Capítulo 2 – Que Surpresa é Essa?

Acordar muito cedo tinha suas vantagens. Vitoria tomava seu café da manhã sozinha, em silencio, escutando apenas seus pensamentos, que andavam barulhentos demais ultimamente.

Geralmente as manhãs na sua casa eram muito agitadas devido às vidas corridas de sua mãe, sua irmã mais nova e seu sobrinho de 8 anos, que faziam todos dias parecerem caóticos entre 7 e 8 horas da manhã.

A mãe, se chama Helena e é uma arquiteta bem sucedida, que tem horários flexíveis, mas que trabalha muito. Mesmo já vivendo com conforto, continua mantendo o ritmo de trabalho que tinha anos atrás. A irmã se chama Catarina, tem 28 anos e é mãe solteira. Teve o filho aos 20 anos e o relacionamento com o pai não sobreviveu ao período da gestação. Ela é artista plástica, ainda sem um grande nome ou um bom salário. Trabalha como curadora em uma galeria de arte e tenta começar seu próprio negócio desenhando estampas cheias de personalidade que vão virar tecidos exclusivos quando ela tiver dinheiro para investir. O pai se chamava Ricardo e já estava divorciado da sua mãe quando morreu. Vitoria tinha apenas 16 anos quando ele foi vítima de um acidente de carro em que um amigo dirigia embriagado.

Ela terminou seu café da manhã e fez tudo com calma. Quando foi se vestir, olhou por alguns minutos seu guarda-roupas buscando por algo que te trouxesse um ar de novidade e algum estilo. Percorreu as roupas com as mãos e não encontrou nada muito especial. “Preciso comprar roupas novas ou nunca mais vou namorar de novo.” Pensava ela enquanto tirava uma calça jeans escura e uma camiseta básica branca do armário. Arrematou o look com um tênis All Star vermelho e uma bolsa grande estampada da Louis Vuitton, sua predileta que “roubara” de sua mãe.

Arthur chegou pontualmente no horário combinado.

– Bom dia Dona Vitoria! Dormiu bem?

– Bom dia Arthur! Muito bem, obrigada! E você?

– Bem também. E ainda bem que não tivemos chuva essa madrugada. Imagina mais um dia complicado com a Patricia?

Eles riram.

Buscaram Patricia no horário combinado. Ela entrou no carro de óculos escuros, disse bom dia e mais nenhuma palavra. E assim foram em silencio até o estúdio onde aconteceriam as fotos.

Nesse dia, Eric Castro, o fotógrafo mais badalado do momento era quem faria as fotos. A produção de moda era de Pablo, um novato que começava a fazer sucesso e a maquiagem seria feita por Wagner e sua equipe, um maquiador que estava começando a fazer a sucesso, devido ao seu canal de maquiagem para todos os gêneros na internet.

Quando chegaram ao estúdio foram recebidas pela produtora.

– Bom dia! Diz Vitoria para Manuela, a produtora que mais parecia uma mágica, com uma extrema capacidade de fazer incríveis produções com pouco dinheiro. Ela era muito bem relacionada e conseguia bons preços com os melhores profissionais.

– Bom dia! Respondeu Manuela.

– Vamos combinar os pontos do nosso dia?

– Claro! Vamos para o escritório.

Nesse momento, Patricia foi para o camarim que dividiria com mais duas modelos que ainda não haviam chegado e Vitoria foi para o escritório com Manuela.

Elas falaram sobre o contrato, sobre as formas de pagamento e repassaram os direitos de uso das imagens da Patricia. Tudo corria bem quando foram interrompidas por Wagner, o maquiador.

– Ai meninas, desculpa interromper, mas a Paty já está arrumando confusão. Se recusa a usar o cabelo de acordo com o briefing do cliente, alegando que o penteado não a favorece. Vocês podem me ajudar a definir o que faremos com esse cabelo? E com essa mulher? Eu realmente não me importo, mas acho que o cliente sim.

– Você tem toda razão. Vou falar com ela e volto para te buscar com uma solução ok? Disse Vitoria, já saindo da sala.

– Por favor amore. Assim não dá! E ainda não são nem 9 horas da manhã. Disse Wagner revirando os olhos.

Vitoria chegou pedindo para falar com Patricia no café, já que as outras duas modelos já estavam lá sendo produzidas.

– Paty, já conversamos sobre isso. O cliente quer esse cabelo. É importante para contar a história que querem. Pense no seu cachê e com o que você vai fazer com o dinheiro. Não se torne uma mulher linda, mas que não vale o trabalho que dá para fazer uma foto. Você não precisa disso. Vai afastar as pessoas, criar bode nos cabeleireiros e maquiadores. É isso que você quer? Você é tão linda! Fica linda de qualquer jeito. Use esse trabalho para aparecer com outra cara e mostrar ao mundo sua versatilidade. Nenhum cliente quer uma mulher feia ou mal produzida em sua campanha. Jamais vão fazer um cabelo ou maquiagem que não te favoreçam.

– Gostei da parte da versatilidade. Acho que você tem razão. Vou topar esse penteado novo. Desculpe por isso. Você viu as 2 modelos que estão aí? Vieram de Nova Iorque para essa campanha. Acho que me senti intimidada.

– Não tem porque! Você é linda. Um dia ainda ganha o mundo. Agora vai lá para não terem que te produzir correndo. Hoje é dia de fotografo badalado. Duvido que ele permita atrasos. Vai ficar linda.

– Obrigada Vick! Disse Patricia mais meiga do que nunca, dando um abraço em Vitoria.

O dia acabou fluindo bem depois da conversa delas e as fotos ficavam cada vez mais bonitas. O que ia deixando um clima bom no estúdio. O fotografo, além de jovem era cheio de personalidade, charme e senso de humor deixou o dia mais leve e tinha o dom da fotografia. Fazia o que já era bonito, ficar ainda mais bonito através de suas lentes.

Vitoria passou o dia observando tudo num canto do estúdio e garantindo que Patricia não criasse mais problemas. Fez seu trabalho e garantiu que tudo ocorresse conforme o planejado. O cliente ficou extremamente satisfeito e elogiou o seu atendimento ao briefing. Mas foi só isso. Não falou com o fotografo, nem com as outras modelos. Trocou algumas palavras com o maquiador. E já bem no final do dia, pensava sobre como era invisível nesse trabalho. Ninguém a notava. Era quase desnecessária, se tudo ocorresse bem. Ela ria da sua própria situação, quando a copeira lhe arrancou dos seus devaneios lhe oferecendo um copo cheio de brigadeiro e uma colher.

– Coma! Acabei de fazer. Está quentinho.

Ela ficou tão surpresa e feliz que abraçou a moça.

– Obrigada! Disse com voz eufórica. – Estava mesmo precisando de um desses.

– Fico feliz e disponho. Respondeu surpresa a copeira enquanto saía.

“Afinal, não sou totalmente invisível”, pensou rindo de si mesma e se deliciando com aquele brigadeiro, que era tão gostoso que até parecia um pedaço do céu.

Ela estava terminando seu manjar dos deuses, quando Patricia chegou parecendo uma locomotiva desgovernada.

– O que aconteceu agora? Perguntou Vitoria.

– Nada! Já acabamos e quero ir embora assim. Gostaria de ir porque quero comprar algumas coisas no aeroporto. Pode ser?

– Claro que pode ser! Respondeu Vitoria aliviada.

Esse era mesmo um novo dia. Geralmente Patricia era a última a deixar o estúdio. Fazia os maquiadores retirarem toda a maquiagem e soltarem os cabelos. Mas dessa vez, ou ela tinha amado ou ela tinha mudado. “Que maravilhoso! Assim não vou me atrasar para o meu encontro de ano novo.” Pensava Vitoria.

O caminho para o aeroporto foi tranquilo porque quando Patricia estava em paz, tudo em volta ficava em paz também.

– Você gostou Paty? Perguntou Vitoria.

– Sim! Cachê bom e bons profissionais. Amei os produtos dessa marca. Quero trabalhar mais com eles! E o fotografo… Ah esse Eric. Que homem é aquele? Tomara que a gente trabalhe junto de novo.

– Ah entendi… Você gostou do fotografo!

– Gostei! Quero trabalhar com ele de novo. E gostei desse visual. Me deu um ar imponente.

– Ai Paty… nem sei o que dizer para você.

E assim se despediram com pedidos para que Vitoria se lembrasse de Patricia nos próximos trabalhos, principalmente os que envolvessem o fotógrafo.

– Hoje parece ter sido um dia melhor. Disse Arthur depois de horas em silêncio.

– Foi sim! Foi um dia melhor.

“Continuo invisível, mas pelo menos fiz o meu trabalho bem feito e tudo deu certo.” Pensava Vitória.

– E para onde vamos agora? Perguntou Arthur.

– Para esse endereço. Disse Vitoria mostrando a tela do seu celular. – Não vou para casa hoje. Tenho um encontro com os meus amigos.

– Que bom! Você precisa mesmo se divertir.

– E você aproveite para curtir sua família! Já que vai chegar em casa mais cedo hoje.

– Farei isso! Empolgou-se Arthur.

Tinha acabado de começar a chover forte, como acontecia em quase todos os finais de tarde daquele verão que parecia ser o mais quente dos últimos anos e Vitória se despediu rapidamente e correu até a porta do bar onde se encontraria com seus amigos.

Os três eram amigos desde o colégio e se conheciam há mais de 15 anos. Cresceram juntos. Foram cumplices um do outro. As escolhas de carreira. As decepções amorosas. As frustrações. Sonharam juntos vários sonhos. Viajaram juntos para muitos lugares. Tatiana fez faculdade de moda, junto com Vitoria. Hoje trabalha como editora de moda em uma importante revista feminina. José fez faculdade de música e morou em Londres e Nova Iorque onde chegou a cantar pela noite em lugares bastante badalados. Desde que voltou para o Brasil, há pouco mais de 2 anos, tenta tocar em lugares influentes da cidade e corre atrás do seu sonho de gravar um disco.

Vitoria chegou se enxugando e logo que entrou já reconheceu a voz do seu amigo. Ele estava cantando. Assim que colocou os olhos no palco, pode ver José e sua banda se apresentando. Seu melhor sorriso apareceu, de tanta felicidade por ver seu amigo ali. Ele tentava há tempos um trabalho nesse bar, pois era comum bandas começarem a fazer sucesso ali. Algumas bandas famosas foram descobertas ali. Virou o caminho possível para seu amigo despontar e por isso aquilo lhe parecia ser realmente muito importante. Os olhares deles se cruzaram e o seu melhor sorriso foi na hora retribuído por um lindo sorriso dele, que demonstrou entender e compartilhar da felicidade da amiga. De repente Vitoria sentiu uma mão puxando seu braço. Era sua amiga Tatiana.

– Você chegou cedo! Que coisa boa! Que saudades. Gostou da surpresa? Quase morri de felicidade quando cheguei e vi ele ali em cima daquele palco. Disse Tatiana totalmente animada, sem tomar ar entre as palavras.

– Consegui terminar mais cedo! Tive um bom dia. Saudades também. Que surpresa boa essa do José. Não esperava nunca. Ele parecia ter desistido.

– Vem vamos beber! Temos uma mesa VIP por causa dos meninos da banda.

Tatiana estava linda. Usava um vestido tomara que caia branco que contrastava com o seu bronzeado. Era loira e tinha olhos azuis. Usava uma sandália rasteira e ainda assim parecia mais alta que todo mundo.

Se sentaram em uma mesa em frente à banda e se puseram a conversar como se não se vissem há muito tempo. Uma falava por cima da outra. Davam gargalhadas e na altura do 4º drink das duas José finalmente se juntou a elas.

– Oi gatonas!

– José! Gritaram juntas já alteradas pelo álcool.

– Que surpresa boa. Disse Vitoria enquanto abraçava o amigo.

– Já sabia há quase 1 mês. mas me segurei para poder fazer uma surpresa para vocês. Estou feliz demais!

– Você merece toda felicidade do mundo.

– Bom! E aí? Quais são as novidades e planos para o ano novo? Interrompeu Tatiana.

– Vou tentar deixar de ser invisível, como venho me sentindo há tempos. Enterrar de vez a minha história com o Diego e partir para outra. Preciso me abrir para viver coisas novas. Já tem 4 meses que tudo aconteceu e eu ainda fico repassando a cena na minha cabeça e não consegui beijar homem nenhum desde então. Preciso mudar isso. Preciso mudar de emprego. Não dá para seguir sendo babá de top model e tive provas suficientes nos últimos dias que esse trabalho não é para mim. De verdade, meu trabalho só aparece se tem algum problema. Depois que resolvo é como se eu não existisse. Os olhos e atenções são todos das modelos. Acredito que as pessoas nem me veem. Hoje tive um dia de shooting e o fotografo era um tremendo gato. Tati, você deve conhecer, ele está fazendo sucesso agora. O nome dele é Eric Castro.

– Ah! Claro que conheço. Ele fez fotos da Gisele Bundchen recentemente para uma campanha de joias e também um trabalho com Mario Testino. Fotografou a Penelope Cruz para a Lancome. Ele certamente está no seu melhor momento. Dizem por aí que está de caso com a Isabel Arantes, a top que está despontando lá fora. Mas nada confirmado. Agora termina de contar. O que rolou no shooting? Ele te paquerou?

– Nada! Ele foi simpático com todo mundo e sequer falou comigo. Nem oi. Acho que não me viu.

– Mas você se mostrou?

– Hum… acho que não. Vitoria disse rindo enquanto sugava o resto de sua caipirinha pelo canudo.

– Gostei dos planos de amor e trabalho. Alguma estratégia desenhada para resolver isso? Perguntou Tati empolgada.

– Sim! Resolvi fazer um curso de produção para o cinema em Hollywood. Vou passar minhas férias lá em julho desse ano. Também vou investir tempo para fazer algo diferente e entregas mais relevantes no trabalho. E vou começar a me vestir melhor. Preciso parecer alguém que entende de moda. Alguém com personalidade. Afinal, essa sou eu. Só estava temporariamente debaixo de um monte de tristeza e decepção.

– Sobre o amor?

– Para essa parte ainda não tenho planos. Respondeu fazendo uma cara de triste. – Decidi comprar roupas novas. Serve?

– Bom! É um belo começo. É claro que serve! E você José? Conte tudo sobre os seus planos. Empolgou-se Tatiana se virando para José.

Nessa hora ele abriu um belo sorriso. Era muito tímido e sempre que era o centro das atenções acabava rindo daquela maneira. Ele era um homem muito charmoso. Moreno, pele dourada e olhos castanhos. Cabelo milimetricamente bagunçado. Dono de um sorriso maravilhoso. Perdia a timidez e ficava iluminado quando subia em um palco. Tinha uma voz um pouco rouca o que lhe conferia charme e personalidade quando cantava.

– Ah! Que pergunta. Não sou um cara de fazer planos. Vivo o agora. Tenho sonhos. Serve?

– Claro que serve! Disse Vitoria empolgada.

– Quero gravar meu 1º disco esse ano. Colocar essa banda na estrada. O palco do NOW eu já consegui.

– Um brinde a isso! Disse alto Tatiana. – E o amor?

– Conheci uma menina interessante na praia agora nas férias. Ela se chama Isabela e é nutricionista. Aparentemente, nada a ver comigo. Mas está rolando. Ela vai passar aqui mais tarde e vocês vão conhecê-la.

– Nossa! Isso que são novidades. Essa deve ser especial. Há tempos não te vemos com alguém. E você Tati? Quais os planos? Pergunta Vitória.

– Hum… eu tenho algumas novidades. O Tato me pediu em casamento! Vamos nos casar! Ainda esse ano!!! Diz Tatiana terminando a frase de maneira eufórica.

– Meu Deus! Parabéns! Gritou Vitoria tomada de emoção e felicidade.

– Obrigada! Foi no ano novo. Me surpreendeu completamente. E sobre trabalho. Quero manter meu emprego. Escrever para uma mídia impressa em épocas digitais é assustador.

– Então é melhor lutar para ter uma coluna na parte digital da revista. Não? Ponderou Vitoria.

– Pode ser! Talvez eu comece um blog. Já tenho algum prestigio afinal. Poderia dar certo.

– Isso! Boa ideia. Seu primeiro post pode ser sobre a importância dos sapatos para o look e pode estar ilustrada pelos meus tênis personalizados.

A Vitoria era louca por sapatos e bolsas. Tinha uma serie de tênis que ela mesma customizava com tinta, costura ou bordado. Era uma artista no quesito arte em sapatos. Seu closet era de dar inveja a qualquer apaixonado por bolsas e sapatos.

– Pode ser uma excelente ideia! Um brinde a isso. Disse Tatiana empolgada.

– Meninas é uma delicia ter vocês aqui em um dia tão especial como o de hoje para mim. Mas preciso voltar para o palco. Se comportem.

Era sexta-feira e fazia muito calor. Já era de madrugada e Tatiana e Vitoria, já muito embriagadas dançavam animadas em frente ao palco quando um homem lindo chegou perto de Vitoria e começou a falar coisas no seu ouvido. Quando ela virou era o fotografo famoso. “Meus Deus, não é possível. Ele deve estar me confundindo com alguém. Hoje nem me viu. E pelo visto não me reconheceu. Não tem ideia de quem sou.” E resolveu perguntar se ele se lembrava dela.

– Hey a gente se conhece de algum lugar?

– Acho que não. Eu certamente me lembraria de você se já te conhecesse. Respondeu ele de maneira bem sensual.

Naquele momento ela preferiu seguir anônima. Então não disse mais nada e resolveu se divertir com a situação. Afinal ele a tinha visto agora. Sem falar mais nada ele foi se aproximando e eles se beijaram, sem ao menos terem se apresentado um ao outro. Eles trocaram beijos cada vez mais calorosos e lá pelas tantas ele convidou ela para ir embora com ele. Ela ponderou, mas achou melhor encerrar por ali, mesmo estando morrendo de vontade de passar a noite com ele.

Assim que ele foi embora Tati veio animada falar com Vitoria.

– O que foi isso? Eric Castro?

– Ele te reconheceu?

– Não. Disse que certamente se lembraria de mim se já me conhecesse. Morri de rir por dentro. Ele esteve comigo o dia inteiro hoje e não me viu! Literalmente. Terminou de falar dando uma gargalhada.

– Que loucura! Mas e aí? O que vocês combinaram?

– Nada! Ele me chamou para ir embora com ele e eu disse que não. Não trocamos telefone. Ele disse que era fotografo e eu fingi nunca ter ouvido falar dele. Fiz a alienada. E eu disse que era uma agente de modelos. Ele se empolgou dizendo que talvez um dia a gente trabalhe junto. Morri de rir por dentro de novo. Disse dando mais uma gargalhada. E nessa hora as duas riam a ponto de quase fazer xixi na calça.

– Mas por que não trocaram telefone?

– Ele pediu meu telefone. Mas eu disse que ainda não estava pronta para isso. Deixei ir.

– Ai amiga! Devia ter dado o telefone para ele.

– Não amiga foi melhor assim. Mas estou muito feliz. Como não me sentia desde o final do meu namoro e essas gargalhadas certamente valeram toda história!

– Gente! O Eric Castro te paquerou e vocês se beijaram. O cara sai com top model! E você aí se achando invisível.

E nessa hora José chegou apresentando sua potencial namorada. Elas a recebem bem e conversavam quando José puxou Isabela para lhe beijar antes de voltar ao palco. Eles começaram a se beijar com uma cumplicidade que os fazia parecer um casal feito um para o outro, juntos há muito tempo.

Vitoria não entendia muito bem, mas ao invés de sentir-se feliz pelo seu melhor amigo que há tempos estava atrás de um novo amor, dessa vez, diferente de todas as outras, sentiu um aperto no peito e toda aquela onda de felicidade desapareceu. Ela estava morrendo de ciúmes dele.

CONTINUA…

O CAPÍTULO 3 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *