Capitulo 26 – Visita Surpresa

 Quando Ana chegou para tomar café da manhã, só estavam Mark e Sophie na mesa. Ela trazia uma mala de rodinha e sua mochila onde carregava o computador.

– Bom dia! Disse Ana quando chegou.

– Bom dia. Respondeu Mark. – Você vai viajar?

– Sim. Vou encontrar meus amigos na França. Respondeu ela.

Mark se chateou. Ele sabia que ela iria, mas ainda demoraria 1 semana. E ela ficaria poucos dias fora. Agora ele já não sabia quando veria Ana novamente. Ele quis perguntar quando ela voltaria. Mas achou melhor não dizer nada além desejar boa viagem.

– Boa viagem Ana. Disse ele friamente.

– Obrigada!

– Está certa em ir viajar Ana! A Europa tem muitos encantos. Não faz sentido você ficar perdendo o seu tempo nesse fim de mundo com quem não tem nada a ver com você. Não é mesmo Mark?

– Eu não tenho que achar nada. Nem você Sophie. Respondeu ele.

– Ficou bravo? Por que?

– Não vamos discutir na frente dos outros. Pediu Mark.

Ana começou a se chatear muito com aquela conversa a se sentia muito constrangida com a situação. Então perdeu a fome. Tomou apenas seu café com leite em um único gole e pegou uma maçã.

– Vou deixa-los a vontade. Disse Ana olhando para Mark.

– Boa viagem! Disse Sophie animada.

Mark não disse nada. Apenas acompanhou ela com os olhos até ela sumir arrastando a sua mala de rodinhas.

Assim que Ana saiu, Mark sentiu um buraco se abrir no seu peito. A sensação era tão forte que ele não conseguia disfarçar. Sophie se aborreceu.

– O que vamos fazer Mark?

– Sophie, eu tenho que trabalhar. Você pode passar o dia comigo lá prédio da administração.

– Nossa! Que excitante esse passeio. Disse Sophie ironicamente.

– Sophie, o que está acontecendo com você?

– Sou a mesma Mark! A Sophie de sempre. A mulher que gosta de viagens, jantares em bons restaurante, de ir para praias desertas, de explorar grandes cidades. A mulher que sempre combinou perfeitamente com você.

– Sophie, acho que essa conversa não vai nos levar a lugar algum. Eu realmente preciso trabalhar e preciso que você decida se vai comigo ou não.

– Vou! Vou com você. Se estou aqui quero ficar perto de você. Vamos parar de brigar e ficar bem um com o outro?

– Vamos. Respondeu Mark.

Sophie abraçou Mark.

– Não vou nunca mais brigar com você.

– Nem eu… Respondeu Mark. Mas a única coisa que tinha no coração dele naquele momento era Ana e o vazio que ela deixava no momento em que saiu.

– Então vamos! Disse Sophie mais animada! Vou apenas trocar de roupa.

– Por favor não demore. Pediu ele.

– Ok! Já venho meu amor.

Assim que Sophie saiu, os pensamentos de Mark foram para Ana.

“Onde será que ela está agora? Com quem estará? Quando volta? Eu não tenho sequer o telefone dela para saber como estão as coisas. Ela deve estar muito chateada com tudo isso… Eu não tive nem a oportunidade de dizer para ela o quanto me importo e me preocupo…”

Enquanto Mark se perdia em meio à varias perguntas e lamentações, Ana estava a caminho de Budapeste olhando a paisagem lá fora, com pensamentos barulhentos e sem falar uma única palavra. Ela parecia uma fugitiva e na verdade era assim que ela se sentia.

“Daqui a alguns dias, depois de alguns países, drinks e muita diversão, tenho certeza que terei esquecido de tudo isso…” Pensava ela, quase que transformando isso em uma prece para o universo.

Logo Ana estava em Budapeste e dessa vez tinha optado pelo aeroporto. Ela queria chegar rápido na França. Ela não via a hora de sair dali.

O voo foi tranquilo e ela logo estava desembarcando em Paris. Assim que saiu na rua e sentiu o vento tocar o rosto, ela lembrou de Mark e da versão incrível de Paris que ele tinha mostrado para ela.

“Não pense nisso! Não pense em Mark. Você está fugindo! Lembra?” Pensava Ana consigo mesma quando foi interrompida por Lara.

– Ana! Gritou ela chegando. – Que bom que antecipou a viagem. Teremos mais tempo para aventuras juntas!

– Oi Lara! Que bom que me aceitaram no meio da viagem romântica de vocês.

– Não fale bobagem! E resolvemos ficar mais 1 mês! Vamos curtir muito! Agora vem. O Caíque nos espera no carro.

– Carro?

– Alugamos um carro. Vamos para a praia!

– Agora?

– Sim bebê!!! Agora. Espero que tenha trazido biquíni.

– Acho que foi tudo o que eu trouxe.

– Que garota mais esperta! Como você está? Algo para me contar? Perguntou Lara enquanto já andavam em direção ao carro.

– Uma longa história, que não poderá ser contada no curto caminho até o carro.

– Ficou com o Mark!

– Ahã….

– E agora está fugindo dele!

– Acertou de novo.

– Aiiiii cabeça! Como assim? Quero saber tudo! Você vai me contar tudinho. Teremos tempo. Nosso caminho até a Riviera Francesa é bem longo.

– Ai que sonho! Nunca pensei que eu teria a oportunidade de conhecer tantos lugares em tão pouco tempo. Estou matando a minha sede de desbravamento.

– Isso! Coloca um sorriso nesse rosto lindo porque nossa aventura está só começando.

– Você tem razão!

– Oi Ana. Disse Caíque do lado carro esperando para colocar as malas no porta-malas do carro.

– Oi Caíque! Desculpe interromper a lua de mel.

– Que bobagem Ana! Estamos felizes que esteja com a gente.

– Obrigada Caíque!

Já dentro do carro eles começaram a viagem.

– Ana pode começar a contar. Exigiu Lara.

– Descobri que ele é neto da rainha da Inglaterra. Acredita nisso?

– O que???? Ana, ele é um príncipe?

– Sim! Filho de uma princesa.

– Isso é muito legal! Sabíamos da descendência nobre dele, mas eu não imaginava que era assim tão próxima da rainha. Cabeça, você ficou com um príncipe.

– Não acho que seja muito legal na verdade. Eu preferia que ele fosse alguém comum. Assim como eu sou. Quando viajamos para a região de Champagne, fomos fotografados no trem e publicaram em alguns jornais na Inglaterra. Por isso a avó ligou para saber quem eu era. E a noiva apareceu ontem do nada! Parece que a vida do Mark é totalmente monitorada.

– Deixa eu ver a foto!! Você saiu no jornal na Inglaterra!! Meu Deus! Isso é incrível.

– Acredita que nunca vi a foto.

– Não acredito!! Vamos procurar essa foto agora.

Lara começou a buscar no google e em segundos várias fotos de Ana com Mark apareceram.

– Cabeçaaaaaaa tem um monte de fotos suas aqui. E não sei se houve manipulação, mas tem uma foto onde ele te olha apaixonadamente. Com a seguinte legenda: “Quem seria a mulher para quem o príncipe olha desse jeito?” Morri.

– Me deixe ver.

Lara deu o celular para a Ana.

Ana não podia acreditar no que via. Agora ela entendia o que Mark quis dizer quando ele disse que ela entenderia a preocupação da avó se visse a foto. Mark olhava para ela enquanto ela dormia, de uma maneira que só alguém muito apaixonado olharia. A foto tinha poesia e por isso acabou deixando Ana hipnotizada olhando para ela.

– Agora trate de me contar o que aconteceu Ana! Quando vocês ficaram? Foi na viagem para a França?

– Na verdade na viagem não chegamos nem perto de ter qualquer coisa, mas quando voltamos acabou acontecendo. Ele me chamou para dar uma volta e deitamos na grama para ver o céu estrelado. Ele me levou no lugar preferido dele. E ali deitados, acabou acontecendo. Foi o momento mais romântico da minha vida. Preciso confessar que nunca senti nada parecido com isso na minha vida.

– Ai Cabeçaaaa, você está apaixonada.

– Não estou nada! Estou me divertindo. Estamos vivendo uma aventura. Ou melhor, estávamos vivendo uma aventura.

– Cabeça está sim! Agora por que você fugiu?

– Quando a Sophie apareceu de surpresa, o Mark ficou tão desnorteado que me senti invisível. Eu tinha acabado de ter o dia mais feliz da minha vida ao lado dele. Foi mágico, incrível, maravilhoso. E se transformou em pesadelo… ou em vida real. Eu não podia ficar ali olhando para eles depois de tudo.

– Ai amiga… tudo vai ficar bem.

– O que tiver que ser será. Como sempre digo.

E assim eles chegaram na estrada. Ana pensando no seu príncipe, que naquele momento estava com a noiva que tinha sido escolhida para ele, que vinha do mesmo lugar que ele e que era a pessoa certa para ele. Mas certo ou errado, Ana sentia que seu coração pertencia à Mark.

Na estrada os amigos conversaram sobre milhares de assuntos e Ana acabou se distraindo. Os assuntos do coração foram colocados de lado para dar lugar à alegria trazida pela empolgação com o que estava por vir.

No final do dia chegaram à Riviera Francesa. A noite estava fresca e eles tomaram drinks a beira mar. A bebida mais servida por ali era o espumante da marca da família de Mark. Tinham vários itens pelas ruas e pelas praias levando o nome da marca, nas toalhas, baldes de gelo para champagne, guarda-sol, placas, taças de bebida. Ana achava certa graça de ver aquilo tudo porque dessa maneira Mark se tornava presente em cada segundo dos dias e das noites da Ana. As noites ficavam carregadas de romance, e por mais feliz que Ana estivesse, era inevitável sentir saudades de Mark e desejar e desejar que ele estivesse ali. Na última noite, em que a promessa era aproveitar com os amigos e ficar acordada até o sol nascer, Ana sentiu uma saudade imensa de Mark, que acabou à levando direto para a cama.

Os dias ali no paraíso voaram e eles pegaram um trem para a Espanha, no trem Ana finalmente voltou para o seu blog. A última semana tinha levado toda a sua inspiração e sua vontade de interagir com os outros.

Quando ela abriu o blog quase caiu para trás. Ela tinha mais de 300 mensagens e mais de 5 mil compartilhamentos. O coração dela batia acelerado. Ela não podia acreditar no que estava acontecendo. Ela tentava se acalmar e pensava por onde começar para garantir interação com todos e o que fazer a partir dali.

Ela começou a organizar as mensagens até que uma fez seu coração voltar a bater mais rápido.

“Excelente artigo. Me senti vendo Paris sob a sua perspectiva e não vejo a hora de voltar a Paris para viver isso de novo.

Eu não sabia como entrar em contato com você, por isso te escrevo aqui.

Espero que esteja bem e se divertindo.

Espero que você leia e que me dê alguma notícia. Já tem 1 semana que não nos falamos e acho que temos muito a falar.

Por favor me de notícias e me diga quando volta.

E se volta…

Mark”

O coração de Ana seguia acelerado e ela lia e relia mil vezes a mensagem como se quisesse tentar encontrar algo decodificado ou algo assim. Mas mensagem estava muito clara. Ele queria notícias e queria ela de volta. Ela não sabia o que responder. Ensaiou algumas coisas, até que desistiu por completo de responder. Não publicou o comentário dele, para não gerar nenhum tipo de exposição e deixou para responder depois. Voltou para as pessoas desconhecidas que diziam coisas legais para ela e pediam dicas de outros países.

Para alguém que acabara de iniciar a sua exploração pelo mundo, ela estava se saindo muito bem.

– Hey, o que está fazendo? Está aí a quase 3 horas! Daqui a pouco chegaremos na Espanha! Está tudo bem? Perguntou Lara interrompendo a sessão de descobertas de Ana.

– Cabeça! Está tudo bem. Acho que meu blog vai ficar famoso. Um monte de gente falou comigo e compartilhou o conteúdo do blog. Ah e uma das pessoas que interagiu comigo aqui foi o Mark.

– Não acredito! O que ele disse?

– Leia aqui. Disse Ana colocando a mensagem salva em rascunhos visível para Lara poder ler.

– Estou chocada Ana. Ele parece gostar muito de você.

– Então porque ele não veio atrás de mim?

– Ana! Peloamor! Ele é um príncipe, mas isso não quer dizer que a história de vocês seja um conto de fadas. Ele trabalha! Ele não tem ideia de onde você esteja. Ele tinha uma vida antes de você chegar. Mas o que importa mesmo é que ele parece estar fazendo tudo que ele pode para falar com você e para dizer que se importa.

– Você tem razão.

– O que você respondeu?

– Não respondi nada.

– Acho que…. Lara ponderou. – … fez muito bem em não responder. Deixa ele ficar maluco querendo notícias suas.

– Isso! Estou no controle. Mesmo com o coração batendo fora do peito. Mesmo totalmente fora de controle.

– Boa Ana. Agora vamos dar uma volta. O Caique está nos esperando no bar. Prometemos que íamos nos divertir e vamos!

E assim as duas amigas foram abraçadas encontrar com o namorado de Lara que esperava por elas com shots de tequila.

– Cheers! Que siga a aventura. Propôs Caíque.

– Que siga a aventura. Responderam juntas Ana e Lara.

Os três viraram em um só gole seus shots de tequila.

A viagem seguiu tranquila e logo estavam desembarcando na Espanha. Eles aproveitaram o dia conhecendo os principais pontos turísticos de Madri. A noite Ana publicou seu terceiro post sobre a Riviera Francesa, um pouco antes de dormir. Ela fechava o computador para dormir quando recebeu seu primeiro comentário no post novo.

“Nossa já tenho uma mensagem! As pessoas estão mesmo acompanhando o blog.” Pensou Ana, sem caber em si de felicidade.

A mensagem era de Mark:

“Sua falta de notícia me aflige.

Por favor só me responda dizendo se está bem.

E se volta.

Precisamos conversar.

Mark”   

Ana seguia olhando para a mensagem. Ele parecia ainda mais aflito e ainda mais conectado com o único canal de contato que ele podia estabelecer com ela. Ela seguia sem saber o que responder e acabou não respondendo, mais uma vez. Ela começava a gostar da aflição que causava nele depois de toda a aflição que ele tinha causado nela.

A viagem pela Espanha durou mais alguns dias e além de Madri, foram para Barcelona. Ana seguia se apaixonando pelas novas paisagens, pelos novos artistas, pelas obras de arte nas ruas, por Gaudí e suas esculturas arquitetônicas, pela comida, pela Sagrada Família, por Picasso, pela sangria, drink popular na região, que relaxava e trazia felicidade instantânea, pela siesta e pelo ócio. Era mágico para Ana ver pessoalmente tudo aquilo pelo que era apaixonada, mas que só conhecia através dos livros. Depois da Espanha ainda visitaram Portugal com sua história, sua gastronomia farta, seus doces inesquecíveis, seus vinhos deliciosos, caminhadas na praia, visitas a lugares de fé, seu mais novo drink preferido, o porto tônica, acompanhando por do sol de tirar a fala, de tão bonito. Suas descobertas e distrações eram tantas que Mark começava a ter menos espaço em seus pensamentos. A companhia de Lara e Caíque era maravilhosa e as risadas eram garantidas. O blog seguia fazendo sucesso e Ana estava cada mais inspirada para escrever, produzindo conteúdos empolgantes e seu olhar cada dia mais treinado para capturar poesia nas suas fotos.

O próximo destino seria a Inglaterra e Ana não tinha a menor vontade de ir para Londres naquele momento, visitar a abadia, o palácio, ver a troca de guarda ou cruzar eventualmente com algum membro da família real. Então resolveu que era hora de voltar para casa, depois de vinte dias de viagem.

Ana se despediu de Lara e Caíque e pegou um voo para Budapeste. Seu coração estava em paz e ela estava feliz depois daquela viagem tão especial, mas a sua ansiedade crescia, cada vez se aproximava um pouco mais da Hungria. Já tinha mais de 10 dias que ela não tinha notícias de Mark. Ele simplesmente tinha desistido de buscar notícias dela. Por isso ela sentia um certo medo de ele ter desistido dela.

Finalmente ela chegou na Hungria e se sentia mais pronta do que nunca para encontrar novamente com Mark. Estava linda com seu bronzeado conquistado nos últimos 20 dias de praia regados pelo sol.

Ela pegou um taxi até Mad. E se sentia estranhamente voltando para casa. Era novo e excitante para Ana estar voltando para a Hungria e ter a sensação que estava voltando para casa.

Ela chegou ao entardecer e a vista estonteante da propriedade imponente dava muita tranquilidade para o coração dela. Até que ela se deu conta que era a hora que Mark costumava voltar para casa e o seu coração voltou a bater acelerado. O caminho entre o portão e a grande entrada da casa parecia ser interminável.

Quando o carro parou na frente da grande entrada da casa, Mark estava lá em pé esperando pela parada do carro. O corpo de Ana se arrepiou inteiro e ela perdeu o ar.

“Gente, mal anunciaram a minha chegada e ele já está aqui.” Pensava ela admirada por encontra-lo tão rápido.

Quando ela desceu, ele estava ali ainda estático.

– Espero que tenha feito uma boa viagem. Ele disse pegando a mala dela.

– Foi muito boa. Espero que tudo tenha dado certo por aqui.

– As coisas estão caminhando bem por aqui.

– Fico feliz.

– Me preocupei com você. Ele disse.

– Estou bem. Veja. Ana respondeu abrindo os braços.

– Estou vendo. Você parece muito bem. Ele comentou com os olhos sorrindo.

Ela ficou em silencio.

– Senti sua falta. Ele disse.

– Eu também.

– Por que não me respondeu Ana? Me deixou muito aflito.

– Eu não sabia o que responder. Ela disse desviando o olhar dele.

– Precisamos muito conversar Ana…

– Ana! Que bom que está de volta. Disse Elizabeth vindo na direção dela para abraça-la interrompendo completamente a conversa. – Nossa casa ficou triste sem você. Venham! Vamos tomar um café.

Eles entraram e logo foram servidos de café fresco e bolo de chocolate.

– Como foi a viagem Ana? Perguntou Elizabeth.

– Foi incrível. Conheci muitos lugares. Fui para várias praias da Riviera Francesa. Viajei de trem até a Espanha e lá conheci Madri e Barcelona. Depois fui para Portugal. Lara e Caíque seguiram para a Inglaterra, mas eu voltei para cá.

– Parece ter sido uma delicia de viagem. E você está linda, assim toda bronzeada. Elogiou Elizabeth.

– Obrigada tia Elizabeth! Minha mãe já voltou? Perguntou Ana mudando de assunto.

– Ela chega hoje à noite com a Agnes.

– Que bom! Estou morrendo de saudades dela. E por aqui? Como estão as coisas. Ana perguntou.

– Estamos começando a preparar a festa da Vindima. É um momento de muita alegria e de festa por aqui, mas que dá muito trabalho. Então estamos bem ocupados. Respondeu Elizabeth.

– O Mark me falou um pouco sobre a Vindima e achei incrível. Posso ajudar no que precisarem. Contem comigo!

– Vamos precisar minha querida! Ainda mais agora que o Mark ficará super ocupado treinando seu sucessor. Porque finalmente encontramos um. Empolgou-se Elizabeth.

– Que ótimo. Assim poderá voltar para sua vida daqui a 2 meses que é o que você mais quer. Não é mesmo Mark?

– Na verdade, não estou tão certo. Respondeu ele.

E nesse momento as vozes de Agnes e Ilonka ganharam o ambiente e antes que Ana se virasse para ver a mãe, duas mãos vendaram os olhos dela anunciando uma surpresa. Ana tateava as mãos, e fazia tentativas desastrosas de adivinhar quem era.

Mark olhava a cena enfurecido. Tinha um homem muito bonito, que parecia muito intimo de Ana, tentando surpreende-la dentro da casa dele.

– Gente! Não faço a menor ideia de quem seja! Disse Ana ainda apalpando as mãos misteriosas.

– Não acredito que já se esqueceu de mim. Disse o homem.

“Michel!!! Pensou Ana. E nesse momento começou a sentir que seu coração ia sair pela boca.

CONTINUA…

O CAPÍTULO 27 SERÁ PUBLICADO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *