Capítulo 22 – Castelo de Areia

O casamento de Betsy foi o mais lindo e emocionante que Malu já foi e ela chorou na maior parte da cerimônia. Sua melhor amiga estava linda no seu vestido Vera Wang que ela tinha ajudado a escolher, o primeiro e único que ela experimentou. Era especial para Malu ter uma amiga tão importante como Betsy e ela se orgulhava muito da história que tinham construído juntas e de tudo que tinham vivido e testemunhado uma na vida da outra. O primeiro beijo, a primeira vez, o primeiro amor, a primeira desilusão, a primeira briga. Para todas as primeiras vezes de Malu ela estava lá, segurando sua mão, com os braços abertos, virando um shot de tequila para espantar a dor ou tilintando taças de champagne para celebrar a vida. Essa rápida retrospectiva encheu o coração de Malu de felicidade e seus olhos de lágrimas. No momento em que começaram os cumprimentos entre noivos e padrinhos, ela sentiu sua garganta apertada edolorida por segurar a vontade de chorar, que certamente faria Betsy desabar em lágrimas e borrar toda a sua maquiagem. Uma amiga que se preste, não pode deixar a noiva toda borrada. Pensava Malu, buscando forças e motivos para conter suas lágrimas. No momento em que Betsy abre os braços para cumprimentar Malu, ela respira fundo e diz:

– Muitas felicidades minha amiga. Enquanto você se casava passou o filme da nossa vida na minha cabeça. E a nossa história é realmente linda. Não vou falar dela agora, porque você está linda demais para borrar essa maquiagem. TE AMO com todas as letras maiúsculas.

– Amiga linda, muito obrigada! Nosso filme é lindo mesmo. Não vou chorar. Não vou chorar. Não vou chorar.

– Vai! Tem um monte de gente especial esperando para abraçar a noiva.

Logo depois da cerimonia, que aconteceu na praia com o por do sol, começou a festa que era pé na areia. Tinha sido montada uma enorme estrutura de deque de madeira e cobertura no jardim de uma casa do início do século XX. A iluminação era toda à luz de velas e as flores brancas e amarelas. Móveis de madeira e almofadas brancas. A festa estava linda e muito animada. Depois de beberem e dançarem muito, Malu percebe uma troca de olhares entre Grazi e Rodrigo e comenta com Vitor e Edu:

– Não sei se bebi demais, mas parece que está rolando algo entre a Grazi e o Rodrigo. Vocês perceberam?

– Percebi! Mas também achei que eu tinha bebido demais e estava vendo coisas. Diz Vitor.

– E aí Malu? Se rolar algo entre eles, como você vai se sentir? Pergunta Edu.

– Não faço a menor ideia. Na verdade, só me falta acontecer algo desse tipo para minha tragédia de amor estar digna de Dante. Diz Malu achando graça e virando sua taça de champagne.

E de repente o que parecia que ia acontecer, mas parecia surreal demais para acontecer, aconteceu. Rodrigo e Grazi se beijaram, ali na frente de todo mundo, ali na frente de Malu. Ficaram todos um pouco surpresos e por mais que não gostasse mais dele, Malu ficou mais abalada do que esperava. Agarrou uma garrafa de champagne e correu para praia, rumo à escuridão da noite. Naquele momento não odiava Grazi, nem Rodrigo. Odiava ela mesma, por ter deixado a vida dela chegar naquela situação. Bebeu a metade da garrafa até a última gota. Chorou, até soluçar. Conversou com Deus. E uma vez tudo conversado com ela mesma, ela estava pronta para voltar e encarar aquela situação com dignidade. Ela precisava voltar. Era o casamento da sua melhor amiga e ela precisava estar presente. Ia deixar para ficar sozinha mais tarde.

Assim que Malu voltou para a festa, foi puxada por Rodrigo:

– Malu, eu não planejei isso. Aconteceu. Nunca me passou pela cabeça ter algo com a Grazi. Diz se justificando.

– Rodrigo, fidelidade não foi o seu o forte na nossa relação. Não me surpreenderia se você desejasse a Grazi antes. Ela é linda. Não precisa me explicar nada Rô. Você é livre para viver a sua vida da forma que quiser, com quem quiser.

– Me desculpa, ter ferrado com tudo. Ainda estou colocando tudo no lugar.

– Está desculpado.

– Você não está brava?

– Não. Do fundo do coração. Agora, acho que podemos voltar para a festa.

Eles voltam para a festa e Malu dá um abraço em Grazi, mostrando que não está brava com a amiga. Depois de mais drinks e muitas músicas, a festa termina quase 5 horas da manhã. Foram 12 horas de festa e todos estão animados, mas muito cansados.

Apesar do cansaço, Malu não consegue dormir. Seus pensamentos vão buscar suas lembranças dos últimos meses. Muita coisa tinha acontecido e de alguma maneira ela se sentia grata e certa de que tudo ia dar certo. Mesmo a idade, que sempre foi um pesadelo, não representava um problema real. Tudo ao seu tempo. Tudo ao seu tempo. Tudo ao seu tempo. Repetia ela mentalmente várias vezes até que enfim, dormiu.

O domingo segue com festa. Os noivos dão um almoço para os pais e padrinhos. Malu não consegue conversar direito com Betsy e na verdade não quer trazer tristeza para um momento tão feliz da vida dela. Perto das 16 horas, Betsy e João saem de barco rumo à lua de mel. Iriam em um grande barco alugado percorrer 6 praias do Caribe. Quando Malu se despediu da amiga, sentiu uma enorme vontade de viver aquilo tudo. Até o seu trabalho pesava. Ela se sentia cansada física e emocionalmente. Estava precisando de férias e de um tempo longe de tudo. Ela queria sair pelo mundo em um barco à procura de lugares de tirar o fôlego.

A volta para São Paulo foi rápida, apesar da distância, e a viagem muito tranquila. Existia um leve clima estranho entre Grazi e Malu, criado por Grazi na verdade, que se sentia envergonhada pelo o que tinha feito. Mas nem isso, tirou a paz da volta para casa.

A semana começou difícil para Malu, que se sentia mais cansada do que nunca. Ela não queria ver Pedro. Estava com raiva dele. Enquanto ele podia estar lutando por ela, já que tinha decidido fazer o errado, preferiu ficar com outras mulheres. Claramente, era a hora de partir para outra. Tratava ele de maneira totalmente profissional.

Um pouco antes do almoço, Olivia, que voltava das férias de 30 dias, chamou Malu e Duda para um café. Ela tinha muitas novidades para contar.

– Meninas, o Flavio passou em uma vaga da agência em Nova Iorque. E nós resolvemos nos casar para eu poder ir com ele. Diz Olivia e solta um grito balançando as mãos no final da frase.

– Então essa viagem de férias para Nova Iorque era também de negócios? Pergunta Duda.

– Sim! Ele foi fazer algumas entrevistas lá. Mas realmente estávamos de férias. Passeamos muito e aproveitamos o inverno com neve que começou no início de novembro. Mas hey! Vocês entenderam que eu vou me casar e me mudar para Nova Iorque? Repete Olívia quase histérica de tanta euforia.

– Parabéns para vocês! Você está feliz com essa vida nova? Pergunta Malu.

– Sim estou muito feliz. E vocês estão sendo as primeiras a saber.

– Estou muito feliz por vocês!!!

– Eu também. Parabéns!! Complementa Duda. – Quando vocês vão para lá?

– Em janeiro. No meio de janeiro. Daqui a 2 meses exatamente.

– E vão se casar antes? Pergunta Duda espantada.

– Sim. Em dezembro. Temos um mês para preparar tudo.

– Como você sabe que é ele? Você namoram há pouco tempo.

– Eu simplesmente sei. Temos muitas coisas em comum. Sei que é constrangedor falar desses assuntos com vocês, já que vocês conhecem o Flávio. Mas com ele eu tive o melhor sexo da minha vida. Me sinto totalmente satisfeita, se é que entendem.

– Eu te entendo perfeitamente. Diz rindo Duda.

– Ele faz umas coisas com a língua lá… Que me levam aos céus.

– Sexo faz toda a diferença na relação, quando é bom e quando não é. Esse fator é decisivo para uma relação dar certo. Diz Malu.

– Eu estava saindo com um cara, que ficava 50 minutos nas preliminares. No começo eu achava interessante. Achava ele dedicado. Mas depois descobri que o motivo era porque na relação sexual em si, ele não aguentava 10 minutos. Dizia Duda.

– Ejaculação precoce!!! Concluía Malu interrompendo. – Mas as preliminares eram divertidas?

– No começo era divertido. Depois perdeu a graça. Sexo é um conjunto de coisas que tem que funcionar para ser bom.

– Eu fiquei com um cara uma vez e ele me pediu para fazer xixi nele, na primeira vez que a gente transou. Confessa Malu.

– Mentira! Diz Olívia. – E o que você fez?

– Pedi para terminar a transa no chuveiro. Eu me esforcei porque eu gostava dele. Não rolou o xixi. Travei. Mas namorei ele por 6 meses. Ele era louco por sexo bizarro. Era gostoso experimentar ou tentar coisas diferentes com ele. Uma vez fomos nessas casas de troca de casais. Só olhamos. Não participamos de trocas, nem transamos em público. Mas quando chegamos em casa, explodimos. A transa que tivemos depois foi inesquecível.

– Jura? Diz Duda. – Não imaginava você, toda certinha, fazendo esse tipo de coisa.

– Vale tudo quando estamos apaixonados. Até que me diverti. Responde Malu.

Nesse momento, Thales se levanta da mesa ao lado. Com muita pressa, parecendo que a conversa ao lado tinha deixado ele enlouquecido e ele precisava fazer algo a respeito.

– Não acredito!!! Será que ele ouviu? Pergunta Malu.

– Certamente. Diz Duda.

Elas caem na gargalhada e brindam a nova vida de Olívia que começaria em alguns meses.

A semana passou voando e Malu teve uma rotina de casa para o trabalho, sempre evitando Pedro. Eles estavam distantes há 2 semanas. E nesse momento. Pedro já não insistia tanto quanto no inicio. Ele estava respeitando o espaço imposto por Malu. Na sexta todos saíram mais cedo para ir ao happy hour de comemoração da mudança para Nova Iorque de Flavio e Olívia.

Pedro chegou mais tarde, sozinho e sentou perto de Priscilla. Ele dava muita atenção para ela, que estava muito mais aninada do que era de costume, até que ela perdeu espaço para uma desconhecida sexy que parou para conversar com ele no bar. Ele acabou saindo à francesa, sem se despedir de ninguém, com a desconhecida vulgar. Malu observava cada passo dele e sentiu seu coração esmagado quando viu ele indo embora. Calma Malu, ele está fazendo isso porque não está feliz. Seria você, caso você não tivesse se distanciado dele. Dizia Malu para ela mesma, mas fazendo um enorme esforço para acreditar no que dizia para ela mesma.

– Tudo bem? Pergunta Duda, interrompendo seus devaneios.

– Não muito. Mas vai ficar. Respondeu Malu.

Theo e Duda trocaram olhares o tempo todo, mas nenhum dos dois cedeu ao orgulho. Acabaram passando mais uma noite se tratando como colegas de trabalho. A noite acabou cedo para Malu, que mais uma vez foi dormir sozinha e sem muitas esperanças. Sua vida emocional era uma montanha russa em que alguns dias pareciam promissores e enchiam ela de certeza sobre tudo dar certo enquanto em outros, ela não tinha nenhuma esperança de mudança e sua sensação era de que ficaria sozinha para sempre.

No sábado assim que acorda, Pedro invade seus pensamentos. Ela não podia deixar ele ir embora assim. Estava decepcionada com ele. Se ele ia abrir mão de fazer o certo, por que não tinha ficado com ela? Essa dúvida levava sua auto estima abaixo do nível do mar. Ela precisava se reaproximar dele. Era incrível ter ele na vida dela e ela não queria também abrir mão disso. Mas antes de negociar a relação com Pedro, ela precisava cuidar da sua auto estima. Decidiu que iria viver a vida dela e buscar a felicidade a partir daquele dia. E assim poderia devolver o Pedro para o cantinho especial na vida dela que sempre esteve reservado para ele, mesmo que eles nunca mais se beijassem. Ela amava ele e por isso, queria ele na vida dela, de qualquer maneira.

Então resolveu que naquele dia chamaria todos para sair, para se divertirem e que seria uma ótima oportunidade para sair com o casal Pedro e Diana. Isso seria uma grande prova de amizade.

Malu combinou uma balada com Duda, Olívia e Flavio e chamou Theo, Pedro, Diana, Fabio e Stella. Era uma noite de redenção e tentação. Assim ela definiu o tema da festa.

Se encontraram na boate de sempre. E devido à influencia de Fabio, tinham uma bela mesa no camarote.

Estão todos na pista e Diana começa a se esfregar em Pedro de maneira vulgar, deixando ele bem constrangido. Stella vendo a cena, tira amiga de lá e leva Diana para tomar um ar e conversar um pouco.

– Amiga, por que você está se comportando desse jeito? Pergunta Stella.

– Stella, preciso prender esse homem. Eu sou louca por ele e no último final de semana eu perdi o bebê. Confessa Diana chorando.

– Não acredito! Que pena. Sinto muito Diana. E ele está com você mesmo assim. Mesmo depois do aborto. Ele gosta de você. Não precisa agir como maluca.

– Stella, eu não contei para ele que perdi o bebê. Meu plano é engravidar de novo e ele nem ficará sabendo.

– Diana, você enlouqueceu? Você não pode mentir para ele dessa maneira. E cadê seu amor próprio? Você é uma mulher incrível, que não precisa fazer esse tipo de coisa. Você precisa contar a verdade para ele e deixar ele ir embora, se ele quiser.

– Vou contar, mas não agora.

– Se você não contar, eu vou contar. Preciso ser sensata por você.

– Eu vou contar. Só quero ter mais uns dias com ele e tentar fortalecer nossa relação.

– Ai minha amiga. Que triste. Cuidado. Você está construindo sua relação em um castelo de areia.

– Eu sei. Mas é minha única alternativa agora.

– Vem cá. Diz Stella puxando a Diana e dando um abraço nela.

– Oi! Está tudo bem? Fabio pergunta. – Vocês sumiram e fiquei preocupado.

– Sim está tudo bem. Vamos voltar para lá. Responde Stella.

Eles voltam para a pista, onde todos seguem animados. Um desconhecido, muito bonito, começa a conversar com Malu, que depois de alguns minutos acaba saindo da pista com ele. Pedro acompanha tudo e morre de ciúmes. Diana percebe e faz uma cena, mas ninguém em volta percebe.

– Viu Pedro? É isso que me deixa insegura. Grita Diana.

– Não está acontecendo nada de mais. Responde Pedro.

Theo se aproxima de Duda:

– Não estou aguentando mais ficar longe de você. Nem nos últimos 2 meses, nem nessa pista de dança.

Duda olha para ele e ama ouvir o que ele acabou de dizer. De repente parece que tudo fica em câmera lenta e só existem os dois naquela pista de dança.

– Também não aguento mais ficar longe de você. Responde Duda. – Acho que precisamos diminuir essa distância.

Eles se aproximam um do outro e de repente a vergonha que sentiam de querer um ao outro se foi. E como se eles tivessem se despido de tudo, para se vestir somente de amor, as bocas deles se encontram e eles se beijam de maneira calma e apaixonada na frente de todo mundo.

– Senti muito sua falta. Diz Theo assim que seus corpos se desencostam.

– Eu também.

Quando voltam para a realidade, todos em volta olham chocados, mesmo tentando com esforço parecerem indiferentes. Para alívio de Theo e Duda, começa a tocar Titanium e todos voltam para a pista e se entregam com euforia para a música.

Pedro vai atrás de Malu e chega a tempo de ver ela beijando o desconhecido. Ele pensa em interromper, puxar ela pelo braço e dizer para ela que ela é dele. Mas a Diana puxa ele pelo braço, o fazendo lembrar que ninguém ali era de ninguém.

– Se perdeu? Vim buscar algo para beber. Vem comigo? Diz Diana.

– Sim. Vamos buscar uma bebida. Era isso mesmo que eu estava fazendo.

Malu se despede do seu desconhecido e volta para seu grupo de amigos. O olhar dela encontra com o de Pedro de vez em quando na pista. O olhar dela está feliz, enquanto o dele não. Ela se desculpa com olhar e ele retribui, como se entendesse o que ela estava querendo dizer.

Já no final da noite, Theo e Duda são os primeiros a irem embora. Claramente tinham pressa para ficarem sozinhos. Olivia e Flavio comemoravam, estavam eufóricos e não pareciam ter pressa nenhuma de ir embora. Pedro e Diana claramente distantes um do outro porém sem nenhuma pressa de ir para casa. Fabio e Stella estavam cansados, mas ficavam para dar força aos amigos. Malu aproveita a saída de Duda e aproveita para ir embora também. Pedro fica triste quando Malu vai embora e relembra a noite que tinha ido resgatar Malu ali naquele mesmo lugar quando ela, completamente bêbada, roubou um beijo dele descaradamente depois de dizer para ele que ele era o amor da vida dela.

Malu também pensa em Pedro, e ela demora a pegar no sono, repassando todos os acontecimentos na cabeça. Lembra do beijo roubado e dorme sorrindo com essa vaga lembrança, naquela mesma boate semanas atrás.

Mais uma semana passa voando e finalmente o mês de dezembro se apresenta. Era o mês preferido de Malu. Além das festas de final de ano era o mês do seu aniversário. Mesmo chegando finalmente aos temidos 35 anos, fazer aniversário deixava ela feliz.

Com a chegada de dezembro todas as suas esperanças foram renovadas e assim que dezembro começou ela se empolgou e planejou em um semana, uma super festa de aniversário, com a ajuda de Vitor.

Finalmente dia 11/12 tinha chegado e Malu se veste para sua festa. Escolheu mini saia e uma regata de seda, ambas pretas. Sapatos de salto não muito altos, um belo colar e uma maquiagem leve com seu batom vermelho de sempre. Seu cabelo nunca esteve tão comprido e caia ondulado com perfeição até o meio das costas. Ela termina de se arrumar, pega sua bolsa de mão da Prada e desce às 20h, quando Cadu chega para buscá-la.

Depois de muita insistência e muitas saídas inocentes, ela finalmente estava disposta a dar uma chance ao acaso e topou ir com ele para a sua festa de aniversário.

– Uau! Você está linda. Feliz aniversário. Diz Cadu quando ela entra no carro.

– Obrigada! Você tamb…

Antes que ela termine a frase, ele agarra ela e beija ela na boca, finalmente.

– O que você estava dizendo mesmo? Ele pergunta brincando depois do beijo.

– Que você também está lindo. Responde Malu um pouco tímida, retomando o fôlego.

A festa acontece no restaurante que Vitor trabalha e todos os seus amigos foram, incluindo o Rodrigo, que continuava ficando com a Grazi. Só que dessa vez, Malu não se importava de fato. Ela estava acompanhada de um homem lindo e muito interessante, que para ser perfeito, só precisava ser o Pedro.

Malu sente falta do Pedro. Estavam todos os seus amigos, inclusive Betsy e João, que tinham acabado de voltar de lua de mel, seus pais e seus irmãos. Vitor tinha reservado toda a varanda para a comemoração, que combinava perfeitamente com a noite fresca de final de primavera e com a rodada de Veuve Clicquot Rose oferecida por Vitor, aquela que Malu sempre escolhia para as suas comemorações mais especiais.

– Um brinde à nossa linda e querida Malu. Diz Vitor assim que todos estão com suas taças.

– Viva a Malu. Gritam em coro todos os presentes.

Malu está trocando carinhos e beijos mais quentes com Cadú quando Pedro chega. Sozinho, carregando uma sacola pequena de uma joalheria e um bouquet de flores. Assim que se depara com a cena, ainda na parte interna do restaurante, ele fica paralisado. Ele não sabia que o Cadu e a Malu estavam ficando, porque nenhum dos dois tinha contado nada para ele. Ele morre de ciúme e não consegue seguir em frente. Depois de observar a cena por alguns segundos, sem ser notado por ninguém, vai embora.

Antes de ir para casa Pedro deixa as flores e o presente na portaria do prédio da Malu.

A noite acaba de madrugada. Depois do jantar e dos parabéns com bolo red velvet, o preferido de Malu, todos saíram para dançar. Cadú deixou Malu em casa às 5 horas da manhã e se despediu dizendo:

– Essa noite foi demais! Você é demais. Vou te ligar porque quero sair com você de novo.

– Também achei uma delícia. Muito obrigada por tudo. Responde Malu realmente feliz.

Quando ela entra no prédio, o porteiro chama:

– Hey Dona Malu, boa noite. Um homem deixou essas coisas para a senhora aqui mais cedo.

– Boa noite. Obrigada.

Ela carrega as flores e a pequena sacola da joalheria. Quando chega em casa, abre o pacote curiosa. Tem uma pulseira “life” com um berloque de coração vermelho, acompanhada de uma cartão.

“Um presente que te convida a começar de novo, nesse seu novo ano de vida. Com um coração novo, e um monte de espaço para você preencher como quiser. Te desejo muitas felicidades. ADORO você. Pedro.”

Ela termina de ler com lágrimas nos olhos. Tinha amado o presente. Mas estava triste por ele não ter ido na comemoração do aniversário dela. Se estavam dando uma nova chance para a nova relação deles, agora sem beijos, ele deveria ter ido na sua festa. Pensava ela.

Na hora de dormir enviou uma mensagem de agradecimento para Pedro:

“Adorei o presente. Obrigada. Mas gosto mais de presença do que de presente.”

Ela coloca o celular de lado, certa de que a essa hora ele não vai responder. Mas a resposta chega quase instantaneamente.

“Eu fui. Mas não estou pronto para conviver com você e um dos meus melhores amigos se beijando, sem terem ao menos me contado que estão juntos. Espero que você me entenda. É coisa demais para mim. Espero que você me desculpe. Feliz Aniversário.”

“Não imaginei que você tivesse ido e visto. Começou hoje. Por isso não te contamos. Não fica bravo. Ainda me ADORA?”

“Estou muito bravo para responder essa pergunta agora.”

“Precisamos conversar.”

“Precisamos mesmo. Mas não agora. É muito tarde e precisamos dormir. Eu te ligo amanhã.”

O dia amanheceu rápido e Diana tentou transar de manhã. Ele estava achando estranho todo aquele apetite sexual. E ele mesmo não tinha tanta vontade como ela, ainda mais com a maneira que vinha se comportando. Ele na verdade já não tinha nenhuma vontade dela. Pensou em Malu a manhã inteira e precisava encontrar com ela. Eles precisavam conversar.

– Pedro, o que está acontecendo? Pergunta Diana. – Você não quer mais sexo e mal conversamos. Eu te disse que não precisava ficar comigo só por causa do bebê.

– Diana, não quero falar disso agora. Você tem se comportado de maneira muito estranha ultimamente. Possessiva, sei lá. Deve ser a gravidez.

– Com certeza é a gravidez. Nunca me senti tão mal e tão insegura como agora.

– Vem cá. Pedro dá um abraço nela, que na hora desaba em lágrimas. – Vai dar tudo certo. Vamos dar um jeito em tudo.

– Não sei mais se vamos dar um jeito em tudo. Diz Diana chorando. Ela pensa em contar para ele que perdeu o bebê, mas aproveita aquele momento carinhoso, e resolve continuar por um tempo morando naquele castelo de areia que ela estava construindo para eles.

– Hey, pare de chorar. Você vai ter um bebê. Seremos pais e isso é uma coisa boa. Vamos encontrar um jeito de fazer nossa relação dar certo para sermos bons pais. Eu nunca vou te desamparar. Não se preocupe. Diz Pedro, extremamente carinhoso. – Posso imaginar tudo o que você está sentindo.

– Ah Pedro. Como eu te amo. Por favor, não vá embora. Não me deixe sozinha.

Ele ouve calado e nesse momento se dá conta, que talvez o melhor para eles seja se separarem. Ele não ama Diana e aquelas palavras doeram nele. Ele estava fazendo tudo errado.

– Calma Diana. Eu não vou a lugar nenhum.

– Não abandone a gente. Implora Diana ainda chorando.

– Não vou abandonar vocês. Não vou deixar que nada falte a vocês. Fique calma, por favor.

O coração dele se enche de compaixão. Ele não podia mais fazer isso com ela. Ou ia se dedicar à relação sem mais beijos com desconhecidas ou ia terminar com ela, mesmo assumindo esse filho e sendo o melhor pai que pudesse ser.

Eles ficam ali abraçados por alguns minutos em silencio, até que os dois pegam no sono de novo.

Malu espera ansiosamente a ligação de Pedro, conforme ele havia falado. Mas ele não liga. Ela tem dificuldade em se concentrar em qualquer coisa. Tentou ler seu romance, ver um filme de suspense, arrumar seu guarda-roupas, fazer cupcakes, mas nada era capaz de aquietar sua mente. Já de noite toca o seu celular e o seu coração pula de expectativa. Quando pega o telefone vê que a ligação é de Cadu e ela atende frustrada. Queria que fosse Pedro ligando.

– Oi Cadu.

– Oi Malu. Como foi seu dia pós aniversário?

– Foi tranquilo. Descansei, almocei com meus pais e fiz várias coisas aqui em casa. Até cupcakes para levar para o trabalho amanhã.

– Nossa, mas que mulher mais prendada. Pensei em sair para comer alguma coisa. Quer jantar comigo?

– Quero! Onde vamos?

– Hum, surpresa. Quero te levar em um lugar especial para seguir comemorando o seu aniversário. Te pego em 40 minutos, pode ser?

– Sim. Estarei pronta.

Aquele programa de última hora desviava as expectativas de Malu do telefone e ela já não pensava mais em Pedro.

Cadu levou ela em um restaurante moderno e sofisticado que tinha acabado de abrir de São Paulo e tinha meses de fila de espera. Como um bom publicitário, ele era bem relacionado e acabava conseguindo ter o mundo a seu dispor. Malu não costumava se impressionar com esse tipo de coisa. Mas jantar naquele restaurante a impressionou bastante.

A noite foi alegre e divertida, como sempre acontecia ao lado de Cadu. Mas de alguma maneira parte dos pensamentos e do coração dela não estava ali.

Eles voltam para casa tarde. No radio toca Beautiful Goodbye do Maroon 5 e ela lembra de Pedro e da ligação que ele prometeu e não fez.

– Hey. O que foi? Ficou tão quieta de repente. Pergunta Cadu.

– Nada. Não foi nada.

– Você se divertiu hoje? Esta feliz com as suas comemorações de aniversário?

– Sim! Muito feliz. Obrigada!

Ela se sentia feliz com tudo apesar do enorme buraco que a ausência de Pedro em todo o final de semana provocava nela.

Quando chegam na casa de Malu, Cadu pergunta:

– Posso dormir com você?

– Cadú, vamos um pouco mais devagar? Acabamos de ficar juntos. Vamos deixar as coisas simplesmente acontecerem?

– Sim senhora! Você tem razão. Muito obrigada pelo final de semana.

– Eu que agradeço. Foi muito especial. Boa noite!

Malu dá um beijo rápido nele e sai do carro.

Assim que ela entra no prédio, Cadu liga para Pedro.

– Oi cara! Desculpa o horário. Pode falar?

– Sim, posso. Estava indo dormir.

– Fiquei com a Malu esse final de semana. Aliás, por que você não foi na festa dela?

– A Diana anda muito insegura. Precisei dar atenção a ela. Mas e aí, como foi com a Malu? Ele mente.

– Foi demais. Acabei de deixar ela em casa. Estou louco para transar com ela. Mas ela quer tudo ao seu tempo. E eu posso esperar. Ela é demais! Uma mulher apaixonante. Divertida, leve, inteligente, linda de um jeito que é só dela.

– Ela é incrível mesmo.

– Enfim, só queria te contar o que estava acontecendo. Achei que você ia gostar de saber que estou tratando sua amiga muito bem.

– É bom mesmo. Preciso ir. A Diana está me chamando.

– Vai lá cara! E obrigado de novo por colocar a Malu na minha vida.

– De nada cara. Falou!

Pedro vai para o quarto louco de ciúmes de Malu. Ela não parecia tão preocupada com o fato de ele adorar ela ou não naquele momento. Se estivesse de fato preocupada, não ia estar conquistando o coração de outro homem. Então ele desistiu de ligar para ela e decidiu que ia tentar se dedicar de verdade para fazer a relação dele e Diana dar certo. Afinal, ela estava esperando um filho dele.

Quando chegou no quarto, finalmente se entregou para Diana e transou com ela com carinho, sem pressa. Ele estava disposto a fazer aquela relação dar certo já que ia ter um filho e Malu já estava cuidando da vida amorosa dela.

Enquanto Malu de volta à sua solidão, esperava ansiosamente pela ligação prometida, que não chegou, até que ela pegou no sono.

CONTINUA…

O CAPÍTULO 23 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *