Capítulo 17 – Flores brancas com instruções

Ela não tinha maturidade para aquilo e sem pensar muito, desligou o telefone na cara dele. Ela espumava de raiva. Se sentia traída. Se sentia desesperada. Se sentia perdida. Ela não sabia o que fazer.

Então seguiu ali, andando de um lado para o outro no apartamento dela, tentando colocar os pensamentos no lugar.

Roberto ligava e ela deixava o telefone tocar.

Depois de algumas tentativas dele para falar com ela, sem sucesso, ele enviou uma mensagem:

“Sei o que parece. Mas acredite em mim. Não aconteceu nada. Eu amo você Nina.”

Ela não podia acreditar no que estava lendo. “Eu amo você! Ele está me dizendo que me ama. Ele deve estar desesperado, para estar dizendo isso assim. Não acredito em você! Você deve ter feito uma grande bobagem ontem!” Ela pensava, sentindo tanta raiva, que nem conseguia raciocinar mais. E ela caiu em lágrimas. Correu para o quarto e enfiou a cara em um travesseiro.

– Por que as coisas tem que acontecer assim na minha vida? Por queeeee? Preciso das minhas amigas. Ela falava alto enquanto se engasgava em lágrimas.

E resolveu ligar para Erica.

Quando pegou o telefone, viu mais uma mensagem de Roberto.

“Nina, não aconteceu nada demais. Sei que parece que sim, mas não aconteceu nada demais. Eu queria muito ir agora para a sua casa, mas tenho uma reunião importante que vai se estender até depois do almoço. Quando acabar eu vou direto para a sua casa. Por favor Nina, considere uma conversa para que eu possa esclarecer as coisas.”

Ela respirava tentando retomar o ar e a razão. Sue respiração voltava ao ritmo normal e ela finalmente se acalmava.

“Vou ligar para a Erica.” Ela pensava enquanto começava a procurar por ela em seus contatos do celular.

– Oi Nina! Disse Erica ao atender o telefone.

– Oi amiga. Pode falar?

– Posso! Vou sair aqui da sala. Um minuto. O que foi? Parece que chorou. Disse Erica.

– Foi o Roberto. Ele dormiu na casa da ex-namorada e está saindo de lá agora.

– Vocês terminaram? O que houve? Erica perguntou aflita. – Você estava tão feliz no domingo.

– Ontem trabalhei em uma festa e conheci o Rodrigo Santoro…

– Oi? Você conheceu o Rodrigo Santoro ontem?

– Sim! E ele me chamou para sair.

– Você só pode estar de brincadeira. Respondeu Erica chocada.

– Não amiga, não estou de brincadeira. E ele insistiu. Foi atrás de mim no vestiário de funcionários. Me beijou na bochecha e me deixou toda arrepiada e falou que eu era linda.

– Estou C-H-O-C-A-D-A!

– Amiga e eu fui firme e forte. Disse não para ele porque amo o Roberto. Aí fui para a casa dele hoje de manhã e descobri que ele não tinha dormido em casa. Daí liguei mil vezes para ele e nada. Perto das oito da manhã ele finalmente me ligou, dizendo que tinha dormido na casa da ex. Aquela que reapareceu esse final de semana. Aquela que ele terminou sem querer terminar porque ela se mudou de país. Aquela mulher deslumbrante.

– Que merda Nina! Que cara de pau a dele. E aí o que você fez?

– Desliguei o telefone na cara dele e acho que nunca mais vou falar com ele na vida. Estou tão magoada. Ela disse, no momento em que começou a chorar de novo. – Eu gosto tanto dele amiga! Meu coração está totalmente entregue pra ele. E eu dispensava o Rodrigo Santoro no mesmo momento em que ele resolvia dormir com a ex-namorada.

– Mas você não sabe exatamente o que houve, porque não deixou ele explicar. Acho que deveria ouvi-lo, apesar de ele parecer totalmente culpado.

– Erica, ele dormiu com a ex-namorada. O que mais preciso saber?

– Ele dormiu na casa dela e não com ela, necessariamente.

– Por que ele dormiria lá?

– Isso você só vai saber se deixar ele te explicar. E acho que é exatamente isso que você deveria fazer. Deixa ele explicar o que parece inexplicável e depois você pensa sobre o que quer fazer.

– Acho que você tem razão.

– Você precisa ser racional agora, ou pode perder o homem que pode ser o amor da sua vida, que te faz dispensar o Rodrigo Santoro, por nada.

– Certa amiga! Vou deixar ele falar.

– Acho que é o melhor que você deve fazer.

– Ainda bem que tenho vocês. Eu nunca teria aceitado essa conversa com ele, se não fosse por essa conversa com você.

– Claro que teria. Você está magoada e nessas condições é normal se proteger.

– Eu gosto tanto dele.

– Eu sei amiga! E ele também parece gostar muito de você. Dê uma chance para ele explicar.

– Farei isso.

– E vá bem linda para a conversa.

– Vou tentar.

– Você já é linda! Como disse o Rodrigo Santoro. Estou chocada com essa história amiga. Que arraso.

– Nem me fale!

– Ele é o homem dos seus sonhos. Como foi encontra-lo?

– Foi estranho! Parecia um sonho. Mas foi muito especial.

– Que loucura. Tenho que desligar agora. Preciso voltar para a aula.

– Vá lá! Obrigada por tudo amiga. Quando ele ligar de novo, vou aceitar sair com ele para conversar.

– Boa amiga! Depois me liga para contar.

– Pode deixar.

– Boa sorte! Beijo

– Beijo

Nina desligou o telefone se sentindo bem mais tranquila.

“Vou deixar ele falar e ver no que vai dar. Imagine se ele quiser voltar com a ex. Vou morrer, meu Deus!” Pensava Nina que começava a perder o controle novamente.

“Preciso de um banho! E de pijamas limpos. Vou ficar o dia inteiro na cama hoje.” Decidia Nina em seus pensamentos, quando Claudete gritou da cozinha.

– Cheguei Dona Nina. Bom dia!

“Ai meu Deus! Hoje é dia da Claudete aqui em casa.”

Nina se levantou e foi até cozinha.

– Oi Claudete!

– Que milagre te ver aqui. Já faz um mês que eu não te via aqui. Achei que tivesse namorando. Ela disse.

– E estou Claudete!

– Finalmente! A senhora merece. Espero que ele seja um espetáculo de homem.

– Obrigada Claudete! Você é um amor! Preciso que passe roupas hoje e se der tempo, consegue fazer um daqueles seus cremes de legumes? Estou precisando de uma das suas sopas hoje.

– Faço sim! Pode deixar. Ah e hoje é dia de trocar as roupas de cama.

– Vamos fazer assim. Você começa pelo meu quarto enquanto tomo banho, porque quero ficar na cama o resto do dia. Pode ser?

– A Senhora está doente?

– Não Claudete. Só preciso descansar um pouco.

– Como seu namorado chama?

– Roberto. Nina respondeu achando graça.

– Vá lá tomar seu banho, que já vou ajeitar seu quarto.

– Obrigada Claudete.

Nina foi para o chuveiro e ficou ali tentando deixar toda a tristeza ir embora com a água que relaxava o seu corpo.

Quando ela saiu, o quarto já estava impecavelmente arrumado e cheiroso e Claudete pediu para limpar o banheiro.

– É estranho arrumar tudo com a senhora em casa. Claudete disse entrando no banheiro do quarto.

Nina não respondeu e deu passagem para ela. Ligou a televisão do quarto e ficou buscando um filme ou algo que a distraísse, mas não a fizesse pensar.

Achou um filme e Claudete saiu do banheiro.

– Pronto Dona Nina. Está tudo limpinho. Vou arrumar o resto da casa e te aviso quando a sopa estiver pronta. Quer um chá?

– Quero! Obrigada Claudete.

– Já trago para a Senhora.

E assim Claudete saiu do quarto e Nina seguiu na mesma posição olhando a televisão sem prestar atenção nenhuma.

Claudete voltou com o chá e Nina seguia ali.

Ela tomou o chá e na sequencia pegou no sono.

Nina dormia profundamente quando ouviu seu nome.

– Hey Nina!

Ela abriu os olhos e encontrou Roberto deslumbrante parado na frente dela.

– Oi Roberto! Como você entrou? Que horas são?

– São quase três da tarde e foi a sua funcionaria simpática que me deixou entrar.

Nina se sentou e começou a arrumar os cabelos com as mãos.

– Estou dormindo a horas. Perdi a noção do tempo.

– Você precisava descansar, teve uma noite difícil.

– O que você veio me dizer?

– Posso sentar aqui? Ele pediu apontando o lado vazio da cama.

– Pode.

Ele se sentou e respirou fundo.

– Essa conversa não será fácil porque vou te falar toda a verdade.

O coração de Nina congelou.

– Pode dizer tudo que tem para dizer. Ela disse de maneira firme.

– Ontem no final do dia, a Raquel me procurou dizendo que precisava muito conversar. Fomos para um bar ao lado do escritório. E ela disse que ainda gostava muito de mim e que não tinha me esquecido. Eu disse para ela que a minha vida tinha seguido sem ela e que eu estava namorando e muito apaixonado.

Nina sorriu e ele continuou.

– Algumas pessoas do escritório chegaram e acabamos indo todos para a casa dela, que é do lado do escritório. Bebemos muito e acabei pegando no sono no sofá. Nem vi quando todos foram embora. Ela preferiu não me acordar, porque eu realmente tinha bebido muito. E ela me acordou hoje cedo para irmos trabalhar.

– Foi só isso? Você me disse que a conversa não seria fácil.

– Na verdade algo mais aconteceu e não vou esconder de você. Acordei hoje de manhã com a Raquel me beijando. Eu parei o beijo e falei que estou apaixonado por você e logo vi suas ligações. Fiquei bravo com ela e ainda mais comigo por ter permitido essa situação.

Nina ficou sem fala. Ele tinha realmente contado tudo para ela e colocou na história o fato de estar apaixonado por ela. Ela estava confusa com relação a tudo aquilo.

“Ela beijou ele e ele não continuou. Tecnicamente ele não fez nada. Mas ele dormiu lá. Ele não tinha que ter ido para o bar com ela. E ainda foi para a casa dela. Ele provocou isso. O que faço com isso meu Deus?” Nina tinha seus pensamentos efervescendo na cabeça.

– Por favor Nina, fale alguma coisa. Ele implorou.

Ela seguia olhando para ele e se sentia grata por não ter beijado o galã de cinema na noite anterior e ter vantagens sobre ele naquela conversa.

– Não sei o que dizer.

– Qualquer coisa.

– Você gostou?

– Foi estranho.

– Não sei se entendo essa parte. Por que saiu com ela? Por que foi na casa dela?

– Nina, foi uma bobagem. Eu gosto de você. Quero ficar com você. Ela reapareceu depois de muitos anos. Nossa separação foi difícil e eu gostava muito dela quando tudo aconteceu. Mas estou certo que passou e por isso estou aqui. Queria te dizer toda a verdade e te pedir que fique comigo. Que me perdoe por essa bobagem.

– Eu também gosto muito de você Bob, e por mais maluco que possa parecer, eu te entendo. Queria muito ficar com você agora. Tirar a sua roupa e matar as saudades que estou de você, mas acho que preciso de um tempo, para processar tudo isso.

– Eu te entendo completamente e estou muito aliviado em te contar toda a verdade. Quer que eu vá embora? Ele perguntou.

– Sim. Eu quero ficar sozinha hoje. Pode ser?

– Claro que pode. Eu queria muito ficar aqui com você. Quero ficar para sempre com você.

– Nos vemos amanhã.

– Vou esperar ansiosamente amanhecer.

E ele chegou perto dela, a pouco centímetros da boda dela.

– Eu te amo Nina. Ele disse olhando nos olhos dela.

Ela ficou sem fala.

– Vou deixar você descansar agora. Me desculpe por ter estragado tudo.

– Você quase estragou tudo Bob. Nos vemos amanhã.

Ele deu um beijo rápido nela e foi embora.

Pouco tempo depois Claudete apareceu no quarto.

– Oi Dona Nina! Está tudo bem aí? Quer alguma coisa?

– Não quero nada, obrigada! O Roberto foi embora?

– Foi sim. Ele parece um artista de cinema. Disse Claudete impressionada.

– Ele parece mesmo.

– Eu vou indo então. Até quinta Dona Nina. A sopa está na geladeria.

– Até Claudete! Obrigada por cuidar de mim.

Claudete foi embora e Nina finalmente ficou sozinha com os seus pensamentos, tentando digerir tudo aquilo.

“Como eu amo esse homem. E ele me ama! Ele disse isso hoje. E ele me contou a verdade, quando podia ter dito qualquer coisa. Ele é verdadeiro comigo. Ele quer ficar comigo. Se ele quisesse ficar com ela, estava lá agora. Eu namoro o homem mais incrível do universo. E mandei ele embora hoje. Mas ele mereceu! Ele precisa me dar valor. Hey Nina, você precisa se valorizar. Você está certa!” Nina seguia com diferentes pensamentos, mas certa de que tinha feito a coisa certa.

E no meio desse turbilhão de pensamentos, ela se sentia ainda mais cansada e pegou no sono de novo.

Quando ela acordou já era noite e apesar das muitas horas de sono, ela seguia se sentindo cansada. Pensou em ligar para as amigas e aproveitar a noite sem Roberto, mas nada fazia sentido para ela naquela noite. Ela pensou em ligar para o Roberto e chama-lo para dormir com ela, mas se lembrou do plano de se valorizar, então também deixou pra lá.

Depois de alguns minutos olhando o teto, decidiu abrir uma garrafa de vinho e voltar para a sua história, para o romance onde ela controlava cada gesto e o destino de todos os personagens.

Ela se perdeu na garrafa de vinho e na história. Quanto mais escrevia, mais livre e feliz se sentia.

As horas voaram. Depois de uma garrafa inteira e quase 30 páginas do seu romance escritas, ela resolveu ir dormir.

Os primeiros pensamentos foram para Roberto e no que ele estaria fazendo naquela hora. Ela sentiu falta dele, mas ao mesmo tempo, morreu de orgulho dela mesma e um pouco antes de pegar no sono, concluiu que não tinha ninguém melhor do que ela mesma para fazer companhia a ela naquela noite.

O dia chegou trazendo sol dentro do quarto de Nina e ela acordou com o barulho do interfone. Se levantou tentando lembrar o próprio nome, de tão sonolenta que estava.

– Alô. Ela atendeu o interfone.

– Oi Dona Nina. Tem uma encomenda para a senhora aqui na portaria e o entregador disse que era urgente.

– Estou descendo para buscar.

Nina foi vestir uma roupa, morrendo de curiosidade sobre o que tinha de tão urgente para ela e uma onda de expectativa tomou conta de todo o corpo dela.

Quando ela chegou na portaria tinha um enorme buquet de flores brancas com um cartão com a palavra URGENTE do lado de fora do envelope.

– Obrigada Manuel. Ela disse.

– Lindas flores dona Nina.

– Lindas mesmo. Disse ela já não prestando atenção em mais nada.

Ela abriu o cartão no elevador.

“Flores brancas para agradecer sua compreensão e demonstrar a minha felicidade de ainda tê-la ao meu lado.

do seu Bob

P.S. Aguarde novas instruções logo mais. <3”

 

CONTINUA…

O CAPÍTULO 18 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *