Miguel seguia conduzindo a conversa para entender bem os planos de Raissa, enquanto andavam pela propriedade com Carolina e Antônio.

Juan tinha ido buscar algo para comerem, porque a tarde prometia se arrastar até o anoitecer mediante à enorme quantidade de trabalho, devido ao desafio de tempo para que tudo estivesse certo para começarem as gravações em dois dias.

Helena e Lara ficaram conversando nas mesas da área externa, enquanto esperavam que o resto das pessoas voltassem do tour de vistoria do local.

– O que exatamente está passando pela sua cabeça, para estar com esse vinco entre as sobrancelhas, que há tempos não aparecia aí? Perguntou Lara, percebendo o incomodo de Helena.

– Não está acontecendo nada. Mentiu Helena.

– Lelê, te conheço há muito tempo. Você não vai conseguir me enganar assim. Esse vinco tem pernas longas e olhos azuis né?

– Sim!

– Não acho que precise se preocupar.

– Lara essa mulher se parece com a ex mulher do Miguel. É o tipo de mulher que ele gosta. Não sei te explicar o que estou sentindo. Mas tem mais a ver comigo do que com ela ou Miguel. De repente me senti pequena, me senti menos. E estou me sentindo péssima por isso.

– Eu até podia entender o ciúme, mas não entendo essa sensação de inferioridade. Helena você é perfeita. Linda, estilosa, inteligente, interessante, sensata, simpática, bem sucedida, contagia tudo e todos com esse jeito iluminado que só você tem. Você brilha minha amiga. Só não brilha quando fica tentando se apagar.

– Como agora, por exemplo?

– Exatamente. Agora você não está contagiando nada com seu brilho, porque ele não está aí. Você não precisa disso. Ele te escolheu, quando poderia ter escolhido qualquer outra mulher.

– Ele é tão incrível Lara. Acho que estou com medo do que pode acontecer agora que ele vai ficar famoso. E ver ele chegando com essa mulher maravilhosa só ajudou a desencadear tudo que vem me afligindo. Tenho medo de me tornar desinteressante para ele.

– Eu te entendo completamente Helena. Mas você não pode deixar isso te dominar. Você não sabe nada do futuro. Tudo que tem é o presente. Não desista do Miguel antes de tentar minha amiga. Vocês se adoram. Ele gosta de você. A Carolina é uma profissional com quem ele trabalha bem. E só! Não deixe isso te afetar. Não se diminua. Isso é tudo que você pode fazer. Seja você! A Helena de sempre! E se essa Helena não for boa o bastante para ele, azar o dele. O que duvido que vai acontecer. Você vai casar e ter a família que sempre quis com ele.

– Vou é? Como você sabe?

– Eu sinto.

Helena deu uma gargalhada.

– Você sente! Você é maravilhosa Lara. E o Rodrigo?

– Não respondi a última mensagem. Decidi que vou me afastar. Não estou sabendo lidar com isso. Eu fico esperando chegar uma mensagem dele, fico treinando minhas falas antes de responder. Eu não quero viver assim. Isso não é bom. Se isso é paixão, prefiro não me apaixonar nunca mais.

– Amiga, só é paixão quando temos recompensas. Disse Helena.

– Como assim?

– Sofremos esperando a mensagem, mas quando ela chega, vamos ao céu. Sofremos escolhendo as melhores respostas, para que outras mensagens cheguem. Se trata de alimentar a história. Angustia e recompensa. E o prêmio final é um encontro que alimenta o corpo e alma. Não é nada racional.

– É exatamente como estou me sentindo. Mas o fato de eu estar aqui e ele lá, faz esse jogo de angústia e recompensa não ter final e por isso parece não ter sentido. Eu preciso viver meu momento aqui sem ele. Mesmo isso parecendo impossível. Eu sou louca por ele. Literalmente. Ele tirou meu juízo Helena.

Helena riu de novo.

– Lara, como é incrível te ver assim. Faça o que for melhor para o seu coração. Se prefere se afastar. Faça isso.

– Acabou de chegar outra mensagem. Lara disse animada.

– O que ele disse?

– “Estou preocupado. Você não dá notícias há dias. Está tudo bem? Sigo por aqui, sentindo a sua falta.”

– Ele te adora Lara. Ele deve estar sofrendo com essa ausência.

– Vai ser melhor assim. Não quero alimentar esse sentimento louco. Preciso me curar disso. Não vou responder. Disse Lara, respirando fundo no final, e virando a tela do celular para baixo.

– Você que sabe o que é melhor para você.

E nesse momento Raissa chegou animada.

– Meninas, isso está ficando incrível. Por que não vieram? Cade o Juan? Ela perguntou preocupada.

– Ele foi buscar algo para a gente comer. Ele é muito gentil. Disse Helena.

– Ele é o homem mais gentil que já conheci. Raissa disse.

– E você parece estar descobrindo que gosta de gentileza, né Raissa? Provocou Lara.

– Eu não sabia que gostava tanto de gentileza. Ele saiu faz tempo?

– Gente! Está com medo que ele não volte? Disse Lara em tom provocativo novamente.

– Acho que estou! Confessou Raissa.

E nesse instante Juan chegou trazendo várias sacolas.

– Ainda bem que voltou! Disse Raissa, sem pensar.

– Por que eu não voltaria? Juan perguntou. – Fui buscar algo para comermos.

– Você é muito gentil Juan! Estou muito feliz que esteja aqui.

– Eu pedi uma semana de férias para te ajudar. Conte comigo pelos próximos dias.

– Você pediu férias para me ajudar no projeto? Raissa perguntou surpresa.

– Sim! Achei que poderia precisar. Estou aqui para o que precisar. Desde carregar sacos, derrubar paredes e ir buscar café.

– Juan! Você é demais. Raissa disse animada e deu um abraço nele.

Juan ficou surpreso e a abraçou de volta. Uma eletricidade tomou conta dos dois no momento em se tocaram e se afastaram um pouco constrangidos.

– Vamos comer? Propôs Raissa.

– Sim! Vou organizar a mesa aqui e chamar o resto das pessoas. Disse Helena.

Quando Helena entrou encontrou Miguel, Carolina e Antônio conversando entretidos no computador que já começava a trazer esboços do projeto. Ela observou por um tempo, antes de chama-los, tentando entender o que sentia e eles nem a viram chegar. Ela se aproximou, e Miguel a viu.

– Oi meu amor! Onde estava? Evoluímos bem aqui. Vem ver. Disse Miguel a chamando para participar.

– A Raissa nos contou. Ela está super animada.

– O espaço aqui é incrível e as ideias dela são maravilhosas. Será um projeto incrível. Miguel disse animado.

– E você, o que está achando Carolina? Helena perguntou.

– Esse projeto vai ficar incrível. Estou muito feliz por ser parte. Ela disse, tentando parecer simpática.

– Fico feliz que estejam animados. O Juan trouxe algo para comermos. Vamos organizar uma mesa lá fora. Disse Helena. – Venham comer!

– Vocês vão comer aqui? Espantou-se Carolina.

– Sim! Já fizemos isso outras vezes. Funciona bem. Pode confiar. Helena respondeu.

– Então vamos comer! Estou morrendo de fome. Disse Miguel se levantando para dar um beijo em Helena. – Você é maravilhosa meu amor. Ele disse a abraçando depois do beijo rápido que deu nela.

“Muito bem Helena! 1 x 0 para você!” Helena pensava achando graça, enquanto caminhava de mãos dadas com Miguel.

Antônio e Carolina vieram logo atrás. Aquelas ruínas não combinavam nada com Carolina, que vestia um vestido de seda e sandálias de salto alto. Além de parecer muito limpa e maquiada, contrastando com aquele cenário.

Eles organizaram a comida na mesa, ligaram a música e apreciaram aquela refeição, mais do que esperavam.

Miguel falou do roteiro e dos planos para a gravação. Os primeiros dias de gravação iam ser dedicados a mostrar a história de Raissa, onde ela contaria como chegaram até ali, dando detalhes do que ela desejava para transformar aquele lugar. As gravações aconteceriam todas ali. Como parte desse primeiro bloco, eles iam filmar o prédio todo em ruínas, ambiente por ambiente, incluindo bons plano da fachada e tomadas de câmera aéreas. Além disso iam apresentar a planta e as ideias do projeto, nas falas de Miguel e Carolina, como apresentadores do programa e Antonio, que participaria como profissional de paisagismo convidado.

Enquanto falava do projeto Miguel achou que Juan poderia enriquecer a narrativa da história da parte que falava das ruínas e o convidou para participar com Raissa, explicando o processo de herança e a forma como comunicaram ela no Brasil. Ele temeu, em um primeiro momento, devido a sua timidez, mas aceitou o convite. Então Juan participaria do plano de filmagens apoiando Raissa. E Raissa ficou ainda mais feliz do que já estava.

Miguel contou que o primeiro episódio do programa ia ao ar em quinze dias e que todo o processo de reforma aconteceria em paralelo ao programa já no ar. Ele apresentou o plano de reuniões que teriam com a prefeitura e os profissionais locais e todos começavam a ter a sensação que faltariam horas nos dias deles pela enorme quantidade de coisas que tinham para fazer.

Depois de apresentar toda a proposta, Miguel mostrou as vinhetas de apresentação do programa que ele e Carolina tinham gravado antes de sair do Brasil e que começariam a ir ao ar na segunda-feira.

Raissa sentiu um enorme frio na barriga e isso a fazia se sentir ainda mais feliz e ansiosa com o que estava por vir.

– O que está achando Raissa? Miguel perguntou depois de apresentar todo o plano para eles.

– Estou achando tudo incrível. Podem contar comigo.

– Você se sente confortável de revelar a questão da adoção e sua família biológica? Perguntou Carolina.

– Claro! Não vejo problema nenhum e trazer isso para a história. É na herança que tudo começa. Acho que precisamos falar dela.

– Excelente. Concordo totalmente com o seu ponto. Disse Carolina.

– O que acham de sairmos para comemorar? Posso leva-los em um lugar onde poderemos dançar hoje à noite. Propôs Juan.

– Acho uma excelente ideia. Empolgou-se Raissa.

– Também acho uma excelente ideia. Disse Miguel – Vamos terminar por aqui para podermos descansar. Amanhã teremos mais trabalho e acho que precisamos celebrar sim.

– E sua namorada? Você vai convida-la? Raissa perguntou para Juan.

– Ela está viajando. Foi visitar os pais. Ele respondeu.

– Você vem Antônio? Perguntou Carolina.

– Claro! Estarei com vocês. Me digam onde estarão e encontro vocês.

– Vou pensar em um lugar e aviso vocês. Disse Juan, mais a vontade do que nunca.

E nesse momento Raissa foi abrir uma lata de refrigerante e na hora o liquido espirrou com força molhando sua blusa branca, a deixando transparente. Juan viu a cena e rapidamente começou a tirar a camisa para cobri-la.

– Raissa, tome aqui minha camiseta. Disse Juan tirando a camiseta para que ela cobrisse os seios que ficaram a mostra quando ela se molhou.

– Obrigada Juan. Ela disse ficando admirada com os músculos bem definidos no abdômen, peito e braços dele.

Ela vestiu a camiseta dele, meio anestesiada com a visão que tinha tido do corpo dele sem camisa. “ Você não é tão magrelo quanto parecia.” Ela pensava achando graça e tomando o ar.

– Ficou melhor em você do que em mim. Ele disse buscando descontrair um pouco.

– Obrigada pela gentileza Juan. Daqui a pouco deve secar a minha e te devolvo.

– Não se preocupe.

Eles seguiram conversando, enquanto terminavam de comer. E o sol já começava a se por quando encerraram o dia de trabalho e foram embora para casa.

Juan pegou sua camiseta de volta e foi para casa.

Helena voltou com as meninas para pegar suas coisas na casa de Raissa e Miguel as acompanhou. Antônio e Carolina foram embora juntos e ele a deixou no apartamento dela.

Helena pegou suas coisas e as meninas decidiram ir todas para o apartamento de Miguel para se arrumarem juntas para a noite de celebração que estava sendo organizada por Juan.

Já no apartamento de Miguel, ele foi dormir um pouco, para se recuperar do cansaço da viagem e as meninas foram fazer drinks e conversar na varanda do apartamento, que tinha uma vista estonteante para a Sagrada Família.

– Preciso dizer que achei o Juan bem cavalheiro hoje. Disse Helena, provocando Raissa.

– E eu preciso dizer que achei Juan menos magrelo do que eu imaginava. Confessou Raissa.

– Eu também. Ele tem o corpo perfeito. Acho que usa camisas maiores do que seu número. Como ele enganou a gente? Brincou Lara. – E ele é a gentileza em pessoa.

– Amiga, ele tirou férias para te ajudar no projeto, mesmo sem ter ideia de como poderia ajudar. Ele gosta MUITO de você. Disse Helena.

– Nunca ninguém me tratou assim. Confessou Raissa. – Ele é gentil, cavalheiro, carinhoso. Preciso confessar que aquele abraço que dei nele, e que foi o primeiro abraço que dei nele, me fez sentir uma certa eletricidade. Eu não esperava por isso.

– Você está gostando dele! Sempre esteve. Eu sabia. Disse Lara.

– Não estou! E não estava. Só estou gostando de ser bem tratada. Ele é tudo isso, mas ainda tem uma noiva.  Disse Raissa.

– É verdade! Ele tem uma noiva. Disse Helena.

– Mas ultimamente toda a atenção dele tem sido para você. Provocou Lara.

– Ele tem sido mesmo, muito atencioso comigo.

– E o que acharam da Carolina? A mulher que tem dois metros de pernas.

– Achei ela um pouco metida. Disse Lara.

– Vocês acham que devo me preocupar com ela? Perguntou Helena.

– Lelê! Você, a mulher mais segura do planeta, está preocupada? Por que? Você é maravilhosa e o Miguel é louco por você. Disse Raissa.

– Concordo com a Raissa. Já te disse mais cedo. Não se preocupe. Siga sendo você. Não deixe que essa insegurança te torne uma mulher desinteressante. Disse Lara.

– E o Rodrigo? Respondeu as mensagens dele? Perguntou Raissa.

– Não! E nem vou responder. Estou decidida a enterrar essa história. Lara respondeu.

– Nem sei o que te dizer, além de tudo que eu já disse. Disse Helena.

– Me deixem meninas. Hoje vou beijar um desconhecido. Como fiz no ano novo.

– Quero só ver. Provocou Raissa.

Elas seguiram ali conversando por um tempo a foram se trocar para a comemoração que estava sendo planejada por Juan. Elas estavam lindas, usando vestidos curtos, olhos esfumados e batom vermelho. Estavam felizes por estarem saindo juntas para dançar e tomar drinks, depois de tanto tempo e de tanta coisa que tinham passado.

Quando chegaram se surpreenderam com a sofisticação do lugar e a quantidade de gente que tinha ali. Assim que entraram encontraram Juan no bar. Ele vestia calça jeans e camisa e estava com o ar mais descontraído que Raissa já tinha visto, o que chamava a atenção dela.

Elas começaram com shots de tequila e muitos gritos de felicidade.

Miguel estava mais carinhoso do que nunca e Carolina conversava frequentemente com homens desconhecidos, bem distante de Miguel, para a felicidade de Helena. Antônio chegou arrancando suspiros de quem passava.

As meninas já tinham tomado quatro shots de tequila quando a pista abriu e elas imediatamente se jogaram nela.

Juan ficava por perto, mas não tinha talento como dançarino. Raissa decidiu puxa-lo para dançar.

– Não Raissa! Prefiro ficar por aqui. Ele disse, lutando em vão, enquanto ela o arrastava.

– Vamos comemorar! Você precisa ficar perto.

– Acredite! Não estou sendo modesto eu não sei dançar.

– O que? Ela disse se aproximando dele, sem conseguir ouvi-lo por causa do som alto.

– Eu disse que não estou sendo modesto… Ele disse em um tom de voz mais alto, para que ela entendesse.

– Não está sendo o que? Ela disse se virando na direção dele, no mesmo momento em que ele se virou na direção dela e as bocas deles quase se encostaram acidentalmente.

Ela paralisou e ele também. Trocaram olhares próximos por segundos. E Juan disse:

– Me desculpe Raissa. Ele disse, se afastando. – Não foi minha intenção.

– Não se preocupe. Agora venha dançar com a gente. Ela disse querendo aliviar a tensão do quase beijo.

O celular de Lara tocou e ela saiu para atender a ligação. Era Rodrigo ligando. Ela pensou em atender, mas desistiu. E na sequencia chegou uma mensagem dele.

“Lara, estou preocupado. Está tudo bem? Já tem dias que não tenho notícias suas e você não responde mais minhas mensagens. Por favor, me diga pelo menos se está tudo bem.”

Toda tequila que ela tinha bebido parecia se concentrar na sua cabeça e ela via tudo girando.

“Ai meu Deus! Acho que vou desmaiar.” Ela correu para o banheiro e vomitou. “O que foi isso meu Deus? Culpa sua Rodrigo!” Ela dizia olhando o telefone, sentada na privada, enquanto retomava o folego. E então decidiu ligar para ele.

– Alô! Ele disse atendendo o telefone.

– Oi Rodrigo!

– Lara! Que bom ouvir sua voz. Está tudo bem? Sinto sua falta.

– Rodrigo, está tudo bem. Tudo está ficando bem. Mas quando está ficando bem, você me liga e tudo sai do lugar novamente.

– Lara, onde você está? Você bebeu?

– Só um pouquinho. Estamos comemorando o início das obras do projeto da Raissa. Está dando tudo certo. Olha Rodrigo, eu só te liguei para pedir para você parar de me ligar.

– Por que? Por que quer que eu pare de te procurar?

– Porque estou enlouquecendo. Ela respondeu com a voz já embargada pelo choro.

– Você está chorando Lara? O que está acontecendo? Estou preocupado com você. Eu quero pegar um avião agora mesmo e ir te encontrar.

– Por favor, só me deixe em paz. Vai ficar tudo bem. Você não precisa vir para cá. Vou ficar bem.

– Lara, não quero te fazer sofrer.

– Então para de me procurar Rodrigo. Não sei lidar com esse turbilhão de coisas.

– Você quer mesmo que eu me afaste? Ele perguntou. – Podemos lidar com esse turbilhão juntos.

– Eu preciso que se afaste.

– Farei isso então. Porque sou louco por você e te quero bem.

– Por favor! Faça isso.

– Fica bem Lara! E saiba que estarei aqui.

– Fica bem Rodrigo. Vou ficar bem. Um beijo.

Ela desligou o telefone. E assim que desligou, desabou a chorar, como nunca tinha chorado antes.

Depois de alguns minutos ali, ela se acalmou, limpou as lagrimas, lavou o rosto e a boca, se olhou por alguns instantes no espelho e falou consigo mesma. “O que você está fazendo?” Ela retocava o batom quando Raissa e Helena chegaram.

– Aí está você! Finalmente te achamos. Disse Raissa.

– Hey! Você chorou? O que houve? Perguntou Helena.

– Acabei de vomitar e de falar com o Rodrigo. Lara respondeu.

– Como assim? Você nem bebeu tanto. O que houve? Perguntou Helena preocupada.

– Não sei. Ele me ligou e me enviou uma mensagem. Me senti confusa com o turbilhão de sentimentos que insiste em morar dentro de mim. Tudo girou e vomitei. Mas isso não foi o pior. Eu chorei por amor! Copiosamente. Eu pedi para ele não me procurar mais. Estou chorando à toa. Isso nunca, nunquinha aconteceu comigo.

– É isso que as paixões fazem. Bem vinda ao clube. Disse Raissa. – Eu quase beijei o Juan.

– Como assim? Perguntou Lara.

– Foi sem querer. A gente não conseguia se escutar por causa do barulho e acabamos virando para o mesmo lado para nos aproximar e nos escutar melhor. Aí quase aconteceu.

– E o que você sentiu? Perguntou Helena.

– Não sei dizer. Mas confesso que algo aconteceu.

– Deixa rolar Raissa.

– Ele tem namorada. E não tem nada a ver comigo. Estou carente. E nenhum homem nunca me tratou tão bem como ele me trata. Acho que estou confundindo tudo.

– Vamos voltar meninas! O Miguel está me esperando no bar. Tudo bem Lara? Está melhor?

– Sim! Vamos voltar. Estou bem.

– Então vamos.

As três voltaram juntas para o bar e assim que chegaram, Miguel agarrou Helena.

– Não consigo matar as saudades que eu estava de você. Ele disse de maneira sedutora.

– Nem eu!

– Vamos dançar? Convidou Raissa.

– Vamos ficar um pouquinho aqui. Disse Helena enroscada em Miguel.

– Eu vou com você! Disse Lara.

As duas foram para a pista e encontraram Carolina, Juan e Antônio dançando.

– Nada mal, para quem não sabia dançar. Raissa disse para Juan.

– Acho que eu estava precisando disso. Ele respondeu.

Antônio se aproximou de Raissa, para falar que estava feliz com o projeto e agradeceu a oportunidade de ser parte. E assim eles começaram a conversar bem perto um do outro. Juan vendo a cena, entendeu errado e achou que Antônio estava se aproximando com a intenção de ficar com ela. Mais uma vez ele sentiu ciúmes e começava a entender melhor o que começava a sentir por Raissa. Ele olhou para o relógio e viu que se passavam das três manhã. Então preferiu ir embora, a seguir vendo Raissa beijando outra pessoa. Ele se despediu rapidamente de todos, exceto de Raissa e Antônio, que conversavam distraídos, e foi embora.

Raissa e Antônio seguiam conversando animados. Helena e Miguel estavam loucos para irem embora para tirar as roupas um do outro. Lara sentia seu corpo anestesiado depois do seu rompante com Rodrigo.

Em pouco tempo Raissa sentiu falta de Juan. Lara implorou para voltar para casa e Helena e Miguel, tinham ido embora sem se despedir de ninguém.

Raissa e Lara voltaram para casa e o sol já dava sinais, mostrando que o dia estava prestes a amanhecer.

– Será que fiz bem de afastar de vez o Rodrigo? Perguntou Lara enquanto caminhavam para casa, depois de saírem do taxi.

– O que seu coração diz? Provocou Raissa.

– Meu coração está mudo. Estou anestesiada. Ela respondeu.

– Então melhor esperar.

– Melhor. E o Juan?

– Ele sumiu! Foi embora sem se despedir. Disse Raissa.

– Ele fugiu, assim que o Antônio colou em você. Até eu achei que iam se beijar.

– Sério? Não estava acontecendo nada demais. Ele estava falando sobre o projeto e o quanto estava feliz.

– Não era o que parecia.

– Não sei o que pensar.

– Espera amanhecer.

– Boa estratégia.

Elas chegaram em casa e foram dormir. Lara revirava na cama e Rodrigo invadiu seus pensamentos. Ela reviveu a última conversa que tinha tido com ele e de repente precisou vomitar de novo. Ela correu para o banheiro.

Ela se olhava no espelho, enquanto retomava o folego e lavava a boca.

“Gente, o que está acontecendo comigo?”

Ela pensava, no momento em que pegou no sono.

CONTINUA…

O CAPÍTULO 31 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Capítulo 30 – O que está acontecendo?

Sabrina Almeida


Sou mãe, filha, esposa, mulher, amiga, confidente, conselheira. Sonhadora, determinada e realizadora. Organizada, mas com um que de caótica. Apaixonada pela vida e pelas pessoas. Intensa! Publicitaria, trabalho desenvolvendo produtos e marcas para deixar as pessoas mais bonitas e felizes. Escrevo porque amo escrever. Minha cabeça está sempre repleta de sonhos e devaneios. Sigo sempre meu coração. Hoje penso mais antes de tomar uma decisão. Encontrei a FELICIDADE, assim todinha maiuscula, nas coisas simples da vida. E escrever é uma delas. Enquanto as pessoas vão para a academia, fazem trilhas, tocam instrumentos musicais, cozinham… Eu escrevo! Esse é o meu hobbie… Escrevo para traduzir o que está no meu coração, sem regras, métodos ou filtros. Escrevo porque me inspira e me faz feliz. Acredito que é simples ser feliz e que para isso é preciso uma boa dose de coragem, de sorte e de sonhos e devaneios. Quando eu decidi escrever, uma pessoa me perguntou: “quem te garante que as pessoas vão se interessar pelo que você escreve?” E a minha resposta é como vou concluir minha apresentação. Vou escrever para tentar ajudar as pessoas a ver diferentes perspectivas, rir no meio de um dia difícil ou enxergar poesia no dia a dia. E se eu conseguir tocar o coração de pelo menos uma única pessoa, já terá valido à pena.


Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *