Capítulo 35 – O seu melhor sorriso

Roberto seguia em expectativa, andando de um lado para o outro, esperando por Nina, sem saber se ela daria uma segunda chance para ele.

Aquele espaço de tempo parecia uma eternidade.

Ele viu o avião dela decolando e suas esperanças acabaram.

Até que ele a viu saindo da área de embarque e seu coração se encheu de felicidade.

“Ela ficou!” Ele pensou enquanto corria na direção dela.

– Nina! Que bom que você ficou!

– Eu não consegui ir embora.

– Que bom que não foi embora.

– A ideia de deixar você pra sempre antes de conversarmos não parecia fazer sentido.

– Eu te amo Nina. Quero casar e construir meu futuro com você. Minha vida é você! Fico feliz que tenha me dado uma chance de te explicar e me desculpar pelo que você viu.

Ela respirou fundo.

– Quero de verdade tirar isso tudo de mim. Tirar isso tudo de nós.

– Vamos pra casa?

– Vamos! Ela concordou.

– Como fazemos para pegar a sua mala?

– Ela está aqui? Disse ela apontando para a mala que carregava.

– Então vamos!

Eles deixaram o aeroporto em silencio. Apesar do lado racional de Nina estar sensato, seu coração seguia questionando se ela seria capaz de passar por tudo aquilo. Mas ela tentava não dar muita atenção para o coração dela naquela hora.

Ele dirigia em silêncio e alguns minutos depois ele iniciou uma com conversa.

– Está com fome? Ele perguntou, sem saber muito bem o que falar.

– Não muita.

– Então vamos pra casa.

E ele seguia dirigindo.

Os sentimentos de Nina seguiam contraditórios e ela preferia o silencio enquanto ele tentava escolher as palavras para falar do assunto. Ele queria resolver aquilo, mas temia não ser da maneita certa, por isso ele estava muito cauteloso.

Até que ela falou:

– Podemos parar o carro e caminhar um pouco?

– Claro! Ele respondeu.

Em segundos o carro estava estacionado e seguiram caminhando. A noite estava fresca e uma brisa chegava a causar um leve arrepio na pele.

– Como você soube que eu estive lá? Ela perguntou.

– A Clara me disse. Ela foi até minha sala e perguntou onde você estava. Porque queria marcar um jantar com a gente. Você deve imaginar a minha surpresa quando ela disse isso.

Nina fez que sim com a cabeça e ele continuou falando:

– E aí eu disse que não tinha visto você e ela me disse que você estava aqui e que tinha te deixado aqui em frente. E imaginei o que tinha acontecido.

– Vi você beijando a Raquel.

– Isso. Mas eu não beijei a Raquel. Nunca mais tive nada com ela. Ela está aqui há um mês e estava se comportando de maneira muito profissional até essa tarde. Ela me pegou de surpresa e não correspondi ao beijo. A afastei. Pedi que nunca mais fizesse isso. E ela se demitiu. Ela vai voltar para a França. Tudo isso aconteceu, antes mesmo de eu saber que você esteve no escritório.

E nesse momento eles acessavam um longo deque que terminava na praia.

– E como sabia que eu estava no aeroporto?

– Liguei para o seu irmão. E ele me disse que tinha comprado a sua passagem e ia ver se você tinha marcado o bilhete de volta. Ele me confirmou que tinha marcado a volta e corri para o aeroporto. Mas ninguém me dava informações sobre você. Por isso o Cadu me ajudou a procurar você, até que finalmente conseguimos contato.

– Isso parece cena de filme. Ela disse.

– Acho que o dia inteiro pareceu um filme. Mas quero que saiba que quero viver uma vida de verdade com você, Nina! Estou tentando te provar isso de todas as maneiras. Você é o amor da minha vida. Estou muito feliz que esteja aqui e ainda mais feliz por ter ficado e me ouvido.

Eles seguiam caminhando, quando começou a chover e as pessoas em volta se apressaram para buscar um lugar seco para se proteger da chuva. Parecia que Nina e Roberto nem percebiam que chovia.

Ela respirou fundo mais uma vez e a briga entre a razão e a emoção cessou. O amor que ela sentia por Roberto voltou a transbordar em seu coração e ela não queria perder mais um minuto desse amor por causa de nenhum fantasma. E nesse momento, enquanto ele esperava que ela respondesse algo ou se preocupasse com a chuva, ela o agarrou e o beijou. Ambos sentiam um misto de sentimentos com aquele beijo. Vontade, alívio, saudades. A cena era poética e apesar de ambos estarem em busca de vida real, aquele beijo parecia um beijo de cinema, desses que ficarão famosos e serão repetidos muitas vezes no futuro como aqueles beijos que ficaram marcados para posteridade.

Ele não queria larga-la e ela se sentia bem presa ao abraço dele. As testas deles se encostaram e ambos estavam ensopados pela chuva.

– Ah Nina! Você é a mulher mais incrível desse mundo.

– E você o homem mais incrível. Ela respondeu, sem se mexer do lugar.

As testas seguiam coladas e eles se perdiam, um no olhar do outro. A chuva que tinha começado forte, parecia mais fraca e eles seguiam se olhando e naquele momento aquela cena foi eternizada para os dois.

Eles seguiram caminhando ensopados. A blusa de Nina que era branca estava toda transparente.

– Você está muito sexy nesse momento. Ele brincou.

Ela riu.

– Quero te levar para casa e te dar um banho quente, antes que fique doente. Ele seguiu dizendo.

– Acho que nós dois precisamos de um banho quente.

– Então vamos para casa?

– Sim! Ela concordou.

Eles chegaram em casa e foram tomar banho. Eles se perderam um no outro debaixo da água quente. Roberto se sentia grato por ela estar ali e Nina se sentia aliviada por ter tomado a melhor atitude e não ter deixado tudo para trás de maneira impulsiva.

Depois do banho, Roberto preparava o jantar e Nina assistia sentada na bancada da cozinha, tomando uma taça de vinho, acompanhando com o olhar cada gesto dele. Um filme passou em seus pensamentos. A vontade que ela sentia de encontra-lo, o primeiro beijo deles, os dias apaixonados, as surpresas de amor, os jantares que ele fez para ela, a carta do irmão, o medo, a separação de Roberto, a angustia pelo que estava por vir, a recuperação do irmão, o pedido de casamento. E assim ela se perdia em Roberto.

– No que está pensando? Ele perguntou.

– Na longa estrada que nos trouxe aqui e que percorremos em tão pouco tempo.

– Aconteceu muita coisa mesmo. Você está aproveitando o caminho?

– Cada centímetro dele. E acredito que aí mora a felicidade.

– No caminho? Ele perguntou.

– Sim! No caminho. De nada adianta alcançarmos objetivos, se não aproveitarmos o caminho.

– Você tem toda razão. Viver é isso. É o caminhar.

– Isso! E para mim a felicidade está aí. No caminhar. O caminho tem que ser legal, tem que fazer a gente feliz.

– Meu caminho com você, tem sido o mais feliz de todos os caminhos que já percorri até aqui. Ele disse, surpreendendo Nina.

– O meu também! Ela respondeu, agradecendo por não ter pego um atalho que a afastaria desse caminho de felicidade.

– Por mais feliz que seja o caminho, por algumas vezes ele não é fácil. Ele disse.

– Eu estava pensando justamente nisso agora! Ela disse empolgada. – E isso faz com que a gente acabe pegando atalhos, para fugir das dificuldades, mas acabamos nos desviando do nosso caminho e corremos o risco de nunca mais encontrar o caminho de volta para a felicidade.

– Isso! Ainda bem que você não pegou o atalho e não entrou naquele avião hoje.

– Ainda bem! Ela disse ainda mais certa de sua decisão de ter ficado. E nesse momento ela se lembrou do conselho de Maria Clara. “Fique Nina! Não embarque hoje. Você poderá embarcar amanhã, se decidir que quer mesmo ir embora.”

– E nosso jantar está pronto. Porque é preciso se alimentar no caminho! Ele disse. – Um brinde ao nosso caminho juntos. Ele propôs.

– Ao nosso caminho juntos. Ela disse batendo com sua taça de vinho na dele.

– Como esse anel fica lindo em você. Roberto disse.

– Concordo com você. Já não me imagino mais sem ele.

– O que você acha de nos casarmos aqui? Ele propôs.

– Aqui? Assim? Sem nossos amigos e a nossa família?

– Depois nos casamos lá no Brasil. O que você acha de irmos para Las Vegas no final de semana e nos casarmos lá?

– Você quer ir para Las Vegas para nos casarmos no próximo final de semana? Ela perguntou ainda mais surpresa.

– Isso.

– Pra que tanta pressa?

– Pra acabar com os riscos de pegarmos atalhos.

– Ah Bob! Você é demais.

– Isso foi um sim?

– Você está me pedindo em casamento de novo?

– Não! Estou só sugerindo a data. Te pedi em casamento quando coloquei esse anel no seu dedo.

– Bob você é demais. Acho que será incrível nos casarmos em Las Vegas.

– Então vamos planejar nosso final de semana.

– Isso está delicioso. Nina disse apontando para seu prato de comida.

– Foi a minha melhor refeição, desde que cheguei aqui. Ele disse.

Ela suspirou.

Eles jantavam quando Cadu ligou:

– Oi Cadu. Ela disse atendendo o telefone.

– Você ficou! Está tudo bem?

– Sim! Eu fiquei. Está tudo bem.

– Fico feliz que tenha ficado.

– Tudo bem por aí? Ela perguntou.

– Sim! E por aí?

– Muito bem também.

– Que bom minha irmã. Boa noite pra vocês.

– Pra vocês também. Beijo

– Beijo.

Ela desligou o telefone e disse:

– Era o Cadu.

– Devo minha felicidade para o seu irmão. Ele foi muito parceiro.

– Ele é demais.

– E como ele está?

– Cada dia melhor e mais independente.

– Isso é muito bom.

– Isso é um milagre. Você acredita em milagres Bob?

– Acredito!

Nina sorriu. Apesar da intensidade da relação deles, ainda havia muito a saber um sobre o outro. Nina ficou feliz de descobrir novas coisas sobre ele.

– O que foi? Ele perguntou.

– Nada. Só estou aqui constatando que seguimos descobrindo coisas sobre o outro.

– Acho que será assim durante toda a nossa vida. Ele disse.

– E quem bom que é assim.

– Ah Nina! Que felicidade eu sinto por estarmos juntos nessas descobertas.

Ela não disse nada e deu um beijo carinhoso nele.

Eles seguiram conversando o resto da noite e se sentiam gratos por terem a companhia um do outro na hora de dormir.

Roberto já dormia e Nina seguia de olhos abertos. Ela estava exausta, mas não conseguia dormir. As emoções do dia se repetiam na sua cabeça. Aquele dia parecia ter durado vários dias. Ela pensava em sua chegada e no beijo roubado e se lembrava de ver tudo vermelho, enquanto esperava seu voo, até que conheceu Maria Clara e sua história. Definitivamente ela tomaria a decisão mais errada da vida dela se tivesse mesmo indo embora.

“A Raquel voltou para a França!” Ela pensava aliviada por ter vencido aquela batalha. “As coisas existem mais na minha cabeça do que nas atitudes dele! Preciso ser mais madura, mais segura e mudar definitivamente alguns pensamentos. Vamos nos casar! Em Las Vegas! Nunca imaginei nada mais legal do que isso.” Ela seguia colocando um pensamento em cima do outro e espantando o sono para ainda mais longe. Roberto já dormia profundamente e Nina começava a se sentir angustiada por não conseguir dormir.

Depois de virar e revirar na cama, aquele dia que parecia interminável, parecia terminar e ela finalmente conseguiu dormir.

Nina acordou sendo despertada por beijos.

– Bom dia! Ele disse quando ela abriu os olhos.

– Bom dia! Ela respondeu se espreguiçando.

– Estou indo para o trabalho e quero saber se quer ir comigo.

– Acho que não Bob. Vou ficar por aqui. Escrever um pouco e dar uma volta.

– Faz bem. Aproveite seu dia. Eu volto cedo. Se der almoçamos juntos. Que tal?

– Pode ser!

– Eu te ligo. Explore a casa. Tudo que tem aqui.

– Que delícia Bob!

– Até já meu amor. Ele disse dando um beijo nela e saindo.

Ela ficou mais um tempo na cama e acabou dormindo de novo. Seus últimos dias tinham sido muito cansativos e seu corpo parecia relaxar completamente.

Ela dormia profundamente quando seu telefone a acordou.

– Alô! Ela atendeu.

– Oi Nina.

– Oi Mel! Tudo bem? Saudades.

– Eu também. Acabamos não conseguindo nos falar. Por onde você anda?

– Você não vai acreditar.

– O que foi?

– Estou nos Estados Unidos. Vim encontrar o Roberto.

– Não acredito! Que legal. Então o Cadu ficou lá sozinho. Ele está melhor?

– Sim! Ele está melhor. Naquele dia acabei não conseguindo te ligar de volta. Que papo foi aquele sobre o Cadu? Nina perguntou.

– Nina não sei o que houve. Quando vi o Cadu senti algo que eu nunca tinha sentido. Foi como se eu tivesse voltado no tempo. Tudo aquilo que eu sentia por ele. Aquele amor não correspondido. Tudo voltou. Voltou de uma maneira tão forte que parecia nunca ter deixado de existir.

– Mel! Como assim?

– Nina, não consigo explicar.

– Como você está se sentindo agora?

– Volto para o Brasil amanhã e não tiro o Cadu da minha cabeça.

– Agora tudo faz sentido.

– O que?

– O Cadu perguntando de você. Aconteceu algo entre vocês?

– Não! Quase! Mas não.

– E o Arthur? E seu casamento? Meu irmão está se se recuperando de algo terrível. Ele tem duas filhas e mora em Portugal. Como isso poderia dar certo?

– Nada disso importa na verdade. Quero o Cadu. Não posso me casar, sentindo o que estou sentindo.

– Mel de Deus! Logo isso passa.

– Não parece que vai passar Nina. Vou terminar o meu noivado chegando no Brasil.

– Mel calma.

– Vou tentar.

– Quer que eu fale com o Cadu?

– Não! Melhor não.

– Ok! Mas se ele falar de você eu te conto.

– Isso. Aproveite muito seus dias aí e vai dando notícias.

– Bom retorno para você. Boa sorte com o Arthur.

– Obrigada Nina.

– Fica bem Mel.

– Vou ficar! Beijo

– Beijo

Nina desligou o telefone preocupada com o que Melina tinha acabado de contar para ela.

“Gente que loucura. Eu nem sabia que a Melina tinha gostado tanto assim do meu irmão. O estilo de vida deles não combina em nada. Eles sequer moram no mesmo país. Se bem que eu iria amar minha melhor amiga e meu irmão juntos.” Nina se perdia em sentimentos. “Será que o Cadu está sentindo a mesma coisa?”

Nina seguiu ali por mais alguns instantes incapaz de se mover, até que tomou coragem para se levantar e ir tomar um banho. Ela se arrumou e foi buscar por pontos turísticos de Los Angeles para conhecer.

Ela saiu animada com sua programação e fazendo planos para encontrar Roberto no estúdio.

Mesmo com muitas novidades em seu dia, os pensamentos de Nina seguiam sendo de Melina e Cadu.

No final do dia, Nina fez uma surpresa para Roberto e dessa vez nenhum episódio com beijos roubados roubou a cena.

Clara recebeu Nina feliz por ve-la e a levou até o estúdio onde Roberto terminava uma gravação.

Nina ficou parada logo atrás de Roberto olhando para ele, totalmente maravilhada por ve-lo trabalhar. Ele não tinha ideia que ela estava ali, e isso a fazia achar a cena ainda mais bonita.

“Que lindo e competente que é meu namorado! Vendo ele assim não culpo a Raquel por querer ele para ela.” Nina pensava, achando graça, se dando conta que aquele episódio e toda a insegurança estavam completamente resolvidos em sua cabeça e no seu coração.

Ela seguia hipnotizada, olhando para ele quando ele falou.

– Já temos! Por hoje acabamos pessoal! Obrigado.

As pessoas começaram a se dispersar e ele retirou seus fones e os colocou em uma mesa. No momento que ele se virou, viu Nina. E assim que botou os olhos nela ele deu o sorriso mais bonito que ela já tinha visto.

                                              CONTINUA…

O CAPÍTULO 36 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *