Capítulo 5 – Alternando Estações

Na segunda-feira de manhã Vitória estava mais empolgada do que o normal e investiu no look como nunca havia feito para o trabalho. Mais uma vez colocava em prática seu plano de mudança. Escolheu uma saia prata metalizada plissada na altura das canelas, uma camiseta básica branca bem justa no corpo e uma sandália com tiras que amarram no tornozelo. Para arrematar, uma bolsa Balenciaga preta e uma maquiagem leve apenas com olhos levemente esfumados em preto e batom vermelho.

Ela saiu de casa radiante e chegou ao escritório atraindo vários olhares. Ela trabalhava com um sorriso permanente e aparentemente involuntário no rosto quando o celular dela finalmente tocou.

– Alô.

– Oi! É a Vitória?

– Sim. Quem é?

– Eu sou Luna, tudo bem? Nos falamos na sexta. Se lembra de mim?

Nesse momento ela sentiu uma tremenda alegria invadir seu coração. A euforia típica que vem com uma ligação tão desejada e tão esperada. Teve vontade de gritar, mas se conteve na resposta:

– Olá Luna! Sim, me lembro de você. O que você decidiu sobre o teste?

– Decidi que quero tentar! Não lhe dou garantias de que vai funcionar pois nunca pensei em ser modelo, mas quero tentar.

– Que ótima notícia. Precisamos fazer um teste de fotografia com você e se der certo e o cliente te aprovar, você já estará na sua primeira campanha.

– Perfeito! E quando podemos fazer o teste?

– Tenho um pouco de urgência, pois já tem uma semana que esse briefing chegou e preciso passar a proposta até quarta-feira dessa semana.

– Eu estudo à noite, então posso de manhã e a tarde quando você quiser nessa semana.

– Vou checar a agenda e a disponibilidade dos fotógrafos e te retorno ainda hoje com uma proposta de data. Ok?

– Super ok! Estou realmente empolgada. Vou torcer para tudo dar certo.

– Vai dar. Aguarde minha ligação.

Vitoria desliga o telefone totalmente empolgada e corre para a sala de Veronica, sua chefe.

– Oi Vero, bom dia! Pode falar um minuto?

– Oi Vick, bom dia! Posso sim. Podemos ir no café? Ainda não comi nada hoje.

– Claro.

Veronica pega a carteira e as duas começam a caminhar juntas.

– Diga Vick.

– Encontrei um novo rosto! Uma menina que tem um futuro brilhante. Uma grande possibilidade de projetar nossa agência para um outro patamar. Ela pode ser uma Angel da Victoria’s Secret amanhã.

– Nossa! E onde essa aspirante a angel está?

– Ela ainda não está. Preciso fazer um teste de fotografia com ela. Como é a primeira vez que estou fazendo isso queria pedir sua autorização e o dinheiro para esse dia de testes. Não tenho orçamento para esse tipo trabalho.

– Se você vê todo esse potencial. Esta autorizada. Me traga as fotos para decidirmos juntas o potencial da nova modelo. Ok?

– Claro! Quero fazer o teste amanhã. Quer participar?

– Não! Confio em você. Essa semana está realmente complicada. Tenho outros compromisso fora da agência amanhã. Vai me mantendo informada.

– Vou sim! Preciso ir. Tudo bem tomar o resto do seu café sozinha? Agora que você disse sim, tenho muitas coisas a fazer!

– Claro! Vá ganhar o mundo.

E nesse momento Vitória já estava se levantando e se despedia feliz porque tinha todo o seu dia de testes traçado na cabeça.

Ligou para Manuela, a produtora que fazia coisas incríveis com pouco dinheiro, e agendou o teste para o dia seguinte. Na sequencia já ligou para Luna para avisar sobre a data.

O dia se arrastou tamanha era sua expectativa para o dia seguinte, e ela mal conseguiu trabalhar. O que a fez ir embora mais cedo. Aquele era o dia em que ela mudaria seu guarda-roupas e se expressaria com mais estilo e personalidade para o mundo. Era o dia de comprar roupas.

No caminho recebeu uma ligação de José, mas não atendeu. Preferiu manter sua estratégia de defesa evitando contato com ele enquanto tudo ainda estava um pouco nebuloso.

Na sequencia ele enviou uma mensagem.

“O que está acontecendo com a minha melhor amiga, com quem eu conseguia conversar dia sim e no outro também? Estou ficando muito preocupado e a saudade só aumenta.”

Ela ponderou sobre a sua resposta. E ainda, se responderia. Preferiu responder como se nada tivesse acontecido.

“José, estou muito ocupada no trabalho. É só isso. Não se preocupe.”

“Espero que seja somente isso.” Ele respondeu.

Quando chegou ao shopping encontrou a mãe, a irmã e o sobrinho, que já a estavam esperando. A companhia deles fazia daquela noite de segunda, uma noite ainda mais especial e também a ajudava a ficar menos ansiosa pelo dia seguinte.

Por causa da companhia empolgada para as compras ela comprou muito mais do que estava planejando. A mãe e a irmã ficavam a incentivando com frases como “Isso está lindo!” “Essa você precisa levar.” “Meu Deus ficou deusa.” E ela ia se iluminando a cada roupa que vestia.

No dia seguinte, já estava na portaria do prédio esperando por Arthur quando ele chegou.

– Bom dia, Dona Vitoria. Está muito bonita.

Ela vestia uma camisa branca sem mangas amarrada com um nó na barriga, uma saia longa preta, um belo colar de bolas grandes pretas e sapatilhas. Uma bolsa chanel preta com alça de corrente. Rabo de cavalo alto e uma maquiagem bem natural com batom vermelho e delineador.

– Obrigada Arthur! São roupas novas.

– Fez muito bem em compra-las! A Senhora está muito bonita.

Enfim seu plano estava começando a se concretizar e começando pela reação de Arthur, a primeira pessoa que a viu, já tinha indícios de que estava dando certo.

– São só roupas novas. Disse Vitoria de maneira tímida.

– A Senhora precisa aprender a receber elogios. Bom, para onde iremos hoje Dona Vitória?

– Acho que você tem razão Arthur! Para esse endereço. Disse mostrando a tela de seu celular. – Vamos buscar a Luna. Hoje ela fará testes para ver se começa como modelo na nossa agência. Depois de apanhá-la, vamos para o estúdio de Moema. Ok?

– Certo!

– Que tal escutarmos um pouco de música no nosso caminho? Pediu Vitória.

Arthur ficou surpreso com o pedido. Ela sempre pedia música, até que um dia parou e nunca mais pediu. Foi a zona cinza de sua vida que viveu após sua grande decepção amorosa e que já durava mais de 4 meses. Vitória parecia mesmo estar mudando. Tinha uma certa felicidade que parecia estar voltando para a vida dela.

– Que bom que a Senhora voltou a pedir a música. Eu senti falta da música nos últimos meses.

– Então coloque uma seleção das boas aí! Disse Vitória realmente empolgada.

E a música tomou conta do ambiente.

Chegaram para pegar Luna e em poucos minutos estavam dentro do estúdio. Nesse dia Vitória não era a acompanhante, era a cliente. Ela quem deveria pedir o tipo de roupa, de cabelo, maquiagem e postura de foto. Ela se deliciava com isso. Já tinha tudo planejado e estava munida de referências quando foi falar com o maquiador.

– Oi Wagner, bom dia!

– Bom dia Vick! Você está uma arraso com esse look!

– Ah obrigada! É só uma roupa nova.

– Amor, estou falando de tudo aí! Não é só da roupa. Linda!

– Obrigada!! Agradeceu já com as bochechas coradas pela timidez. – Essa é a Luna. Ela fará um teste hoje. Nunca trabalhou como modelo e essa é a primeira sessão de fotos dela.

– Bom dia! Prazer Luna. Seja bem-vinda. Disse Wagner cordialmente.

– Obrigada! Um prazer te conhecer. Respondeu Luna.

– Agora me diz no que você está pensando para a produção? Ele perguntou para Vitoria.

– Eu gostaria de 4 seleções distintas de fotos. A primeira com uma maquiagem bem natural, cabelo solto e calça jeans e camiseta branca. Uma outra com roupa de praia e maquiagem bem natural, mas mais radiante. Na terceira, uma maquiagem mais produzida com foco nos olhos com cabelo solto e uma maquiagem produzida com foco na boca com cabelo preso. A roupa não é importante nas duas últimas, então quero do colo para cima. O foco será o rosto.

– Perfeito! Vai ser uma delicia trabalhar essa belezura toda. Você é lindíssima Luna.

– Obrigada! Respondeu tímida.

– Bom, vou deixar vocês aí e vou conversar sobre as fotos com o fotógrafo. Em quanto tempo você acha que conseguimos começar com a primeira sessão de fotos? Pergunto.

– Em 30 minutos.

– Perfeito. Estarei esperando por vocês no estúdio.

Quando Luna chegou estava deslumbrante e muito tímida, mas passados os primeiros 10 minutos e ainda com ajuda da simpatia do fotógrafo ela se soltou e começou a brilhar em frente às câmeras como se fizesse isso há tempos.

“Meu Deus, essa menina nasceu para isso.” Pensava Vitoria muito feliz com o resultado que estavam conseguindo até aquele momento. Seu sorriso ia de orelha à orelha e ela mal conseguia fechar a boca de tão encantada que estava ficando com tudo.

O dia foi passando e Luna crescendo cada vez mais em frente das lentes de Caio, um fotografo ainda jovem começando sua carreira que era muito talentoso e gentil, além de muito competente. Wagner e Vitória acabaram ficando muito próximos durante todo o dia e falavam de diversos assuntos além dos temas trabalho. Vitória admirava muito o trabalho de maquiagem que ele realizava com os mais diversos públicos, incluindo travestis. Ele dava alma para as pessoas através da maquiagem. Ele garantia que com ajuda da maquiagem cada um poderia ser o que quisesse.

O dia terminou e tudo aconteceu conforme o planejado. Vitoria levou Luna para casa e pediu música novamente para Arthur até a sua casa. Ela estava feliz com a qualidade do material que havia conseguido produzir e muito ansiosa pelo que estava por vir.

No dia seguinte, as fotos chegaram antes de Vitoria no escritório. Ela fez uma pré-seleção do material e marcou uma reunião com sua chefe Veronica para que ela aprovasse a entrada de Luna na agência como modelo.

A reunião foi um tremendo sucesso e Vitória recebeu muitos elogios por sua descoberta. Veronica ficou tão satisfeita, que deu para Vitoria uma nova função, além daquela que ela já exercia. Ela seria oficialmente uma caça talentos.

Ela saiu eufórica da sala de reuniões e correu para a sua mesa para enviar a proposta de modelo pendente para a campanha da joalheira. Apenas 10 minutos após o envio da proposta para o cliente, chegou uma resposta por email.

“Vocês não poderiam ter feito um trabalho melhor que esse. Não é possível que a Luna seja um novo rosto. Ela parece uma profissional. Sua beleza atende com precisão nossa proposta para essa campanha. Estão todos de parabéns! É um prazer trabalhar com vocês.

A Luna está aprovadíssima.

Abraços,

Michel W.

Gerente de Marketing”

Vitoria lia e relia a mensagem muito satisfeita. Era a primeira vez no trabalho que recebia um email desses. Afinal, ela estava deixando de ser invisível.

Ela se apressou em ligar para Luna para dizer que ela estava aprovada e que agora era oficialmente modelo da agência e também a informou que tinha ganho a campanha de joias. As duas vibraram muito com a notícia. Combinaram a assinatura do contrato para o dia seguinte, quando Vitoria lhe informaria data e horário do shooting da campanha da joalheria.

Vitoria seguiu com sua agenda do dia e quase na hora de ir embora, Veronica a chamou em sua sala.

– Oi querida, tudo bem? Parabéns pela sua descoberta e pela nova função que ganhou. Entre! Já foi falando Veronica quando Vitoria chegou em sua sala.

– Muito obrigada! Por tudo. Pela confiança principalmente.

– Você merece. Tenho acompanhado seu esforço ultimamente para sair da caixa e fazer coisas mais relevantes. E por todo trabalho bem feito, pensei em uma forma de retribuir e te recompensar. Por isso você foi a escolhida para representar nossa agência no fashion week de Paris.

– Meu Deus! Não acredito. Eu?

– Sim você! Parabéns. Sei do seu amor pela moda e com a sua nova função, faz todo sentido você ver os rostos que estão nas passarelas de Paris.

– Muito obrigada Veronica. Não sei nem como te agradecer.

– Continue fazendo esse excelente trabalho. Agora vai para casa. Vai aproveitar o resto do dia.

– Nossa! Obrigada! Vou mesmo. Vou comemorar.

Ela já estava saindo fechando a porta quando Veronica gritou de sua mesa:

– Ah! E estou adorando esses novos looks. Combinam com você e te deixam ainda mais linda do que já é.

– Obrigada! Disse com um sorriso na voz.

“Realmente parece que tudo está melhorando. E afinal, não sou mais invisível, pelo menos não totalmente. E também não são somente roupas novas. Essa sou a nova eu, que já existia debaixo de tanto caco de vidro depois que tudo se quebrou.”

Pensava ela, muito satisfeita, enquanto pegava a sua bolsa para ir embora para casa ainda em companhia do sol.

Ela se sentia tão animada que resolveu sair para comemorar e dançar, não importando ser um dia de semana. Sentia saudades de Tatiana e José e queria compartilhar sua felicidade com eles. Ela estava colocando tudo no lugar e José não poderia estar de fora dessa história. Antes de ligar para os amigos, ligou para um amigo que promovia festas e pediu indicação de um bom lugar para ir naquela noite. Ele indicou uma casa noturna recém inaugurada e ainda ofereceu VIPs. Não poderia ser melhor. Já com as entradas garantidas, finalmente ligou para seus amigos.

Ela já os esperava na porta quando José chegou. Ela parecia ter miragem e via ele em câmera lenta. Ele parecia estar dentro de um filme de Hollywood, onde caminhava confiante depois de ter feito algo relevante para o mundo. Tinha algo radiante nele. Ela se perdeu, admirando José, quando ele chegou interrompendo seus devaneios.

– Oi Vick! Que bom te ver. Disse enquanto abraçava a amiga.

– Oi José. Tudo bem? Respondeu mais fria do que queria parecer. Porque continuava a sentir o que não deveria por ele e isso a martirizava.

– Hey o que está acontecendo com você? O que está acontecendo com a gente? Te fiz alguma coisa? Ele protestou à frieza dela, passando a mão em seu rosto.

– Não é nada José.

– Como não é nada? Você tem me tratado de maneira fria. Como se tivesse aversão de mim.

– Aversão? Muito pelo contrário. Estou te querendo mais do que deveria.

– O que você disse? Espantou-se José. – Acho que não te entendi bem.

– Foi isso mesmo que você ouviu. E esse é o meu problema.

E antes que ele dissesse qualquer coisa, foram interrompidos por Tatiana e Tato que chegavam para se juntar a eles.

Vitoria fez uma cara tipo “precisamos mudar de assunto” e José uma cara tipo “Ok, mas você não escapa dessa conversa mais tarde.”

– Vamos comemorar! Disse Vitoria quebrando o silencio constrangedor que a chegada do casal tinha trazido.

Eles se cumprimentaram festivamente, como se não se vissem há tempos.

– Qual o principal motivo da comemoração? Perguntou Tatiana empolgada.

– Vou para Paris acompanhar o Fashion Week e achei um novo rosto. Fiz algo realmente relevante no trabalho. Estou feliz! E vocês vão se casar. Dizia eufórica Vitória enquanto abraça Tatiana e Tato ao mesmo tempo.

Já dentro da danceteria Vitoria propõe que comecem tomando shots de tequila e toda a animação dela é proporcional ao semblante preocupado de José que não consegue tirar o diálogo deles da cabeça.

O fato de ela ter dito o que estava sentindo, fazia ela se sentir mais leve e ainda mais feliz.

Naquela noite a vida parecia perfeita e Vitória se sentia invencível. Abraçava seus amigos, dançava como se tivesse 2 corações e fosse uma atleta que corria maratonas. Ela estava conseguindo a voltar a ser quem ela era.

Lá pelas tantas, depois de muitos shots de tequila estavam todos muito alterados pelo álcool e entre eles só havia motivo para felicidade. José deixou que Vitoria aproveitasse a noite. Fazia tempo que ele não a via tão feliz. Não queria ter nenhum tipo de discussão com ela, apesar de as palavras dela estarem martelando a sua cabeça.

Já exaustos, perto da hora de ir embora, Tatiana e Tato foram pagar a conta e deixaram Vitoria e José sozinhos, sentados lado a lado. Os dois ficaram em silêncio por alguns minutos. Uma tempestade de pensamentos passava na cabeça dos dois, quando finalmente José começou a falar:

– Vick, o que você quis dizer com: “Eu estou te querendo mais do que eu deveria?”

Ela ficou alguns segundos parada, olhando para frente, como se pensasse na resposta que daria para ele. Respirou fundo e olhou para ele.

– Eu quis dizer exatamente o que eu disse. Estou gostando de você de uma maneira estranha. E não estou sabendo como lidar com isso. Queria te dar um beijo agora.

E enquanto falava isso, totalmente encorajada por toda tequila que tinha tomado, ela foi em direção a ele totalmente disposta a beijá-lo. Ele ficou estático e perplexo com o que estava acontecendo e sem conseguir raciocinar muito bem, porque também estava sob efeito de muita tequila, afastou Vitoria com as mãos.

– Hey, o que você está fazendo? Não devemos fazer isso. Você está carente e certamente está confundindo as coisas. Um beijo pode complicar demais as coisas.

Ela se entristeceu pela reação dele. Ele tinha razão. Mas não era exatamente razão que ela esperava dele. Então achou que seria mais digno se levantar e sair dali. Ele tentou segurá-la pela mão, mas ela seguiu em frente.

Quando Tatiana e Tato chegaram encontraram José sozinho.

– Cadê a Vick? perguntou Tatiana.

– Eu não faço a menor ideia. Respondeu José totalmente consternado.

– Como assim? Não faz a menor ideia? Se indignou Tatiana.

– Ela levantou e saiu.

– Sem dizer nada?

– Sim. Respondeu ele já monossilábico preferindo não comentar o que de fato tinha acontecido.

Ficaram os três sentados esperando por um sinal de Vitoria, sem conseguir falar com ela pelo celular.

Enquanto isso, Vitoria esbarrava em Eric, o fotografo famoso. Ele, como da última vez, se encantou com ela mas não a reconheceu. Nem dos estúdios e nem da última noite que estiveram juntos.

– Você não me reconhece mesmo? Disse Vitoria para ele quando eles estavam prestes a se beijar.

– Como assim? Já nos vimos antes?

– Sim! Ficamos juntos na sexta-feira passada no NOW.

– Como eu posso não me lembrar de você. Preciso procurar um oftalmologista.

“Senso de humor…. hum.” Pensava ela enquanto ele falava. E sem dizer mais nada estava aos beijos com ele.

Ela se sentia feliz naquele beijo, aliviada por ter um homem tão interessante que a queria quando José não a quis. E no meio de um beijo uma mão tocou as costas dela.

– Hey, o que você está fazendo? Perguntou José possesso.

– Estou ficando com quer ficar comigo. Respondeu ela.

– Você vem com a gente? Ele perguntou.

Ela respondeu apenas com a cabeça dizendo que não iria com eles e ele saiu indignado.

– Você quer me enlouquecer. Só pode ser isso. Disse José enquanto já virava de costas.

Como se nada tivesse acontecido, Vitoria voltou para Eric.

– Onde estávamos mesmo? Disse ela.

– O que houve? Você tem algo com ele? Perguntou Eric.

– Nada ele é meu amigo.

– Ele parecia estar bravo. Ciúmes talvez?

– Impossível. Ele não sentiria ciúmes de mim.

– Deixa ele pra lá então.

Ficaram ali mais alguns minutos até que Eric perguntou:

– Está bem tarde e acabei tendo uma ideia aqui. Vamos ver o por do sol juntos?

Isso era algo bem especial para Eric e ele não entendia porque, mas queria fazer isso com Vitória. Não queria sexo. Queria a companhia dela.

– Por do sol? Ou é uma desculpa para me levar para cama?

– Somente o por do sol. Vai ser legal, prometo!

– Então quero só ver.

E foram juntos embora.

Continuaram com beijos, mas não fizeram sexo e terminaram a noite exatamente como todas as noites terminam. Com o nascer do sol.

CONTINUA…

O CAPÍTULO 06 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *