Capítulo 15 – Quando o passado retorna

Nina seguia olhando a cena, aflita para saber quem era aquela mulher que parecia uma atriz sexy de Holywood.

Roberto apalpava as mãos que estavam sobre o olho, quando finalmente disse um nome:

– Raquel?

– Ainda causo algo em você! Isso é um ótimo sinal. Ela respondeu se revelando para ele.

– O que você está fazendo aqui?

– Estou voltando para o Brasil de vez. Vamos trabalhar juntos novamente.

– Nossa! Que novidade.

Roberto se sentia constrangido e Nina seguia olhando paralisada, tentando absorver o que estava acontecendo ali.

– Boa? Ela perguntou.

– Sim boa! Ele parecia confuso. – Essa é Nina, minha namorada. Ele finalmente apresentou Nina.

– Você está namorando? Que novidade. Prazer te conhecer Nina.

– Prazer te conhecer Raquel.

– Beja benvinda de volta ao Brasil. Ele disse tentando encerrar a conversa, se sentindo totalmente abalado pela situação.

– Hora de começar Roberto. Clara disse interrompendo a conversa. – Ou vamos atrasar tudo aqui.

– Você tem razão. Ele concordou.

– Vocês podem dar licença, por favor? Clara pediu à Raquel e Nina. Vou leva-lo para o palco.

Nina ficou ali sozinha no seu traje de gala, cercada de pessoas que ela não conhecia, ao lado da mulher deslumbrante de paetês, enquanto Roberto sumia atrás do palco.

Clara voltou e chamou Nina.

– Oi Nina. Pode vir comigo um minuto?

– Claro.

– Imagino que você esteja se perguntando quem é a dama de preto. O Roberto me pediu para te explicar e ficar aqui com você. Assim que ele terminar, disse que vão conversar. ok?

– Ah ok! Obrigada pela atenção. Ela respondeu, se sentindo mais perdida do que nunca.

– A Raquel é francesa e trabalhou no Brasil alguns anos. Eles namoraram na época. Ela foi definitivamente para a França, onde o estúdio tem um escritório e trabalhava lá há dois anos, com algumas vindas para o Brasil. Pelo que entendemos ela está voltando para o escritório daqui definitivamente.

– Ela parece feliz. Nina respondeu.

– Parece mesmo. Ela gosta muito do Brasil.

E nesse momento Roberto subiu no palco e as luzes foram todas para ele. Ele estava deslumbrante em seu smoking e parecia mais o Bradley Cooper do que nunca.

“Isso é um pesadelo. Ela é francesa e está vindo definitivamente para o Brasil. Eu nunca fui nem para o Paraguai. Nunca pensei em usar um vestido de paetês da cabeça aos pés. Na verdade nunca namorei alguém que tenha usado smoking. Não sou loira e não tenho olhos azuis. O que mais pode acontecer Meu Deus? Agora são duas girafas de roupas de grife aqui, convivendo com ele. E que lindo ele está! Como parece competente. E ele é todo meu. Ai estou tão confusa, meu Deus.”

E o discurso de Roberto começou interrompendo seus pensamentos.

– Obrigado por estarem aqui essa noite. Hoje temos algo muito importante acontecendo. Nosso filme está pronto. Nosso projeto dos últimos 2 anos nasceu. Veremos um pouco dele aqui. Esse projeto só foi possível porque somos um time. Cada um aqui tem uma enorme participação na criação desse filme. Então quero parabeniza-los em nome de todo corpo executivo da empresa e agradece-los. Sem vocês isso que estamos vivendo hoje não seria possível. E com vocês, o trailer do nosso filme. Apresento: 8 km.

Ele terminou a fala. Tudo ficou escuro e em alguns segundos as paredes do lugar viraram enormes telas de cinema, iluminando todo ambiente.

O trailer começou a ser projetado em todas as paredes do salão.

Nina prestava atenção, quando sentiu duas mãos a abraçando pela cintura.

Ela colocou as mãos dela sobre a dele e seguiu ali atenta ao trailer. Ele não precisava dizer uma única palavra e ela entendia perfeitamente o que ele estava querendo dizer ali.

“Estou aqui com você Nina.” E nesse momento ela relaxou e sentiu a maior tranquilidade que já tinha sentido na vida. E, como não acontecia desde que tinham chegado naquele lugar, ela voltou a sorrir.

O trailer acabou e todos bateram palmas com entusiasmo.

– Parabéns Bob! Ela disse com olhos brilhantes.

– Tudo isso fica tão melhor com você Nina!

Ela ficou sem fala. Ela não achava palavras para responder.

Ele riu. O sorriso mais lindo que ela já tinha visto.

E nesse momento começaram a chegar várias pessoas para cumprimenta-lo pelo filme e Nina ficou um pouco de lado. Por isso ela resolveu dar uma volta e procurar algo para beber.

“Hum, acho que uma taça de champagne combinaria com esse vestido.”

Ela pegou sua taça e assim que deu o primeiro gole ouviu seu nome.

– Nina.

– Oi Clara.

– Nunca vi Roberto tão feliz, como ao seu lado.

– Você conhece ele faz tempo?

– Sim. Desde o início da minha carreira. Trabalho com ele há 12 anos.

– O que você faz?

– Sou produtora. Dou vida para as ideias de cenário e figurinos.

– Isso deve ser muito legal.

– Eu amo demais. Não me vejo fazendo outra coisa. E você? O que faz?

– Estou em busca. Sou jornalista. Nina respondeu.

– Todos estamos na verdade.

– E isso tem me inspirado muito. Disse Nina se sentindo leve com sua atual situação.

– Eu estava curiosa para te conhecer.

– Por que?

– Quero muito bem ao Roberto. Geralmente quando ele namora, pede muitas coisas para mim. Pede ajuda para comprar roupas, presentes. E com você foi diferente. Ele me disse que ia te comprar um vestido para essa noite e fez questão de escolher. Você definitivamente é especial Nina. Eu estava ansiosa para te ver vestida hoje. E ele acertou! Você está deslumbrante.

Nina ficou sem fala. Clara tinha sido muito generosa em dar um jeito de contar aquilo para Nina. E aquilo fez Nina recuperar totalmente sua confiança naquela noite. Depois disso, as duas girafas e todo o zoológico não seriam capazes, nem em uma revolução de bichos, de abalar a segurança e auto estima dela.

– Aí está você! Disse Roberto chegando perto delas. – Eu estava te procurando.

– Agora que a Nina tem companhia, vou procurar a Estela. Com licença.

– Obrigada pela conversa, Clara. Nina disse de maneira carinhosa.

– Disponha. Ela disse, se despedindo.

Assim que ela saiu, Roberto pegou uma taça de champagne para acompanhar Nina e a levou para o lado de fora em uma grande varanda pela mão, sem falar uma única palavra. Nina não entendeu, mas obedeceu.

Assim que saíram ele tirou a taça da mão dela e colocou as duas taças sobre um muro. Ainda sem falar nada, encostou ela em uma parede e a beijou. Foi um beijo intenso, desses de matar a vontade.

Nina ficou sem ar.

– Eu também estava doida por esse beijo. Disse ela de maneira divertida.

Ele encostou a testa dele na dela e seus olhares se conectaram totalmente.

– Nina não consigo descrever o que você causa em mim.

– Nem eu. Ela respondeu. – Mas posso dizer que é muito bom de sentir.

Ele riu.

Eles seguiram ali grudados pelas testas até que suas respirações entraram em sintonia. E ele a beijou de novo.

– Eu queria ficar aqui a noite toda, mas precisamos voltar. Ele disse.

– Que pena.

– Assim que possível, te prometo que vamos ter um tempo só para gente.

– Vou esperar ansiosamente. Ela disse.

E ele a beijou novamente.

Eles voltaram para o salão e Nina estava mais segura do que nunca. Ela parecia ter entendido como circular ali naquele ambiente, em volta daquelas pessoas. O vestido vermelho impecável, que deixava seu corpo deslumbrante, ajudava a resgatar toda essa segurança.

Roberto seguia sendo roubado dela o tempo todo e ela precisou conversar com muitas pessoas, que ela não tinha ideia de quem eram, sobre os mais variados assuntos. Ela não se lembrava de ter ido em uma festa tão política. Naquele dia ela tinha entendido o que era uma festa corporativa.

Perto da meia noite o DJ animou a pista, a iluminação do lugar mudou e as pessoas finalmente se entregaram à música.

Nina dançava com Clara e Estela quando Roberto chegou falando no ouvido dela.

– Vamos?

Ela sentiu um imensa felicidade.

– Sim! Ela respondeu.

Eles saíram sem se despedir de ninguém e apressaram os passos para o quarto.

Quando entraram, Roberto a levou para a varanda. E Nina se deparou com mais uma surpresa: um balde com uma garrafa de champagne e duas taças.

– Quero muito celebrar esse momento só com você. Ele disse, servindo as duas taças com champagne.

– Parabéns pelo filme! Estou certa de que será um sucesso.

– Ouvindo de você parece mesmo que vai dar certo.

– Claro que vai dar certo Bob.

Ele se aproximou dela e começou a beijá-la. O céu estava estrelado e a noite fresca e silenciosa. A única coisa que se podia ouvir era o barulho dos bichos e da madrugada.

Roberto começou a tirar o vestido de Nina.

– Eu não via a hora de tirar esse vestido.

– Eu também não. Ela respondeu sem fôlego.

Eles terminaram de tirar as roupas e transaram ali mesmo na varanda, à luz da lua, tendo as estrelas como testemunha.

Nina se sentia ainda mais feliz tendo ele ali todo dela.

– Conforme prometido! Um tempo para celebrar e ficar só com você. Ele disse deitado na espreguiçadeira ao lado dela.

– Você definitivamente é um homem de palavra, que devo confessar, superou totalmente minhas expectativas.

– Fico feliz em surpreender. Você estava deslumbrante hoje.

– Você também.

Eles conversavam enquanto retomavam o ar e ficaram ali em silencio até que ambos pegaram no sono ali mesmo na varanda.

Nina acordou com o dia amanhecendo e sentindo frio. Era a primeira vez na vida dela que dormia assim à luz do luar. Ela ficou ali vendo o céu clarear enquanto pensava em tudo que estava vivendo.

Roberto definitivamente tinha trazido uma nova vida para a vida dela, que agora era cheia de planos e de significados.

Ele acordou mais lindo do que nunca.

– Bom dia! Dormiu bem? Ele perguntou.

– Bom dia! Muito bem. Foi a primeira vez que dormi assim ao ar livre.

– Sabe que eu também! E gostei. Mas gostei mais ainda de ter te dado uma primeira vez.

“Ah você já me deu tantas.” Ela pensou, mas resolveu não dizer nada.

– O que você acha de tomarmos café aqui no quarto? Ela convidou.

– Acho uma excelente ideia. Temos um almoço com todos ao meio dia, mas até lá estamos livres. Ele disse.

– Então vou pedir café aqui para a gente. Não vou correr o risco de deixar você ir lá pra fora e alguém capturar você.

– Esse final de semana foi complicado mesmo. Muito diferente do que planejei. Por fim, nada estava pronto. Terminamos as coisas aqui.

– O mais difícil foi dividir você. Devo confessar. Ela disse. – Eu nunca tinha experimentado essa sensação.

– Eu não gostaria nem um pouco se fosse o contrário. Ele disse.

– Se tivessem homens bonitos o tempo inteiro capturando minha atenção?

– Sim! Eu não iria gostar. Definitivamente.

– A Clara me contou que você namorou com a Raquel.

– Ah ela contou?

– Aham.

– E o que ela te contou? Ele disse de maneira charmosa agarrando ela pela cintura.

– Nada demais. Só que namoraram e ela voltou a morar na França.

– É verdade.

– E você gostava muito dela?

– Eu namorava com ela Nina. Eu gostava dela.

– E por que terminaram?

– Porque ela foi embora. Ela foi morar em outro país.

– E depois dela?

– Depois dela namorei mais uma pessoa. De quem me separei alguns meses antes de te conhecer. E você? Qual foi a última vez que namorou?

– Que estranho falar disso com você.

– Estranho né? Mas você ainda não respondeu.

– Eu não namorei muito na verdade. Tive dois namoros longos e já tinha mais de um ano que eu tinha terminado meu último namoro quando te conheci.

– E por que acabou?

– Eu não me via no futuro com ele. Acho que queríamos coisas diferentes. E por coincidência, ele foi morar na Austrália. Ele é surfista.

– Você namorava um surfista?

– Sim! Conheci na faculdade. Ele é até famoso.

– Não me diga. Ele disse se aproximando dela. Chegando ainda mais perto dela.

Ele começou a beijá-la, no momento que o café da manhã chegou e ela foi atender à porta.

Eles se sentaram na varanda para tomar café. O dia estava lindo e apesar do sol o clima era ameno, o que os encorajou a seguir ali por algum tempo emendando um assunto no outro e falando das coisas da vida.

Eles ficaram preguiçosos até a hora do almoço, quando foram encontrar as pessoas que tinham se tornado o pesadelo de Nina no final de semana.

“Não vejo a hora que isso acabe.” Pensava Nina enquanto via a ex-namorada sexy chegando de vestido branco, devote generoso e óculos escuros.

– Oi Beto! Ela disse quando chegou. – Oi Nina.

– Oi Raquel. Nina respondeu espantada por ela se lembrar seu nome.

– Olá Raquel! Que surpresa te ver aqui. Disse Roberto.

– Pois é! Esse mundo dá mesmo voltas e às vezes acabamos no mesmo lugar. Posso sentar aqui? Ela perguntou apontando a cadeira ao lado dele. 

– Claro. Fique à vontade. Ele respondeu.

E nesse momento Clara e Estela chegaram e se sentaram perto de Nina.

– Oi Nina! Gostou da festa ontem? Clara perguntou.

– Sim! Muito. Nina respondeu, se sentindo em pânico por deixar Roberto conversando com Raquel. – E você?

– Adorei. Nós dançamos até às 4 da manhã. Né amor?

– Sim! Você um pouquinho mais animada. Como sempre.

– Confessa que você gosta da minha animação!

– Confesso que amo! Estela respondeu.

– Acho que não apresentei vocês. Estela essa é Nina a namorada do Beto. Nina essa é Estela, a minha namorada.

– Prazer te conhecer Estela.

– O prazer é todo meu Nina.

Nina se desesperava tentando ouvir o que Roberto e Raquel conversavam, mas estava totalmente capturada pela conversa com Clara e Estela.

Depois de muitas tentativas, sem sucesso, de ouvir a conversa, ela seguiu ali conversando com as meninas, em companhia de um gin tônica. E no meio da conversa o chefe de Roberto chegou com a esposa, que acabou conversando com Nina e as meninas e deixou o marido conversando com Roberto e Raquel.

Nina se sentia ainda mais tranquila depois da chegada do chefe de Roberto na conversa.

Naquele almoço ela estava mais segura e conseguiu se divertir. Foi a Nina de verdade, sem insegurança nenhuma. Começou até a gostar daquelas pessoas.

A tarde seguiu animada, regada a gin tônica e boas risadas. Os olhares de Nina e Roberto se cruzavam o tempo todo e ele parecia fazer questão de mostrar para ela que ela não tinha com o que se preocupar, a enchendo de beijos e carinhos ao longo da tarde.

O sol tinha acabado de se pôr quando finalmente o evento acabou e chegou a hora de voltar para casa.

Eles terminavam de arrumar as coisas quando o celular de Nina tocou.

– Oi Maju!

– Nina, vamos nos encontrar hoje aqui em casa. Consegue vir umas oito?

– Vou ver com o Roberto que horas devemos chegar em São Paulo e aviso vocês. Não sei se chego às 20h, mas eu vou. Darei um jeito se passar aí para ver vocês.

– Eba! Estamos te esperando.

– Combinado! Até mais tarde.

Nina desligou o telefone animada para encontrar suas amigas. Ela adorava quando o domingo parecia não ter fim.

– Bob! Que horas chegaremos em São Paulo?

– Por volta de 20h.

– Perfeito! Vou para casa da Maju.

– Que pena. Eu tinha planos para nós dois.

– Eu adoraria ficar com você, mas minha melhor amiga está grávida. E acho que nem te contei. A Maju vai ter o segundo filho. E por isso quero muito ir dar um beijo nela.

– Que sorte ela tem. Eu te deixo lá.

– Você é o melhor namorado do mundo.

– Você que é a melhor namorada no mundo.

Ela correu, pulou no colo dele e o encheu de beijos.

A viagem foi rápida e pouco depois das 20h Roberto estava deixando Nina na casa de Maju.

– Que estranho dormir sem você. Ele disse ao se despedir dela.

– Amanhã te recompenso.

– Vou cobrar. Obrigado pelo final de semana, pela sua compreensão, por ser tão linda.

– Eu que agradeço e devo confessar que me diverti muito. Você trabalha com pessoas muito legais.

– Fico feliz que tenha gostado. Boa noite! Me liga quando chegar em casa. Ele pediu.

– Ok! Você também. Envia uma mensagem quando chegar. Tchau Bob! Ela disse dando um beijo rápido nele e saindo do carro. – Obrigada por tudo.

– Juízo aí Nina.

– Eu tenho! Ela gritou já longe do carro.

Ele esperou ela entrar no prédio e foi embora.

– Nina! Você chegou. Só faltava você! Disse Maju ao abrir a porta da casa.

– Oi meninas! Oi mamãe! Nina disse dando um beijo na barriga de Maju.

– Ah Nina! Estou tão feliz.

– Você está mais linda do que nunca Maju.

– Obrigada! O que quer beber? As meninas estão no vinho.

– Vou beber vinho também.

– Hey Dona Nina, vai contando como foi lá! Pediu Erica.

– Queremos saber de tudo. Complementou Mel.

– Foi estranho. Nina disse sem pensar.

– Como assim? Perguntou Erica.

– No começo eu estava insegura. Foi a primeira vez que estive no ambiente dele. E não sou desse mundo. E tinha muita gente atrás dele e muita mulher bonita. Gente… parecia concurso de miss saindo das paredes. Brotavam mulheres deslumbrantes. Lindas, bem vestidas, competentes. Um pesadelo.

– E a girafa? Maju perguntou.

– A girafa virou passado.

– Mas já? Que reviravolta amiga.

– Ontem a ex-namorada, francesa, que parece uma atriz sexy de Hollywood apareceu na festa. Com direito a fazer surpresa tapando os olhos dele com as mãos.

– Ai que ódio! Disse Mel.

– E tem mais! Ela está vindo morar no Brasil e vai trabalhar com o Roberto.

– Ai amiga que merda. Disse Erica.

– E o pior é que eles terminaram porque ela mudou de país. Pelo que entendi, ele gostava dela. Foi uma separação forçada, que ele não escolheu.

– Que situação amiga! E o que você fez quando ela apareceu? Quando o passado dele se materializou na sua frente?

– Mandei de volta para o lugar dele. Lá para o passado. Quase surtei, não vou negar. Mas algo no Roberto me tranquilizou. Acredito nele, nos sentimentos dele e no que estamos construindo. E acredito que ele está comigo porque quer. Nunca tive medo de não ser suficiente para alguém. E não será dessa vez. Mesmo namorando o cara mais incrível do planeta.

– Arrasou! Minha amiga está de volta! A mulher mais segura e resolvida que eu conheço. Disse Maju enchendo mais uma vez a taça de vinho de Nina.

A noite seguiu regada a drinks e elas falaram sobre maternidade, relacionamentos duradouros, amizade. Maju falou sobre o frio na barriga que a segunda gravidez trazia, misturado com a felicidade inexplicável e o medo de não amar tanto o segundo filho, como a ama o primeiro. Mel contou os detalhes sobre os preparativos do casamento e o quanto estava ficando cada mais feliz com todo aquele trabalho de preparar uma festa. Erica falou apaixonadamente de seu novo amor, mas seguia dizendo que achava que sua vida não pertencia àquele lugar.

Elas se sentiam em casa quando estavam juntas e Nina seguia se inspirando para a história que estava escrevendo. Ela observava tudo com atenção, e cada gesto, fala, frase, expressão eram inspirações para a história que nascia inspirada pelas pessoas que conversavam animadamente ali tomando vinho, sem nenhuma pressa de nada.

A noite foi até tarde e já se passava da meia noite quando elas foram embora da casa de Maju.

No táxi, voltando para casa, Nina relembrou o final de semana que parecia já ter acontecido há um século.

“Eu realmente acredito em mim.” Ela concluía em seus pensamentos, sentindo uma enorme tranquilidade dentro de si, enquanto olhava pela janela. Nesse momento, começou a chover e a cena combinava perfeitamente com a música que tocava no rádio. E ela viu poesia na cena e seu coração se encheu de felicidade.

 

CONTINUA…

O CAPÍTULO 16 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

2 thoughts on “Capítulo 15 – Quando o passado retorna

  1. Aí que saída maravilhosa, fiquei até aliviada, passei a semana pensando em como ia resultar isso. Simplesmente esplêndido, agora não fiquei ansiosa, dá pra esperar tranquila o próximo capítulo. Você é incrível; ele realmente não pode ser cafajeste, nossa que maravilha ter um amor assim; eles podiam ir juntos visitar o irmão dela, e fazer um portuguesinho por lá!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *