Capítulo 2 – Teria sido um Sonho?

Ana acordou antes do despertador ansiosa com as perspectivas que a conversa com a mãe tinham trazido. Ela pensava se tinha acontecido de verdade ou se teria sonhado com a promessa de sua mãe no jantar do dia anterior.

“Espero que a minha mãe tenha falado sério sobre nossa viagem para Hungria. Já pedi tantas vezes e ela sempre evitou esse assunto. Ela sempre evitou voltar para lá. Parecia ter medo de alguma coisa. Por que dessa vez ela estaria a disposta a rever tudo e finalmente encarar o passado dela? Será que foi o vinho? Será que ela disse para eu parar de pedir? Peço essa viagem desde pequena e de repente parece que em seis meses ela finalmente vai acontecer.”

E o som do despertador a acordou de seus pensamentos e a fez correr para o chuveiro porque naquele dia ela ia apresentar um trabalho importante na primeira aula e agora concluir a faculdade parecia mais importante do que nunca.

Ana se apressou e foi para a faculdade levando uma maçã para comer no caminho. Ela dirigia seu carro velho que ganhou do pai quando entrou na faculdade, ouvia sua playlist favorita e por mais que tentasse se concentrar no que estava por vir, seu trabalho importante que apresentaria em alguns minutos, o caminho dos pensamentos dela estava em outro continente desde o final do jantar na noite anterior.

As distancias naquela manhã pareciam menores e totalmente distraída de repente ela jà estava na faculdade sem nem ter percebido o tempo passar ou observado o caminho que tinh percorrido.

Ana andava apressada em direção à sua classe quando foi surpreendida por Alex:

– Oi Ana, bom dia! Preparada para a nossa apresentação?

– Oi Alex, bom dia! Mais ou menos preparada.

– Precisamos detonar hoje! E você é a nossa maior aposta. A mais comunicativa e mais charmosa do nosso grupo.

– Ah Alex, até parece.

– Você precisa aprender a receber elogios Ana!

– Queria me ver mais através desses seus olhos que veem tudo mais bonito.

– Sou um apreciador da vida. Que by the way tenta levar a garota mais charmosa da faculdade para jantar, há quase 4 anos e nunca obteve sucesso, e ainda assim segue sendo um otimista.

– Você é maravilhoso Alex!

– Fala de novo!

– Você é maravilhoso Alex.

– Ganhei meu dia. Pode deixar a apresentação comigo.

E assim seguiram em silencio e percorreram os poucos metros que faltavam para chegar na sala de aula.

O rosto de Alex ganhou um sorriso que parecia vir do coração e Ana seguia com seu coração em festa e pouco presente no momento real.

Em pouco tempo Ana e Alex estavam reunidos com as demais pessoas do grupo e falavam freneticamente um por cima do outro na tentativa de organizar a apresentação que fariam em alguns minutos.

A apresentação dos grupos começou e o clima seguia delicioso entre os participantes do grupo de Ana, o que fez com que o grupo fizesse uma apresentação brilhante. Eles saíram felizes e se sentindo vitoriosos, porque o sucesso naquela apresentação garantia a formatura deles que aconteceria em 6 meses.

Na saída, os amigos que não se desgrudavam, Ana, Alex e Lara, caminharam juntos em direção à porta da universidade.

– Precisamos sair para comemorar. Disse Alex empolgado.

– Eu acho uma excelente ideia. Disse Lara, a melhor amiga de Ana. – Vamos Ana?

– Claro! Vamos.

– Você está estranha hoje. Está tudo bem? Perguntou Lara realmente preocupada.

– Está tudo bem! Respondeu Ana, mas não quis comentar nada, com medo que a melhor amiga colocasse algum olho gordo, mesmo sem querer, na sua viagem. – Vamos beber para comemorar. Disse Ana aumentando o tom de sua voz, tentando parecer mais empolgada.

– Vou agitar meninas. Disse Alex mais eufórico do que nunca.

– Chama o Tadeu! Pediu Lara. E a Paty. E o Miguel. Ah! Estamos esquecendo alguém. Disse Lara.

– Vou agitar a galera. Mando as sugestões no grupo. Até mais meninas. Disse Alex beijando cada uma delas no rosto e indo em direção contrária a delas. – Preciso passar na biblioteca.

– Até mais tarde! Gritou Ana acordando para a vida.

– Até! Gritou Alex jogando beijos para ela no ar.

– Hum será que finalmente o Alex ganhará o algo mais que ele sempre quis? Provocou Lara.

– Para de falar besteira Lara.

– Não entendo porque não.

– Porque sim! Oras. Disse Ana finalizando a história.

– Ok Dona Ana. Como quiser. Porque sim. Porque não. Nos vemos mais tarde Cabeça. Espero que você esteja menos estranha. Disse Lara em tom de brincadeira.

– Até mais tarde Cabeça. Não se preocupe. Estou muito feliz e cheia de perspectivas.

– Por causa da formatura? Perguntou Lara curiosa.

– É! Não deixa de ser.

– Falamos mais tarde.

– Até.

Se despediram e cada uma andou em direção ao seu carro.

A volta para casa foi acompanhada da expectativa que tomava conta do coração de Ana e não deixava espaço para mais nada.

Ela chegou em casa, engoliu a comida e logo seguiu para a Revista onde estava fazendo suas horas de estágio obrigatório.

Naquele dia, havia algo especial nela que despertava curiosidade nas pessoas. No trabalho ganhou elogios de várias pessoas, mas se conteve em agradecer e manteve em segredo o real motivo da sua felicidade.

Ana fazia estagio há um ano na revista National Geographic, a mais importante do mercado em seu segmento, e apesar de gostar da rotina de trabalho e das pessoas, ela não se sentia muito realizada ali. Ela não encontrava lá o que tinha ido buscar quando resolveu fazer faculdade de história. Ela tinha um jeito descontraído demais para aquele universo e além de não se realizar completamente, por vezes se sentia um peixe fora d’água em meio a tantas pessoas serias que levavam a vida de uma maneira tão diferente da dela. No final do estágio ela tinha a viagem para a Hungria, o que não permitiria que ela continuasse como efetiva após a formatura e de alguma forma a fazia se sentir aliviada por isso. Ela não tinha desculpas para seguir a carreira como efetiva após sua formação, seguindo a pressão por ser bem sucedida que o mercado impõe para as pessoas que saem da faculdade. Agora com a viagem até esse alivio ela sentia.

A tarde se arrastou naquele dia e o grupo do whatsapp com a turma da faculdade não parava de apitar com a empolgação de todos com o encontro que aconteceria mais tarde.

Finalmente a hora de ir embora tinha chegado e Ana estava mais empolgada do que pensava para o encontro.

Quando chegou em casa não perdeu tempo e foi logo tomar banho. A cabeça estava cheia de pensamentos e de repente ela sentiu um frio na barriga ao lembrar de Alex, que apareceu sem pedir licença em meio àquele turbilhão de pensamentos. Ela se arrumou mais do que o normal, cantarolou algumas canções. E quando ela terminava de se maquiar a mãe chegou perto curiosa.

– Nossa que produção filha! Vai sair? Deu tudo certo com a apresentação hoje?

– Mãe foi tudo maravilhoso! Mandamos muito bem e estamos praticamente formados. Por isso vamos sair para comemorar. E você mãe? Chegando do trabalho só agora?

– Sim filha. E estou acabada.

– Você precisa viver mais a vida mãe.

– Não se preocupe comigo. Sou feliz assim.

– Mãe, ninguém é feliz sozinho. Você nunca mais namorou desde que o papai foi embora. Isso já faz 15 anos.

– Nossa o tempo passa né filha? Parece que foi ontem.

– Você precisa namorar de novo mãe. Você é maravilhosa, super jovem, interessante, inteligente e um monte de coisas boas. Deve ter um monte de homens babando por você.

– Filha não se preocupe. Isso não é mais para mim.

– Que bobagem mãe.

– Agora me diga quais são os planos para hoje à noite.

– Vou encontrar o Alex, a Lara e uma turma lá da faculdade.

– Aproveite minha filha. Comemore.

– Vou comemorar! Inclusive a nossa viagem. Era para valer né? Estou sonhando com isso desde ontem.

– Sim filha! É sério.

– Preciso ir mãe. A Lara chegou.

– Juízo filha.

– Pode deixar mãe.

Ana desceu feliz, aprovando seu próprio look no espelho do elevador. Ela se sentia bonita como nunca tinha se sentido na vida.

Quando Ana e Lara chegaram no bar, os olhares se voltaram para elas. Mas em meio a um monte de gente, Ana só conseguia ver Alex, como se ele fosse a única pessoa naquele lugar. Eles eram amigos há quase 4 anos, mas a sensação de Ana era de que eles tinham se conhecido naquele exato momento.

Ana sentiu um arrepio percorrer seu corpo e o pensamento atrevido que veio a mente dela, antes mesmo de chegar perto de Alex foi:

“Acho que hoje vou beijar você na boca.”

 

CONTINUA…

O CAPÍTULO 3 SERÁ POSTADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *