Já tive dias ruins e outros piores.

Dias seguidos de incerteza e medo.

Já tive dias que não tinha força para levantar da cama.

E dias em que quase perdi a esperança.

Já tive dias em que chorei sozinha.

Dias em que desejei outra vida ou ser outra pessoa.

Já tive dias de certezas, intercalados com dias cheio de dúvidas.

Já tive dias em que fiz bobagens, das quais me arrependi completamente.

E também dias de loucura, mas que faria tudo de novo.

Já tive dias inesquecíveis.

Já tive mais de mil vezes o dia mais feliz da minha vida. O dia do sim do emprego dos sonhos, o primeiro dia em Paris, o dia em que vi o mar da Polinesia Francesa pela primeira vez…

Já tive dias que pareciam intermináveis.

E dias que eu queria que durassem para sempre.

Dias em que tudo o que eu queria era banho e cama.

E dias que queria jantar com louça especial e taça de vinho.

Dias de dançar até amanhecer.

Dias de insonia implorando que amanhecesse.

Dias inspiradores de sol.

Dias de preguiça de frio.

Dias bons.

E dias ruins.

Dias em que percebi novos ciclos chegando.

E dias de despedida.

Já tive dias de perdas irreparáveis.

E dias de ganhos que trouxeram razão para o meu viver.

Dias em que tive certeza absoluta de que tudo daria certo.

E outros, que me apavoraram, me enchendo de medo por causa da incerteza.

Dias de planos.

Dias de brindes.

Dias de fazer promessas.

Dias de cumprir promessas.

Dias de refazer o pacto com Deus.

Dias de questionar o universo.

Dias de me apaixonar por mim mesma.

Dias de batom vermelho.

Dias de querer um saco para colocar na cabeça.

Dias em que queria dizer bom dia para desconhecidos.

Dias em que não quis atender a ligação da minha melhor amiga.

Dias de viver o inesperado.

Dias de gargalhadas.

Outros de choro.

Dias de angustia.

Dias de felicidade que transborda.

Dias de luta.

Dias de glória (como diz a música).

Todos esses dias me ensinaram algo ao dia seguinte.

Não há dia ruim que nunca acabe. Nem dia maravilhoso que dure sempre.

Esse vai e vem dos dias faz parte da vida. 

Um dia ruim, no fim, é só um dia ruim, onde tudo se resolve quando chega um novo dia.

Enquanto um dia bom, é um dia bom, que se faz eterno e inesquecível, mesmo quando chega um novo dia.

E no vai e vem dos dias, o que importa mesmo é o que fica depois que eles vão.

O Vai e Vem dos Dias e o que Fica Depois que eles Vão

Sabrina Almeida


Eu sou a Sabrina, mãe do Gabriel de 17 anos e do Guilherme e do Rafael de quase 8 meses, mulher do Alessandro. Para me apresentar, vou descrever as coisas que mais me fazem feliz, porque para mim, essa é a principal maneira de conhecer uma pessoa. E felicidade é o principal assunto desse blog. Ver o sorriso dos meus filhos no final do dia é o que mais me faz feliz. Não importa o quão difícil tenha sido o dia, os sorrisos dos meus filhos me fazem entender o que realmente importa e todas as angústias que ocupavam meu coração, de repente se evaporam e perdem completamente a importância. Olhar meu marido cuidando dos meus filhos e sentir que ele me ama com o melhor e o pior de mim, me faz feliz. Acalma meu coração, que antes era cheio de perguntas sobre ter realmente encontrado o amor e a pessoa certa. Ver meu marido amando os nossos filhos me dá a plena certeza de que tudo vai dar certo. De que nunca estarei sozinha. Que terei alguém ao meu lado para dividir o lado bom e o ruim da vida. Amar o que eu faço me faz muito feliz. Desde muito pequena eu sabia o que queria ser quando crescesse. Eu queria fazer coisas bonitas para as pessoas! Hoje eu trabalho todos os dias para fazer coisas bonitas para as pessoas. Ter minha mãe me apoiando no cuidado com os meus filhos me faz feliz. Ela faz as papinhas com a maior dedicação do mundo, dá dicas e conselhos preciosos, ajuda nas tarefas repetitivas e exaustivas do dia a dia. Ela dedica seu tempo mais precioso para mim e para minha família. Ter fé me faz feliz. Enxergar Deus nas coisas que são vivas, ver poesia no dia a dia, me sentir abençoada e protegida. Ter certeza de que tudo tem um propósito. Ter mais para agradecer do que para pedir. Ter muito o que celebrar. Ter a certeza de que tem algo, com uma força inimaginável, cuidando de mim e da minha família, me faz incrivelmente feliz. Tem muitos pequenos prazeres, pequenos luxos, muitos momentos de rir de perder o fôlego, que ajudam a complementar essa sensação de felicidade. Felicidade, que para mim, está nas coisas simples da vida. Ainda bem que descobri cedo, que é simples ser feliz e que para isso é preciso uma boa dose de coragem, de sorte e de dedicação. Quando eu decidi escrever, uma pessoa me perguntou: "quem te garante que as pessoas vão se interessar pelo que você escreve?" E a minha resposta é como vou concluir esse post de apresentação. Vou escrever para tentar ajudar as pessoas a ver diferentes perspectivas, rir no meio de um dia difícil ou enxergar poesia no dia a dia. E se eu conseguir tocar o coração de pelo menos uma única pessoa, já terá valido à pena.


Post navigation


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *