Miguel terminou de percorrer o curto espaço até a boca de Helena e as bocas se encostaram.

“Finalmente isso está acontecendo. E que beijo bom. Valeu a espera. Helena apenas curta o beijo.” Ela pensava enquanto eles se beijavam, achando graça do si mesma.

A chuva estava mais intensa e barulhenta, quase como os pensamentos de Helena naquele momento, e aquele beijo parecia que não ia acabar nunca mais. Eles matavam a vontade que sentiram um do outro e aproveitavam aquele beijo, que tinha demorado tanto para acontecer.

– Ah não quero desgrudar de você. Ele disse segurando o rosto dela e olhando carinhosamente nos seus olhos.

Ela respirou fundo, sem acreditar que aquilo estava mesmo acontecendo.

– Eu também não. Ela respondeu.

– Mas você está molhada e acho que precisa de um banho quente e uma roupa seca. Vem vamos tirar essa roupa.

Ela riu.

– Essa roupa molhada… eu quis dizer. Ele respondeu sem graça.

– Eu entendi. Então vamos.

– Vou te levar para casa. Ele disse de maneira divertida.

Eles entraram no elevador e logo começaram a se beijar de novo. Foram direto para o andar de Helena.

– Boa noite, Helena!

– Boa noite. Ela disse, sem nenhuma vontade de deixar ele ir embora.

Ele deu um beijo carinhoso nela e foi embora. Helena saiu com gostinho de quero mais e Miguel tomou conta de todos os pensamentos dela. Naquela noite ela dormiu pensando nele e desejando ter um excelente pretexto para falar com ele no dia seguinte.

O dia amanheceu ensolarado e Helena chegou cantarolando na cozinha para tomar café da manhã com seus pais. Tinha algum tempo que ela não ficava com os seus pais e depois da noite deliciosa que tinha tido, aquele café da manhã parecia ainda mais especial. Eles conversaram muito e estenderam o café da manhã por mais de uma hora. Helena falava do seu apartamento e dos seus planos de se mudar em dois meses, quando seu celular tocou. O coração dela disparou, vendo o nome de Miguel.

– Alô! Ela atendeu.

– Olá! Tudo bem? Dormiu bem?

– Tudo bem! E você? Dormi muito bem. E você?

– Eu também. O que vai fazer hoje?

– Sem planos.

– O que acha de irmos no seu apartamento para começarmos o projeto?

– Acho incrível? Era sério mesmo?

– O que? Que eu faria o seu projeto?

– Sim.

– Claro que era! Você acha que eu estava arrumando um pretexto para sair com você?

– Aham.

– Eu não estava! Eu falava sério.

– Então vamos começar esse projeto. Eu estava agora mesmo falando para os meus pais que quero me mudar em dois meses.

– Dois meses! Esse prazo é bem desafiador, dependendo do tamanho da reforma.

– O arquiteto que contratei é bom demais. Ele dará conta.

Miguel riu.

– Espero que ele seja. Vamos almoçar e depois vamos para o seu apartamento. Pode ser?

– Pode.

– Você escolhe o restaurante. Nos encontramos meio dia no térreo?

– Sim! Ela respondeu achando graça.

– Até já, Helena.

– Até. Ela respondeu com um sorriso na voz.

Helena se animou com os planos para o dia e foi tomar banho. Aproveitou seu momento para fazer um ritual de beleza. Fez máscara de colágeno, hidratou o corpo todo com um óleo que tinha trazido de uma viagem e esperava um oportunidade para estreá-lo. Escolheu uma roupa alegre. Um vestido vermelho e pink de linho com decote canoa, comprido até o tornozelo. Usou seu batom vermelho de sempre e algumas gotas do seu perfume preferido.

Saiu saltitante e riu quando o elevador passou pelo primeiro andar. Depois de vários dias em expectativa pela parada do elevador no primeiro andar, ela estava feliz indo encontrar o Miguel.

– Bom dia! Você está linda Helena. Ele disse dando um beijo rápido na boca dela.

– Obrigada! Bom dia. Ela respondeu feliz pelo beijo.

“Achei que o segundo beijo ia demorar mais. Se bem que não foi exatamente um beijo.” Ela pensava rindo de si mesma.

– O que foi? Ele perguntou.

– Não foi nada. Rindo dos meus pensamentos.

– E já pensou no lugar onde vamos almoçar?

– Sim! Vamos em um restaurante que eu adoro.

– Você se importa de ir de moto?

– De maneira nenhuma. Vou adorar andar de moto com você.

Ele abriu um lindo sorriso.

Eles saíram de moto e foram para o restaurante. O perfume de Miguel parecia um bálsamo para Helena. Ela se segurava nele enquanto sentia o vento bagunçar o seu cabelo. Uma sensação enorme de felicidade tomou conta de todo o corpo dela e ela não se lembrava de ter se sentido tão feliz.

Eles chegaram no restaurante e conversaram muito, falando um em cima do outro. Miguel seguia tentando entender o estilo de Helena, porque ele queria dar a ela o projeto de transformação do apartamento mais incrível possível. Eles se conheciam há pouco tempo, mas sentiam algo muito forte e especial um pelo outro.

Depois do almoço foram para o novo apartamento de Helena.

Ela ainda se sentia eufórica quando entrava na sua casa nova.

– E aí o que achou da minha casa? Ela perguntou, depois de uma volta rápida pelo apartamento.

– Esse lugar é incrível. Acho que tenho algumas ideias. O que você acha de derrubarmos essa parede e criar um espaço maior aqui? Ele propôs animado.

Helena ficou encantada ao ver Miguel fazendo algo no que era muito bom.

– Acho que ficaria incrível. Ela respondeu rindo.

Ele achou graça e começou a caminhar na direção dela.

– Você acha que ficaria incrível, é? Ele disse de maneira sedutora, se aproximando dela.

O corpo dela se arrepiou.

“O que esse homem faz comigo?” Ela pensava.

E nesse momento ele a beijou. Helena pensava em começar a tirar as roupas dele, mas achou prudente não resolver as coisas assim tão rápido. Ele estava mais carinhoso do que nunca. Ela estava conformada que pela demora do beijo, ia demorar para transar com ele e tentava distrair sua vontade de começar a retirar as próprias roupas e atacar Miguel. E de repente o bom moço começou a passar a mão no corpo dela de maneira nada comportada. O corpo de Helena se entregava completamente para aquele ataque inesperado. Ele levantou a saia dela e naquele momento ela já não podia mais aguentar. Ele a levantou e a carregou até um balcão que ficava entre a sala e cozinha, a apoiou e começou a beijar seu corpo inteiro tirando a sua roupa. A cada beijo, mais o corpo de Helena se arrepiava, e em poucos minutos, eles estavam transando. Ela sentia algo que nunca havia sentido. Ela tinha a sensação de que queria ficar ali com ele para sempre. Ela não entendia se era a vontade que sentia dele, ou se eram os meses que estava sem transar, ou aquela situação totalmente sexy em que estavam naquele momento, ou se ela estava realmente apaixonada, ou se ele se encaixava perfeitamente com ela. Ela não entendia os motivos e não podia acreditar que estava tendo um orgasmo em menos de um minuto, enquanto ele seguia se perdendo nela. Helena achou graça.

“Esse homem não tem ideia do que acabou de fazer. Vou pedir ele em casamento agora. Quero dizer eu te amo para ele!” Ela pensava achando graça de seus pensamentos.

Eles ficaram ali entregues um ao outro algumas horas ao longo daquela tarde. Naquele momento surgia uma enorme cumplicidade entre eles.

O sol já começava a se por quando eles saíram do apartamento de Helena e Miguel a levou para uma lugar especial.

– Que lugar incrível! Ela disse quando chegaram à uma praça que ficava em um lugar bem alto, onde era possível ver o pôr do sol mais lindo da cidade.

– Acho esse lugar incrível. Venho aqui quando preciso pensar ou quando estou feliz, me sentindo grato pela vida. Espere aqui. Já venho. Disse Miguel animado.

Ele saiu e a deixou ali contemplando aquele lugar incrível, vendo o céu, que começava a ficar cor de rosa e laranja e em poucos minutos ele estava de volta com dois sorvetes.

Eles se sentaram lado a lado. Cada um com seu sorvete. Assistiram ao pôr de sol em silencio. O céu tinha sido pintado de várias cores e uma grande aura colorida parecia circular os corpos deles os fazendo sentir uma enorme gratidão.

Eles respiravam fundo sentindo felicidade. O sol tinha acabado de se pôr, quando Miguel começou a falar, depois de alguns bons minutos de silêncio.

– Você quer namorar comigo, Helena?

Ela se surpreendeu completamente e permitiu que um enorme sorriso tomasse conta do seu rosto.

– Sim! Eu quero namorar com você Miguel. Ela respondeu.

“De onde saiu esse homem especial desse jeito, meu Deus? Agora ele é meu namorado.” Ela pensava se sentindo eufórica de tanta felicidade.

– Minha namorada! Ele disse dando um beijo nela. – Acho que quero isso desde a primeira vez que te vi no elevador na véspera do ano novo e depois na praia no primeiro dia do ano.

– Então você também se lembra desses encontros? Ela perguntou animada.

– Claro que me lembro. Você não saiu mais dos meus pensamentos, desde então. Ele confessou.

– A recíproca é verdadeira. Devo confessar que ficava esperando o elevador parar no primeiro andar para te ver de novo.

Ele riu.

– Ficava é? Ele disse de maneira divertida se aproximando dela e a beijou. – Ah Helena, o que você está fazendo comigo? Ele disse depois do beijo.

– Acho que faço com você, o que você está fazendo comigo.

– Quero beijar seu corpo inteiro agora mesmo.

– Ah Miguel eu adoraria que você beijasse. Helena respondeu já sentindo seu corpo em chamas.

– Não me provoca Helena.

– Você que começou.

– O que acha de comemorarmos nosso primeiro dia de namoro? Ele propôs, mudando de assunto, antes que tivessem que sair dali correndo.

– Acho uma ótima ideia.

– Vamos para a minha casa na praia? Faço um jantar para você e podemos dormir lá.

Helena enlouquecia de pensar em passar a noite toda com ele.

– Acho uma ideia incrível. Ela respondeu eufórica.

– Então vamos! Ele disse animado, já se levantando e estendendo a mão para Helena.

Eles subiram na moto e foram para casa. Cada um arrumou uma pequena mochila, com uma troca de roupa e em poucos minutos estavam na moto indo para a praia.

Eles chegaram na casa de Miguel, que ficava no mesmo condomínio onde Helena tinha casa.

A casa dele era linda. Ele próprio tinha projetado. Era uma casa moderna, sem telhado, com acabamento em cimento queimado e muito vidro. A casa não era muito grande, mas era aconchegante e impecavelmente decorada e arrumada. Cozinha, sala de estar e de jantar ficavam em único ambiente e a iluminação era a mais acolhedora que Helena já tinha visto.

– Me senti abraçada pela sua casa. Ela disse depois do primeiro tour pela casa.

– Essa é a intenção. Miguel respondeu surpreso pela sensibilidade dela. – Que tal um mergulho na piscina antes do jantar?

– Acho maravilhoso.

– Então vamos trocar as roupas.

Helena estava terminando de colocar o biquíni quando Miguel desceu a deixando sozinha por um momento. Ela se olhou no espelho, já de biquíni. “Meu corpo já foi muito melhor. E eu estaria em pânico de aparecer de biquíni na frente dele se ele já não tivesse me visto pelada. Gente, ele já me viu pelada e estamos aqui. Que bobagem essa vergonha por medo da imperfeição.”

Ela terminou de se vestir e desceu. Quando ela chegou, ele já a esperava na piscina com taças de champanhe. A área externa da casa era cercada por vegetação e flores. Tinha uma área espaçosa com espreguiçadeiras e grandes guarda-sóis. Era tudo muito moderno, muito novo e muito bonito. Na piscina tinha uma jacuzzi grande e foi ali que ela encontrou com ele.

– Um brinde para celebrar o começo da nossa história Helena. Ele disse dando a taça de champanhe a ela.

“Gente! Eu só posso estar sonhando.” Helena pensava pegando a taça enquanto entrava na jacuzzi.

– Tim tim! Ao começo da nossa história ela respondeu olhando nos olhos dele. Ela entrou e sentiu a água morna abraçar seu corpo. – Que delícia esse lugar.

– Esse é meu lugar preferido no mundo. E ele fica ainda mais especial com você aqui.

– Ah Miguel! Estou muito feliz por estar aqui com você.

– Vem aqui! Ele disse a puxando para perto dele.

Eles começaram a se beijar e em poucos minutos os dois estavam em chamas, desejando um ao outro. Ele tirou a parte de cima do biquini dela e começou a beijar e acariciar seu corpo. E sem demorar muito estavam enroscados um no outro.

– Helena não consigo resistir a você. Você me tira completamente do sério. Ele disse.

– Você exerce a mesma coisa sobre mim.

– Não quero desgrudar mais de você.

– Não desgrude! Ela respondeu sem pensar.

Eles ficaram abraçados, conversando e tomando o champanhe até o final da garrafa.

– Acho que precisamos comer. Vem! Vou preparar algo rápido para gente. Ele disse se levantando e alcançando uma toalha para ela.

Eles se secaram e colocaram roupas secas. A música tomou conta do ambiente e as luzes traziam certa poesia para a cena. Miguel tinha total domínio da cozinha.

– Você parece ter muita intimidade com a cozinha. Helena disse o observando do banco atrás da grande ilha de mármore branco que separava a sala da cozinha.

– É minha paixão! Eu adoro cozinhar. Ele respondeu. – Vinho?

– Sim! Por favor. Ela respondeu.

Ele serviu uma taça de vinho para ela e outra para ele.

– Eu quero muito fazer um curso de culinária ainda.

– Estou ficando bastante ansiosa por esse jantar. Ela disse.

– Eu ainda não fiz o curso! Sou só um entusiasta. Não espere tanto.

– Agora é tarde! Minhas expectativas estão altas.

Ele riu alto.

– Você é maravilhosa demais para ser de verdade. Ele disse olhando com carinho para ela.

Ele cozinhava totalmente entregue para a cozinha. Helena observava e seguia se encantando cada vez mais com ele.

“Esse homem é meu namorado! Não posso acreditar. E ainda temos uma noite de sexo pela frente. Não vejo a hora de transar de novo com ele. Eu transaria com ele agora mesmo. Nunca senti isso na vida! Quero transar com ele o tempo todo.” Ela pensava no momento em que ele interrompeu os pensamentos dela.

– Esse jantar, pelos seus pensamentos. Ele brincou.

– Se eu te falar no que estou pensando você não vai acreditar.

– Agora estou ainda mais curioso.

– Estou feliz por ainda termos a noite inteira pela frente.

– Que delícia de mulher você é. Também estou feliz por termos a noite inteira pela frente. Ele respondeu.

Eles jantaram e tudo que Miguel preparou para eles naquela noite estava delicioso. Helena terminava aquele jantar perdida de amor e ele também.

A noite estava clara pela lua, então mesmo com as luzes apagadas parecia que tinha uma lâmpada acesa no quarto, o que permitia que eles vissem bem os contornos dos corpos um do outro.

– Como você é linda, Helena! Ele disse assim que tiraram as roupas. – Quero você pra sempre.

E eles começaram a se beijar e se perder um no outro. Depois de algumas horas totalmente agarrados um no outro, eles deitaram abraçados, acompanhados pela noite clara. Miguel já dormia, enquanto Helena se perdia em seus pensamentos totalmente abraçada e envolvida por Miguel, o homem por quem ela estava perdidamente apaixonada.

“Que dia especial! Não quero dormir. Não quero que esse dia acabe.”

CONTINUA…

O CAPÍTULO 15 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

 

Capítulo 14 – Um dia especial

Sabrina Almeida


Sou mãe, filha, esposa, mulher, amiga, confidente, conselheira. Sonhadora, determinada e realizadora. Organizada, mas com um que de caótica. Apaixonada pela vida e pelas pessoas. Intensa! Publicitaria, trabalho desenvolvendo produtos e marcas para deixar as pessoas mais bonitas e felizes. Escrevo porque amo escrever. Minha cabeça está sempre repleta de sonhos e devaneios. Sigo sempre meu coração. Hoje penso mais antes de tomar uma decisão. Encontrei a FELICIDADE, assim todinha maiuscula, nas coisas simples da vida. E escrever é uma delas. Enquanto as pessoas vão para a academia, fazem trilhas, tocam instrumentos musicais, cozinham… Eu escrevo! Esse é o meu hobbie… Escrevo para traduzir o que está no meu coração, sem regras, métodos ou filtros. Escrevo porque me inspira e me faz feliz. Acredito que é simples ser feliz e que para isso é preciso uma boa dose de coragem, de sorte e de sonhos e devaneios. Quando eu decidi escrever, uma pessoa me perguntou: “quem te garante que as pessoas vão se interessar pelo que você escreve?” E a minha resposta é como vou concluir minha apresentação. Vou escrever para tentar ajudar as pessoas a ver diferentes perspectivas, rir no meio de um dia difícil ou enxergar poesia no dia a dia. E se eu conseguir tocar o coração de pelo menos uma única pessoa, já terá valido à pena.


Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *