Capítulo 30 – Quando as luzes piscam

Nina não podia acreditar que Roberto estava mesmo ali. Ela se jogou nos braços dele e o encheu de beijos.

– Nem nos meus mais ousados sonhos eu poderia imaginar que você apareceria aqui. E o trabalho? Como resolveu tão rápido?

– Nina, estou planejado isso a um tempo, mas as coisas se complicaram por lá. Finalmente consegui tirar uma semana para ficar com você. Quando você me disse que seu irmão havia acordado, eu comecei a me preparar para vir.

– Pouco importa o plano! O importante é que você está aqui.

– Eu tenho uma surpresa para você.

– Você é minha surpresa.

– Eu trouxe outra surpresa.                                      

– O que?

– Te contarei mais tarde.

– Vai me matar de curiosidade assim.

– Essa é a ideia. Agora quero ver seu irmão.

– Claro! Venha. Disse Nina carregando Roberto pelas mãos.

Eles percorreram o caminho até a sala onde estavam todos e mal chegaram, a campainha tocou novamente.

– O Roberto está aqui! Disse Nina eufórica. – Cadu, esse é o Roberto.

– Prazer te conhecer cara. A Nina fala muito de você.

– Oi Roberto! Que bom que está aqui. Disse a mãe de Nina indo atender a porta.

– Prazer te conhecer! Roberto respondeu. – Que alegria te ver acordado e tão bem.

– Que bom que está aqui. Como vai Roberto? Disse o pai de Nina o cumprimentando.

– João Carlos, como vai? É uma alegria estar aqui com a Nina e com vocês. Roberto respondeu.

E nesse momento a mãe de Nina retornou para sala trazendo Alfredo com ela.

– Olá pessoal! Ele disse ao entrar. Ele ficou um pouco desapontado em ver Roberto. Ele tinha uma determinação de tentar conquistar o coração de Nina e estava encorajado a fazer naquele final de semana, mas a presença de Roberto arruinou completamente os seus planos. Cadu percebeu na hora a decepção do amigo e o convidou para ir até o escritório falar de um tema de trabalho.

Cadu e Alfredo saíram da sala e Nina e Roberto ficaram com João Carlos e Beatriz conversando. Roberto tomou um banho rápido e trocou de roupa. Quando voltou todos estavam à sua espera na sala.

A presença de Roberto incomodava Alfredo, mas ele não se abalava e não mudou seus planos de passar o final de semana com a família de Cadu.

Eles saíram para almoçar e passaram o resto do dia passeando por Portugal. A chuva seguia constante e os lugares a explorar eram mais limitados.

À noite comeram pizza e jogaram cartas. Alfredo foi embora já de madrugada e todos foram dormir.

Na hora de dormir Nina e Roberto, que pareciam só ver um ao outro o dia todo, mataram as saudades que estavam um do outro e transaram até o dia amanhecer. Aquela foi de longe a noite de amor mais intensa e prazerosa da vida de Nina e Roberto. Nenhum dos dois nunca tinha vivido uma noite de amor com tanta entrega e tanto desejo.

O dia amanheceu e a chuva persistia. Quando Nina abriu os olhos encontrou Roberto olhando para ela.

– Você é minha melhor visão! A melhor maneira de começar o dia. Ele disse.

– Você também meu amor. Ela disse, se jogando nos braços dele.

– Hora de revelar a surpresa. Ele falou.

– Hum! Eba. Diga!

– Vamos viajar. Só nós dois!

– Para onde?

– Vamos para Paris. Conversei com a sua mãe ontem e ela achou a ideia ótima. Vamos aproveitar que seus pais estão aqui e vou te levar conhecer o lugar dos seus sonhos.

– Não acredito! Ela berrou. – Obrigada meu amor.

– Não vejo a hora de estar lá com você. Preparei um roteiro para irmos em alguns lugares que quero te mostrar. Viajaremos por 1 semana.

– Não acredito! Isso está mesmo acontecendo?

– Sim, está mesmo acontecendo. Vamos sair em 1 hora. Tudo bem?

– Sim! Tudo mais que bem. Ela respondeu.

– Faça uma mala simples e coloque roupa de praia.

– A gente vai para praia?

– Sim senhora.

Ela encheu ele de beijos e levantou empolgada para arrumar as suas coisas.

Nina terminou de arrumar a mala, eles tomaram uma café rápido e saíram para o aeroporto.

O dia terminava quando eles chegaram em Paris.

Ao pisar nas ruas de Paris, uma onda de frenesi seguida de gratidão tomou conta do coração de Nina.

Eles deixaram as coisas no hotel e foram passear. Roberto conhecia muito bem Paris e levou Nina aos lugares que ela sempre sonhou em conhecer.

Eles jantaram em um restaurante muito tradicional, que tinha uma linda vista da cidade. Voltaram para o hotel caminhando. Eram quase onze horas quando eles chegaram aos pés da Torre Eifel. Nina estava maravilhada com a cena e a boca levemente aberta. Roberto totalmente encantado com o encanto dela. Ela seguia paralisada, totalmente hipnotizada, olhando para a torre quando a torre começou a piscar. Os olhos dela se encheram de lágrimas de tanta emoção.

Ela olhou para o lado para compartilhar esse momento com Roberto, mas não o viu. Abaixou os olhos e viu Roberto ajoelhado.

– Quer se casar comigo? Ele perguntou mostrando um anel de brilhantes para ela.

Ela ficou sem fala e ele seguia ajoelhado mostrando o anel.

– Acho que daria sorte se você respondesse antes da torre parar de piscar. Ele brincou.

– Claro que eu quero me casar com você. Ela disse se ajoelhando para beija-lo.

A cena era de emocionar e perder o folego. Os dois de beijavam ajoelhados no chão, aos pés da Torre Eiffel enquanto ela piscava insistentemente, como se nunca mais fosse parar.

Eles se levantaram e Nina tentava recuperar o folego.

– Mas já? Namoramos há pouco tempo e passamos os últimos meses sem nos vermos. Você tem certeza Bob?

– Eu tenho certeza desde o primeiro dia que te beijei Nina. Quero passar a vida inteira com você. Não tem distância, obstáculo ou mudança de país que mude isso.

– Bob! Eu sou louca por você e quis isso desde o momento que coloquei os olhos em você naquele dia que fui passear com o Borges.

– Ah Nina. Ele disse a abraçando forte. – A vida é muito melhor com você. Você me trouxe coisas que busquei a vida inteira e nem sabia.

– Você também Bob.

– Quero pedir sua mão em casamento para o seu pai quando voltarmos.

– Mas não sei quanto tempo mais demoro aqui. Talvez ainda more por meses em Portugal.

– Nós vamos dar um jeito de nos vermos. A gente sempre deu um jeito em tudo. Eu já tinha comprado o anel há um tempo. Só estava esperando pelo melhor momento. Aquela mensagem que me enviou com a perspectiva mais linda que eu já vi do amor foi o sinal de que o momento certo tinha chegado. Respondi sua mensagem e comprei a passagem. O roteiro de Paris, fiz no avião vindo para cá, enquanto ensaiava na cabeça esse momento.

– Você fez tudo isso para mim?

– Sim! E farei muito mais. Obrigado por aceitar passar a vida ao meu lado.

– Obrigada pelo convite. Seremos muito felizes meu amor.

– Não tenho dúvidas disso.

Eles voltaram para o hotel de mãos dadas, caminhando pelas ruas de Paris. Na mão direita brilhava um lindo diamante que representava mais um passo importante para a história deles.

A felicidade batia junto com os corações dos dois enquanto caminhavam.

A noite seguiu com muito romance e em clima de comemoração, com direito a brinde com champanhe na varanda que tinha vista para Torre Eiffel e estava cercada por flores vermelhas.

– Você planejou cada detalhe desses todos detalhes aqui? Ela perguntou olhando em volta.

– Todos! Quase todos. Essas flores não foram planejadas, mas tive sorte. Eu disse para a recepcionista que iria pedir minha namorada em casamento. Acho que eles acabaram nos dando a varanda mais florida de todas. Ele respondeu de maneira charmosa.

E nesse momento a Torre começou a piscar e aquela seria a última vez naquele dia.

Eles tiveram mais uma noite deliciosa juntos. No dia seguinte passearam por Paris, visitaram o Louvre e jantaram um lugar delicioso.

O dia amanheceu e Nina acordou com café da manhã no quarto.

– Assim vou ficar muito mal acostumada. Ela disse ao ver a mesa posta na varanda. – Bom dia meu amor.

– Essa é a intenção. Hoje sairemos de Paris de carro.

– Pra onde vamos?

– Para três lugares.

– Você não vai me contar né?

Ele fez que não com a cabeça.

Eles terminaram o café da manhã, arrumaram as coisas e saíram do hotel. Pegaram o metro até o local onde estava o carro que Roberto havia alugado.

A primeira parada foi em Giverny para o almoço e Roberto levou Nina conhecer a casa onde viveu Monet e o jardim que o inspirou para criar suas obras de arte.

A segunda parte da viagem começou no Vale do Loire e passou pela região de Champanhe para apreciarem bons vinhos e espumantes pela rota do vinho.

No Vale do Loire, eles conheceram três dos mais belos castelos da região. Chenonceau, um lugar excepcional construído em 1513, que, conhecido como Castelo das Damas, foi administrado por grandes mulheres da história, como Diana de Poitiers e Catarina de Médicis. Amboise, foi fortaleza medieval e castelo real, e sua capela acolhe o túmulo de Leonardo da Vinci. E Chambord, que marca o início da Renascença na França e o lugar de onde tinham uma vista de tirar o fôlego. Eles fizeram um roteiro incrível pelas vinícolas e caves onde degustaram vinhos tintos, brancos e espumantes. Eles visitaram caves famosas de champanhe como Moët et Chandon e Veuve Clicquot. Visitaram a catedral gótica de Reims, e Nina ficou boquiaberta com os maravilhosos vitrais feitos por Chagall.

“A história está viva aqui. A arte transborda nesse lugar.” Ela pensava totalmente maravilhada pelos vitrais.

Nina se sentia cada vez mais admirada e inspirada por tudo aquilo que via e conhecia. A cada castelo ou cave que passavam mais realizada ela se sentia. Por alguns momentos se perdia em seus pensamentos não acreditando que aquilo tudo estava mesmo acontecendo. Mas era real, e cada gesto de Roberto a fazia perceber e sentir que aquilo tudo acontecia de verdade.

Eles seguiram viagem e enfim chegaram no sul da França, onde passaram três dias viajando pela Côte D’Azur, com praias paradisíacas de água cristalina azul turquesa e cidadezinhas cheias de charme. Nina se sentia dentro de um conto de fadas, enquanto realizava dois sonhos de uma única vez.

No último dia de viagem eles viam o pôr do sol de um deque na praia a Nina perdeu seu olhar em Roberto. Ele estava mais lindo do que nunca e ela sentia o maior amor mundo no seu coração. Ela voltou seu olhos para o sol que se punha rapidamente.

– O que está pensando? Ele perguntou.

– Queria que esse momento durasse para sempre. Ela respondeu.

– Agora ele será eterno no nosso coração. Ele disse.

– Ainda bem que temos esse dom! Ela respondeu.

– Era tudo como você sonhava? Ele perguntou.

– Muito melhor do que eu sonhava.

– Qual foi a parte que você mais gostou? Ele perguntou.

– Da parte em que as luzes da Torre Eiffel piscaram e você se ajoelhou para me pedir em casamento.

– Essa também foi a minha parte preferida. Ele disse de maneira charmosa e deu um beijo nela.

O sol terminou de se pôr, eles jantaram e foram dormir. No dia seguinte voltaram para Portugal.

Eles chegaram na casa de Cadu e Nina foi histérica contar para a família que ia se casar. Roberto não deixou.

– Calma meu amor. Ele pediu. – Quero pedir sua mão para o seu pai.

– Mas eu já aceitei Bob.

– Eu sei! Mas quero mesmo assim.

– Ok!

Eles entraram na sala e todos estavam ali conversando.

– Vocês voltaram. Como foi minha filha? Perguntou Beatriz.

– Foi maravilhoso mãe!

– Quero aproveitar vocês reunidos aqui para pedir a mão de Nina em casamento. Roberto disse de mãos dadas com ela.

– Roberto! Seja bem-vindo à nossa família. Disse o pai, com os olhos cheios de lágrimas, se levantando para abraçar o Roberto e Nina. – Permissão concedida. Ele disse.

– Vou cuidar muito bem dela. Roberto prometeu.

– Eu não tenho a menor dúvida. O pai respondeu.

– Parabéns meus amores! Beatriz disse ainda mais emocionada.

– Parabéns para vocês. Espero que sejam muito feliz. Cadu disse se levantando para abraçar a irmã e o futuro cunhado. – Vamos brindar. Vou buscar uma garrafa de champanhe. Ele disse girando sua cadeira de rodas.

Cadu voltou com uma garrafa e Arminda veio logo atrás segurando uma bandeja com taças de cristal.

– Parabéns Nina! Ela disse. – Parabéns Roberto.

– Obrigada Arminda. Eles responderam.

A comemoração seguiu até o anoitecer e eles terminaram a noite felizes. Nina contou tudo sobre a viagem, descrevendo em detalhes por onde tinha passado. Ela nunca tinha estado tão feliz em toda a vida dela.

No dia seguinte, Roberto arrumava suas coisas para ir embora e o coração de Nina se apertava com a incerteza sobre quando o veria novamente.

Eles se despediram e Roberto foi embora. A noite ficou triste com a partida dele. Nina aproveitou para conversar com os pais, com Cadu e para brincar com as meninas.

Os pais de Nina foram dormir e mais uma noite Nina e o irmão ficaram conversando até de madrugada.

– Está feliz né Nina?

– Sim! Muito.

– Será que meu coração se abrira novamente para amor? Ele perguntou.

– Cadu, tenho certeza que sim.

– Eu não tenho tanta certeza. Ele respondeu.

– Claro que vai. Você é jovem e super interessante. Só ficará sozinho se quiser.

– Não estou falando de ficar só, mas de realmente ocupar meu coração de novo. A Cecília ainda vive aqui e tenho a sensação que meu coração será dela para sempre. Como será a vida sem ela?

– Isso não posso te dizer e estou certa que será difícil, mas você se abrirá sim de novo para o amor.

– Pior que eu, só o Alfredo.

– Para com isso Cadu.

– Ele estava disposto a te conquistar. Ele vai ficar acabado quando souber que você vai casar.

– De onde ele tirou isso? Nunca tivemos nada. Até outro dia mal nos conhecíamos.

– Não sei de onde ele tirou, nem como começou, mas ele gosta mesmo de você.

– Eu também gosto dele. Mas não desse jeito. Espero que ele entenda.

– Ele é adulto, vai entender, mas estou certo que ele ficará muito chateado. Coitado do meu melhor amigo. Mas estou feliz por você. Acho que nunca te vi tão feliz. E o Roberto parece ser um cara legal e parece gostar muito de você. E você dele.

Ela suspirou.

– Ele é o amor da minha vida. Sei disso desde a primeira vez que nos vimos.

– Fico muito feliz por você. E quando será o casamento?

– Não faço ideia. Não temos nada planejado. Vou cuidar de você e das meninas. Essa é minha prioridade e deixei isso muito claro para ele.

– Não atrase sua vida por minha causa. Implorou Cadu.

– E quem disse que estou atrasando alguma coisa? Casaremos na hora certa. Por hora, vamos cuidar da sua recuperação e das meninas. Ele terá uma folga daqui três semanas e acho que vou fazer uma surpresa para ele. E de tempos em tempos, vamos nos vendo, até você estar totalmente recuperado.

– Obrigado por tudo Nina! Não sei o que seria de mim sem você.

– E eu não sei o que seria de mim sem você.

– Agora é melhor irmos dormir. Amanhã tenho fisioterapia e estou disposto a voltar a andar logo.

– Acho que esse é um excelente plano. Venha, vou te ajudar.

Nina empurrou a cadeira de rodas de Cadu até o quarto dele. Mais uma vez, mesmo com muita dificuldade, ele conseguiu se levantar para se arrumar para dormir.

Nina deu boa noite para Cadu e foi para o seu quarto. As saudades que sentia de Roberto eram enormes, mas naquela noite só tinha espaço para felicidade. Ela espantou a tristeza e foi escrever, mesmo já sendo de madrugada.

Nina acordou tarde e ficou por uns instantes da cama. Os pais dela tinham levado as meninas na escola e ela ia ajudar o irmão em sua sessão de fisioterapia em casa.

Ela se levantou e saiu pela casa procurando o irmão. Encontrou ele no escritório em seu computador.

– Oie! Bom dia. O que faz aqui?

– Bom dia Nina! Estou assumindo alguns casos do escritório e voltando aos poucos a trabalhar. O trabalho me faz muito bem e tem ocupado minha cabeça.

– Acho que se te faz bem você deve seguir fazendo. Ela respondeu no momento em que a campainha tocou.

– Sua fisioterapeuta chegou. Vou atender à porta. Nina disse e saiu saltitante.

Ela abriu a porta e se deparou com uma mulher que não conhecia.

– Bom dia! Ela disse. – Sou Cassiana. A Carolina teve um compromisso e eu vou atender o Carlos Eduardo nos próximos dias.

– Ela não avisou. Disse Nina estranhando.

– Teve uma emergência na família. Trabalhamos, na mesma clínica. Estudei o caso do Carlos Eduardo.

– Ok! Por aqui.

Cassiana era uma mulher deslumbrante. Loira, olhos azuis, quase 1m80 distribuídos em um corpo perfeito. Ela usava uma roupa branca coberta por um jaleco na mesma cor, que levava seu nome e o nome da clínica em que trabalhava.

Cadu ficou hipnotizado quando viu Cassiana.

– Olá Carlos Eduardo! Eu estava ansiosa para te conhecer. Fiquei curiosa com o seu caso clínico. Muito prazer. Sou Cassiana e vou te atender pelas próximas duas semanas, enquanto a Carolina resolve um tema de família.

– Muito prazer Cassiana. Por favor, me chame de Cadu.

– Vou tentar, Cadu. Podemos começar?

– Podemos sim! Quer tomar alguma coisa?

– Agua por favor.

– Vou buscar! Nina prontificou-se e correu buscar a água.

Ela saiu correndo e deixou os dois ali sozinhos.

“Será que o Cadu gostou dela, como pareceu que ele gostou? Para Nina. Você está vendo coisas de tanto que quer que ele seja feliz. Esse romance está mexendo com a minha cabeça. Estou vendo romance em tudo.” Ela pensava enquanto esperava a jarra encher.

Ela voltou para o escritório onde Cadu fazia sua sessão de fisioterapia, deixou a água e saiu, os deixando sozinhos.

Nina aproveitou o silencio e voltou para a sua história. Ela estava perdida em meio ao seu romance quando seu telefone tocou.

– Alô! Ela atendeu.

– Olá Nina! Aqui é o Jaime. Tudo bem? Esse é um bom momento? Você pode falar agora?

– Olá Jaime! Posso sim. Tudo bem comigo. E com você?

– Estou muito bem também. Tomei a liberdade de pedir o seu telefone para o Roberto, porque eu realmente queria falar com você ao invés de responder ao seu email. Acabei de ler o material que você me enviou e devo te dizer que estou admirado com a qualidade de tudo que você desenvolveu. A história tem cadência, está interessante e muito bem escrita. Vou indicar seu material para uma editora de livros grande aqui no Brasil. Como está seu processo de criação? Quanto tempo mais precisa para concluir o trabalho?

Nina não podia acreditar no que estava acontecendo. Ela estava muito animada com o feedback de Jaime.

– Estou quase acabando, na verdade, acredito que em duas semanas consigo entregar a história, mas sem revisão.

– Você poderia trabalhar em uma sinopse e me enviar assim que possível? Vou enviar os três primeiros capítulos e a sinopse para um amigo que trabalha em uma grande editora no Brasil. Acho que seu material tem potencial para ser uma publicação dessa editora especializada em romances. Como está sua agenda nos próximos dias?

– Jaime, posso trabalhar para organizar os conteúdos que me pediu rapidamente, mas não estou no Brasil. Meu irmão sofreu um acidente em Portugal e estou aqui por tempo indeterminado ajudando a cuidar dele e das filhas dele.

– Puxa! Não sabia. Sinto muito. Espero que tudo esteja bem. Vou enviar seu material e vemos o que eles respondem. Depois pensamos como resolver um possível encontro entre você e a editora.

– Pode ser! Assim funcionaria.

– Trabalhe nos materiais e tente terminar em duas semanas. Acho que temos um super potencial nessa história.

– Jaime, você não imagina como fico feliz com o seu feedback.

– Nina, o conteúdo que você me enviou me encantou totalmente. Vamos cruzar os dedos. Aguardo os materiais.

– Te enviarei assim que concluir. Obrigada pela ligação e por todo o apoio.

– É um prazer ajudar. Mande um abraço para o Roberto.

– Mandarei. Obrigada Jaime.

– Um beijo para você querida.

– Outro para você.

Nina desligou o telefone com o coração em festa. As notícias não podiam ser melhores e ela finalmente via um caminho em seu caminho e as dúvidas sobre ter uma vida ou o que seria da vida dela dali em diante pareciam se dissipar na nuvem de felicidade que começava a chover bem em cima da cabeça dela.

 

                                                  CONTINUA…

           O CAPÍTULO 31 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *