Capítulo 21 – Uma Grande Bagunça

Pedro acorda com a frase de Malu na sua cabeça “Eu não fico com ele porque ele não é você” e essa revelação, apesar de não ser surpreendente, mostra para ele onde esta a mulher de quem ele realmente gosta. Porque ele não poderia se sentir mais feliz. Essa frase também mostra porque ele não é feliz ao lado de Diana. Apesar de ela ser uma mulher incrível, ela não é a Malu. E ele precisa dizer isso para ela. Ele levanta sem fazer barulho para não acordar Diana, que dorme ao seu lado. Vai para sua varanda sem móveis onde geralmente seus pensamentos se organizam, levando seu café e escreve para Malu.

“Eu também não consigo ver futuro na minha relação, porque ela não é você.”

Malu está acabando de acordar quando vê a mensagem. Se sente feliz, mas tem dificuldade de acreditar mesmo naquilo. Se ele gostasse tanto dela deveria ter lutado para ficar com ela. Ela incentivou ele a fazer o certo, o que não queria dizer que ela esperava que ele se esquecesse da história deles. Ele fez o mais fácil. Ele não lutou para ficar com ela. Então ela responde:

“Se nós 2 sentimos a mesma coisa, estamos nós 2 destinados a não viver o amor?”

Ele responde na hora:

“A vida não pode ser tão injusta.”

“Ela nunca é, na verdade.”

“Tomara que eu consiga consertar essa bagunça.”

“Preciso ir Pedro. Vou receber meus amigos para um café da manhã aqui em casa. Aproveite seu final de semana. Não pense tanto…”

“Bom final de semana. Você sempre me deixa com algo bom para pensar, mesmo quando o conselho é não pensar tanto. Adoro você.”

Enquanto espera uma resposta, ansioso, é surpreendido por Diana.

– Bom dia! Não gosto de acordar sozinha. Por que você não ficou lá comigo?

– Estava sem sono e deixei você descansar.

– Olha, você precisa se dedicar mais se quiser fazer essa nossa relação dar certo de verdade. Se despedir do passado. Quem propôs tentar fazer dar certo foi você.

– Você tem razão. Mas não exagere quanto a te deixar sozinha. Quis deixar você descansando. Dizem que as grávidas sentem mais sono. Você tem estado muito… sensível ultimamente. Ele quis dizer algo como: Você tem agido como louca e esta me sufocando. Mas preferiu uma abordagem mais leve.

– Está difícil para mim também. Prometo que vou me esforçar. Diz Diana sentando no colo dele e lhe dando um beijo carinhoso.

Enquanto isso, Malu coloca sua playlist favorita para tocar, para receber Betsy, Grazi, Edu e Vitor para um café da manhã na sua casa para terminar as lembrancinhas do casamento de Betsy que acontecerá no próximo final de semana. Quando ela está terminando de arrumar a mesa na varanda toca o interfone. Era Betsy.

– Oi minha amiga. Que bom que você chegou antes de todo mundo. Estou há dias querendo te contar uma coisa, que vai me fazer explodir. Preciso dos conselhos da minha melhor amiga.

– Oi Maluzita. O que aconteceu? Esse casamento tem me ocupado tanto que acabei me tornando uma amiga ausente. Me desculpe.

– Não tem problema. Eu estava disposta a nunca contar a ninguém. Porque achei que eu resolveria sozinha a história. Só o Vitor sabe o que está acontecendo.

– O que foi minha amiga?

– Fiquei com o Pedro em Cannes.

– Eu sabia que isso ia acontecer. Interrompe Betsy.

– Calma Betsy, muita água passou embaixo dessa ponte. Vou te contar com riqueza de detalhes. A viagem de Cannes foi um sonho. Vivi momentos deliciosos com ele. Mas quando voltamos para realidade, tudo ficou estranho para mim. Eu não sabia como tratar ele. E ele é meu chefe. Ou seja, a situação não poderia ficar pior. Saímos para conversar e resolvemos nossa situação. Resolvemos deixar os beijos para traz e seguir com a vida que tínhamos antes dos beijos. Na verdade eu decidi e ele me apoiou na decisão, apesar de continuar me provocando com o assunto extra amizade.

– Ah! Malu. O amor não é racional assim. Interrompe Betsy de novo.

– Nesse caso foi. Estava dando certo. Dormi com ele e nada aconteceu.

– Como assim? Parece que eu dormi 100 anos. Os preparativos do casamento me levaram para outra dimensão.

– Saímos um dia juntos. Fomos para uma festa e ele bebeu muito. Acabei indo levar ele para casa no carro dele. Ele estava muito bêbado e insistiu para me levar porque não queria que eu pegasse um taxi. Acabei ficando para cuidar dele. Porque talvez ele precisasse. Dormimos na mesma cama e nada aconteceu. Saímos para almoçar nesse dia. Totalmente amigos e tudo parecia estar de fato no lugar até chegarmos na Bahia. Onde tudo mudou.

– Meu Deus, estou curiosa.

Toca o interfone, interrompendo elas.

– Ah não. Diz Betsy. – Você vai me contar essa história até o final.

– O Vitor chegou. Está subindo com Edu.

– Bom, continue antes que eles cheguem. Você está na Bahia onde tudo mudou.

– Então. Estava tudo normal até eu ter o melhor sexo da minha vida. E tudo aconteceu de maneira muito romântica.

– Não acredito! Vocês transaram? Betsy diz com o olhar arregalado e colocando a mão na frente da boca.

– Sim! E foi incrível. Ficamos juntos as duas noites. Nos despedimos com falas cheias de promessas. Comprometidos a resolver nossas histórias com Felipes e Dianas. Mas na tentativa de resolver a história dele com a Diana, ele descobriu que ia ser pai. A Diana está grávida.

– Meu Deus!!! E o Felipe?

– Nem vi o Felipe. Cancelei nossos dias juntos quando eu ainda estava na Bahia. Não podia continuar assim. A história estava me angustiando.

– Mas e aí? Você não aceita o Pedro se ele tiver um filho?

– Não é esse o problema. Ele começou a namorar a Diana. Na tentativa de dar uma família para esse bebê que vai nascer.

– Ai amiga… nem sei o que te dizer. Mas ele parece estar sendo correto.

– Sim ele está. Conversamos muito e nos comprometemos a achar um jeito de seguir um na vida do outro.

– Mas você não está feliz com isso, certo?

– Não. Nem um pouco. Queria que ele lutasse por mim.

– Amiga. Como?

– Oieee! Chegam gritando super animados Vitor e Edu trazendo pães ainda quentinhos da padaria.

Toca o interfone e com a chegada de Grazi estão todos para começar o café da manhã.

– Depois continuamos. Diz Malu. – Mas já me sinto bem melhor só por ter dividido com você. Diz Malu só para Betsy

– Vai ficar tudo bem. Diz Betsy abraçando a amiga.

Com a chegada de todos, toda a tristeza vai embora. No ipod toca a música Thinking Out Loud e todos os problemas desparecem junto com as risadas, a comida boa e a energia incrível das pessoas mais queridas da vida de Malu em volta da sua mesa na varanda. Assim que terminam o café da manhã, tiram a louça e o que sobrou de comida e trazem tecido, caixas de madeira e fitas de tafetá. A linha de montagem estava pronta para produzirem as caixinhas que serão entregues a Vitor para colocar os bem-casados que ele está fazendo para o casamento.

Eles passam a manhã cortando e colando tecido. Fazendo laços em fitas. Perto das 13h ainda faltava um pouco mais da metade e Malu chega com uma sangria cleriquot, fresquinha e super gelada e uma travessa com brusquetas de tomate para animar a tarde e os trabalhos. Terminam as caixinhas perto das 16h. Quando enfim saem para almoçar. Há tempos Malu não passava horas tão gostosas com os seus amigos e toda sangria e o trabalho manual ajudaram ela a esvaziar completamente a mente.

Malu volta para casa perto das 20h. Vitor tinha que trabalhar, Grazi e Betsy iam sair com os seus namorados e Edu ia encontrar os amigos da faculdade. Malu se sentiu mais sozinha e sem perspectivas do que nunca. Sentiu vontade de ligar para o Rodrigo. Estava com saudades, queria saber dele. Mas sabia que seu estado de espirito a tornava muito vulnerável. Ela estava carente. Achou melhor não mexer na história.

Por mais que tentasse se entreter com seus programas preferidos enquanto esta em casa, nada prendia sua atenção ou não permitia que seus pensamentos viajassem para lugares tristes, nem sua série tv preferida, nem seu livro preferido com seus personagens apaixonantes. Nada resolvia. Então resolveu ligar para Duda.

– Oi Malu, tudo bem?

– Sim. E você? Estou ligando para saber o que você vai fazer hoje. Pensei em sairmos para dançar. Podíamos chamar a Olivia e o Flavio. Que tal?

– Ótima ideia. Eu estava aqui me sentindo o último dos seres humanos. Estou muito feliz com a ideia. Onde vamos?

– Nem ideia. Eu era noiva até o meio desse ano! Diz Malu soltando uma gargalhada. – Hum. Já sei. Vamos na balada que fui com o Pedro. Acho que vamos conseguir nos divertir lá.

– Malu, é muito cara! Você foi em uma festa VIP. Vamos gastar uma fortuna.

– Fomos promovidas! Podemos pagar.

– Isso é contra meus princípios. Brinca Duda.

– Vou ligar para o Fabio e ver se ele tem algum conhecido lá que possa nos ajudar.

– Isso. Por favor, ainda mais importante que o preço, precisamos evitar a fila que dobra o quarteirão.

– hahahahahaha. Você tem razão. Se precisar negociar, escolhemos não pegar a fila. Vou ligar para ele e te ligo já. Beijo

Malu desligou o telefone e já se sentindo animada. Quando pegou o telefone para ligar para o Fabio se deu conta de que não tinha o telefone dele. Ela ia precisar ligar para o Pedro para pedir. Resolveu enviar uma mensagem te texto.

“Oi, tudo bem? Estou precisando falar com o Fabio. Você pode me dar o número do celular dele, por favor?”

“Oi. Tudo bem. E você? O que você quer com o meu amigo?”

“Uma mulher tem seus segredos.”

Nesse instante toca seu celular.

– Oi Pedro.

– Oi. O que você precisa falar com o Fabio?

– Nada demais. Quero ir naquela balada que fomos outro dia juntos. Mas é cara e tem fila. Queria ver se o Fabio conhece alguém lá que pode ajudar, pelo menos com a fila.

– Ah! Entendi. Anota aí.

– Obrigada! Vou ligar para ele.

– Juízo por lá.

– Para que juízo?

– Porque você é responsável. Só por isso. Diz Pedro contrariado.

– Meu juízo me deixou sozinha com 34 anos. Enquanto todo mundo namora, vai casar ou vai ter filhos.

– Não foi seu juízo que fez isso.

– Foi sim. Não quero falar sobre isso. Não hoje. Obrigada! Vou ligar para o Fabio. Nos falamos na segunda.

– Espero que você fique bem. Até segunda.

– Beijo

– Beijo

Malu liga imediatamente para Fabio. Ele atende e consegue mesa no camarote, sem fila e com entrada VIP. Ele diz que é um prazer conseguir uma noite especial para ela.

Duda passa na casa de Malu à meia noite. As duas estão lindas, cada uma no seu estilo. Super produzidas, maquiadas e usando roupas sensuais. A noite começa animada e como sempre, desde que a fase sorte no jogo, azar no amor começou, elas começam com tequila. Após o 3º shot de tequila, ambas riem de perder o folego e fazem um combinado:

– Vamos mudar nossa sorte no amor hoje. Vamos virar esse 4º shot de tequila e vamos descer para a pista. Lá cada uma vai beijar o primeiro homem bonito que encontrar, desde que ele não seja comprometido. Combinado? Grita Malu.

– Combinado! O primeiro! Cheers.

Após virar o 4º shot de tequila, as duas descem para pista determinadas a cumprir sua missão. Ainda no caminho da pista, Malu encontra seu alvo e em segundos está aos beijos com ele. Duda se anima e faz o mesmo, beijando o primeiro homem que viu, mesmo ele não sendo tão bonito. Malu troca uns amassos na pista de dança e o caso de Duda não progride após o primeiro beijo. Elas dançam. Se entregam de corpo e alma para a música It was you. Malu expulsa o Pedro dos seus pensamentos, porque só quer ser feliz naquela noite.

Depois de terem bebido quase toda a garrafa de tequila, Duda diz:

– Há tempos não me divertia tanto. Vou enviar uma mensagem agora para o Theo dizendo que eu não me importo.

– Duda, ele não vai entender nada. São 3h da manhã. E ele não bebeu meia garrafa de tequila.

– Não me importo. I don’t care…. Diz isso, já digitando freneticamente em seu celular.

Assim que Duda termina de enviar a mensagem. Diz:

– Me libertei! Era isso que faltava para esse noite ser perfeita. Envia seu I don’t care para alguém também, Malu.

– Não tenho para quem.

– Envia para o Rodrigo.

– Não estou bêbada o suficiente para fazer coisas sem noção.

– Está sim! Vamos! Por favor. Envia para alguém.

Malu tenta organizar suas ideias mas está bêbada demais para racionalizar qualquer coisa. E num impulso digita a mensagem e envia para o Pedro:

“Eu não me importo mais.”

Nem Pedro, nem Theo respondem as mensagens, então elas resolvem virar mais um shot de tequila e beijar o segundo homem que aparecer na frente delas. Saem em busca do desafio e ainda no camarote as duas já estão beijando o primeiro homem que apareceu na frente, pela segunda vez na noite. Dessa vez, o de Malu era feio e o de Duda bonito.

Enquanto Malu se acaba de dançar, Pedro liga para ela insistentemente, mas ela não atende. Ele queria entender que mensagem era aquela, naquele horário. Malu se sente tonta e começa a beber água para tentar aliviar a bebedeira. Pega sua bolsa e vai ao banheiro. Quando abre a bolsa para pegar o batom, vê 9 ligações perdidas de Pedro. Então ela lembra que tinha enviado a mensagem bizarra para ele. Morre de rir e retorna a ligação, mesmo sendo 4h. Ele atende no primeiro toque.

– Oi Malu.

– Oi Pedro.

– Está tudo bem? Que mensagem foi essa?

– Foi o que escrevi. Quero que você saiba que estou feliz e não me importo mais. Vou esquecer você. Hoje beijei dois completos desconhecidos e foi libertador. Homens que nem sei o nome. E agora vou desligar o telefone e convencer o primeiro homem que passar a transar comigo. Sou uma mulher que tem suas necessidades. Talvez eu engravide sem querer, para parar de morrer de medo de ser velha demais para começar uma família, quando eu tiver a chance de ter uma. Se um dia eu tiver essa chance.

– Malu, você me parece bêbada demais para tomar esse tipo de decisão.

Ela interrompe ele e continua falando:

– Não se importe tanto. Porque eu não me importo mais. MESMO. Agora, se me dá licença, preciso retocar o meu batom e sair em busca da minha transa da noite, porque eu vou transar hoje. Boa noite Pedro.

Antes que ele proteste, argumente ou tente convencê-la de não fazer nenhuma besteira, ela desliga o telefone na cara dele. Ela se olha no espelho e passa seu batom. Os olhos estão bêbados e tristes, mas sua vontade de fazer uma loucura continua latente. Ela se sente ainda mais forte depois de desligar o telefone na cara do Pedro. Não sabia de onde tinha tirado tanta coragem. Na verdade sabia. Tirou da garrafa de tequila que bebeu. Ela volta corajosa e determinada para a pista de dança. Encontra Duda aos beijos com um homem maravilhoso. E sai ainda mais determinada a encontrar o homem com quem vai transar naquela noite.

Ela anda de um lado para o outro observando todos os homens no caminho. Duda interrompe sua busca, pedindo para ir embora, pois queria dormir com o cara que estava ficando. Malu encoraja a amiga a ir embora e ser feliz e diz que vai ficar mais um pouco e depois vai de taxi para casa. Assim que Duda vai embora, Malu volta para o camarote e vira a última dose da garrafa de tequila. O mundo começa a girar e ela tem a sensação que vai desmaiar, quando um homem igual ao Pedro aparece na frente dela.

– Meu Deus! Você é a cara do amor da minha vida. Ela diz, sem conseguir articular direito uma única palavra.

– O que você está fazendo? Talvez eu seja de fato o amor da sua vida. E você o da minha. Você me deixou muito preocupado. Por isso estou aqui.

– Você é o Pedro?

– Malu, você não está nada bem.

– Sim! Você é o Pedro. Ela diz isso, se pendura no pescoço dele, se aproxima e dá um beijo de tirar o fôlego na boca dele.

Ele aproveita o beijo e retribui, mesmo ela estando totalmente fora de si.

– Malu, o que foi isso?

– Um beijo, que era para ser roubado. Sei lá. Fiquei feliz por você aparecer aqui.

– Ah ficou é? Achei que você ficaria brava.

– Feliz. Fiquei feliz.

– Desistiu de transar com um desconhecido?

– Estava tomando coragem. Diz mostrando a garrafa vazia.

– Vem. Vou te levar para casa. Diz Pedro com um sorriso de orelha a orelha.

– Não precisa. Estou ótima.

– Eu sei que você está ótima, mas vou te levar para casa mesmo assim.

Ela cede. Vão o caminho todo em silencio ouvindo Beautiful Goodbye e quando chegam na casa dela, ele finalmente diz:

– Vou subir e te colocar na cama.

– Ah, não vai mesmo.

– Vou, nem que eu tenha que te levar no colo.

– Então você vai ter que me levar no colo. Ela diz cruzando os braços e fazendo um bico com a boca. Apesar de totalmente desarrumada, descabelada, maquiagem borrrada nos olhos, ela está linda.

– Ok! Se é para ser assim. Será assim. Ele diz isso, saindo do carro.

Ele abre a porta dela que gargalha, sem conseguir acreditar que ele vai levar ela no colo. Ele determinado, puxa ela de dentro do carro e leva ela no colo até a porta do apartamento dela.

Assim que ele coloca ela no chão, ela corre para o banheiro para vomitar. Finalmente toda aquela tequila está saindo do corpo dela. Pedro fica ao seu lado, segurando o seu cabelo. Assim que se sente melhor, ela toma um banho e coloca seu pijama. Quando sai, ele ainda está ali.

– Se sentindo melhor?

– Sim. Mais ou menos na verdade. Bebi demais. A Duda deve estar passando pela mesma coisa.

– É a segunda vez que te encontro tarde da noite depois de beber demais. Você anda bebendo demais.

– Sem sexo, sem amor, sem perspectivas e sem álcool. Essa é a sua proposta para mim?

– Não Malu. Minha proposta é você se cuidar para não fazer bobagem. Como transar com um homem qualquer problemático ou dirigir totalmente embriagada.

– Ok! Entendi. São quase 6 horas da manhã. Precisamos dormir.

– Vem, vou te colocar na cama.

– Eu não arriscaria no seu lugar.

– Estou morrendo de medo de você. Vem. Não acho que vou precisar te carregar de novo né? Diz Pedro, puxando Malu pela mão.

Ela cede e vão juntos para o seu quarto. Ele deita ao lado dela e faz carinho no cabelo dela, até que toda a vontade que ela tem dele perde a batalha para o sono e ela finalmente dorme.

Pedro fica ali alguns minutos observando ela e lembrando do beijo que ela deu nele, que ela provavelmente nem lembraria quando acordasse. Isso aumentava ainda mais o tamanho da bagunça que a vida dele estava se tornando.

Malu acorda depois de 8 horas de sono, às 14h. Se sente bem, apesar de toda a tequila que bebeu. Não se lembra de detalhes da noite anterior apesar do esforço e de repente Pedro aparece nas suas lembranças com o beijo, o carinho, o colo e as broncas. Ela morre de vergonha e de felicidade. Ele afinal, não era imune à ela. Tem vontade de ligar para ele, mas desiste. Resolve enviar uma mensagem agradecendo pelo cuidado e se desculpando pelo trabalho, mas na hora de enviar também desiste. Resolve ficar na cama, envolvida com as histórias de seu livro.

Enquanto Pedro vive um dia ruim. Diana está estressada, extremamente sensível, irritada por tudo. Ela acordou Pedro às 11h aos berros, porque ele não atendia o telefone.

Enquanto almoçam Pedro resolve perguntar o que está acontecendo com ela:

– Diana, tem dias que você vem se comportando de maneira possessiva, agindo como uma maníaca por controle. O que está acontecendo? Você nunca foi assim.

– Pedro, acho que é a gravidez. Sei que estou agindo como maluca. Sei lá. Tenho medo de te perder. E sinto que você vai embora a qualquer momento.

– Entendo o que você está sentindo. Não planejamos nada disso. Também estou me adaptando a tudo isso e o seu comportamento ultimamente anda me sufocando e me assustando na verdade.

– Eu vou me controlar para não te amar tanto.

– Você só precisa relaxar um pouco. Vamos achar uma maneira de fazer tudo dar certo.

Enquanto Pedro falava, desejava estar em qualquer outro lugar a estar ali. Ele não gostava de Diana o suficiente para ter uma família e ficar a vida toda ao lado dela. E o comportamento dela ultimamente não estava ajudando nenhum um pouco. Ele precisava colocar tudo no lugar. Depois do almoço os dois seguem em silencio no carro. No radio toca Beautiful Goodbye e Pedro se sente feliz ao lembrar da madrugada estranha e deliciosa que teve com Malu. Era ali que ele queria estar. Que bagunça ele tinha feito. Quando chega na porta da casa de Diana ela finalmente diz:

– Desculpe pelo meu comportamento possessivo. Vou melhorar, prometo. Sobe. Fica mais um pouco com a gente. Diz, colocando a mão dele na barriga dela.

– Desculpe, mas combinei um lance com o Fabio e com o Cadu hoje a noite. Preciso dar um pouco de atenção para os meus amigos.

– Que horas você ia me contar isso? Pedro, sei que posso estar exagerando às vezes. Mas temos um compromisso. Preciso saber dos seus compromissos.

– Isso não quer dizer que somos donos uns dos outros. Não te contei, porque esqueci. Pessoas saem com os amigos.

– Ok! Você tem razão. Melhor eu ir.

– Sim! É melhor. Você precisa descansar. Te ligo mais tarde. Ele se despede com um selinho e se sente totalmente aliviado depois que ela sai do carro.

Ele vai direto para a casa de Fabio onde combinaram de se encontrar. Quando ele chega Stella ainda esta na casa do namorado.

– Oi Stella, tudo bem?

– Tudo! E você?

– Tudo bem. E você cara? Tudo bem? Diz se dirigindo a Fabio.

– Tudo certo.

– Bom agora que seu amigo chegou, vou indo. Tenho algumas coisas para fazer. Diz Stella.

– Stella, o que está acontecendo com a Diana? Ela anda se comportando de maneira estranha. Pergunta Pedro.

– Não sei Pedro. Ela está com medo e não sabe como agir. Ela não sente que você gosta dela o suficiente e tem a sensação de que você vai embora a qualquer momento.

– Mas não fiz nada de diferente para ela se sentir assim.

– Eu sei. Mas tem muita coisa acontecendo com ela. Dê um tempo para ela e acho que tudo vai encontrar o seu lugar. Mas, para o bem de vocês dois, não fique com ela somente pelo filho, se não amar ela. Vocês 2 serão muito infelizes e o filho de vocês só tem a perder com isso. Pode doer nela agora. Mas será melhor no futuro.

– Por isso escolhi essa mulher. Vem cá me dar um beijo. Mulher sensata e linda. Diz Fabio se derretendo.

– Seu bobo. Responde Stella dando um abraço no namorado.

Stella se despede e vai embora, deixando Pedro e Fabio sozinhos.

– Cara, ainda bem que temos essa noite de amigos. Estou precisando muito dela. Diz Pedro para Fabio. – Queria bater um papo com você antes do Cadu chegar.

– O que foi dessa vez?

– Tudo! Beijei a Malu ontem. Ela estava bêbada e não deve nem lembrar, mas beijei e gostei demais de ter beijado. Ela disse que eu era o amor da vida dela e hoje, como nos últimos dias, a Diana tem se comportado de maneira possessiva e estranha. Tenho medo de que ela faça uma cena em público a qualquer momento. Sei lá. Está tudo estranho para cacete.

– Porra Pedro, você não se ajuda. Por que beijou a Malu se está tentando algo com a Diana? Você não precisa estar com a Diana e não deve ficar dando esperanças para a Malu se vai ficar com a Diana mesmo forçado. Que zona. Sei lá o que te dizer.

– Acho que não estou pronto para ficar com ninguém. Há 6 meses eu era casado com uma mulher que eu amava muito. Não quero essa porra toda agora. Não sei se vou ficar com a Diana. O que não quer dizer que não vou ser um grande pai para esse bebê que vai nascer.

– Acho que você precisa de um tempo e de cerveja. Vamos tomar uma enquanto esperamos o Cadu?

– Boa.

No final da segunda garrafa de cerveja, Cadu chega animado com seu relógio novo. Chegou se exibindo com seu relógio da Apple. Parecia uma criança.

– Cara, não acredito que você gastou essa grana em um relógio que faz a mesma coisa que o seu celular. Diz Pedro.

Cadu defende a diferença entre um e outro, mas logo muda de assunto.

– Pedro depois que conheci a Malu na sua casa, no dia do seu aniversário fiquei com vontade de sair com ela. Você me dá o número de telefone dela? Quero chamar ela para sair.

– Você é galinha demais para ela.

– Você é o pai dela?

– Sou muito amigo dela. E ela está passando por um momento complicado. Não quero meu grande amigo fodendo mais com a vida dela.

– Cara! Não sou um canalha. Está me confundindo? Nunca fui sacana com as mulheres.

– Está certo! Anota aí o telefone. Diz Pedro cedendo, mas totalmente contrariado.

– Valeu! E aí onde vamos hoje?

– Pensei em jogar sinuca, diz Fabio.

– Hum! Boa. Diz Cadu.

Saem de taxi para os 3 poderem beber. O bar está lotado, mais do que o normal para um domingo. Conseguem uma mesa de sinuca depois de 2 horas de espera e 6 garrafas de cerveja. Estão alegres, falam alto. Pedro vai buscar uma cerveja no bar e percebe uma mulher olhando fixamente para ele. Enquanto ele espera, ela chega perto.

– Oi.

– Oi. Ele responde.

– Estou há um tempo te olhando. Te achei um gato, mas fiquei curiosa sobre uma coisa. Diz a mulher sugando sua caipirinha pelo canudo.

– Uau! Direta ao ponto. O que te deixou curiosa?

– Você parece ser realmente uma delícia, mas será que beija bem?

– Objetiva e curiosa?

– Sim! Direta ao ponto e muito, muito curiosa. Agora que você conhece a minha perspectiva e meu lado prático, vai fazer o que?

– Sei lá. Te dar um beijo para matar sua curiosidade.

– Gosto disso.

Sem pensar muito, Pedro encosta aquela desconhecida no balcão e beija ela como se fossem fazer sexo ali mesmo. Quando se soltam ambos tomam ar para retomar o fôlego.

– Você é uma delícia e beija bem. Ela diz.

– Gostei do beijo também. Diz Pedro pegando a cerveja. – Preciso voltar lá. Quer vir comigo?

– Melhor não. Nos encontramos mais tarde, talvez.

– Ok! Vou te procurar quando eu vier buscar a próxima garrafa.

– Combinado. Homem delicioso.

Pedro volta para a mesa de sinuca se perguntando sobre o que tinha sido aquilo. Ele tinha beijado 2 mulheres no final de semana, de maneira absolutamente inesperada e surpreendente.

– Cara, o que foi aquilo? Pergunta Cadu, pegando a cerveja e servindo os copos.

– Foi repentino. A mulher chegou falando umas paradas sensuais. E rolou.

– Como ela chama?

– Sei lá. Nem nos apresentemos.

– Ah moleque. Diz Cadu orgulhoso do amigo.

– Você está bagunçando a porra toda, cada vez mais. Diz Fabio. – Vamos terminar essa partida. Vocês estão muito moles.

Enquanto jogam, seguem bebendo e se divertindo, como há tempos não faziam. Já no final da noite, entre um monte de bobagens que estavam falando, Fabio diz sério:

– Vou pedir a Stella em casamento. Ela é a mulher da minha vida. Queria que vocês soubessem.

– Cara! Parabéns! Ela é mesmo incrível! Diz Pedro. – Estou feliz por vocês.

– Você decidiu isso agora? Pergunta Cadu.

– Decidi hoje, enquanto ela aconselhava o Pedro. Essa mulher é foda!

– Parabéns! A Stella é demais. Diz Cadu.

– Vamos brindar a isso. Convida Pedro.

Eles terminam a noite bêbados e felizes. A mulher fatal de Pedro, desapareceu. Acabam ficando todos na casa de Fabio, porque ninguém tinha condições de dirigir.

Todos já estavam indo dormir, quando Pedro resolve falar com a Malu. Ele quer saber como ela está. Pensa em ligar, mas prefere enviar uma mensagem.

“Oi. Como você está depois do porre de ontem? Lembra de tudo?”

Ela demora um pouco para responder.

“Me recuperando. Mas melhor do que poderia estar. Acho que nunca bebi tanto em toda a minha vida. E me lembro de poucas coisas, mas me lembro de ter roubado um beijo. Desculpe por tudo. E obrigada por cuidar de mim.”

“Que bom que lembra do beijo. Não tem que se desculpar e nem que agradecer. Adoro você.”

“<3”

“Preciso te contar uma coisa.”

“Conta.”

“O Cadu pediu seu telefone. Ele gosta de você. Pedi para ele cuidar bem de você. E beijei uma desconhecida hoje a noite. A Diana tem se comportado como louca. E sair um pouco dessa loucura me fez bem. Estou precisando muito da minha amiga Malu para me dar uma nova perspectiva de tudo”

Malu não consegue decifrar o que ele queria dizer. Será que estava dizendo para ela ser feliz com o Cadu porque ele resolveu ser um tremendo filho da puta que ia trair a namorada grávida com várias mulheres? Ou será que eram fatos isolados fora de seus contextos verdadeiros que pareciam piores do que eram de fato? Resolveu responder simplesmente:

“Conversamos melhor sobre isso pessoalmente. Porque da forma como entendi tudo, estou com um pouco de raiva. Boa noite. Mais uma vez, obrigada por tudo. Beijo.”

“Não era essa minha intenção. Conversamos pessoalmente e acho que você vai entender. Ainda me adora, mesmo com raiva?”

“ACHO que sim.”

“Melhor assim. Fico aliviado. beijo”

Já era tarde e Malu resolveu não pensar mais nisso e em mais em nada. Seguiu com o seu resto de noite da mesma maneira que tinha começado o dia, se recuperando da super bebedeira da noite anterior. Mas morrendo de raiva do Pedro.

O dia amanheceu logo e se arrastou no trabalho. As transições entre áreas estavam deixando todos exaustos. Assim como a segunda, a semana se arrastou. Todos saindo muito tarde do trabalho e entre os amigos da Malu uma tremenda expectativa com o casamento de Betsy e João que aconteceria no final de semana. Malu passou a semana sem falar direito com Pedro. Ele viajou por três dias a trabalho e nos dias em que estiveram juntos na agência, trabalharam muito bem juntos. Malu evita Pedro em qualquer situação que não é de trabalho. Resolve manter essa estratégia de defesa até que a raiva passe. Apesar de tudo, eles conseguiam separar muito bem o universo pessoal do profissional. E isso representava um tremendo alívio para os dois.

Na sexta-feira. Malu saiu do trabalho logo depois do almoço e pegou estrada com Edu, Vitor e Grazi no sentido de Parati, onde iria acontecer o casamento. Seriam 3 dias de festa, começando na sexta à noite e terminando no domingo à tarde.

Depois de 5 horas de viagem e muitas risadas, músicas e pic nic no carro enfim chegaram. Malu sentia a brisa bater em seu rosto e apesar da grande bagunça que estava a sua vida, se sentiu muito grata por estar ali. Por sentir aquela brisa na pele. Por ter seu coração batendo por alguém. Por sua carreira promissora. Por seus grandes amigos, que mais uma vez estavam ali com ela para viver grandes acontecimentos em suas vidas. Assim que termina sua prece silenciosa, recebe uma ligação de Pedro, mas não atende. Na sequencia, recebe uma mensagem:

“Os finais de semana são muito chatos, quando não posso estar com você. Sinto a sua falta. Espero que se divirta no casamento. Mande um grande beijo para a Betsy e para o João. E por favor, me diz o que devo fazer para ter você na minha vida? Para passar a sua raiva. ADORO você.”

Ela responde aquilo que vem do seu coração:

“Arrume essa bagunça”.

Think Of Loud

It Was You

Beautiful Goodbye

CONTINUA…

O CAPÍTULO 22 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *