Capitulo 23 – Felicidade na Simplicidade

Eles caminhavam lado a lado e Thomas ensaiava mil maneiras de começar aquele assunto. Queria se declarar para ela, mas não se sentia seguro com essa abordagem. Temeu se distanciar demais, tentando impor uma distancia para se fazer de difícil, que na verdade era tudo que ele não queria. Ele tinha alguns segundos de caminhada até a varanda e nenhuma ideia do que de fato iria dizer para ela. Eles chegaram finalmente à varanda e foram servidos com taças de vinho branco pelo garçom. Ainda sem ideia sobre o quanto exporia seus sentimentos, Thomas começou pela verdade.

– Fico muito feliz em reencontrar você. Disse ele. – Eu senti sua falta.

Vitória ainda sentia um pouco de raiva da cena dele com outra mulher, mas não podia cobrar nada dele. Ela tinha vontade de responder algo como: “Sentiu mesmo a minha falta? Não pareceu quando te vi aos beijos com uma linda modelo.” Mas decidiu simplesmente retomar de acordo com o que o seu coração dizia.

– Também senti a sua falta Thomas e estou muito feliz por reencontrar você. E muito surpresa também. Já faz tanto tempo que não nos falamos. Achei que tivesse perdido você.

– Eu precisei desse tempo para me entender, colocar algumas coisas no lugar e voltar a ser eu mesmo. Eu acho. Você sempre me deixou muito confuso. E acho que precisava de tempo para ver o que aconteceria com o seu coração. Ver se tudo que me disse meses atrás tinha mudado com o tempo.

– Acho que você fez bem. Eu realmente estive muito confusa em relação aos meus sentimentos sobre o futuro, minha visão sobre o amor. Minha vida estava caótica e do avesso em todos os sentidos. Eu estava morrendo de medo de que tudo desse errado e de nunca encontrar aquilo que me faz feliz. E creio que continuo disposta a fazer dar certo com você, mesmo depois de tantos meses.

– Você sempre pareceu tão certa de tudo, tão feliz, tão forte.

– Por fora parecia tudo bem, mas aqui dentro uma grande bagunça. Mas me diga, o que te trouxe aqui hoje?

– Quando sua irmã me convidou eu pensei sobre o que seria melhor. E quis vir para te ver. Não pensei muito na verdade. E respondendo a sua pergunta, o que me trouxe aqui hoje foi você.

Vitória se sentiu feliz com o motivo e dessa vez, quem ficou sem palavras foi ela.

– Hey, me diga alguma coisa! Implorou Thomas.

– Você me surpreendeu completamente. Depois que você me dispensou e sumiu, eu não esperava mais te ver.

– Ficou feliz?

– Sim! Muito feliz. Pensei muito em você nesse tempo que ficamos longe um do outro.

– Pensou é?

– Sim! Muitas noites antes de dormir.

– E como está a sua vida? Perguntou Thomas verdadeiramente curioso, mas querendo mudar a direção da conversa.

– Consegui um emprego! Vou trabalhar fazendo produção de moda para a televisão. Eu recebi a proposta hoje.

– Que notícia boa! Parabéns. Você merece. Eu sabia que tudo daria certo.

– Obrigada! E com você? Como estão as coisas?

– Estou bem. A fusão finalmente parece ter acontecido e o grupo parece uma coisa só finalmente. Já estou em um outro projeto bastante ambicioso e isso me motiva muito. Estou feliz com tudo que tem acontecido na minha vida profissional. Você tinha razão quando disse que eu ainda tinha um grande desafio, que era fazer tudo aquilo dar certo.

– Fico feliz por você também!

– Eu quero te fazer um convite.

– Hum… convite? Que convite?

– Viaja comigo no próximo final de semana? Vou com meus pais para nossa casa na praia. Vou participar de um campeonato de tenis lá e queria que você fosse comigo.

– Nossa. Será?

– Não pense muito! Vamos comigo. Será divertido! Prometo.

– Uma viagem com os seus pais, depois de tanto tempo. Ah não sei Thomas.

– Pense com carinho. Te ligo amanhã para saber. Preciso ir agora. Passei para dar um beijo na sua irmã e te ver. Pense com carinho.

– Mas você já vai?

– Preciso ir. Hoje é aniversário da minha mãe e eles estão me esperando para jantar. Desculpe não poder ficar.

– Claro! Aniversário da mãe a gente não perde!

– Vou te ligar amanhã e espero de verdade que você aceite o meu convite.

Thomas terminou de falar enquanto caminhava até Vitória. Ele parou bem perto dela e deu um beijo carinhoso na bochecha dela, se despedindo.

Ele já ia saindo quando ela gritou:

– Hey! Espera! Disse correndo ao encontro dele. – Se você quer mesmo que eu aceite o convite, precisa me dar um beijo melhor do que esse.

Ele riu e se aproximou dela. Segurou o rosto dela com as duas mãos e se aproximou ainda mais dela. Quando estava bem perto da boca dela ele disse:

– Aceite o meu convite e te darei muitos beijos para te convencer do quanto gosto de você.

Vitória fez um bico e revidou:

– Uma amostra grátis?

Thomas não resistiu e deu um rápido beijo nela, que foi suficiente para fazer o corpo dela se arrepiar e pedir mais por ele.

Ele se distanciava dela quando ela provocou:

– Só isso?

– Amostra grátis. Como você pediu. Pense sobre o meu convite. Agora preciso ir. Até amanhã Vick. Despediu-se ele dando um selinho nela.

– Combinado! Espero sua ligação. Até amanhã.

Ele já ia embora quando ela gritou de novo:

– Hey! Adorei de te ver.

– Eu também! Respondeu ele de maneira despretensiosa e muito charmosa.

Thomas seguiu adiante e deixou Vitória na varanda com gostinho de quero mais. Ele parabenizou Catarina e se despediu de Helena.

Vitoria voltou para a festa caminhando em nuvens com um sorriso que ia de orelha a orelha contando ao mundo que seu coração estava em festa.

– E aí? Perguntou a mãe curiosa. – O que ele queria?

– Passou aqui para me dizer que sentiu minha falta e me convidou para ir para a praia com ele no final de semana. Ele vai jogar um campeonato de tenis.

– Que legal! E você vai?

– Não sei. Eu disse que precisava pensar.

– Não acredito filha!

– Sei lá, me pegou de surpresa.

– Mas você vai aceitar né?

– Acho que sim!

– Que bom minha filha! Por que ele foi embora tão cedo?

– Hoje é aniversário da mãe dele e estavam o esperando para jantar.

Nesse momento chegou Catarina toda animada.

– Gente os principais jornalistas especializados em arte estão aqui! Estou sonhando! E o Thomas apareceu! Ainda bem que eu o convidei. Ele me disse que era aniversario da mãe dele, mas que precisava passar para nos dar um beijo. Ele é demais. Você é doida se não ficar com ele.

– E você uma figura! Parabéns Catarina! Você merece todo esse sucesso! E muito obrigada por ter convidado o Thomas para vir aqui hoje. Eu estou mais feliz do que imaginava que eu ficaria. Obrigada irmã! Derreteu-se Vitoria.

O final da festa foi um sucesso e notícias sobre Catarina e sua arte já circulavam na internet. As três mulheres da família estavam radiantes com os seus sucessos profissionais. Naquela noite tudo parecia estar se ajeitando na vida de Vitoria e ela foi dormir com o coração cheio de alegria, como há muito tempo não acontecia.

Assim que acordou, Vitória foi olhar o seu celular para ver se tinha alguma ligação de Thomas, mas ele ainda não tinha ligado. Era quarta-feira e ela aproveitou para dormir e curtir seus últimos dias de férias, porque em poucos dias ela começaria a trabalhar. Aproveitou o dia de sol para fazer sua corrida e foi para a piscina. Procurou não ligar tanto para a sua ansiedade sobre a ligação de Thomas cobrando uma resposta sobre o seu convite.

O sol já se punha quando a ligação tão esperada chegou.

– Oi Thomas! Atendeu Vitória muito empolgada.

– Oi Vitória, tudo bem com você?

– Sim! E com você?

– Tudo bem também. Aproveitando seus últimos dias de férias?

– Sim! Muito. E ansiosa com o que esta por vir.

– Trabalho novo sempre gera ansiedade. E por falar em ansiedade, estou aqui ansioso para saber se você vai ou não aceitar o meu convite.

Vitória respirou fundo e disse de uma só vez.

– Sim, eu aceito o seu convite.

– Isso me deixa muito feliz. Estou pensando em ir na sexta logo depois do almoço. Funcionaria para você?

– Perfeitamente!

– Então, fico muito feliz em dizer que te pego na sua casa na sexta por volta de três horas da tarde.

– Fico muito feliz em dizer que estarei te esperando.

– Então até sexta.

– Até sexta…. Ah queria que soubesse que adorei te ver ontem. Confessou Vitoria deixando vir à boca o que estava no seu coração.

– Também fiquei muito feliz em te ver ontem.

– Então somos dois felizes.

– Preciso desligar. Tenho uma reunião chata agora. Nos vemos na sexta. Beijo

– Boa reunião. Até sexta.

Vitória ficou por uns instantes absorvendo tudo aquilo. “Eu acho que eu gosto mesmo de você. E ainda nem sei se o sexo com você é bom.” Ria Vitória enquanto falava consigo mesma.

Ela passou os dias seguintes pensando sobre o que colocar na mala e se sentia grata por ter Tatiana e uma família incrível que a ajudavam fazer o tempo passar para esperar a sexta-feira chegar.

A sexta-feira finalmente chegou e Vitória estava pronta esperando por Thomas desde as 10 horas da manhã. A sua ansiedade era tanta que ela mal conseguiu almoçar. Como se o tempo estivesse se arrastando Vitória já sem saber o que fazer enquanto esperava, comemorou quando seu celular finalmente tocou anunciando a chegada de Thomas.

– Que bom que você não fugiu. Disse Thomas de maneira divertida quando ela entrou no carro.

Vitória achou divertido e pela primeira vez na história deles era ela que ficava sem fala depois de uma brincadeira de Thomas.

– Acho que recuperei meu juízo. Respondeu ela.

– Fico feliz! Eu vou precisar parar para pegar algo para comer. Não consegui almoçar. Tive uma reunião que se arrastou até a hora do almoço. Você já almoçou?

Vitória estava tão ansiosa que nem conseguia pensar em comida.

– Já almocei. Mentiu ela.

– Vou comer algo bem rápido. Quero chegar cedo e levar você para caminhar na praia mais linda do mundo.

– Estou louca para conhecer a praia mais linda do mundo com você.

E assim, depois de uma pausa rápida para Thomas comer um sanduíche eles pegaram a estrada, que para sorte deles, ou devido ao coração cheio de alegria, estava mais bonita do que o normal. A estrada parecia ter mais árvores e muito mais poesia do que já tinha tido para os dois.

Eles chegaram ao condomínio onde ficava a casa de Thomas. Vitória foi totalmente surpreendida. O carro percorria um caminho cercado de vegetação preservada e eles pareciam estar no meio de uma floresta. Muitos pássaros cruzavam o caminho deles.

– Que lugar é esse? Perguntou Vitória encantada.

– Esse condomínio foi construído em uma pedaço de mata atlântica e toda a mata é totalmente preservada. Esse é um compromisso do condomínio que é totalmente sustentável. E as praias aqui são praticamente desertas, frequentadas basicamente pelos 300 moradores e proprietários de casas no condomínio.

– Eu mal cheguei e já acho que entrei em uma espécie de paraíso. Disse Vitória com os olhos brilhando.

– Espera até ver a praia! Provocou Thomas.

Depois de alguns minutos percorrendo um caminho que mais parecia uma trilha na floresta, eles chegaram à casa de Thomas. Era uma casa imponente, no alto de uma montanha com uma vista estonteante para o mar. O lado de dentro era sofisticado, com uma decoração moderna, mas muito aconchegante e era tão limpo que mal dava a impressão de ser uma casa de praia, exceto pelo enorme deck de madeira com espreguiçadeiras e uma linda vista para o mar. Quando chegaram, foram recebidos pelos pais de Thomas.

– Oi meu filho. Disse a mãe abraçando Thomas. – Que bom que vocês chegaram.

– Oi mãe! Você se lembra da Vitória?

– Claro que me lembro. Como você está linda! Que prazer te rever Vitória! Disse Luiza cumprimentando Vitória com um abraço caloroso. – Como vai Vitória? Seja bem vinda à nossa casa.

– Muito obrigada! Você está linda Luiza. Parece que o tempo não passou para você.

– Imagina querida! Passou sim.

– Oi Vitória! Bem vinda à nossa casa. Cumprimentou-a o pai.

– Obrigada Hilton. Respondeu Vitória.

– O que vocês tem planejado para hoje? Perguntou a mãe.

– Vou levar Vitória dar uma volta na praia e depois não planejei nada.

– Que tal se a gente jogar um baralhinho e abrir uma garrafa de vinho especial? Empolgou-se a mãe.

– Vamos ver mãe. Respondeu Thomas contrariado. Ele não sabia se Vitória jogava baralho.

– Eu iria adorar. Respondeu Vitória. – Adoro baralho.

– Então pode ser mãe! Disse Thomas aliviado. – Agora vamos colocar uma roupa de praia e aproveitar o final de tarde. Pode ser? Perguntou ele para Vitória.

Vitória tinha acabado de chegar e já sentia parte da família. Ela experimentava uma sensação de acolhimento, que nunca tinha provado na vida e isso a fazia sentir-se muito feliz.

– Pode! Claro.

Eles trocaram rapidamente de roupa e foram para praia. Quando chegaram, Vitória tinha dificuldade de manter a boca fechada. Tinha uma cachoeira na praia que formava um rio que encontrava o mar. A areia era limpa e muito clara o que tornava o tom do mar um verde quase azul típico de praias do caribe. Haviam poucas pessoas na praia, que parecia quase deserta. Um serviço de praia já havia disponibilizado cadeiras e um guarda-sol para eles.

– E aí? Gostou? Perguntou Thomas realmente curioso.

– Eu amei. Que lugar é esse? Não sabia que existia um lugar assim em São Paulo.

– Acho que esse é o meu lugar preferido no mundo.

– Acho que já é o meu também. Riu Vitória. – Quanta paz tem aqui.

– Vamos dar uma volta?

– Vamos.

Eles saíram para caminhar. Depois de 40 minutos, tinham percorrido a praia toda e chegado a um lugar ainda mais deserto. Eles entraram no mar, que mais parecia uma piscina e finalmente Thomas beijou Vitória, matando todas as saudades que ambos sentiram um do outro. Eles se beijaram com calma e aproveitaram um ao outro.

Eles caminharam de volta conversando sobre coisas aleatórias. O tempo que ficaram sem notícias um do outro parecia não ter passado e de repente ambos tinham a sensação de nunca terem se separado.

Eles aproveitaram o final de tarde para ver o sol se pondo em um ângulo privilegiado e já quase anoitecendo eles voltaram para casa com o coração cheio de felicidade.

Vitoria tinha acabado de sair do banho e acabava de se trocar quando Thomas entrou no quarto.

– Oi, posso entrar? Perguntou ele na porta.

– Claro! Por que estamos em quartos separados? Perguntou ela.

– Minha mãe acha que você é minha amiga. Ela não sabia se colocava a gente no mesmo quarto ou não. Respondeu rindo Thomas.

– Imagino a confusão na cabeça dela.

– Você está linda Vitória. Mais do que nunca. Derreteu-se Thomas se aproximando dela.

Pega totalmente de surpresa com a mudança repentina de assunto e um elogio carregado de desejo, Vitória, mais uma vez, ficou sem fala.

Ela ainda pensava no que responder para ele, enquanto ele ia se aproximando dela. Sem que as palavras chegassem, ela cedeu e se entregou ao beijo que ele lhe deu sem falar uma única palavra. Em poucos segundos eles estavam tirando as roupas uns dos outros e parecia que finalmente eles conseguiriam transar.

Como se quisessem correr atrás de todo o tempo perdido, eles pareciam ter pressa de finalmente estar um com o outro. Eles tiraram as roupas um do outro, com pressa, sem que suas bocas se desgrudassem. Eles mal tinham começado a transar e Vitória tinha atingido o orgasmo. Ela não podia acreditar no que estava acontecendo e olhava encantada para o Thomas pensando que ele não tinha ideia do que tinha acabado de fazer. “Gente! Como assim? Se passaram o que? 30 segundos? Não acredito que gozei em 30 segundos!” Falava Vitória consigo mesma em seus pensamentos. Vitória sentiu tanto prazer e ficou tão impressionada com a velocidade com que tudo aconteceu, que ela sentia vontade de dizer eu te amo para ele quando terminassem. Ela chegava a rir de seus pensamentos enquanto transavam.

Eles se trocaram trocando olhares cumplices.

– Acho que agora você pode falar para a sua mãe que podemos dormir no mesmo quarto, né? Brincou Vitória, sem saber muito bem o que dizer depois do sexo.

Thomas riu alto do comentário.

– Acho que sim. Você é uma delicia Vitoria. Valeu a pena esperar.

– Você também é uma delicia! DEFINITIVAMENTE. Empolgou-se Vitoria em sua resposta.

– Está com fome? Vamos jantar? Perguntou ele carinhosamente.

– Sim! Morrendo de fome.

– Então venha! Vamos comer.

Eles chegaram na sala e os pais de Thomas já esperavam por eles.

– Estávamos esperando vocês. Vamos jantar? Convidou Luiza.

– Vamos. Responderam os dois em coro.

Vitória se sentia um pouco constrangida pelo que tinha acontecido no quarto bem acima da sala onde estavam os pais de Thomas esperando por eles. E nesse momento flashes do seu orgasmo supersônico se apresentavam em seus pensamentos e ela não podia acreditar ainda em tudo que tinha acontecido.

Eles jantaram e a conversa fluía muito bem em volta da mesa. As histórias da infância dominaram o assunto do jantar e todos pareciam ter muita afinidade. Vitoria se sentia acolhida e realmente bem em torno daquela mesa e na companhia daquelas pessoas que a tratavam com muito carinho.

Depois do jantar, como o prometido pela mãe de Thomas, eles abriram uma garrafa de vinho português de uma safra especial e se reuniram em volta da mesa para jogar baralho.

Eles entraram madrugada adentro competindo ponto a ponto para ver quem seria a dupla campeã de buraco da noite e beberam muitas taças de vinho. Foram dormir tarde e felizes. Thomas se preocupou pelo jogo de tenis que teria pela manhã pois tinha feito tudo errado. Além de ter bebido bastante, ele iria dormir pouco. Mas teria feito tudo novamente para ter momentos tão agradáveis com Vitória e a sua família.

O dia seguinte logo chegou e saíram todos de casa morrendo de sono para ir prestigiar Thomas no campeonato de tenis do clube.

O jogo começou e Thomas, que era o maior campeão de todos os torneios do clube, fez jus ao apelido de campeão. Terminou rapidamente o jogo, ganhando por 2 x 0, mesmo de ressaca e tendo dormido pouco. Vitória acompanhava tudo encantada, se apaixonando cada vez mais, quanto mais conhecia ele de perto.

Eles passaram a tarde juntos na praia e Thomas voltou a jogar no final do dia para ver se iria para a final do dia seguinte. Ele ganhou mais uma vez.

Apesar do jogo da final que teria cedo no domingo, passou a noite bebendo e se divertindo em uma reunião que os pais fizeram onde receberam alguns amigos do clube. Mais uma vez, Vitória se sentia parte da família e se sentia totalmente acolhida por todos.

O dia seguinte chegou e Thomas conquistou o primeiro lugar do torneio de tenis, o que o fez ser muito celebrado por todos. Vitória se sentia cada vez mais orgulhosa e apaixonada. Toda a simplicidade e vida comum que tinha vivido naquele final de semana dava a Vitória uma sensação deliciosa de ter encontrado o caminho de casa. Tudo o que ela tinha vivido parecia fazer parte do mundo dela e por isso ela se sentia completamente em casa.

O caminho de volta para São Paulo já deixava Vitória com saudades de Thomas e do final de semana. Ela repassava todos os acontecimentos em seus pensamentos: a super acolhida da família dele, o por do sol na praia, o beijo no mar, o orgasmo em 30 segundos, o jogo de tenis e o orgulho que ela sentia do Thomas que parecia fazer tudo direito. Ela se lembrava da simplicidade presente em tudo que tinha feito e da tranquilidade que aquilo tudo trazia para o seu coração e de repente ela experimentou uma sensação que nunca tinha experimentado antes e uma paz enorme tomou conta do seu coração, a fazendo sentir uma felicidade indescritível.

Quando chegaram na porta da casa de Vitória, ela não queria se despedir de Thomas. Ela não queria que ele fosse embora, nem naquela noite e nem nunca mais.

CONTINUA…

O CAPÍTULO 24 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *