Capítulo 8 – Quando o improvável acontece

Toca o interfone da casa de Malu. Eram 6 horas da manhã do sábado. Ela acorda assustada e corre para atender com seu coração saindo pela boca. Era o porteiro dizendo que Vitor estava na portaria e queria subir.

Sem entender nada, pensando que poderia estar sonhando, autoriza a subida dele. Só acredita que não estava sonhando quando Vitor entra pela porta.

– Ai Maluzinha ainda bem que você atendeu. Eu não tinha para onde ir e preciso contar para alguém o que está acontecendo comigo. Ele disse correndo para abraçar ela.

– Nossa Vit! Estou preocupada. O que aconteceu?

– Ai, não sei nem por onde começar a te contar o que aconteceu, ou melhor o que está acontecendo.

– Meu Deus Vitor! Por favor, você está me matando.

– Você sabe que nunca estive com uma mulher e o quanto sou apaixonado por Edu. Certo?

– Certo! Malu concorda enquanto fazia um café do jeito mais tradicional, despejando água quente sobre o pó em um cuador de pano. Nesse momento o cheiro do café tomava conta de todo o ambiente.

Enquanto devorava um pedaço de bolo de chocolate, Vitor volta a falar sem ao menos tomar ar entre as palavras.

– Sou a favor do amor e sempre respeitei muito o Edu e cuidei da nossa relação. O ponto é que aconteceu uma coisa que está me tirando o sono. Eu beijei uma mulher. E não foi qualquer mulher. Foi a minha cliente, que me contratou para fazer os doces de seu casamento. EU BEIJEI UMA MULHER QUE VAI SE CASAR! E eu não pude evitar. Essa mulher mexeu com os meus hormonios de um jeito que eu nunca serei capaz de entender ou explicar.

Malu não consegue acreditar no que está ouvindo. Vitor não só nunca tinha manifestado interesse por nenhuma mulher como também sempre amou e respeitou muito o Edu. Ela não sabia o que dizer. Estava perplexa. Em resposta à cara descrente de Malu, Vitor segue falando:

– Tudo foi muito rapido, muito louco e muito intenso. Ela se chama Valentina. É uma mulher deslumbrante. Me ligou no começo desse mês me pedindo uma proposta de doces para o seu casamento que vai acontecer na praia daqui a 2 meses. No dia em que nos conhecemos eu senti uma coisa estranha e ela também. Mas nenhum dos dois reagiu a isso ou tocou no assunto. Como você sabe, meu escritório de confeiteiro gourmet fica em casa. Ainda não estou com todos os pés nesse mundo e por isso não tenho um escritório, portanto recebi ela na minha casa algumas vezes. Começamos a nos tornar amigos. Ela é uma pessoa deliciosa. Nos conectamos de cara. E ontem, dia do meu aniversário, ela esteve em casa e na hora em que ela estava indo embora, ela parou diante da porta aberta e se virou em minha direção. Uma onda de calor percorreu meu corpo e de repente aconteceu o beijo. Depois do beijo ela foi embora sem dizer uma palavra e estamos desde então trocando mensagens com conteúdos nada profissionais, falando sobre trabalhos que temos a terminar. E eu gostei. O beijo correspondeu todas as minhas expectativas.

– Vit! Não acredito que você beijou outra pessoa e muito menos que essa pessoa é uma mulher. Mas você está apaixonado? Ainda quer ficar com o Edu? Ainda gosta de homens?

– Sim. Ainda gosto de homens e principalmente do Edu. A única mulher na história da minha vida que me despertou algum desejo foi a Valentina. E foi surreal e delicioso. Mas é sexual. Puramente sexual. Não quero que ela desista do casamento e não penso em deixar o Edu por ela. Mas também não paro de pensar em fazer sexo com ela.

– Entendi. É apenas sexo e apenas com ela. Cadê o Edu? Ele sabe que você está aqui?

– Ele foi visitar os pais no interior e sempre que ele vai não posso ir, porque você sabe bem que ele me esconde dos pais. Ele não contou para os pais até hoje que é gay. Isso me mata sabia? É claro que eles já sabem. Ele só precisa contar.

– Dê tempo para ele. Nem todo mundo é bem resolvido como você! Ele viajou agora de madrugada?

– Sim. Saiu as 5h para pegar o avião e eu não consegui voltar a dormir e corri para cá. Não sinto que estou fazendo algo errado, mas estou totalmente inquieto com essa história. O que você acha?

– Vit, eu acho que você precisa respeitar o que sente e realizar os seus desejos. Acho de verdade que você e o Edu são totalmente apaixonados um pelo outro. Que o que vocês tem juntos não pode ser destruído por uma mulher que aparece do nada. E ela vai se casar. Talvez você tenha sido a despedida de solteira dela. Talvez você esteja vivendo a crise dos 30 e poucos anos. Talvez ela seja uma mulher muito gostosa aos seus olhos e tenha te provocado. Acho que você deveria pensar se segue ou não em frente com essa história, porque sexo deixa as coisas mais complicadas. Mas também sei que no seu lugar, eu ia querer transar loucamente com ela, porque só você é capaz de entender o estrago que essa vontade está fazendo dentro de você. Mas preciso, como sua amiga, ser o lado sensato dessa história. Deixa ela se casar. Faça lindos doces para o casamento dela e vai para uma praia bem paradisíaca com o Edu, fugindo dessa confusão e resgatando o que acalma seu coração. Se você não questiona o fato de seguir sendo gay e amar o Edu, acaba com essa loucura sexual. Nem você e nem a Valentina precisam disso agora. A situação é muito complicada.

– Você tem toda razão! Preciso dar um basta na história. Diz Vitor tentando parecer convincente.

– Imagine que ela te ligue agora dizendo que não pára de pensar em você e que vai jogar tudo para o alto, cancelar o casamento, para vocês ficarem juntos. O que você responderia para ela?

– Que ela não deve fazer isso, porque eu não vou me separar do Edu e que o nosso lance foi um surto sexual na minha vida.

– Muito bem! Então você já tem a resposta. Entregue esses doces e vai para o Caribe! Você está mesmo precisando de umas férias. Supreenda o Edu, como ele sempre faz com você.

– Malu você tem toda razão. Preciso encerrar essa história.

– E pensa como esse segredo pode ser divertido. Faça com que isso se torne divertido para você! Ai meu amigo, só você para me trazer uma história dessas. Você certamente é meu amigo mais interessante.

– Vou continuar te dando notícias sobre o assunto e vou tentar parar de alimentar isso.

– Pelo seu bem, tente mesmo!

– Agora me mostra seu anel! Não consegui ver direito ontem. Pede Vitor mudando completamente de assunto.

Malu aponta a mão direita exibindo o anel para o seu amigo.

Vitor segue falando:

– O anel é lindo. O pedido foi delicioso. O Rodrigo é um grande homem, mas ele deveria estar aqui né? Minha amiga, você está preparada para se casar com um homem que vai te deixar tanto tempo sozinha? Você acredita de verdade que ele vai mudar? Essa é a vida dele! Você acha justo mudar parte de alguém para esse alguém combinar com você? Ou você está disposta a viver com isso? Porque ultimamente isso estava fazendo você sofrer muito.

– Vit! Tenho esperanças que ele escolha a mim. E de verdade, acredito que esse anel é um pedido de paciencia e tenho esperança sim de que ele vai dar o que estou pedindo. Mais tempo e prioridade.

– Meu bem, eu acho isso bastante improvável. Mas vamos dar um voto de confiança para ele. Você tem razão.

– Vou dar tempo ao tempo. Agora, vamos aproveitar que acordamos cedo e levar o Dali dar uma volta no parque? Pergunta Malu mudando completamente de assunto.

– Excelente ideia! Uma caminhada e um pouco de ar puro me ajudarão a colocar as ideias no lugar.

Estavam caminhando no parque há quase 2 horas e param para tomar um suco. Toca o celular de Malu. É Grazi ligando.

– Oi Grazi!

– Oi Maluzita. Que sucesso de anel ontem hein amiga! Vou querer um parecido no dia que eu tiver um candidato a marido! E por falar em candidato a marido, dormi com Pedro essa noite. Que homem é esse, meu Deus? Obrigada por ter me apresentado ele.

– Então vocês divertiram? Que bom! Malu responde tentando ao máximo parecer animada. Mas ela estava morrendo de ciúmes.

– Mais que diversão Malu. Foi realmente demais. O único problema é que ele deixou muito claro que não quer nenhum compromisso. Falou que sou a primeira mulher que ele fica desde que se separou e que todo o processo não tem sido fácil.

– Não tem sido mesmo Grazi. Você precisa ter paciência. Diz Malu.

– Vamos fazer algo hoje à noite? Você poderia convidar ele.

– Grazi, vai com calma. Vai assustar ele. Deixa ele te ligar.

– Tem razão! Mas vamos fazer algo à noite mesmo assim?

– Sim! Vamos combinar algo. Estou no parque com o Dali. Depois do almoço te ligo e combinamos. Preciso ir. Beijo

Malu desliga o telefone suspirando. E Vitor na hora pergunta:

– Ela ficou com o Pedro né?

Malu diz sim apenas com a cabeça.

– E você não está gostando nada disso né? Continua Vitor.

Malu diz não com a cabeça.

– Mas você vai se casar e nunca disse nada sobre os seus possíveis sentimentos por Pedro para ninguem. Certo?

– Certo! Você tem toda razão. Eles são livres para ficar um com o outro e estou noiva. Da mesma forma que você beijou uma mulher eu me sinto estranha em relação a tudo isso. Não é difícil entender né?

– Nem um pouco difícil de entender meu bem. E eu já havia te dito isso. Mas agora está feito. Você vai se casar com o Rodrigo e a Grazi um dia talvez namore o Pedro. Você não pode fazer nada para mudar isso. A não ser queira muito mudar isso.

– Não quero mudar nada. Torço para que eles sejam felizes. Esse ciúme sem sentido vai passar. Tenho certeza.

Vitor dúvida. Mas concorda com a amiga pelo simples fato de ser isso que ela precisa ouvir naquele momento.

Perto do meio dia, o celular da Malu avisa sobre um compromisso a tarde que ela tinha esquecido totalmente. Era a comemoração do aniversário do Flávio. Ela não podia faltar e se sentiu mal por ter esquecido completamente o aniverário de uma amigo tão querido. A semana toda se falou nessa festa VIP do por do sol.

– Vitor, eu tinha me esquecido completamente da festa de aniversário de um amigo do trabalho hoje. Vou precisar ir para casa. Quero passsar no shopping antes da festa que começa as 14h, para comprar um presente.

– Claro meu bem! Vou aproveitar para dar uma organizada em casa e terminar os doces que preciso entregar para uma festa hoje no final do dia. Tenho uma tarde cheia.

– Tente não fazer bobagem meu amigo. Não faça nada sobre a Valentina. Nem a deixe, nem faça sexo com ela. Organiza seus sentimentos primeiro. Garanto que isso vai se resolver logo.

– Espero Maluzita! Porque esse desejo estranho anda me consumindo. Foi bom ter contado para alguém. Eu estava enlouquecendo guardando isso só para mim.

– Ainda bem que me contou. Conte comigo!

– Obrigado. Diz isso dando um abraço apertado na amiga que ele tanto ama.

Se despedem e voltam a pé, cada um na direção da sua casa.

Quando chega em casa Malu come um resto de saladas de frutas e liga para Rodrigo para convidá-lo para ir com ela à festa de Flavio. Seria uma ótima oportunidade para ele conhecer seus amigos do trabalho. Rodrigo agradece, mas diz que combinou de sair com seu melhor amigo Marcelo. E combinam de se encontrar à noite para jantar.

Malu veste uma calça jeans preta bem justa, combinada com botas na altura dos joelhos e saltos baixos, uma blusa de lã branca com caimento impecável costurada com fios bem finos de lurex prata. Fazia frio naquela tarde apesar de muito sol. Ela arremata o look com brincos de argola prata e bolsa de corrente pequena da Chanel, se maquia usando um iluminador marrom no lugar do blush, delineador precisamente passado nos olhos e batom vermelho. Ela ficava deslumbrante de batom de vermelho. Desde que conheceu Olívia o guarda-roupas de Malu ficou muito mais sofisticado e repleto de grifes que ela jamais pensaria em comprar antes. Olívia tinha o dom de fazer o caro parecer barato e de tudo aparentemente sem coerencia fazer sentido. Olivia é a pessoa mais persuasiva que Malu já conheceu e dona de muito bom gosto.

No elevador Malu arruma a franja no espelho e gosta da roupa que escolheu. Finalmente perdoava Olívia por tê-la feito gastar tanto dinheiro em tão pocuo tempo.

A festa estava deslumbrante. Flavio tinha fechado um restaurante que ficava no 30º andar de um prédio nos jardins. A vista era fascinante e o dia estava lindo e limpo, o que permitia que a vista alcançasse longe. O por do sol deveria ser muito lindo daquela perspectiva, pensava Malu deslumbrada. Enquanto o sol não se punha, as pessoas bebiam animadamente as bebidas caras que circulavam nas bandejas dos garçons.

Quando viu Duda, Malu correu para encontrá-la.

– Oi Duda, tudo bem? Eu estava louca para falar com você. O que aconteceu entre você e o Theo ontem, para ele ter merecido tomar aquele belo tapa na cara?

– Ah você viu? Não imaginei que alguém tivesse visto. Já era tarde e quase todo mundo tinha ido embora. Estávamos conversando e já tínhamos bebido um pouco demais da conta. Ele me atrai e eu morro de vergonha de admitir isso. Ele é um babaca, galinha, que se acha e é totalmente o oposto do que imagino para o homem dos meus sonhos. Ele não tem afinidade com nada daquilo que é importante para mim. Ele não acredita em Deus. Enfim, totalmente improvável. O ponto é que de alguma maneira ele me atrai e muito. Estávamos bêbados conversando e de repente começamos a falar umas bobagens sexuais. Ele estava curioso sobre a forma como a ioga me ajuda a sentir prazer. Eu achei graça e estava contando para ele. Ele enlouqueceu. Veio para cima de mim já enfiando a mão entre minhas pernas por baixo da minha saia, antes mesmo de me beijar. Achei tão abusado que a primeira reação que tive foi dar uma bela bofetada na cara dele. Desde que ele chegou aqui na festa não nos falamos. Não sei se ele está bravo ou ofendido. O ponto é que eu estou muito ofendida. Quem esse cafajeste pensa que é para me tratar dessa maneira?

– Nossa que ogro! Fez muito bem de esbofetear a cara dele. Mas logo ele? Nunca diria. Vocês dois me parecem tão diferentes. Totalmente improvável.

– E por ser totalmente improvável não irá acontecer. Esse homem nunca vai provar o meu gosto ou ver o que tenho por baixo da minha roupa. Nunca! Eu teria vergonha de apresentar ele como meu namorado. Agora me conta que anel é esse aí nesse dedo. Ele não estava aí ontem à noite. Comenta Duda com o objetivo de mudar de assunto.

– Fui pedida em casamento! Saindo da festa da Rebeca fui para o aniversário do meu melhor amigo e lá estava o Rodrigo para me fazer uma surpresa. E me pediu em casamento de uma maneira surpreendente e romântica. Na frente dos meus melhores amigos. Ela contou cada detalhe do pedido.

– Que máximo! Parabéns! Estou feliz por você. Duda diz isso e pede para Malu esperar porque vai buscar um drink.

Malu fica sozinha perdida em seus pensamentos olhando para o horizonte e nesse momento começa a tocar a música Lost Stars do Maroon 5. Ela ama a música e isso ajuda seus pensamentos a viajarem para lugares ainda mais distantes. Ela cruza os braços para espantar o frio causado pelo vento que fazia seu cabelo voar e o corpo se arrepiar. Nesse momento Pedro que observava de longe aproveita que ela esta sozinha e para ao seu lado, mas não interrompe seus pensamentos. Ficam os 2 ali por alguns segundos em silêncio aproveitando aquele momento. Até que Malu olha para ele e finalmente diz oi.

Ele dá um beijo na bochecha e retribui o oi dela, parecendo meio envergonhado.

– Beijei sua amiga ontem. Diz ele antes de dizer qualquer outra coisa.

– Já estou sabendo. Responde Malu.

– E o que você acha disso?

– Eu acho que você pode arrebentar o coração da minha amiga. Porque ao contrario de você que está começando agora a reviver o desafio da conquista para dormir com uma loira deslumbrante, ela está buscando um cara incrível, que certamente poderia ser você, para casar, ter filhos e um cachorro.

– Então você me acha um cara incrível? Pedro parece ter gostado dessa parte da fala da Malu.

– Sim, acho! Mas caras incríveis não fazem canalhices com loiras deslumbrantes românticas e espero que esse seja o seu caso e dessa maneira, seguirei te achando um cara incrível.

– Não vou fazer canalhice com ela. Ela é uma graça e sabe o que acabei de passar. Não me pareceu ter qualquer expectativa.

Malu olha profundamente para os olhos de Pedro e diz quase brava:

– Pedro, ela falou tudo o que você queria ouvir ontem. O que não quer dizer que seja verdade. E por mais que ela verdadeiramente sinta isso, ela pode se envolver de uma maneira cruel caso você não tenha interesse em namorar com a primeira mulher interessante, que você mal conhece, que apareceu na sua vida após o divórcio. O que estou tentando dizer é que no amor, nada é muito planejado por mais verdadeiras que sejam as intenções.

– Não vou machucá-la, mas não posso prometer nada para ela nesse momento. E como está a noiva? Feliz? Não imaginava que a veria sendo pedida em casamento. Tapando alguns buracos finalmente? Pergunta Pedro, mudando completamente o rumo da conversa.

– Vamos dizer que tapei um grande buraco. Mas ainda existem outros. O importante é que estou no caminho. Estou feliz!

– Fico feliz se você fica feliz. Diz Pedro levantando seu copo propondo um brinde e desejando boa sorte.

Nesse momento, chegam perto deles toda a turma de mulheres. Duda, que voltava com seu drink, Olivia e Priscilla. Pedro pede licença e Priscilla deixa as meninas e acompanha ele.

Malu aproveita para perguntar o que tinha acontecido entre Olivia e Flavio na festa. Sobre o beijo apaixonado, que parecia estar sendo correspondido que terminou antes de acabar com uma mulher correndo e um homem com cara de apaixonado, totalmente confuso, que não entendia nada do que estava acontecendo. E que parecia ter ficado ali parado, na esperança de que a razão da sua dúvida, voltasse assumindo que tinha enlouquecido e confessasse o seu amor.

– Nossa Malu, que visão mais romântica sobre tudo que aconteceu. Na verdade não foi nada disso. Ele foi bastante atrevido. Responde Olivia.

– Não parecia atrevimento, nem o antes, nem o durante e muito menos o depois. Ele gosta de você Olivia. E você parece gostar bastante dele também e parecia estar gostando bastante do beijo até surtar e sair correndo.

– Ele não podia ter me beijado ali. Não daquele jeito. Não no meio de uma briga. Aquele homem me tira do sério e a gente briga por tudo. O tempo todo. Não existe amor nessa relação. O amor não pode ser isso.

– Eu achei bem romântico e acho que amor não tem formato. E também acho que quando 2 pessoas brigam muito algo de especial tem entre elas. Pelo menos entre vocês dois parece ser assim. Porque se não é isso, por favor: O que você está fazendo aqui na festa de aniversário dele depois do beijo “roubado”?

– Malu, como posso amar um homem que me irrita? Pelo amor de DEUS? Não não amo ele. Não sinto vontade de beijar ele e achei um atrevimento gigantesco ele me beijar na frente das pessoas do escritório. Afinal nós trabalhamos juntos. Estou aqui por cortesia. Ele é meu amigo além de um parceiro no trabalho.

– Olívia, não tem nada demais vocês se beijarem e trabalharem juntos. Ninguém é chefe ou fornecedor do outro. Mas se você está dizendo que não tem nada além de uma relação de trabalho e um pouquinho de amizade, tudo bem.

Nesse momento Duda interrompe o diálogo que acontecia entre Olivia e Malu:

– Não acredito que rolou isso tudo e eu não vi.

– Você estava esbofeteando o Theo nessa hora. Diz Malu.

Elas morrem de rir. Olivia pergunta:

– Você bateu no Theo? Porque?

– Porque ele tentou me beijar de uma maneira muito vulgar e eu precisava impor alguns limites rígidos para ele. Quem ele pensa que eu sou? Algumas dessas meninas lindas e vazias que não se importam de serem tratadas como objeto? Eu não! Sou bem diferente de todas as mulheres que ele está acostumado a pegar. Comigo é tudo bem diferente. E é muito bom que ele saiba.

– Não acredito! E o que ele te disse depois disso tudo?

– Nada! Na verdade acho que parou de falar comigo. Não me disse nem oi hoje. Melhor assim.

Nesse momento, chegam perto das meninas Flavio e Pedro trazendo o garçom para servi-las de bebida.

– Daqui a pouco vamos ver o por do sol mais cosmopolita que vocês já viram. Gosto muito de vir aqui no final da tarde para colocar meus pensamentos no lugar. Diz Flavio olhando diretamente para Olivia. E na mesma hora ela desvia o olhar.

Muitos drinks e incríveis músicas depois, finalmente estão todos no enorme terraço espalhados em espreguiçadeiras ou em pé em volta da piscina, fascinados com a forma em que o sol rapidamente pinta o céu de um pantone de laranja, amarelo, vermelho e rosa. A cena era tão linda que todos ficaram em silêncio até o sol se por completamente. Malu amava esses momentos de contemplação, se sentia mais perto de Deus e isso a enchia de felicidade. Depois do espetáculo, um super parabéns e a festa de arrastava noite a dentro quando Malu resolve ir para casa, porque aquele final de semana estava animado e tinha combinado de encontrar seus amigos para celebrar o seu noivado.

Malu encontra seus amigos em um bar que tinha acabado de ser inaugurado. O lugar era sofisticado com iluminação âmbar, mesas quadradas de vidro e alumínio e sofás e cadeiras com estofados em veludos coloridos e estampados em diversas cores sóbrias e fechadas. Rodrigo aparece no final da noite. Eric vai com Heloísa, que participa de 2 eventos seguidos da turma, o que era bem inédito, Betsy vai com João. Grazi é a única desacompanhada e por isso não tira os olhos da porta, nem do seu celular, com a esperança de que Pedro apareça. Ela não se interessa muito pelo principal assunto da mesa: Casamento! Era tudo que ela não precisava. A namorada do Eric gostava do assunto. Ela olhava para Eric de maneira totalmente apaixonada. Tinham alguma cumplicidade para um casal junto a tão pouco tempo.

Já quase na hora de ir embora, depois de beber uma garrafa de vinho inteira, Grazi liga para Pedro, que não atende. Malu repreende a amiga, dizendo que ela precisava se valorizar mais.

Malu e Rodrigo passam o domingo debaixo das cobertas. Fazia muito frio e decidiram curtir a cama. Era a primeira vez que ficavam um bom tempo juntos depois do pedido de casamento. Malu aproveitou muito a companhia dele porque no dia seguinte ele ia viajar para um congresso fora do Brasil e ficaria a semana inteira fora.

Na hora de dormir, Malu coloca o despertador para tocar repassando em sua cabeça, a semana de compromissos no trabalho. No dia seguinte, apesar de ser segunda feira ia acontecer uma festa de comemoração de 20 anos da agência. Era um baile de gala com a presença de todos os seus clientes e de várias pessoas famosas com quem eles tinham contratos de trabalho. Ela estava bem ansiosa para essa festa e finalmente esse dia tinha chegado.

A segunda-feira de trabalho voou e o dia acabou às 15h porque as mulheres tinham que se arrumar para o grande baile. Durante meses tinham falado dessa festa. Parecia tão distante e de repente estava ali. Malu foi buscar o vestido que alugou e foi ao cabeleireiro para fazer as unhas e o cabelo.

Chegou um pouco depois do início da festa. Sua chegada foi digna de um conto de fadas. No momento em que entrou, muitos olhares se voltaram para ela. Parecia uma princesa. Vestia um modelo nude em cetim com decote sereia justo até a cintura costurado a uma saia de tule com volume. Tinha pontos de brilho costurados por toda a estrutura do vestido, um sapato alto que não aparecia embaixo da saia do vestido e que a deixava muito alta e para arrematar, uma pequena bolsa de mão sem alças. Cabelos presos num coque mais solto que permitia escapar alguns fios de cabelo. Uma maquiagem em tons nude levemente iluminada. Olhos esfumados em preto, cílios bem volumosos e um batom mate vermelho. Ela estava deslumbrante o que pôde ser notado por quase todo mundo no momento em que entrou no salão.

Além de todos os clientes e funcionários da agência, haviam muitas pessoas famosas. Mulheres belíssimas e homens charmosos. As revistas mais importantes do Estado estavam cobrindo o evento. Todos estavam bem vestidos e o espaço já estava cheio. Era um baile de gala com vestidos longos sofisticados e volumosos ocupando bastante espaço no salão. Olivia vestia um longo preto e branco com saia de tule e um coque de princesa alto na cabeça. Estava muito sofisticada. Priscilla um longo de cetim vermelho com decote muito profundo nas costas e fenda que colocava uma das pernas a mostra, cabelos soltos e ondulados com bastante volume. Duda elegeu um vestido de seda frente única branco com uma barra estampada em laranja, azul e violeta com desenhos de flores grandes que pareciam uma aquarela e no cabelo um coque lateral. Estavam todas muito bem vestidas e lindas. Os homens todos iguais, mas muito elegantes.

Logo depois da chegada de Malu, começou a premiação da noite. Naquele ano, eles criaram um premio de criatividade atrelado às estratégias de marketing diferenciadas dos clientes. Logos após o prêmio, começou um show da Maria Gadú. A ideia era criar um clima de alegria e tranquilidade, não de balada. Mas em festa com muita bebida e pessoas muito bem vestidas, as coisas geralmente saem do controle. Tinha muita gente dançando de maneira muito animada, conversando perto demais. Enfim, fazendo coisas que não se fazem em eventos do trabalho e que certamente vão causar vergonha no dia seguinte.

Muitas doses de uísque e taças de champagne depois, a festa segue animada e Theo comenta com Pedro:

– A Malu está bem gostosa hoje. Ela é bonita, mas nunca a vi tão bonita assim. Acho que escolhi a minha vítima dessa noite. Diz Theo brincando, mas de maneira muito vulgar.

– Cara! Isso não é jeito de falar de uma mulher. Se você chegar perto dela com essas intenções eu vou te dar um soco na cara.

– Você não seria capaz. Desafia Theo

– Tente para ver. Pedro responde e sai andando enquanto dá um gole longo em seu uísque.

Na mesma hora Theo vai atrás de Malu e começa a cortejá-la. Malu não entende e não dá abertura nenhuma para ele. Ela se preocupava pela amiga que estava interessada nele e que não falava com ele desde o tapa na cara. Sua amiga ficaria muito chateada se visse aquilo. Malu achava aquela abordagem muito estranha e vulgar. Naquele momento o homem lindo perdia completamente seu charme para ela. Ele estava bêbado e falava coisas que certamente se arrependeria no dia seguinte.

Malu dá graças à Deus quando Olivia e Flavio se aproximam deles. Eles finalmente tinham dado uma trégua às brigas e nunca mais falaram no beijo que tinha acontecido. Dançaram juntos como um casal apaixonado, mas seguiam se considerando somente amigos. Duda, se incomodava com a presença de Theo. Ele mexia com ela de um jeito que nenhum homem tinha conseguido, porém ela não tinha a menor intenção de alimentar seus sentimentos por um homem fútil como ele, por isso saiu da festa à francesa, sem se despedir de ninguém e Priscilla com seu longo vermelho estava sempre onde Pedro estava mais sedutora e bonita do que nunca. Ela não desistia. E ele pareceria que não resistiria aos seus encantos naquela noite. Ele dava bastante atenção para ela, mais do que normalmente dava.

A festa acontecia em uma casa do século XVIII, muita antiga. Uma das poucas sobreviventes em São Paulo atualmente. Era uma casa linda típica dessa época. Malu encantada com o espaço começa a caminhar em direção à uma grande varanda com vista para um enorme jardim. Theo a segue e Pedro vê. Conhecendo as intenções de Theo resolve ir atrás e esquece completamente de Priscilla.

No momento em que Priscilla fica sozinha, um homem mais velho, muito charmoso, se aproxima dela, oferecendo um drink. Era diretor de marketing de um dos clientes da agência. Ela aceita o drink e acabam descobrindo que eles tem amigos em comum durante a conversa. Apesar de não ter interesse nenhum por aquele homem, ela segue ali com ele porque de alguma maneira ele faz bem para sua auto estima que vem sendo constantemente destruída por Pedro. Que segue ignorando todo esforço de sedução por parte dela.

Malu já na esta na varanda quando chega Theo ainda mais bêbado, conversando mais perto dela do que ela gostaria. Ela sutilmente empurra ele, pede licença e caminha em direção à parte de dentro da casa. Ele a segue de perto, dá rapidamente um passo à sua frente e a encurrala num canto da varanda já do lado da porta que dá acesso à parte de dentro. Theo diz:

– Agora você não me escapa! Acabou o jogo de vem me pegar. E leva a boca em direção de Malu.

– Do que você está falando Theo? Pare agora mesmo com isso. Diz Malu, tentando empurrar ele que nessa hora já fazia mais força que ela. Sua impotência deixa ela desesperada. Theo, me solta! Você está fora de si! Me solta ou eu grito. Seus olhos arregalados de medo encaravam Theo. Ele não se intimidou e seguiu tentando beijar ela à força.

De repente alguém puxa Theo de cima da Malu. Era Pedro.

– Cara eu te avisei! E dá um soco na cara de Theo.

Quando Theo vai reagir, Malu entra no meio e impede que ele revide o soco em Pedro.

– Que horror isso tudo. Vamos encerrar por aqui por favor. E fingir que nada disso aconteceu. Diz Malu.

Os dois se encaram enquanto Theo passa mão na parte do rosto que foi atingida por Pedro.

– Ok! Chega dessa merda. Desculpe por isso Malu. Não sei o que deu em mim. Diz Theo, envergonhado. E nesse momento sai deixando os dois na varanda.

– Uma casa do século XVIII inspirou um duelo pela honra de uma donzela indefesa que está ainda mais linda vestida como uma princesa. Você está bem? Pergunta Pedro, depois da brincadeira para tentar aliviar o clima de tensão.

– Agora sim! Obrigada por defender minha honra cavaleiro. Responde Malu entrando na brincadeira.

A brincadeira funcionou e deixou Malu muito mais relaxada. Mas ainda assim ela resolve ir embora. A festa tinha acabado para ela. Se despede e agradece mais uma vez.

– Você vai para casa como? Quer que eu te acompanhe? Pergunta Theo.

– Não precisa! Você tem muitos clientes aqui para cuidar. E eu estou bem! Você já me ajudou muito. Obrigada.

– Você está muito linda. Uma pena ir tão cedo tirar esse vestido.

– Não é tão cedo assim e a meia noite acaba o encanto. Ou seja, em 8 minutos.

Nesse momento toca o celular de Pedro. Era Grazi ligando.

– Sua amiga está me ligando. Diz Pedro mostrando o celular.

– Então atende ela! Vou embora aproveitando que ela te fará companhia.

Malu dá um beijo na bochecha dele e vai embora. Dessa vez ele atende o telefone. Ela convida ele para passar a noite com ela e diz que está com saudade. A palavra saudade assusta Pedro, mas ainda assim ele aceita o convite e vai embora passar a noite com ela. Geralmente, depois que Malu vai embora, as festas perdem a graça para ele.

Malu já no taxi a caminho de casa, repassa a cena toda da varanda na cabeça. Ninguém nunca tinha defendido ela assim. O cuidado que Pedro tinha com ela, a fazia bem e feliz, como o cheiro de bolo e café da casa da avó que marcaram a sua infância. Nesse momento começa a tocar no rádio Lost Stars uma música que ela ama e que vinha escutando com frequência nos últimos dias. Aquela música embalava seus pensamentos e fazia ela repassar várias vezes a cena na sua cabeça. Conclui que nunca ninguém tinha cuidado dela como Pedro cuida, mesmo eles nunca tendo ficado juntos. Conclui feliz que ela tinha um grande amigo e que gostava demais dele.

Lost Stars🔊🎶🎶🎶

CONTINUA…

O CAPITULO 9 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEITA

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *