como a que eu estou vivendo. Faz quase um ano que seu irmão terminou comigo. E a quase um ano eu fico com ele sem compromisso. Parece que ele me usa nos eventos sociais. Parece que ele quer ficar comigo nos momentos em que ter uma namorada é legal. Tipo a viagem de final de ano. Disse Raissa em tom de desabafo.

– Ah minha amiga, acho que você tem toda razão. O meu irmão está perdido em busca sei lá do que. Ele acabou de se tornar sócio da consultoria. Um dos mais novos a conseguir isso. Ele tem só 31 anos. Tem vocação para a carreira que escolheu e é muito competente, mas é muito imaturo para as coisas do coração. Para algumas questões parece ter mais de quarenta, como é o caso do trabalho e para outras parece ser um adolescente, como é o caso das questões amorosas. O que ele fala para justificar essa relação extra oficial de vocês depois de tantos anos de namoro?

– Na verdade ele não fala muito. Eu também não pergunto. Preciso confessar que me esforço para deixar tudo mais leve porque tenho medo de ele não querer mais nem essa relação.

– Amiga de Deus! Você é linda, bem sucedida, inteligente. Não tem porque você ter essas inseguranças. Os homens caem aos seus pés. Você precisa parar com isso. Meu irmão nunca vai te valorizar assim. Nem ele nem ninguém. Você precisa se valorizar mais minha amiga.

– Ai amiga… não sei porque sinto isso, mas sinto. Eu realmente amo seu irmão. Acho que é algo de outras vidas. Quero ele de qualquer jeito.

Helena riu.

– Amiga! Você é maravilhosa demais para ser de verdade.

– Ah Helena! Quem me dera o mundo me visse com seus olhos.

– Quero que você se veja com os meus olhos. Você é tão maravilhosa minha amiga.

– E como estão as coisas com o Gustavo?

– Iguais! Na mesma condição de 10 anos atrás quando começamos a namorar. Apesar de namorarmos, sinto que não temos futuro. Ele não fala em casamento e na verdade foge do assunto. Não sinto que ele me assuma. É estranho. Ao mesmo tempo que sinto o amor dele, também sinto a total falta de comprometimento dele com o nosso futuro.

– Helena, o Gustavo é louco por você. De onde está vindo isso?

– Não sei amiga. Fiquei insegura. Já namorados há dez anos e nada evolui.

– Amiga, você só namorou com ele a vida toda. Como sabe que é ele? Como sabe que ele é o amor da sua vida?

– Não sei como. Simplesmente sei. Na verdade já nem sei mais se sei que é ou se quero que seja.

– Te entendo minha amiga. Mas acho que a gente precisava pensar menos e sentir mais.

– Acho que você está certa.

E nesse momento elas foram interrompidas por Gustavo e Vitor chegando.

– E aí meninas? Disse Vitor agarrando Raissa. Topam uns drinks? Vamos voltar?

– Vamos! Respondeu Raissa empolgada.

– Drinks vão bem! Concordou Helena.

Gustavo estava mais calado.

Na volta para casa Helena perguntou:

– Está tudo bem?

– Sim! Tudo certo. Só preocupado com um tema de trabalho.

– Amor, você está de férias! Tente relaxar um pouco. Você trabalhou tanto esse ano.

– Você tem razão! Preciso relaxar. Ele respondeu, sem conseguir ser muito convincente.

Eles voltaram para casa e como o planejado, terminaram o dia olhando o sol se pôr no mar, ouvindo música e bebendo drinks preparados por Vitor.

Anoiteceu e seguiam na piscina, o clima era alegre, mas algo estranho acontecia entre Helena e Gustavo. Ele seguia mais calado do que o normal e Helena mais insegura do que nunca.

O dia seguinte chegou e a angustia insistia em ser parte do coração de Helena. Ela seguia falando consigo mesma, tentando se convencer que estava tudo bem, mas todas as atitudes de Gustavo acabavam por convence-la que talvez as coisas estivessem realmente mudando e pela primeira vez na vida dela, ela não se esforçava para mudar as coisas. De certa maneira algo no coração dela mudava também.

Os dias se passaram e Helena ia curtindo cada vez mais seus dias de sossego. Aquele tinha sido um ano de trabalho muito estressante e ela se sentia exausta. Os drinks na piscina, as caminhadas na praia, os banhos de mar, a companhia da melhor amiga, dormir todas as noites com Gustavo e a expectativa da chegada de um novo ano iam enchendo a vida de felicidade.

Os primos de Helena chegaram com a família e casa ficou lotada, barulhenta, caótica e feliz. Helena cresceu com os primos, que se tornaram meio irmãos dela e a presença deles ali fazia tudo ainda mais especial.

As noites eram animadas a música e drinks. Os jogos eram diversos. Todos ali voltavam a ser um pouco crianças sem responsabilidades ou preocupações com o dia seguinte. E dia após dia estavam cada vez mais relaxados, bronzeados e felizes.

A relação de Raissa e Vitor parecia ganhar força e ele parecia se importar com ela como há tempos não acontecia e isso ia enchendo o coração dela de esperança. Enquanto Helena e Gustavo pareciam cada dia mais distantes.

O último dia do ano chegou e logo depois do almoço, finalmente Lara chegava para completar o trio de melhores amigas que já passavam juntas o ano novo há cinco anos.

A chegada dela foi um acontecimento. Ela mal desceu do carro e as meninas correram abraça-la.

– Lara! Que bom que você chegou. Disse Helena abraçando a amiga.

– Cheguei! E estou louca por um gin tônica. Ela respondeu retribuindo o abraço.

– Oi Lara! Até o seu ficar pronto, beba do meu. Disse Raissa dando deu drink à amiga.

– Por isso vocês são minhas melhores amigas.

– Venha! Vai se trocar. O sol está uma delícia e estamos bebendo drinks na piscina.

– Estou precisando muito de tudo isso. E de homens! Ela respondeu dando uma gargalhada.

– Isso não tem amiga. Mas quem sabe mais tarde, na festa de final de ano. Terá uma festa incrível aqui na praia.

– Mal posso esperar. Preciso fazer mudanças na minha vida.

– Bem-vinda ao clube das mudanças. Disse Raissa.

– Gente! Preciso me atualizar. Nos vimos há dez dias e parece que passou um ano. Brincou Lara.

– São muitas emoções minha amiga. Disse Helena.

– E você precisa se equiparar ao nosso nível alcoólico também. Brincou Raissa.

– Então vamos logo! Implorou Lara. – Não conseguimos sair da garagem.

– Vem vamos! Gritou Helena empolgada puxando Lara pelas mãos.

As meninas correram para o quarto e Lara se trocou.

Elas foram para piscina onde todos estavam festejando o último dia do ano.

As três amigas estavam juntas finalmente e quando isso acontecia, uma onda de boas energias tomava conta de tudo as fazendo acreditar que tudo daria certo.

Elas bebiam seus drinks dentro da piscina e o sol ainda estava quente e forte apesar de se passar das quatro horas da tarde.

– A vida é tão melhor com vocês. Declarou-se Helena já alta depois de tantos gin tônicas.

– Ah! Você é maravilhosa minha amiga. Disse Lara se derretendo.

Nesse momento Vitor agarrou Raissa e roubou um beijo dela.

– Perdi alguma coisa? Eles voltaram? Perguntou Lara espantada.

– Eles estão ficando de novo.

– Como assim? Não reataram o namoro, mas estão ficando?

– Exatamente.

– Que loucura isso. E o Gustavo? Será que esse pedido sai nessa noite de ano novo? Perguntou Lara.

– Acho que não. Ando meia desesperançada.

– Mas você quer isso?

– Eu queria muito. Mas já nem sei mais.

– Deixa acontecer amiga.

– Farei isso! E você Lara? O que espera do amor?

– Espero encontrar um amor logo. Já não aguento mais essa vida solitária, só de trabalho. Vou fazer 30 anos e o que eu construí na vida?

– Um patrimônio amiga.

– Tenho me dado conta que o valor está nas relações. E não tenho ninguém. Preciso mudar isso. De nada adianta ter dinheiro, sem uma vida com sentido. Sem uma vida com pessoas. Nem um namorado eu consigo ter. O trabalho precisará dar espaço a outras coisas na minha vida.

– Então bora mudar isso.

– Essa é minha meta de ano novo. Disse Lara. – Qual é a sua?

– Quero uma relação de amor verdadeira. Com o Gustavo ou com qualquer outra pessoa. Quero fazer planos. Quero começar uma família.

– E sua meta Raissa? Perguntou Lara aproveitando que a amiga voltava para a conversa.

– Quero uma relação verdadeira também. Quero me amar mais na verdade. Mesmo que isso signifique não ficar nunca mais com o Vitor.

– Um brinde ao amor verdadeiro no ano novo. Propôs Helena.

– Um brinde ao amor verdadeiro. Elas responderam juntas.

– Isso está parecendo um conto de fadas da Disney. Disse Raissa.

– Um príncipe encantado cairia bem! Brincou Lara.

– Que esse ano traga nossos príncipes encantados e nossos finais finalizes. Propôs Raissa.

– E que esse seja só o começo da nossa vida. Completou Helena.

– Estou ansiosa por essa noite. Por esse festa. Por esse novo ano que começa em algumas horas. Minha meta é beijar um desconhecido no primeiro minuto desse ano. Disse Lara empolgada.

– Se a energia for a mesma desse pôr do sol começaremos bem esse ano. Disse Helena mostrando o sol se pôr no mar bem ao alcance dos olhos delas.

– Somos muito abençoadas, com ou sem príncipe. Disse Raissa. – E teremos 365 chances para o amor em algumas horas.

– Mas um príncipe não seria nada mal. Brincou Lara que de alguma forma tentava jogar seus maiores desejos para o universo. – E o fato de termos 365 chances para amor coloca tudo em excelente perspectiva.

– Adorei isso Raissa! No ano que vem teremos 365 chances para amar. Mais um brinde a isso!

Elas brindaram mais uma vez, terminaram os drinks e foram se arrumar em alta expectativa para a festa de ano novo que aconteceria em algumas horas.

O jantar foi servido em uma mesa na areia e a energia não poderia ser melhor. Perto da meia noite foram todos para a festa que ia acontecer na praia para receber o ano novo.

A festa estava linda. Tinham muitas flores, tochas de fogo, castiçais com velas, sofás brancos e almofadas coloridas. Tinha uma enorme pista de dança com telão e luzes de danceteria. Um DJ famoso tocava naquela noite que prometia ir até o sol nascer.

Depois de muitos drinks e muita música, o DJ anunciou o ano novo chegando:

– Pessoal falta um minuto para meia noite.

Um frenesi tomou conta das meninas.

– Pensem nos seus pedidos de ano novo meninas! Propôs Raissa fechando os olhos.

– 5, 4, 3, 2, 1! Feliz Ano Novo galera! Gritou o DJ anunciando a chegada do novo ano.

Raissa estava de olhos fechados quando Vitor a beijou.

– Feliz Ano Novo meu amor.

Ela colocou os braços em volta do pescoço dele.

– Para você também, Vitor.

Gustavo deu um beijo em Helena e se afastou para atender a ligação da mãe e Vitor foi conversar com os primos.

As meninas se abraçaram desejando feliz ano novo umas para as outras e reforçaram seus pedidos por amor verdadeiro tilintando taças de champanhe. As meninas nem sentiram falta de Vitor e Gustavo e como era o costume, seguiram cumprimentando pessoas desconhecidas desejando feliz ano novo a elas. Elas estava rindo, conhecendo novas pessoas quando Helena paralisou após desejar feliz ano novo a um homem deslumbrante.

– O que foi amiga? Parece que viu um fantasma. Disse Raissa.

– Esse cara que acabei de cumprimentar é meu vizinho em São Paulo. Encontrei ele no elevador e fiquei com a imagem dele na minha mente por vários dias. E ele apareceu aqui.

– Ele apareceu aqui depois de você pedir por amor verdadeiro. Será que foi um sinal? Ou um pedido atendido à meia noite? Brincou Raissa.

– Nem sei o que pensar. Disse Helena.

– O que sei é que a Lara parece ter encontrado seu amor verdadeiro. Senão para a vida, para essa noite. Disse Raissa apontando para a amiga que beijava um desconhecido.

CONTINUA…

O CAPÍTULO 2 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Capítulo 1 – Noite de Ano Novo

Sabrina Almeida


Sou mãe, filha, esposa, mulher, amiga, confidente, conselheira. Sonhadora, determinada e realizadora. Organizada, mas com um que de caótica. Apaixonada pela vida e pelas pessoas. Intensa! Publicitaria, trabalho desenvolvendo produtos e marcas para deixar as pessoas mais bonitas e felizes. Escrevo porque amo escrever. Minha cabeça está sempre repleta de sonhos e devaneios. Sigo sempre meu coração. Hoje penso mais antes de tomar uma decisão. Encontrei a FELICIDADE, assim todinha maiuscula, nas coisas simples da vida. E escrever é uma delas. Enquanto as pessoas vão para a academia, fazem trilhas, tocam instrumentos musicais, cozinham… Eu escrevo! Esse é o meu hobbie… Escrevo para traduzir o que está no meu coração, sem regras, métodos ou filtros. Escrevo porque me inspira e me faz feliz. Acredito que é simples ser feliz e que para isso é preciso uma boa dose de coragem, de sorte e de sonhos e devaneios. Quando eu decidi escrever, uma pessoa me perguntou: “quem te garante que as pessoas vão se interessar pelo que você escreve?” E a minha resposta é como vou concluir minha apresentação. Vou escrever para tentar ajudar as pessoas a ver diferentes perspectivas, rir no meio de um dia difícil ou enxergar poesia no dia a dia. E se eu conseguir tocar o coração de pelo menos uma única pessoa, já terá valido à pena.


Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *