Capitulo 17 – Revelando fotos, Revelando Histórias

Vitória acordou com uma tremenda dor de cabeça. Ela procurava uma aspirina para acabar com aquele mal estar que a fazia jurar que nunca mais iria beber álcool na vida. Tinha uma vaga lembrança da noite anterior e se odiava por ter cedido às investidas de Eric novamente. Ao mesmo tempo se orgulhava por ter conseguido não transar com ele, mesmo depois de toda tequila que tinha tomado. Em meio aos seus devaneios para tentar se lembrar de tudo que tinha acontecido no dia anterior, ela recebeu uma mensagem de Thomas.

Ela se sentiu feliz de ter uma mensagem dele. Ele acabava sendo um porto seguro para onde ela queria correr quando se sentia angustiada e percebeu que estava sentindo falta dele. Foi ler a mensagem feliz.

“Agora entendo sua distância. Está saindo com o bonitão enquanto eu estou te enchendo com explicações e pedido de desculpas por estar tentando ser uma pessoa correta com alguém que amei e também me amou muito, que precisa de mim agora. Não te culpo por não ter tido paciência para esperar essa merda toda passar. Talvez no seu lugar eu também não conseguisse, ainda mais se tivesse uma gostosona querendo algo comigo. Você estava linda na foto.”

Tchau felicidade. E lá ia se distanciando seu porto seguro. Basicamente ela sentia que Thomas era uma ilha para onde ela podia nadar após o naufrágio, mas ela preferiu uma charmosa ripa de madeira que a afastava da ilha a levando para alto mar. Ela lia e relia a mensagem tentando entender o que era aquilo. Thomas nunca tinha falado assim com ela. Ele parecia estar furioso e muito chateado com tudo aquilo. “Mas do que ele está falando? Como ele sabe?” Pensava ela, no momento em que Thomas enviou uma foto dela na noite anterior beijando Eric.

Ela morreu de susto e entrou no Google para ver se encontrava a foto antes de responder qualquer coisa para Thomas.

Encontrou a foto dela com Eric em vários sites de fofoca com a seguinte chamada: Mal terminou o seu relacionamento de anos com a top Isabel Arantes e Eric já está aproveitando sua solteirice na noite paulista.

“Meu Deus! Estou nos sites de fofoca como a diversão da primeira noite de solteiro do Eric! Estou arruinando minha autoestima e ainda pior, estou arruinando o coração de um cara tão legal como o Thomas. O que eu estou fazendo da minha vida meu Deus?” Pensava Vitória se sentindo ainda mais angustiada do que estava quando acordou. “Não sei o que responder para ele. Mas pensando bem ele não pode me cobrar nada, afinal. Não temos um compromisso.” E começou a digitar a mensagem decidida a não permitir que ele a fizesse se sentir pior do que ela já estava.

“Olá, tudo bem? Sinto muito ter te deixado tão bravo, mas queria que você entendesse que sou uma pessoa livre e ainda não temos nada serio. Não quero te magoar, mas não acho que estou fazendo nada errado.”

E ele respondeu instantaneamente.

“De fato você não está fazendo nada errado. O que não garante que não vai estar arrasando o coração de alguém. O lance de vocês é sério?”

“ Não coloque as coisas assim.”

“Mas é assim que elas são. Me responde!”

“Me desculpe fazer com que você se sinta assim. E não, o lance não é sério. Nunca terei nada com ele.”

“A culpa no final nem é sua. Você tem razão. Não temos nenhum compromisso e minha vida está enrolada demais para eu te pedir qualquer coisa.”

“Não vamos falar em culpa. Nenhum de nós dois está fazendo nada errado afinal.”

“Ficaremos bem Vitória.”

“Tenho certeza que sim.”

“Preciso ir. Tenho uma reunião.”

“Hoje é sábado!”

“Vida injusta né? Beijos”

“Beijos”. Ela respondeu concluindo a conversa.

Vitória já se sentia fisicamente horrível e depois daquela conversa nada romântica ou divertida ela se sentia ainda pior. Ela se arrependia de cada gota de tequila que tinha ingerido e resolveu que o melhor que tinha para fazer era voltar para cama e tentar dormir de novo.

Quando acordou já se sentia um pouco melhor, mas preferiu passar o resto do final de semana na cama. Há tempos não bebia tanto. Aliás ela sentia que tinha sido a primeira vez que bebia tanto em toda a sua vida.

A semana começou e Vitória estava animada para seguir com sua programação para achar as mulheres do seu projeto e ela foi caminhar pelas avenidas mais famosas da cidade. Além de estar trabalhando ela aproveitava para visitar lugares turísticos da cidade que ela nunca tinha tido oportunidade de ver. Isso a deixava feliz.

Ela seguia dividindo seu olhar entre prédios tombados e mulheres passando, quando Eric ligou.

– Olá! Ela atendeu.

– Oi Vick. Como está? Recuperada do porre?

– Sim. E você?

– Totalmente recuperado. Mas preciso te confessar que passei sábado e domingo mal ainda com ressaca.

– Eu também! Acho que nunca tinha bebido tanto na minha vida.

– Eu já. Disse ele rindo. – O que está fazendo?

– Trabalhando. Estou em busca das nossas mulheres.

– Boa sorte aí. Podemos nos encontrar no final dessa semana para vermos os progressos? Quero sua ajuda com a produção das fotos. Mas falamos na quinta. Pode ser? Estou indo para o Rio fazer umas fotos e volto na quinta. Podemos nos encontrar no meu estúdio na quinta, final do dia?

– Claro. Estarei lá! Espero ter evoluído até lá.

– Preciso ir. Estão chamando meu vôo. Beijo

– Boa viagem! Beijo.

Vitória desligou o telefone impressionada com a capacidade de Eric de viver um dia de cada vez. E se perdeu em seus pensamentos, falando com ela mesma. “Ele não tocou no assunto dos beijos. Ele insistiu para ficar comigo, como se quisesse muito aquilo. Depois de uma noite juntos ele parece dormir e esquecer de tudo no dia seguinte, me tratando como se nada tivesse acontecido e como se não houvesse nada entre a gente. Mas afinal, o que há entre a gente? Nada. Acorda Vitória. Se espelha na serenidade dele para levar a vida e vai trabalhar.”

Ela seguiu com suas caminhadas e já no final do dia, quase desistindo de encontrar uma pessoa na Avenida Paulista, uma mulher chamou a atenção dela.

A mulher se vestia como uma executiva e andava apressada. Tinha alguma coisa nela que chamava a atenção de Vitória. As pessoas notavam a presença dela. Muitos olhares se voltavam para ela quando ela passava. Ela tinha atitude, tinha um brilho especial, além de ser uma linda ruiva natural com muitas sardas na pele. Tinha o que Vitória estava procurando. Então Vitoria resolveu conversar com ela.

– Oi! Tudo bem? Desculpe te interromper. Mas você teria um minuto?

– Oi! Estou atrasada para uma reunião. Me perdi e precisei parar o carro do outro lado da avenida e estou indo a pé para minha reunião que começa em 5 minutos. Desculpe, mas não consigo falar.

– Sem problemas. Vou te dar meu cartão. Estou procurando mulheres para algumas fotos de beleza e seu rosto me chamou atenção. Se te interessar, me liga e te conto mais sobre o projeto.

– Nossa. Que inesperado. Mas não sou modelo. Sou advogada! Riu a mulher.

– Então me parece ainda mais apropriada! Não procuro modelos. Como você se chama.

– Clara.

– Me liga se quiser saber mais.

– Pode deixar. Obrigada. E me desculpe não conseguir falar. Estou realmente muito atrasada.

– Eu que te peço desculpas. Boa reunião.

– Obrigada. Respondeu Clara e se apressou em atravessar a rua.

Vitoria se sentia feliz com as possibilidades com Clara e seguiu em suas buscas. Uma cena cheia de poesia chamou sua atenção. Mãe e filha caminhando de mãos dadas tomando sorvete. A mãe vestia calça jeans, camiseta branca e sapatilhas e a filha uniforme. A mãe era morena com traços fortes, sobrancelha grossa e parecia não usar nenhuma maquiagem. Vitória sentiu que aquela poderia ser uma de sua mulheres e foi falar com ela.

– Olá! Pode falar um minuto.

– Olá, posso sim. Respondeu a moça.

– Estou buscando mulheres para um projeto e acho que você pode se encaixar. Se você se interessar, podemos fazer um teste de fotos e uma entrevista com você.

– Nossa, mas não sou modelo.

– Ainda bem, porque se fosse não poderia participar. Não procuro modelos.

– O que você procura? Nunca imaginei me encaixar nesse tipo de trabalho.

– Procuro mulheres bonitas, mas com uma vida comum. Que tenham alguma mensagem para inspirar as pessoas através de suas vidas e suas experiências, com seus altos e baixos.

– Bom, não sei dizer se a minha vida é muito inspiradora. Me chamo Luciana e tenho 28 anos. Sou mãe dessa bonequinha aqui e temos somente uma à outra na vida. O pai precisou resolver algumas coisas da vida dele e acabou não voltando mais para a gente. “Né, Carol? A Carol nunca conheceu o pai. Tive que correr. Eu tinha apenas 21 anos e estava na faculdade de jornalismo na época que ela nasceu. Batalhei por um emprego e acabei nunca trabalhando na minha área. Me formei na faculdade aos trancos e barrancos e fiz de tudo para dar o melhor para Carol. Montei minha vida de forma que eu possa estar super presente na vida dela, porque sou mãe e pai dela. Comecei um blog recentemente que fala das coisas que acontecem no mundo. Quero começar a fazer algo como jornalista. Uso uma abordagem simples para que todos possam entender. Eu traduzo política, guerra, poder para uma língua mais simples de entender. Quero dar oportunidade para que todos saibam o que acontece no mundo. Trabalho em uma gráfica que imprime livros há anos e tenho sido promovida com frequência, o que está me ajudando a guardar dinheiro para fazer uma viagem com a minha filha. Nunca saímos do Brasil e quero conhecer o mundo com a Carol, dar a ela as chances que eu não tive.

– Uau! Acho que você se encaixa bem no que procuro. Por favor anota aqui seus contato que te aviso a data do teste e da entrevista.

– Claro! Disse Luciana já escrevendo seus dados no papel de Vitória.

– Foi um prazer. Nos vemos em breve.

– O prazer foi meu. Obrigada! Respondeu a moça feliz.

Vitória seguiu seu dia ainda mais feliz por estar tendo a oportunidade de materializar seu projeto. Ela sabia exatamente o que tinha que procurar e isso lhe dava um certo alívio.

Já estava começando a anoitecer quando Vitória resolveu ir para casa. Ela pensava em Clara e torcia para que ela ligasse porque achava a mulher de uma beleza simples, mas extremamente bela. Como se o universo ouvisse o seu pedido, o telefone dela tocou.

– Alô. Atendeu Vitória.

– Olá, aqui é a Clara. Nos falamos hoje na avenida Paulista e você me pediu para entrar em contato com você.

– Tudo bem Clara? Que bom que me ligou! Estou buscando rostos bonitos de mulheres com uma vida inspiradora para um projeto de um fotógrafo. Gostaria de saber um pouco de você para ver se seguimos para um teste de foto e entrevista.

– Claro. O que você quer saber exatamente?

– Me fale de você. Sobre a sua família, sua idade, algo marcante em sua vida, sua profissão.

– Bom. Tenho 39 anos, estou no meu segundo casamento, pois meu primeiro marido faleceu em um acidente de carro, que eu estava também, mas sobrevivi. Foi bem traumático. Tínhamos 33 anos na época e fomos atingidos por um carro na contramão onde o motorista dormiu e perdeu o controle da direção. Achei que minha vida tinha acabado. Não era uma opção viver sem o meu marido. Eu amava ele demais. Fazia um ano que estávamos casados e tínhamos muitos planos. Eu tinha apenas 33 anos e meu status era de viúva. Eu passei dois anos tentando entender tudo e buscando achar de novo graça na minha vida. O melhor amigo do meu marido foi a pessoa que mais me deu força naquele momento e acabei me casando com ele há dois anos. Recentemente, depois de tentar engravidar por 1 ano sem sucesso, descobri que não posso ter filhos e estamos na fila para adotar um bebê. Queremos muito ser pais. Sou advogada tributarista e trabalho para grandes empresas através do meu próprio escritório que consegui finalmente há 2 anos, depois de batalhar muito. E agora, depois de ter perdido a esperança por um tempo, me sinto realizada e feliz.

– Nossa! Que guerreira é você. Superar a tristeza e ser feliz de novo é realmente muito inspirador. Estamos tentando uma agenda para o teste de foto e a entrevista no final da semana que vem. Você acha que funciona para você?

– Acho que sim.

– Ok! Posso te mandar as informações nesse número que você me ligou?

– Pode sim!

– Então nos vemos em breve. Super obrigada pela atenção.

– Eu que te agradeço. Até breve.

– Até.

Vitória desligou o telefone feliz por ter duas fortes candidatas para o seu projeto. A falta de tempo era angustiante e ter conseguido as duas mulheres naquele dia lhe dava alguma folga para levar ainda mais mulheres para o teste.

No dia seguinte Vitória se preparava para sair de casa para mais um dia de busca quando sua irmã pediu para ela levasse o seu sobrinho Vinicius na escola para que pudesse fazer uma prova. Vitória ficou preocupada com o atraso que essa paradinha na escola do Viny poderia causar, mas não conseguia dizer não para a irmã.

Quando chegaram na escola foram recebidos por Carmelita. Uma mulher mulata, que usava um batom ameixa, tinha um cabelo encaracolado deslumbrante, preso por uma faixa larga próximo a testa. Um sorriso que parecia ter mil dentes, com dentes super brancos e uma grande alegria no olhar. Ela foi extremamente carinhosa com o Vinicius.

– Você veio. Vamos, precisamos correr porque estamos atrasados. Vou levar esse pequeno para a sala e volto aqui para te acomodar. Você vai esperar ele fazer a prova para levá-lo para casa né?

– Sim. Te espero aqui. Não se preocupe comigo. Respondeu Vitória.

Carmelita ia empurrando a cadeira de rodas de Vinicius e conversava com ele como se fossem amigos íntimos. Claramente ela tinha muito carinho por ele.

Em poucos minutos Carmelita estava de volta, com o mesmo sorriso no rosto.

– Você gostaria de esperar por ele na biblioteca?

– Pode ser.

– Vamos lá então. Vou te servir um café e tentar fazer de sua espera algo bem agradável.

– Obrigada. Respondeu Vitória encantada com tanta gentileza.

– Imagina. Vamos?

Elas começaram a caminhar e Vitória queria saber mais de Carmelita.

– Você parece ter muito carinho pelo Vinicius. Disse Vitória.

– E tenho. Por ele e por toda essa molecada. Eles são a razão do meu viver. Tenho 44 anos e não tive filhos. Acho que não podia. Nunca fui atrás para saber. Sou espirita e minha religião me convenceu que não poderia ter um filho biológico porque eu tinha muitas crianças para cuidar aqui. Amo essas crianças. Ajudo com as crianças até o quarto ano e aí vem as despedidas que me matam. Mas procuro aproveitar o momento.

– Nossa que legal ver tanto amor. Se eu tivesse filhos ia querer que eles estudassem aqui. Só por sua causa. E eu não diria nunca que você tem 44 anos com essa pele impecável.

– Nossa que honra! Mas todo mundo aqui é assim. As crianças são muito bem tratadas.

– Você é casada?

– Sou. Com o Agenor. Ele é o homem da minha vida, que chegou tarde, depois de muitas tentativas frustradas no amor.

– Se considera feliz? Tem muitos sonhos para realizar ainda?

– Me considero feliz. Mas tenho sim, ainda muitos sonhos para realizar. Que graça teria a vida se não tivéssemos sonhos? Se não tivéssemos o que buscar. Não é mesmo?

– Você é uma mulher que se tornou mãe através de um coração tão grande que cabem todas as crianças do mundo. É cheia de sonhos e certa de que encontrou o amor depois de tantas tentativas frustradas!

– É isso! Isso me define bem. Eu acrescentaria minha fé e minha crença de que tudo acontece como tem que acontecer e nada nessa vida acontece por um acaso.

Nesse instante Vitória percebeu que Carmelita poderia ser uma de suas mulheres e resolveu convidá-la para o dia de testes.

– Carmelita, tenho um convite para fazer para você. Estou buscando algumas mulheres para tirar fotos para um projeto de um fotografo e acho que seu rosto e sua história poderiam funcionar.

– Como assim? Tirar fotos. Isso não é para mim. Sou muito tímida para essas coisas. A além do mais, sou muito comum. Não fico bem em fotos.

– Venha apenas fazer o teste. Você pode ser boa para fotos e nem sabe ainda.

– Como é o teste? Perguntou Carmelita curiosa, mas com um ar muito desconfiado.

– O fotografo vai conversar com você enquanto tira fotos suas. Super simples.

– Mas eu trabalho aqui na escola até às 19 horas.

– O teste será à noite. Muitas mulheres que vão participar do teste trabalham o dia todo. Anota aqui seus dados. Vou te enviar o convite para o teste. Espero que você vá.

– Meu Deus. Com 44 anos virando modelo. Só faltava essa na minha vida. Vou fazer seu teste, pode contar comigo. Agora preciso ir cuidar da minha molecada. Daqui a pouco te trago o Vinicius.

– Combinado! Te enviarei as informações sobre o teste. Te espero lá!

– Vamos ver no que isso vai dar. Até já Vitória.

Carmelita foi embora e deixou Vitória na biblioteca. Ela não podia acreditar que tinha conseguido mais uma mulher no compromisso de última hora. Ela começava a creditar no que Carmelita acabara de dizer. “Quando é para acontecer, acontece. O destino sempre dá um jeito.” Pensava Vitória totalmente surpresa.

O tempo voou e mal Vitória tinha começado a retrabalhar na sua agenda do dia, Carmelita chegou com Vinicius.

– O Viny está pronto! Disse Carmelita com seu delicioso sorriso.

– Que rápido. Como foi na prova?

– Muito bem! Eu acho. Respondeu ele.

– Você acha?

– Certeza só quando vier a nota tia Vick.

– Você não parece ter apenas 8 anos. Agora vamos. Preciso te deixar em casa e correr para o meu próximo compromisso. Tchau Carmelita. Foi um prazer te conhecer. Aguardo sua presença no dia do teste.

– Estarei lá. Prazer te conhecer Vitória.

Vitória seguiu com Viny para casa e assim que o deixou correu para o shopping, onde passaria a tarde. Teve a ideia de chamar Tatiana para almoçar, já que não se viam há muito tempo, e ela estava morrendo de saudades da amiga.

Elas se encontraram no shopping e além de almoçar, conversar muito, falar uma por cima da outra, ainda fizeram compras. Vitoria atualizou Tatiana sobre o status de seus relacionamentos com Thomas e Eric o que deixava a amiga boquiaberta, falou sobre a sua empolgação em relação ao seu futuro profissional, o seu projeto sobre beleza e a possibilidade de trabalhar para gravadoras vestindo novos artistas. Tatiana atualizou Vitoria sobre os preparativos do casamento, sobre seu momento estagnado na carreira e sobre a boa evolução do seu blog e seu canal no youtube sobre moda e beleza. Eram duas grandes amigas matando as saudades uma da outra. Se empolgaram tanto que ambas se atrasaram para os seus compromissos à tarde.

Vitória seguiu a tarde no shopping em busca de sua quarta mulher. Parou para experimentar algumas roupas, saindo do seu foco, porque uma vitrine chamou a sua atenção.

Ela estava no provador quando começou uma conversa animada entre amigas no provador ao lado.

– Amiga! Esse está incrível. Você vai chegar mostrando a que veio. Agora tira esse óculos. Quero te ver totalmente transformada.

– Sem eles eu não enxergo nada.

– Vamos tira. Só para a gente ver.

– Ok. De vestido, que nunca pensei que poderia usar e sem óculos. Que tal?

As meninas gritaram.

– Amiga está maravilhosa. Uma grande executiva. Sua estreia como gerente não poderia ser melhor.

Vitória começava a morrer de curiosidade sobre a tal mulher que estava tendo uma transformação para começar uma nova função no trabalho. Saiu do provador com a desculpa de se ver no espelho grande e dividiu o espaço com a mulher em transformação.

– Desculpe. Estava pensando que esse espaço era meu e dominei tudo. Vou tirar minhas coisas para você poder se ver direito. Aliás está linda! Disse a menina colocando os óculos.

– Não se preocupe! Pode ficar. Só vim dar uma olhada rápida.

– Onde você achou essa blusa linda?

– Lá na loja, perto das roupas de festa.

– Vou experimentar essa! Bru, pega uma dessas para eu experimentar por favor?

– Você está refazendo o guarda-roupas? Perguntou Vitória.

– Vou começar em um trabalho novo na semana que vem e minhas amigas tiraram o dia para me ajudar a montar um guarda-roupas mais apropriado. Tive uma promoção, estou indo como gerente para essa nova empresa, e elas me convenceram que tenho que me vestir como uma gerente. Tive que concordar que meu guarda-roupas atual tem muita roupa de balada, de ginástica e roupas confortáveis. Eu terminei minha pós no final do ano passado. Eu tinha uma rotina bastante estressante, minhas roupas precisavam ser confortáveis e além do mais a empresa que eu trabalhava era bastante informal.

– Então vai começar algo totalmente novo na sua vida?

– Sim! E estou muito feliz. Acho que era hora de mudar algumas coisas na minha vida. Até terminei meu namoro. Eu namorava um cara muito conformado, que não corria atrás das coisas. Qualquer coisa estava boa para ele. Eu estava virando uma pessoa conformada junto com ele, afinal é muito mais cômodo. Esse ano eu resolvi mudar! E fazer tudo eu deveria fazer. Como diz a música.

– Uau! Que corajosa. Como você se chama?

– Valentina. E você?

– Vitória. Foi um prazer te conhecer. Achei sua história muito inspiradora. Você é muito corajosa. Quantos anos você tem Valentina?

– 28 anos.

– Ainda tem a vida pela frente. Vai conquistar muitas coisas incríveis. Parabéns pela coragem mais uma vez.

– Obrigada! Respondeu ela.

Vitória tinha achado ela linda, ainda mais bonita com seus óculos. Aquela história parecia dar uma boa narrativa para a exposição. Valentina era alta e tinha um corpo bem comum, mas tinha um brilho no olhar que a diferenciava de outras mulheres, tinha olhos verdes e cabelo loiro escuro. Era muito tímida, mas estava claramente se transformando. Ela poderia ser uma das mulheres. Então resolveu convidá-la para a sessão teste de fotos.

– Estou buscando algumas mulheres para um projeto de um fotografo e acho que seu rosto e sua história podem funcionar. Você teria interesse em fazer um teste?

– Nossa. Eu não sou modelo e nunca desejei ser. Olha o meu corpo! Eu uso 42. E uso óculos e não tenho cabelos esvoaçantes.

– A beleza está além disso tudo. Sua beleza está principalmente na sua coragem e na sua vontade de se transformar. Venha fazer o teste. Você vai se divertir e descobrir o quanto é bonita.

– Como você falando assim, fiquei totalmente convencida.

– Então anote seus dados aqui que vou te enviar um convite para o dia do teste.

– Ok! Meu Deus! Que loucura isso tudo.

E nesse momento uma amiga dela fala:

– É amiga… a gente demora para fechar algumas portas com medo que não se abram janelas e de repente fechamos a porta e um monte de janelas se abrem. Você merece cada uma dessas novas conquistas na vida.

– Obrigada Jana. Vocês são demais. Diz Valentina emocionada.

– Bom meninas, obrigada pela boa conversa, mas preciso ir. Tenho uma tarde cheia pela frente. Foi um enorme prazer conhecer vocês. Se despede Vitória.

– O prazer foi nosso. Espero seu contato. Respondeu Valentina.

Vitória foi pagar sua blusa, que tinha ficado realmente maravilhosa, e seguiu para o seu fim da tarde na esperança de achar pelo menos mais uma mulher.

A tarde passou e mais nenhuma mulher chamou a atenção de Vitória. Ela se preocupou pois teria apenas dois dias até sua reunião com Eric.

Antes de ir para casa parou para tomar uma café. Se sentia exausta, mas muito feliz, como nunca tinha estado na vida dela. Ela refletia sobre a vida dessas mulheres que acabara de conhecer, tão diferentes entre si, mas cheias de desafios, sonhos, realizações e superações. “Todo ser humano esta vivendo ou viveu grandes batalhas na vida.” Falava para ela mesma. Ela se sentia privilegiada e muito grata por poder conhecer essas histórias, e com essas novas histórias, ela mesma parecia estar mudando para sempre. Ela sentia estar deixando uma parte da velha Vitória para traz para seguir em frente com uma Vitória mais madura, mais certa das suas paixões e conhecendo muito mais do mundo. Isso tudo tornava o fato de não ter conseguido mais mulheres totalmente irrelevante.

Os dias seguintes passam e ela não conseguiu mais nenhuma mulher. Chegou o dia da reunião de status com o Eric e Vitória chegou pontualmente no horário combinado no estúdio dele, que dessa vez já estava esperando por ela. Ela ficou feliz por ver Eric. Estava com saudades dele.

– Oi. Senti sua falta. Disse Eric para Vitória.

Vitória se surpreendeu, porque não esperava que ele sentisse o mesmo.

– Eu também!

– Quero saber das novidades.

– Já consegui quatro mulheres em potencial e estou muito animada. Acredito que na semana que vem teremos todas para o nosso teste.

– Sobre o teste, estou bloqueando a noite de quinta que vem. Você acha que consegue todas as mulheres até lá.

– Eu preciso conseguir! E já vou enviar um convite para as quatro com essa data.

– Então combinado. Estou impressionado com o seu progresso com essas buscas. Nunca imaginei de poderia acontecer tão rápido.

– O fato de todas serem de São Paulo não pode ser um problema?

– Não importa de onde elas são. O importante são suas histórias.

– Perfeito então. Fico mais tranquila.

– Só me garanta diversidade de belezas. Sem criar estereótipos.

– Claro! Pode deixar. Acho que já temos alguma diversidade.

– Está me deixando curioso.

– Na quinta você vai matar toda essa sua curiosidade.

– Quero sua ajuda para selecionar as fotos. Precisaremos de dois dias isolados em algum lugar. Me ajuda a pensar em um lugar bacana? Pediu Eric.

– Acho que tenho o lugar! O lugar para onde vou quando preciso pensar e acho que você vai gostar.

– Onde?

– Na chácara da minha avó. É aqui perto. Tranquilo. Lindo! E vamos comer super bem! Empolgou-se Vitória.

– Acho uma ótima ideia. Fiquei bem curioso para conhecer esse lugar depois de tudo que você me contou.

– Então combinado.

– Você tem mais algum ponto que queira alinhar? Combinei de ficar com o meu sobrinho para minha irmã sair. Preciso ir. Disse Vitória.

– Você é a pessoa mais fofa do mundo. Disse Eric encantado.

– Fofa?

– Sim! Fofa, surpreendente, linda. Você é muitas coisas lindas Vitória.

– Obrigada! Mas preciso ir mesmo. Vamos nos falando.

– Nenhum um beijo de despedida?

– Eric você só pode ter batido a cabeça. Até mais. Respondeu ela rindo e já se levantando para ir embora.

– Um aperto de mãos então? Provocou ele.

– Muito bem. Um aperto de mãos. Respondeu ela desarmada apertando a mão dele.

Nesse momento ele a puxou para os seus e deu um abraço apertado nela.

– Você roubou no jogo. Disse ela abraçada nele.

– Quando o adversário é duro a gente precisa trapacear. Estava com saudades. Respondeu ele.

– Eu também. Mas agora preciso ir. Disse ela se afastando dele e o olhando nos olhos. Seu corpo pedia para beijá-lo, mas ela resistiu e lhe deu apenas um beijo na bochecha e foi embora deixando ele parado com gosto de quero mais.

A semana passou voando e Vitória conseguiu mais seis mulheres para o teste. Ela evitou encontrar pessoalmente com Eric porque precisava se defender dele pois na cabeça dela ele não era homem para ela e nem ela mulher para ele, mas isso não a impedia de estar se apaixonando por ele. Thomas já não ligava mais e Vitória começava a sentir falta dele, mas ainda não sabia o que queria, por isso se dedicou somente para sua missão de encontrar mulheres comuns e inspiradoras.

O dia do teste chegou e Vitória conseguiu mulheres com histórias de vida super inspiradoras, com diferentes belezas e uma riqueza de conteúdo que surpreendeu Eric. Durante o teste de fotos cada uma das mulheres foi entrevistada e fotografada ao mesmo tempo por Eric. Enquanto Vitória ia anotando as citações que poderiam dar título às narrativas de cada beleza e estampar as paredes da exposição.

Enquanto Eric ia entrevistando aquelas mulheres Vitória ia perigosamente se encantando cada vez mais com ele, que ficava ainda mais irresistível quando estava tirando fotos. O que a fazia morrer de medo de ter seu coração despedaçado porque sentia que aquele homem nunca seria para ela. Sentia que ele nunca seria um homem de uma mulher só.

A noite de testes terminou um pouco depois da meia noite e ambos estavam exaustos e felizes. Assim que a última mulher deixou o estúdio, Eric correu para abraçar Vitória e girou ela no ar.

– Parabéns!!! Isso foi demais. As mulheres, suas ideias de narrativa, esse formato que usamos que você recomendou. Estou muito mais animado do que eu esperava estar. Dizia Eric enquanto seguia girando Vitória no ar.

– Obrigada! Respondeu ela zonza e surpresa com a reação dele.

– Só isso? Obrigada. Depois dessa coisa incrível que aconteceu aqui. Pensei que estaria tão animada como eu. Disse ele colocando ela no chão.

– Eu estou! Muito! Muito feliz. Só estou muito cansada depois das 2 últimas semanas. Quase não dormi.

– Sinto muito por sua exaustão. Mas valeu a pena. Ficou demais. Era exatamente isso que eu queria. As mulheres são tão incríveis que não sei se vamos conseguir escolher somente 6. Quero as 10.

– Isso é um grande alívio. Fico feliz em ter acertado.

– Você arrebentou menina! Amanhã vou revelar as fotos. Queria começar agora de tão animado. Mas está tarde e você está cansada. Quero você aqui comigo.

– Posso revelar as fotos com você?

– Você vai revelar as fotos comigo. Já viu alguma vez revelação de fotos?

– Nunca. E não estou cansada. Podemos começar agora se quiser empolgou-se Vitória.

– Jura?

– Juro! Respondeu Vitória morrendo de sono, mas tirando forças lá do fundo do seu coração. – Mas, não sabia que ainda se revelavam fotos. Não são impressas?

– A grande maioria das fotos serão impressas pelo processo atual. Mas algumas fiz com uma máquina diferente porque queria uma precisão maior na revelação. Bom. Te explico melhor lá dentro. Vamos!

Eric organizou todo o material e eles fizeram uma pré-seleção das fotos em um grande monitor. O material estava belíssimo e em poucos minutos ele estava começando o processo de revelação de fotos dentro de uma sala fechada totalmente coberta por uma luz vermelha. Os olhos dele brilhavam de felicidade e os dela de fascínio. Ele era sem dúvida o homem mais charmoso que Vitória tinha conhecido em toda a sua vida.

As primeiras fotos começavam a tomar forma e Vitória se sentiu fazendo parte de algo muito especial, o que acabou fazendo com que ela dissesse em voz alta o que estava pensando:

– Quantas histórias e quantas belezas reveladas aqui.

– Sim! Disse Eric perto do seu ouvido. – Você capturou o espírito da coisa.

Vitória sentiu seu corpo seu corpo se arrepiar. “E você me capturou pensava ela.” Mas continuava calada.

Ele virou ela pelos braços e disse:

– Por onde você andou todo esse tempo?

– Por aí, respondeu ela.

E ele se aproximou para beijá-la, mas parou a pouquíssimos centímetros da boca dela. Ela respirou fundo e queria fugir dali, mas não podia atrapalhar todo o processo de revelação, que naquele momento ia muito além daquelas fotos e estava acontecendo dentro do seu coração. Sem opção e totalmente encantada, ela percorreu o pequeno espaço que faltava até a boca dele.

CONTINUA…

O CAPÍTULO 18 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *