Capítulo 10 – Um beijo ao som de Calvin Harris

O coração de Nina batia acelerado e de repente ela entendia o sumiço dele.

“Na verdade ele foi andar de barco com a loira deslumbrante.” Pensava ela no momento em que seus pensamentos foram interrompidos pelo coordenador que a acompanhava.

– Hey Nina! O que houve? Por que parou de acenar para as pessoas?

Nesse momento Nina voltou a acenar para quem passava e as lágrimas começaram a rolar pelo seu rosto.

“Por que? Por que? Por que comigo? Por que estou vestida de galinha? Por que preciso passar por isso? Por que a loira deslumbrante está almoçando com ele depois de termos transado enlouquecidamente no final de semana inteiro? Por que eu não sou loira? Por que não tenho aquelas roupas? Por que não tenho 1m80? Por que? Por que ele cozinha para mim e leva ela para almoçar? Por que?” Se perguntava Nina em seus pensamentos enquanto chorava e acenava para as pessoas.

Ela estava na expectativa de vê-los saindo do restaurante, mas mudaram de esquina. Ela partiu para o próximo ponto da galinha e não pode ver o final do almoço. Seus pensamentos estavam embaralhados e assim ela passou o resto do dia.

No final do dia terminou de se vestir e foi olhar seu celular. Não tinha nenhuma mensagem de Roberto.

“Claro que não tem nenhuma mensagem dele! Acorda Nina! Ele estava com uma mulher mil vezes melhor do que você.” Gritava consigo mesma em seus pensamentos.

– Tchau Nina! Obrigada por hoje e até amanhã.

Nina pensava em desistir do job de galinha, mas relembrou a grana e respondeu simplesmente:

– Até amanhã.

Ela pegou um ônibus para casa e implorava para que o céu cinza chumbo não desabasse toda água em sua cabeça.

Quando ela desceu do ônibus grandes pingos começavam a cair e ela se apressou para fugir da chuva.

“Mais essa!” Pensava ela já ficando ensopada pela chuva. Aquela seria mais uma tarde de chuva em que ela não passearia com os cachorros.

Ela chegou em casa ensopada e se olhava derrotada no espelho do elevador que a levava para casa.

Ela entrou em casa e foi direto tomar banho. Aquele tinha sido, disparado, o trabalho mais dolorido de sua vida. Ela deixava a água cair em seus ombros e se sentia grata por estar ali protegida de tudo. De repente sua mente se esvaziou e ela se conectava apenas consigo mesma.

“Que se dane o Roberto! O que eu achei meu Deus? Que aquele homem deuso, bem sucedido, com uma fila de mulheres atrás dele ia ficar comigo? Uma mulher normal, sem emprego fixo e sem muitas perspectivas?”

“Tudo errado Nina! Você não vai deixar um homem que você mal conhece te fazer se sentir assim. Você tem muito valor mulher!” Ela seguia com pensamentos conflitantes tentando manter sua autoestima e amor próprio.

Ela terminou o banho e ficou olhando para o telefone na esperança que ele tocasse, até que resolveu finalmente abrir seu computador e começar a escrever seu romance.

Ela aprovou sua própria decisão, abriu uma garrafa de vinho e se enfiou debaixo das cobertas para começar a escrever.

Sem muita dificuldade ela escreveu 10 páginas e seguia ficando cada vez mais empolgada com o que produzia, até que seus olhos começaram a se fechar de tanto sono. E assim, já tarde da noite, ela colocou o computador de lado e dormiu.

O dia seguinte chegou logo e ela foi acordada pelo despertador que parecia mais histérico do que nunca.

Ela tomava café quando chegou uma mensagem de Roberto.

“Passando para dar um oi. Tudo bem por aí?”

Ela queria mandar ele a merda e responder à mensagem com um monte de palavrões, mas respirou fundo e lembrou do conselho de seu pai: “Não faça nada quando estiver com raiva. Deixe para depois e se mesmo depois seguir com o mesmo sentimento, faça.”

“Melhor deixar para depois.” Pensava ela que se apressava em tomar seu café para sair.

Ela caminhava até o ponto de ônibus tentando digerir aquilo tudo, mas a cena dele abraçando a loira deslumbrante não saía de sua cabeça. Logo a vontade dela era perguntar como andava o relacionamento deles.

“Será que eu sou a outra?”

“Será que ele está traindo a loira deslumbrante comigo?”

“Talvez seja isso! Talvez a loira já estivesse oficialmente na vida dele quando eu cheguei.”

“Mas que namorada não vê o namorado sexta e sábado?”

“Ele dedicou praticamente o final de semana todo para mim.”

“O que está acontecendo meu Deus?”

Nina seguia falando consigo mesma em seus pensamentos totalmente consumida pelos montes de pontos de interrogação que tinham na sua cabeça.

Logo ela chegou no seu local de trabalho e enquanto vestia a fantasia de galinha pensava em Roberto e na possibilidade de vê-lo novamente.

Ela começou sua performance como galinha e seguia acenando para os outros se concentrando em não morrer de calor.

“Mais um dia de sensação térmica acima dos 40 graus.” Pensava ela entrando em desespero pela quantidade de horas que ainda tinha dentro daquela galinha.

Ela seguiu procurando Roberto em todas as pessoas que passavam, mas não o encontrou.

“Preciso parar com isso!” Pensava ela.

E como um milagre o final de mais um dia de galinha acabou.

Ela terminava de se trocar quando recebeu uma mensagem de Melina.

“Topa me ajudar com a degustação para escolha das bebidas do casamento?”

“Hum! Super topo!”

“As meninas estão vindo! Marcamos às 20h naquela adega gigante do shopping Park Mall.”

“Vamos comer algo antes?”

“Sim amiga! Lá mesmo. Rs”

“Ok! Até já então. Beijos”

Nina se sentia feliz com o encontro de mais tarde com as amigas. Ela tentava acalmar seus pensamentos quando seu celular tocou.

– Oi mãe! Atendeu Nina.

– Oi filha! Tudo bem por aí?

– Sim! E por aí?

– Tudo bem também. Seu pai vai para China a trabalho.

– Que legal! Ele deve estar feliz.

– Sim! Ele está bem feliz. Você ligou para a sua sobrinha Paula? Hoje é aniversário de 6 anos dela.

– Esqueci mãe! Vou ligar assim que chegar em casa. Obrigada por ter me lembrado.

– Boa minha filha! Vamos combinar de você vir para cá quando seu pai estiver viajando. Ele ficará 20 dias fora.

– Vamos sim! Você pode vir para cá também. Vamos revezar e fazemos companhia uma para outra.

– Por 20 dias ficarei sozinha, tendo minha família espalhada em 3 cantos diferentes do mundo. Queria tanto que seu irmão morasse aqui. Precisamos nos programar para ir vê-lo. Vamos minha filha. Se programe. Pagamos sua passagem.

– Vamos sim mãe! Estou morrendo de saudades de todos por lá. Nina respondeu sabendo que não ia aceitar que pagassem nada para ela. Mas suas economias até ali talvez já viabilizassem a viagem financiada por ela mesma.

– Então vamos nos planejar. Te amo minha filha. Fique com Deus.

– Te amo mãe. Você também. Beijo

– Beijo.

Nina desligou o telefone com a mãe e seus pensamentos foram para o seu irmão. Ela morria de saudades, mas só iria visita-lo quando tivesse dinheiro suficiente para pagar a passagem e suas despesas por lá.

“Afinal de contas, a galinha está valendo a pena.” Pensava ela concluindo que o dinheiro desse trabalho engordaria sua poupança.

Nina chegou em casa e foi correndo ligar para o irmão.

– Oi Nina! Disse ele feliz ao atender o telefone.

– Oi irmão! Tudo bem por aí?

– Tudo certo! E com você?

– Tudo mais que certo.

– Que bom ouvi-la dizer isso. Torço muito por você irmã!

– Tem uma baixinha fazendo 6 anos hoje por aí?

– Tem sim! E ela está super animada. Teve festa na escola para ela hoje.

– Chama a aniversariante para mim por favor.

– Oi Tia Nina! Disse Luisa, antes que Paula chegasse.

– Luluca, como você cresceu! A menina de 3 anos mais linda e comprida que conheço. Você está linda.

– A Paula chegou tia Nina! Hoje é aniversário de 6 anos dela.

– Eu sei meu amor.

– Te amo tia Nina.

– Te amo Luluca!

– Oi tia Nina! Disse Paula charmosa chegando ao telefone.

– Você está fazendo 6 anos hoje?

– Sim! Tive festa na escola e ganhei uma boneca que faz xixi e cocô de verdade.

– Uau! Que máximo meu amor. Feliz aniversário!

– Obrigada tia Nina! Queria que você estivesse aqui. Você mora no meu coração.

– Ai meu amor! Como você é linda! Estou me planejando para ir visita-la! Você também mora no meu coração.

– Obrigada por ter ligado tia Nina.

– De nada meu amor! Curta o resto do seu dia.

– Você também tia Nina. Um beijo. Disse ela mandando beijos com as mãos.

– Eu juro que ela pediu para você vir por vontade própria! Eu não disse nada para ela. Disse o irmão voltando para o telefone.

– Vocês são demais! Elas estão muito fofas Cadu!

– Venha nos visitar Nina! Todos aqui te adoram e sentem sua falta.

– Vou! Dessa vez prometo de verdade. Vou em julho.

– Dia 1/07?

– Dia 01/07. Vou comprar a passagem. E aproveitar as férias com as meninas.

– Excelente ideia. Estamos te esperando. Obrigado por ter ligado. A Paulinha ficou radiante.

– Amo vocês!

– Amamos você também. Beijos Nina.

– Beijos Cadu.

Nina desligou o telefone e acessou a internet para comprar a passagem.

“Hum, tudo muito caro! Vou pedir para me avisarem quando tiver promoção de passagem aérea para Portugal.” Nina se cadastrou no site demonstrando seu interesse por promoções para idas a Portugal e foi tomar banho.

“Nunca estive tão perto de ir à Portugal.” Pensou ela enquanto ensaboava o cabelo.

Ela terminava de se arrumar quando seu celular tocou.

Era Roberto ligando e o seu coração disparou. A razão fugiu de sua mente e ela não tinha ideia do que fazer. Seu cérebro paralisou e não enviava um único comando para ela.

“Atendo? Ou não atendo?”

“Atendeeeee!” Seu cérebro finalmente enviou um comando e ela atendeu à chamada.

– Alô. Disse ela.

– Oi Nina, tudo bem?

– Bem e você?

– Bem também. Tenho um jantar com amigos hoje para comemorar a aprovação de um novo projeto e queria te convidar para ir comigo.

– Que legal! Mas não posso hoje. Vou ajudar a Mel na escolha das bebidas para a festa de casamento.

– Parece interessante e imperdível. Que pena que não pode ir comigo. Estou com saudade de você.

– Eu também! Ela respondeu sem pensar.

– Vamos tentar marcar algo no final de semana?

– Vamos! Quer dizer… acho que vou visitar meus pais no final de semana. Mas tentamos. Disse ela querendo se fazer de difícil.

– Que pena, mais uma vez. Seguirei tentando um encontro com você.

– Daremos um jeito. Bom jantar para você. E parabéns pelo projeto. Não sei o que é, mas se você está feliz, fico também.

– Você é demais Nina! Obrigado. Darei um jeito de te ver antes da semana acabar. Boa degustação para você. Aproveite esse momento com sua amiga.

– Obrigada! Beijo.

– Beijo.

Nina desligou o telefone e seu coração ainda batia acelerado. Seus pensamentos se embaralharam.

“O que esse homem faz comigo?”

“Ele foi fofo”

“Se ele está ficando comigo enquanto namora outra e me trata assim, tão carinhoso, ele é um tremendo cafajeste. Não posso acreditar nisso. Ele parece o homem mais incrível e correto do mundo.”

“Não sei mais o que pensar.”

“Melhor ir me trocar, para não me atrasar.”      

Nina foi se vestir e escolheu uma roupa bonita. Para finalizar, fez uma maquiagem com direito a batom vermelho.

Ela atraiu olhares do vizinho que pegou o mesmo elevador que ela para descer e esses olhares a deixaram confiante. Ela entrou no táxi feliz pelo encontro que teria com as amigas em instantes.

Ela chegou na grande adega e foi recepcionada por um homem interessante.

– Boa noite! Vim para uma degustação em nome de Melina.

– Boa noite! Qual é o seu nome?

– Nina!

– Muito bem. Por aqui Nina.

Ele conduziu Nina até a sala onde Melina estava. Aquele era o homem mais cheiroso que ela tinha conhecido.

– Melina, Nina chegou. Esperamos pelas outras duas e começamos. Ok? Sirvo algo para vocês?

– Oi André! Obrigada! Essas comidinhas estão excelentes. Não se preocupe. Melina respondeu para André, que acenou com a cabeça e rapidamente as deixou a sós.

– Oi Mel! Que lugar mais legal!

– Nina eu amei esse lugar! Legal né? E por incrível que pareça foi o que mostrou melhores oportunidades de preços baixos entre os lugares que pesquisei.

– Vem ver que legal. Melina convidou Nina para ir ao outro lado da sala. – Olha a vista que temos daqui.

Melina mostrou a vista da loja enorme lá embaixo. E nesse momento Roberto entrou na loja.

– Gente! É o Roberto. Espantou-se Nina.

– Será que ele veio atrás de você? Perguntou Mel.

– Não! Eu não disse que viria para cá.

– Que coincidência. Disse Mel.

– Nem me fale. O mundo é mesmo muito pequeno. Respondeu Nina se lembrando da coincidência do dia anterior.

– Vai lá dar oi para ele.

– Acho melhor não.

– Por que amiga?

– Porque não.

– Vai ter que me explicar isso.

– Ele deve ter vindo comprar um vinho para levar no jantar que está indo.

– Como você sabe?

– Ele me convidou para ir com ele.

– Ele está um gato amiga!

– Ele é um Deus Grego amiga.

– Minha amiga está apaixonada.

– Não vou negar que meus sentimentos por ele são fortes.

– Nunca te vi tão bonita e tão radiante. Disse Mel.

– Nunca me senti tão bonita e tão radiante. Respondeu Nina.

– Tem certeza que não quer descer lá e dar um oi?

– Acho que mudei de ideia! E num ímpeto Nina resolveu descer para encontrar com ele.

Ela tinha acabado de chegar quando a loira deslumbrante do dia anterior apareceu na loja, entrando atrás dele.

Era tarde, ela estava ali e ele tinha acabado de vê-la.

– Nina! Ele disse.

– Oi Roberto! Te vi lá de cima e desci para dar um oi.

– Roberto! Disse a loira.

Ele se virou para a loira.

– Oi Clarissa!

– Desculpe o atraso! Clarissa respondeu dando um beijo na bochecha dele.

– Nina, essa é a Clarissa. Ela trabalha comigo e faz parte do projeto que acabamos de aprovar. O motivo da celebração de hoje. Vou dar uma carona para ela.

– Clarissa essa é Nina. Uma pessoa muito especial na minha vida.

– Prazer Clarissa! Disse Nina.

– Prazer Nina. Respondeu ela não muito simpática.

– Que coincidência te encontrar aqui Nina! A degustação é aqui?

– Sim! Lá encima. Olha lá a Mel. Disse Nina apontando para o grande vidro onde Melina olhava.

Ele acenou para ela.

– Que legal! Não sabia que faziam isso aqui. Vou marcar uma degustação um dia desses. Depois me diga se foi legal. Não quer mesmo vir jantar com a gente?

– Não vai dar! E as meninas acabaram de chegar. A degustação vai começar. Preciso subir. Foi uma delícia te ver.

E nesse momento Erica e Maju chegaram perto deles trazidas por André.

– Oi meninas! Disse Roberto.

– Oi Roberto! Você veio para degustação? Perguntou Erica sem entender a presença da loira.

– Na verdade não! Tenho um jantar de trabalho hoje e vim comprar um vinho para levar. A Nina tinha me dito que teria a degustação com vocês, mas nunca imaginei que seria aqui.

– Que coincidência. Disse Erica olhando para a loira.

– Essa é Clarissa. Ela é do meu time e faz parte do projeto que acabamos de aprovar. Ele apresentou Clarissa, totalmente sem graça, se sentido julgado por uma banca inquisitória.

– Prazer conhece-la Clarissa. Sou Erica e ela é a Maju. Somos as melhores amigas de Nina. Respondeu Erica fulminando a loira com o olhar.

– O prazer foi meu! Respondeu a loira sem graça.

– Vamos subir! Bom jantar Roberto. Disse Nina

– Eu te ligo mais tarde. Disse ele dando um beijo na bochecha dela, se sentindo totalmente constrangido.

– Ok! Respondeu ela. – Tchau Clarissa. Bom jantar para vocês.

Clarissa acenou um tchau com a mão.

Roberto e Clarissa foram embora e André conduziu as três para o andar de cima para encontrar Melina.

– O que foi isso? Perguntou Erica com raiva de Roberto.

– Não entendi muito bem. Respondeu Nina. – Ele me convidou para esse jantar. Eu ia com ele.

– Aí você recusou e ele chamou a Barbie? Você deveria estar muito brava com ele.

– Erica, não temos nada um com o outro. E de verdade, não acho que ele esteja ficando com ela. Ele acabou de me convidar. Ela provavelmente já estava convidada.

– Você é muito inocente Nina.

– Talvez eu seja. Concluiu Nina se sentindo arrasada com aquela situação.

E nesse momento chegou uma mensagem de Roberto.

“Sei que a situação parece estranha. Mas posso te explicar tudo. Queria muito que você estivesse aqui. Posso passar na sua casa depois do jantar?”

“Roberto você não precisa me explicar nada. Não sei que horas volto para casa hoje. Marcamos outro dia.”

“Vou te ligar quando acabar meu jantar e vemos se conseguimos nos ver. Pode ser?”

“Pode ser!”

Nina se sentia feliz pela preocupação dele e um lado dela queria desesperadamente encontrar com ele naquela noite.

– Eu acho que ele gosta muito de você. Disse Maju tentando defender Roberto.

– Eu acho que deveríamos começar nossa degustação. Propôs Melina.

– Eu também! Concordou Nina.

Elas começaram a degustar as bebidas e em poucos minutos começaram a rir alto e a se divertir, totalmente entregues para aquela experiência. André, que conduzia a degustação da noite ia ficando cada vez mais bonito, quanto mais elas bebiam.

De repente Roberto foi para longe e Nina estava totalmente conectada com suas amigas. Elas ficaram ali algumas horas. Falaram sobre o futuro, sobre o amor. Concluíram que suas aventuras de amor tinham dado mais certo do que errado e quem eram bem sucedidas na aventura de amar.

Já eram quase onze horas da noite quando degustação acabou e elas estavam totalmente altas, depois de quase 3 horas provando os mais variados vinhos e espumantes.

– O que vocês acham de sairmos para dançar? Propôs Melina.

– Eu acho uma ótima ideia. Concordou Nina sem pensar.

– Eu também! Amanhã vou fazer home office, então posso acordar um pouco mais tarde. Animou-se Maju.

– Eu ia encontrar o Francisco, mas posso remarcar nossa noite de sexo para amanhã. Tudo por vocês! Empolgou-se Erica.

– Então vamos dançar! Vamos comemorar a escolha de todas as bebidas. O Arthur vai ficar super orgulhoso de mim! Escolha das bebidas: Check! Disse Melina empolgada.

– Vou chamar um taxi. Pra onde vamos? Perguntou Erica.

– Para aquela boate que acabou de inaugurar que tem nome de uma cidade francesa. Que tal? Disse Maju.

– Saint Tropez. Completou Melina.

– Acho bem chique. Brincou Erica.

Elas entraram no taxi e riam alto, falando uma por cima da outra.

– Será que conseguiremos entrar com essas roupas? Estou de tênis. Comentou Nina.

– Todas passando batom vermelho em 3, 2, 1. Com batom vermelho todo mundo fica chique. Propôs Mel.

Elas retocaram rapidamente a maquiagem e logo estavam na porta da danceteria, que tinha uma fila que dobrava a esquina para entrar.

– Vocês não estão pensando em pegar essa fila né? Perguntou Maju assustada. – Me sinto uma velha aqui.

– Eu me sinto mal vestida. Comentou Erica olhando as meninas de paetês e minissaia na fila quilométrica.

– Vou tentar dar um jeito e usar minha credencial de imprensa. Disse Melina.

Nesse momento o telefone de Nina começou a tocar. Era Roberto e ela decidiu não atender.

– Nina! O que está fazendo? Vai entregar ele de bandeja para a barbie loira de pernas compridas. Ligue de volta. Disse Erica.

– Não vou ligar!

E o telefone começou a tocar mais uma vez.

– Vamos Nina atenda!

– Ok! Disse ela atendendo o telefone.

– Oi Roberto.

– Olá! O jantar está acabando por aqui. Posso passar para te ver? Precisamos conversar.

– Saímos agora há pouco da degustação e estamos indo dançar. Resolvemos comemorar em um girls night.

– Estamos na Saint Tropez! Erica gritou.

– Que pena! Eu queria muito te ver. Aproveite a sua noite então.

– Boa noite para você Roberto.

– Boa noite. Divirta-se e juízo.

– Beijo.

– Beijo.

Ela desligou o telefone com o coração acelerado.

– Esse homem causa isso em mim! Comentou Nina ao desligar.

– Nina, acho que ele gosta mesmo de você. Disse Maju. – E estou orgulhosa por você ser firme e se recusar a ver esse homem espetacular. Poucas conseguiriam.

– Ah já não sei mais nada.

– Hey meninas! Consegui! Venham. Vamos para o camarote e sem fila! Disse Melina extremamente empolgada.

– O que você fez?

– Liguei para o Arthur! Ele é diretor da marca de bebidas que patrocina a casa! Ah estou tão animada!

– O Arthur é demais! Comentou Maju.

– Ele é mesmo! Agora venham! Vamos comemorar.

As meninas entraram pela porta vip, de tênis, sem vestir um único paetê sequer e foram direto para o camarote.

Elas chegaram já tomando shots de tequila.

– Assim vamos ficar muito bêbadas! Disse Maju.

– Essa é a ideia! Gritou Melina empolgada.

Elas foram para a pista de dança e dançavam animadas uma música depois da outra.

Pararam para brindar e tomar mais um shot de tequila. O mundo girava ao som de Calvin Harris e piscava freneticamente em todas as cores. Nina se sentia eufórica. De repente Roberto veio para os seus pensamentos e apesar de toda felicidade, ela desejava que ele estivesse ali. Mas logo a empolgação com as amigas o espantava por alguns instantes.

Nina dançava animadíssima quando um homem se aproximou dela.

– Oi! Estou de olho em você a noite inteira. Vamos dar uma volta? Propôs o desconhecido.

“Ele não é de se jogar fora. Mas não é o Roberto.” Pensou ela antes de responder.

– Fico lisonjeada. Mas estou aqui com as minhas amigas e por isso não vou dar uma volta com você.

– Que pena. Eu ia adorar dar uma volta com você.

Ela não respondeu mais e ele foi embora.

Nina voltava a se empolgar com a música quando um homem tocou o seu braço.

Ela se virou sem paciência e já foi falando:

– Já disse que não vou dar volta nenhuma com você!

E quando ela percebeu era Roberto ali do lado dela.

– Ainda bem que não! E comigo? Aceita dar uma volta?

Ela perdeu o ar e sem pensar, jogou seus braços em volta do pescoço dele e o beijou.

CONTINUA…

O CAPÍTULO 11 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *